9 de dezembro de 2016

Capítulo 28

A multidão ficou em silêncio enquanto quatro dos capangas de Pierce subiram no palco e começaram a avançar ameaçadoramente para a maior estrela do hip-hop.
Jonah ainda estava com o microfone.
— Qual o problema, rapazes? O Wiz ultrapassou seus 90 segundos? — ele começou a se afastar, mas tropeçou num cabo eléctrico e caiu de costas no chão. Estava ali, olhando para cima, à espera que seu campo de visão fosse preenchido com os inimigos, quando viu um bimotor. Um instante depois, ele percebeu – uma névoa fina e fria descia das nuvens sobre tudo e todos. Nada jamais o tinha feito se sentir melhor. — Ei, pessoas, é impressão minha ou está chovendo?
O efeito sobre os capangas foi instantâneo.
Os quatro caíram de joelhos, curvando-se de dor. Ao longo de toda a multidão, membros da equipe de Pierce reforçados com o soro se retorceram em desconforto à medida que respiravam a fórmula em aerossol que foi nebulizada sobre eles. No estrado da família, Debi Ann era a única Pierce ainda de pé.
Cara, Galt e seu pai estavam no auge da agonia enquanto o antídoto atacava o soro em seus corpos.
Através da multidão, uma onda de confusão foi crescendo em histeria. As pessoas podiam sentir o líquido atomizado descendo, podiam até mesmo ver as nuvens de vapor saindo das asas do avião. O que estava caindo sobre eles? Eles estavam sendo envenenados? Caos estourou entre os gramados e praia enquanto espectadores temerosos tentaram fugir, mas eram cercados pela multidão densa em torno deles. Gritos ressoaram.
Houve uma debandada no oceano enquanto as pessoas tentavam limpar-se do que quer que tivesse caído do céu. E tudo isso estava sendo televisionado e transmitido para todo o mundo por repórteres de TV igualmente chocados e temerosos.
No estande da família, Pierce levantou-se e olhou para fora sobre sua festa em ruínas.
A apreensão acabara, mas ele podia sentir a reação física ainda agindo através de seu corpo. Ele sabia com certeza absoluta o que era. Perda. Fraqueza. Limitação. Seus poderes reforçados pelo soro estavam abandonando-o. Aqueles fedelhos Cahill – filhos de Hope – tinham feito isso. Eles aperfeiçoaram o antídoto e encontraram uma maneira de entregá-lo. Seus olhos se voltaram para o céu para o avião que espalhou o antídoto, que fazia uma segunda passagem. Pior, eles haviam feito aquilo enquanto os olhos de todo o planeta estavam em cima dele.
Bem, não funcionaria. Ele ainda tinha um pequeno arsenal. Encontraria outro laboratório e replicaria o soro! Isso não era nada mais do que um revés temporário. Ele era J. Rutherford Pierce, magnata da mídia e principal candidato à presidência!
Ele correu para o palco, um pouco perturbado que seu passo não fosse tão magistral como fora há poucos minutos.
Pegando o microfone de onde Jonah deixara cair, ele falou:
— Calma, todo mundo! — mesmo sua voz não era tão imponente como antes. — Nada com se preocupar! Isso é apenas a ideia de alguém de uma piada de mau gosto! O churrasco-de-amêijoas ainda está de pé!
Isso restaurou um pouco a ordem. Pierce tentou uma tática diferente.
— Vocês vieram aqui para ver nosso país dar o primeiro passo no caminho de volta para a grandeza. Tudo começa com um anúncio importante. Bem, estou pronto para fazer esse anúncio agora!
Ele olhou para a multidão turbulenta.
O pandemônio reinou. As pessoas estavam correndo para se esconder debaixo de árvores, mesas e cadeiras. Havia lutas pelas toalhas que poderiam ser usadas para se proteger. Uma enorme retirada estava em progresso em direção à marina, onde os barcos à espera flutuavam. Escolher o próximo presidente não era de longe a coisa mais importante na lista de prioridades.
E em meio a esse desastre, a última pessoa com que ele queria lidar veio abraçá-lo.
— Rutherford, meu pobre querido! — Debi Ann choramingou ao marido. — Está tudo arruinado! O que vamos fazer com cem mil mariscos?
Ele ficou instantaneamente enfurecido. Mesmo no meio de um desastre de proporções colossais, sua esposa tonta e inútil, se concentrou na única parte que menos importava.
— Mariscos? — ele gritou. — Eu vou te dizer o que podemos fazer com os mariscos! Eu vou enfiá-los, um por um, por seu nariz até sua cabeça vazia! Dane-se!
Ele a empurrou com tanta força que ela caiu no palco.
Deitada de costas, ela sorriu para ele com tanta alegria diabólica que não deixou nenhuma dúvida que o provocara de propósito. Com o coração afundando, ele se virou para as câmeras de notícias. Cada uma mostrava uma luz vermelha. O assédio moral dele para sua esposa tinha sido transmitida para o mundo inteiro.
O povo americano tolerava muito de seus líderes, mas nunca votariam em um homem que era baixo o suficiente para maltratar sua esposa. Pierce nunca seria presidente. Ele teria sorte de ser eleito chefe da carrocinha.
Debi Ann deu uma risada cruel.
— Isto é por Letitia Tyler!
Jonah Wizard estendeu a mão e ajudou-a a se levantar.
Ela sorriu para ele.
— Obrigada, Jonah.
— Sem problemas, yo.
As palavras mal tinham deixado os lábios de Jonah quando avistou um Galt furioso caindo sobre ele como um rinoceronte.

* * *

O biplano pulverizador balançou enquanto as últimas gotas do antídoto caíam sobre Pierce Landing e o mecanismo de pulverização era desligado automaticamente.
Na cabine, Amy ainda estava caída no assento do piloto, incapaz de mover seus braços ou pernas. Jake ocupava o pequeno espaço entre os assentos, inclinando-se sobre ela para alcançar os controles. Mas nada poderia estragar a sensação de triunfo no bimotor. Eles haviam espalhado a carga sobre o churrasco-de-amêijoas. Do céu, não tinham como saber que o efeito o antídoto estava tendo. Mas o tumulto lá era evidente, com ondas de pessoas correndo em todas as direções.
— Você conseguiu, Amy! — a voz de Jake estava rouca de emoção.
— Você conseguiu — Amy corrigiu.
— Tudo o que fiz foi seguir exatamente o que você me disse. Sem você, aquilo nunca poderia ter acontecido. E eu não estou falando apenas de hoje. Toda essa coisa impossível estava em seu colo, e de alguma forma, você conseguiu. Não há ninguém como você, Amy Cahill...
De repente, Jake foi esmagado por uma sensação de que estava falando sozinho.
— Amy?
Ele se inclinou para frente e virou para conseguir vê-la. Seus olhos estavam fechados; ela estava profundamente inconsciente. Respiração fraca vinha de suas narinas, mas isso era o máximo de vida que ele poderia encontrar.
Oh não! Amy – não!
Ele sabia que momento chegaria, mas nada poderia ter preparado Jake para o choque de medo que o atravessou.
A vontade de salvá-la superou todas as urgências, até mesmo a necessidade de pilotar o avião. Ele apoiou o corpo mole de Amy contra o manche em uma tentativa de manter estável a altitude do avião agrícola. Então foi para a área atrás dos assentos em uma busca frenética pela seringa que trouxera.
Por um instante, ele estava longe de encontrá-la. Então avistou-a, encravada entre a base do assento do piloto e um extintor de incêndio. Ele pegou-a, inseriu a agulha no braço de Amy e pressionou o êmbolo, drenando o conteúdo no tecido muscular.
— Acorde, Amy!
Não houve resposta.
— Vamos! Fique comigo!
Ele a balançou, mas ela era um peso morto. Ele estava tão envolvido no drama que levou um momento para perceber que a cabine tinha inclinado para frente. Com a força que ele nem sabia que tinha, ele depositou Amy no banco do passageiro e tomou seu lugar nos controles. Como a tinha fazer, ele puxou o manche em uma última tentativa para estabilizar o avião.
— Suba! Suba! — ele gritou com a hélice que girava na frente dele. Medo frio apertou seu estômago quando ele percebeu que o avião agrícola iria falhar.

4 comentários:

  1. LUAMARA Cahill Madrigal infiltrada Ekhaterina28 de fevereiro de 2017 14:16

    então..............acho que eu morri.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. onde vc achou o livro em inglês novo? COMPLETO? DO 39 CLUES?

      Excluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)