29 de dezembro de 2016

Capítulo 47

No dia seguinte, antes que eles desmontassem o acampamento e partissem, Malcolm insistiu em fazer um exame físico completo em Halt.
― Vamos verificar se você está apto para todo esse esforço ― disse ele. ― Tire a camisa e se sente aqui.
Ele indicou uma tora perto da lareira.
― Claro que estou apto para isso ― Halt disse-lhe vivamente.
Mas então ele percebeu que não iria vencer quando se tratava de teimosia. O curandeiro recuou e se pôs em sua máxima altura. Sendo um pouco menor que Halt, que não era a pessoa mais alta do reino, não era uma grande coisa. Mas o seu ar de autoridade acrescentou muito.
― Olhe aqui ― disse ele severamente. ― Seu ex-aprendiz arrastou-me quilômetro após quilômetro por esse país selvagem, montado em um cavalo louco, no meio da noite, para chegar aqui e salvar o seu miserável e ingrato corpo, o que eu fiz, sem reclamação ou hesitação. Agora eu pretendo terminar o trabalho que comecei – e não deixar terminar o trabalho que o genovês iniciou. Então, eu pretendo fazer um exame completo agora para ter certeza de que você está em forma novamente, e pronto para a pequena tarefa de confrontar cento e poucos inimigos com apenas duas pessoas para te ajudar. Está tudo bem para você?
Quando ele colocou dessa maneira, Halt teve que admitir que o curandeiro tinha um ponto. E ele sabia que devia sua vida ao curandeiro. Mas ainda assim, foi contra a natureza de Halt se submeter humildemente às ordens de alguém – como o rei Duncan havia descoberto em várias ocasiões. Ele jogou seu último desafio.
― E se não estiver tudo bem comigo? ― disse beligerante.
Mas Malcolm correspondia à sua atitude, andando para frente, para que sua face ficasse a poucos centímetros da do arqueiro.
― Então eu pedirei a Will para relatar o fato a esta lady Pauline de quem ouvi falar muito ― disse ele.
Ele foi recompensado por uma rápida centelha de dúvida nos olhos de Halt.
― E eu vou fazer isso ― Will chamou do outro lado do campo, onde ele estava sentado em silêncio por vários minutos apreciando o conflito de vontades entre estes dois homens teimosos.
― Bem, eu suponho que você poderia muito bem... ― Halt disse, tirando a camisa e sentando na tora.
Malcolm começou seu exame, perscrutando sua garganta. olhos e ouvidos, tocando-lhe no interior dos cotovelos com um martelo de madeira macio, colocando um tubo oco com uma extremidade em forma de sino nas suas costas e no peito e colocando o ouvido na outra extremidade.
― O que é isso? ― Horace perguntou.
Ele tinha se aproximado de acordo com decorrer do trabalho de Malcolm e agora estava a poucos passos de distância, observando com interesse, apesar da irritação crescente de Halt.
― Isso não é da sua conta ― o arqueiro rosnou um aviso.
Mas Horace não se deixou intimidar.
― O que você pode ouvir? ― ele perguntou a Malcolm.
O curandeiro escondeu um sorriso enquanto respondia.
― O coração e os pulmões dele.
Horace fez uma pequena careta de interesse.
― Sério? Como eles soam?
― Não é da sua conta como o meu coração e os meus pulmões soam ― Halt começou.
Mas Malcolm já estava incentivando Horace a se aproximar.
― Escute você mesmo.
Halt percebeu como era difícil manter a dignidade e autoridade quando alguém o estava cutucando, sondando e tocando em você, enquanto você estava sentado, meio vestido, em uma tora. Ele encarou Horace, mas o jovem guerreiro o ignorou.
Pisando ansiosamente, Horace aproximou o final do tubo em sua orelha, dobrando-se para colocar a outra ponta contra o peito de Halt. Seus olhos se arregalaram enquanto ele ouvia.
― Isso é incrível ― falou. ― Esse som é a batida de seu coração?
― Sim ― disse Malcolm sorrindo.
Como a maioria das pessoas, ele gostava de mostrar sua perícia em seu campo escolhido.
― É muito forte e regular.
― Eu digo que é!
Horace estava impressionado tanto pelo conhecimento médico de Malcolm quanto das fortes batidas volumosas do coração de Halt que foi amplificado pelo tubo.
― Você é como um tambor regular, Halt.
― Que gentil da sua parte dizer isso ― disse Halt, com uma expressão azeda em sua face.
Mas Horace ainda estava ansioso para o resto do exame de Malcolm.
― E aquele grande hoosh? É como um cavalo quebrando uma corrente de ar.
― São os pulmões. Sua respiração ― Malcolm respondeu. ― Mais uma vez, muito saudável – embora isso seja uma descrição original do som, devo dizer. Ainda não tinha visto isso em nenhum dos meus livros médicos.
― Deixe-me escutar mais uma vez! ― Horace disse e ele se inclinou mais uma vez em direção às costas de Halt.
Mas o arqueiro bravo girou para confrontá-lo.
― Fique longe de mim! Ouça seu próprio coração e os pulmões se você precisar!
Horace encolheu os ombros se desculpando, mostrando-lhe o tubo reto.
― Isso é um pouco difícil, Halt. Eu teria que torcer minha cabeça diretamente atrás das costas para fazer isso.
Halt sorriu maldosamente para ele.
― Tenho certeza de que poderia resolver isso para você ― retrucou.
Horace olhou-o por um momento, tentando verificar se ele estava brincando. Decidiu que não estava totalmente certo, então ele se afastou, entregando o tubo para Malcolm.
― Poderia ser melhor se você continuasse ― disse ele.
Malcolm pegou o tubo de volta, e continuou com seu exame. Quinze minutos depois, anunciou que estava satisfeito.
― Você é forte como um cavalo ― ele disse a Halt.
O arqueiro olhou para ele.
― E você é teimoso como uma mula.
Malcolm encolheu os ombros.
― As pessoas dizem isso ― ele respondeu, sem se ofender.
Horace, que tinha se afastado para assistir ao resto do exame, agora se levantou e se aproximou enquanto Halt vestia novamente sua camisa. O arqueiro olhou para ele, ainda menos que satisfeito com ele.
― O que você quer? ― ele perguntou agressivamente. ― Já terminamos com meu coração e pulmões por hoje.
Mas Horace apontou para o rosto de Halt.
― A barba ― disse ele. ― Se você decidir se passar por Ferris mais uma vez, vai precisar fazer a barba.
― Que eu posso fazer por mim mesmo ― Halt disse a ele. ― Mas se você quiser fazer-se útil quando estou fazendo isso, obtenha algumas tiras de couro e faça uma faixa como a que Ferris usava.
Horace concordou com a cabeça e, enquanto Halt conseguia água quente e aparava sua recém crescida barba de volta à versão usada por Ferris, Horace encontrou algumas tiras de couro em sua mochila e trançou-as juntas, criando uma imitação razoável da simples coroa real de Clonmel.
Halt estava enxaguando a espuma de seu rosto quando percebeu Malcolm cuidadosamente embalando uma pequena caixa com o que parecia ser uma dúzia de irregulares bolas de lama marrom secas.
― Elas são mais daquelas que você estava jogando? ― ele perguntou.
O curandeiro concordou. Ele não olhou para cima de sua tarefa e Halt, aproximando-se, podia ver que ele tinha embalado feixes de grama cortada na caixa, que ele usou para manter as bolas de lama separadas. A ponta da língua de Malcolm se projetava através de seus dentes, enquanto ele se concentrava em seu trabalho.
― O que elas fazem, exatamente? ― Halt perguntou.
A última bola foi cuidadosamente embalada na grama e, então, Malcolm olhou para cima.
― Se eu jogar uma no chão ― explicou ele ― vai criar um grande estrondo e uma espessa nuvem de fumaça amarela escura. Elas são muito voláteis. É por isso que preciso embalá-las de modo tão cuidadoso.
― E o que você planeja fazer com elas? ― Halt perguntou.
― Eu pensava que poderia vir a calhar se você precisar de uma distração. Elas não vão realmente ferir ninguém... ― ele hesitou, então alterando o pensamento. ― Bem, além de deixar os seus ouvidos zumbindo. Elas são apenas mistura de fumo e ruído.
Halt resmungou pensativo, mas não disse mais nada. Ele estava começando a ver um possível uso para os fazedores de ruído.
Finalmente, com a sua preparação completa, eles desmontaram o acampamento e seguiram em frente, perto da beirada do penhasco onde Tennyson tinha ido ao chão – literalmente. Eles deixaram os cavalos bem para trás no bosque que Horace e Will tinham descoberto no dia anterior, em seguida, voltaram para frente para observar as cavernas.
― E agora? ― Malcolm perguntou.
― Vamos esperar e ver ― Halt disse a ele.
Malcolm pegou a dica e estabeleceu-se, encontrando uma posição em que tinha uma vantagem confortável para assistir as idas e vindas no penhasco.
Não que houvesse muito para ver. Um grupo de quatro homens saiu da caverna no final da manhã, retornando algumas horas depois, carregando a carcaça de um cervo.
― Encontraram caça ― disse Horace.
Tanto Halt quanto Will olharam para ele com sarcasmo.
― Você acha? ― Will perguntou. ― Talvez eles o encontraram e o trouxeram de volta para consertá-lo.
― Eu só estava dizendo... ― Horace começou.
Mas Halt o silenciou.
― Então não fale ― disse ele brevemente.
Horace brevemente murmurou para si mesmo. Um dos testes envolvidos em viajar com arqueiros em tempos como estes. Halt e Will pareciam ter reservas de paciência sem limites, nunca achando necessário clarear o passar das horas com tagarelice. Horace achava que não havia mal nenhum em fazer a observação ocasional, mesmo que não fosse absolutamente necessário. Ou esclarecedora. Era só... jogar conversa fora, isso era tudo.
― E pare de resmungar ― Halt avisou.
Carrancudo, Horace obedeceu.
No início da tarde, meia dúzia de pessoas, quatro homens e duas mulheres, emergiram das cavernas, piscando na luz do sol e sombreado de seus olhos com as mãos. Eles não pareciam ter qualquer propósito real para terem aparecido.
― O que eles estão fazendo? ― Will perguntou baixinho.
Horace estava prestes a responder “Provavelmente apenas respirando ar fresco” quando lembrou-se das ordens de Halt apenas algumas horas atrás. Ele travou sua mandíbula e não disse nada.
― Provavelmente, apenas respirando ar fresco ― Halt respondeu.
Horace olhou para ele. Não era justo, pensou.
O pequeno grupo ficou do lado de fora no sol por cerca de meia hora, em seguida, recuou mais uma vez dentro da caverna. Horace, que estava assistindo a parte superior do penhasco, notou uma pequena faixa de fumaça que saía da fenda na rocha mais uma vez. Ele mencionou isso para Halt.
― Hum... bem notado. Poderiam estar começando a preparar o jantar juntos.
Ele se virou para Will.
― Quando você estava no acampamento de Tennyson, qual era o horário das reuniões das orações?
― De manhã e a tarde ― Will respondeu prontamente. ― Depois do segundo, eles geralmente têm o jantar.
― Assim, supondo que ele não mudou sua programação, eles podem estar se preparando para um pouco de canções de hinos e recolher o dinheiro a qualquer momento.
Will assentiu com a cabeça.
― Esse seria o meu palpite.
Halt olhou para seus três companheiros.
― Então, vamos nos preparar para nos juntar a eles? Eu odeio perder o sermão.

5 comentários:

  1. Descobriram o ponto fraco de Halt ,lady Pauline

    ResponderExcluir
  2. Depois daqueles capítulos tensos , ate que esses estão bem humorados.

    ResponderExcluir
  3. kkkkkk. Halt cortando o barato do Horace! kkkkkkkkkk
    Ass: Bina.

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)