2 de janeiro de 2017

25

Outra manhã.
Outra refeição.
Estou indo para o café da manhã encontrar Kenji antes da nossa próxima sessão de treinamento.
Ele chegou a uma conclusão sobre minhas habilidades ontem: ele acha que o poder inumano do meu toque é apenas uma forma evoluída da minha energia. E o contato pele a pele é simplesmente a forma mais crua da minha habilidade...
Que meu verdadeiro dom é, na verdade, um tipo de força avassaladora que se manifesta em todas as partes do meu corpo.
Meus ossos, meu sangue, minha pele.
Eu disse a ele que era uma teoria interessante. Disse a ele que sempre me vi como um tipo de versão doentia de uma planta carnívora, e ele falou:
— Ah, MEU DEUS. Sim. SIM. Você é exatamente assim. Caramba, sim.
Bonita o bastante para atrair a presa, ele disse.
Forte o bastante para apertar e destruir, ele disse.
Venenosa o suficiente para digerir as vítimas quando a carne entra em contato.
— Você digere sua presa — ele me disse, rindo como se fosse divertido, como se fosse engraçado, como se fosse perfeitamente aceitável comparar uma garota com uma planta carnívora. Elogioso, até. — Certo? Você disse que, quando toca nas pessoas, é como se estivesse pegando a energia delas, não é? Faz com que você se sinta mais forte?
Eu não respondi.
— Então, você é igual a uma planta carnívora. Você as puxa. Aperta. Devora.
Eu não respondi.
— Hum — ele diz. — Você é como uma planta sexy e superassustadora.
Fechei os olhos. Cobri a boca, horrorizada.
— Por que isso é tão errado? — ele perguntou.
Curvou-se para encontrar meu olhar. Puxou uma mecha do meu cabelo para que eu olhasse para cima.
— Por que isso tem de ser tão horrível? Por que você não consegue ver o quanto isso é incrível?
Ele balança a cabeça.
— Você está perdendo bastante, sabia? Esse poder poderia ser muito legal se você o dominasse.
Dominá-lo.
Sim.
Como seria fácil simplesmente apertar o mundo ao meu redor. Sugar sua força de vida e deixá-lo morto na rua apenas porque alguém me diz que eu deveria. Porque alguém aponta o dedo e diz: “Aqueles são os bandidos. Aqueles homens ali”. Mate, eles dizem. Mate porque você confia em nós. Mate porque você está lutando no time certo. Mate porque eles são maus e nós somos bons. Mate porque estamos dizendo. Porque algumas pessoas são tão idiotas que pensam mesmo que há grossas linhas em neon separando o bem do mal.
Que é fácil fazer esse tipo de distinção e dormir à noite de consciência tranquila.
Porque está tudo bem.
Tudo bem matar um homem se alguém julgá-lo inadequado para viver. O que eu quero mesmo dizer é quem diabos é você e quem é você para decidir quem deve morrer. Quem é você para decidir quem deve ser morto. Quem é você para me dizer qual pai devo destruir e qual criança devo deixar órfã e qual mãe deve ficar sem seu filho, qual irmão deve ficar sem uma irmã, qual avó deve passar o restante da vida chorando durante as primeiras horas da manhã porque o corpo de seu neto foi enterrado antes do dela.
O que quero mesmo dizer é quem diabos você acha que é para me dizer que é incrível poder matar algo vivo, que é interessante ser capaz de fazer uma armadilha para outra alma, que é justo escolher uma vítima simplesmente porque sou capaz de matar sem uma arma. Que quero dizer palavras más e palavras irritadas e palavras que machuquem e quero jogar exclamações ao ar e correr para muito, muito longe; quero desaparecer no horizonte e quero me largar à beira da estrada desejando que isso ao menos me leve na direção de algo parecido com a liberdade, mas não sei aonde ir. Não tenho outro lugar para onde ir.
E sinto-me responsável.
Porque há momentos em que a raiva sangra e some até não ser nada além de uma dor simples na boca do meu estômago e eu vejo o mundo e penso sobre suas pessoas e no que ele se tornou e penso na esperança e talvez e possivelmente e possibilidade e potencial. Penso em copos meio cheios e óculos para ver o mundo com clareza. Penso em sacrifício. E compromisso.
Penso no que acontecerá se ninguém lutar contra. Penso em um mundo onde ninguém se opõe à injustiça.
E pergunto-me se, de repente, todos aqui estão certos.
Se, talvez, está na hora de lutar.
Eu me pergunto se, em alguma situação, é realmente possível justificar assassinatos como meio para atingir um fim e, então, penso em Kenji. Penso no que ele disse. E me pergunto se ainda acharia meu poder incrível se eu decidisse fazer dele uma presa.
Acho que não.

20 comentários:

  1. AI MEU DEEEUS, ELA FAZ DRAMA DEMAIS CREDO...ela não tem q sair matando todo mundo, quando ela encosta por pouco tempo ela deixa a pessoa fraca... isso pode servir pra intimidar, e eles estão numa GUERRA, pessoas estão morrendo, a humanidade tá sofrendo já faz tempo, será q ela não pensa que "a maldição" dela pode ajudar outras pessoas se ela fizer bom uso... POR FAVOR, PARE DE SER TÃÃÃO VÍTIMA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. muuuuito drama ta ficando chata ja naam

      Excluir
    2. isso mesmo!!! poxa, ela ta a depressão em pessoa

      Excluir
    3. é só parar de ler queridas! ela ta certa ...

      Excluir
  2. TIROU AS PALAVRAS DA MINHA BOCA... MUITO DRAMA, VITIMISMO PURO

    ResponderExcluir
  3. Parem de a julgar

    QUE SACO ESSA MENINA A TRÊS ANOS .
    TUDO O QUE ELA PASSOU .
    DEVERIAM LER MAIS É DESCOBRIR O SIGNIFICADO DA PALAVRA VITMA

    ResponderExcluir
  4. Gente por favor né, d vítima a Juju não tem nada, ela é dramática, mas ela nunca se fez d vítima. Me pergunto quando o mozão vai brotar *-*

    ResponderExcluir
  5. Eu hein.. Vítima? Credo, todo mundo já sabe que ela é dramática! Saco! Pra. Quê. Repetir. Todo. Santo. Capitulo?

    * Lanna *

    ResponderExcluir
  6. DEIXA A MENINA FAZER DRAMA GENTE ... A JUJU EH ASSIM MESMO ...

    JUJU PODE FAZER DRAMA .. MAS TO ESPERANDO A SUPER MULHER BROTAR !

    < ISA >

    ResponderExcluir
  7. Nossa tó enjuada de tanto drama.
    Eu quero logo q comese a ação.
    O romanse.
    As partes engraçadas do livro.

    ResponderExcluir
  8. Eu só quero saber do Warner

    ResponderExcluir
  9. Cadê você, Warner???

    ResponderExcluir
  10. O livro só fica bom quando meu Warner aparece...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo Janne u.u Sem o Warner o livro é sem graça. Esse povo não a entende >___<"

      Excluir
    2. A claro q nao tem umas partes ate legais mais e claro q quando aparece o Warner e maravilhoso e da mo empolgaçao! <3

      Excluir
  11. Yesubai, a filha do vilão11 de abril de 2017 23:55

    Bonita o bastante para atrair a presa, ele disse.
    Forte o bastante para apertar e destruir, ele disse.
    Venenosa o suficiente para digerir as vítimas quando a carne entra em contato.

    "Você é como uma planta sexy e superassustadora."


    os comentários do kenji são os melhores kkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  12. O livro é assim!!!! Não vai mudar pq vocês estão reclamando. Aceita ou chora😋

    ResponderExcluir
  13. É... Que povo chato -___- Deixem a Juliette em paz! Ela pode fazer o drama que ela quiser 😒

    ResponderExcluir
  14. Juliette está mais do que certo. É essa banalização da vida, justificada pela guerra, que leva o ser humano a cometer atrocidades e genocídios. Todo mundo acha que tá do lado certo numa guerra, ninguém se vê como vilão, mas não há. É bom que o livro problematize isso.

    j.

    ResponderExcluir
  15. Quem e voce? ... Eu sou o Douglas moça!

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)