9 de dezembro de 2016

Capítulo 23

A lancha inflável Zodiac cortava as ondas agitadas em alta velocidade, balançando os quatro ocupantes feito bonecas de trapo e encharcando-os com água fria.
— Eu vou vomitar — Dan ameaçou na a escuridão.
— Uma palavra tão linda — Ian reclamou miseravelmente. — Você já pensou em algo mais civilizado, como “regurgitar” ou mesmo “pôr pra fora”?
— Na minha área, eles chamam de “jogar uma pizza na calçada” — Jonah comentou.
— Sua “área”? — Hamilton ecoou de seu lugar ao volante. — Você vive em um condomínio de palácios de vinte milhões de dólares. Sequer existem calçadas lá?
Eles tinham deixado a costa do Maine logo após a meia-noite, navegando via GPS na total escuridão. Um vento batia incessantemente e o oceano era acidentado e inóspito.
— Você acha que nos perdemos, yo? — Jonah preocupou-se. — É uma pequena loucura, certo?
— De acordo com o GPS, a morte está à frente — Hamilton insistiu.
Ian puxou o celular, colocando as mãos ao redor dele para protegê-lo da água que espirrava.
— Cara, você está aí? Não conseguimos encontrar a ilha.
— Está aqui onde sempre esteve — sua voz surgiu em resposta. — Oh, olha, o inchaço em seu nariz diminuiu. Você está quase bonitinho novamente.
— Corte isso — Dan estalou. — Este não é um cruzeiro de prazer. Estamos jogando pizzas aqui. Você não pode acender uma luz ou algo assim?
— Não — veio a resposta. — Esse lugar está fervilhando de seguranças. Me deem um segundo para colocar meus óculos de visão noturna... Espera, estou vendo vocês. Façam uma correção de vinte graus para o porto.
Não foi fácil navegar cegamente, mas com as instruções detalhadas de Cara, Hamilton levou a pequena embarcação para a costa escarpada da ilha. Os recém-chegados desceram, gratos por estarem em terra firme.
— Eu beijaria o chão, mas não acho que teria força para me levantar novamente — gemeu Dan.
— Shhh — advertiu Cara. — Meu pai deu o suco-soro para todos os seguranças da sua folha de pagamento.
— Exatamente de quantos capangas estamos falando? — perguntou Ian. — Nós, Lucian, gostamos de saber exatamente contra o que estamos contra.
— Deve haver pelo menos uma centena deles.
Um silêncio caiu quando os Cahill absorveram essa terrível probabilidade. Não só eles estavam atrás das linhas inimigas, mas estavam horrivelmente em menor número.
— Sem chance de vencê-los em uma luta justa — observou Hamilton. — Ou mesmo uma injusta.
— Seu pai cometeu um erro estratégico, embora — Ian refletiu. — Ele colocou todos os seus ovos em uma cesta. A totalidade de seus ativos está em Pierce Landing. Isso o torna vulnerável.
— Se Amy e Jake puderem entregar a carga útil — acrescentou Jonah nervosamente.
— É melhor — Dan respirou — ou nós seremos pendurados como sacos de carne sobre tanques de tubarões.
Os cinco esvaziaram o Zodiac e o esconderam completamente sob rochas e arbustos. Com o sol nascendo no dia do churrasco-de-amêijoas, ainda não deveria haver sinal dos convidados de Pierce Landing. Permanecendo abaixados, o grupo seguiu Cara sobre o terreno escuro. Mantendo-os longe de quaisquer patrulhas ou câmeras de segurança, ela os levou para uma instalação remota bem escondida entre as árvores. No luar, eles poderiam ver a silhueta robusta da casa principal e oitocentos quilômetros de distância.
Ela pegou uma chave e abriu a porta da cabana.
— Você devem estar seguros aqui. Há quatro conjuntos de macacões do mesmo tipo que o pessoal da manutenção usa. Também chapéus e óculos de sol para esconder seus rostos. Uma vez que os convidados começarem a chegar, eu vou voltar e levá-los para a área do palco. Será onde o grande anúncio será feito.
Eles entraram na pequena estrutura, que estava empilhada até o alto com equipamentos de jardinagem.
— Não tem muito espaço para um cara grande — Hamilton notou, sentando numa pilha de sacos de fertilizante. Ele puxou a lona de um carrinho de mão. — Bingo!
Um piquenique completo estava disposto sobre uma toalha, contendo sanduíches, batatas fritas, energéticos e bebidas.
— Pensei que vocês precisariam manter sua força — disse Cara.
— Isso é muito atencioso, Cara — Ian falou vagamente — a única coisa que falta para ser perfeito é uma xícara de chá para fechar.
Ela colocou a mão dentro de um regador e puxou uma garrafa térmica prata.
— Earl Grey, Leite, dois cubos.
Ian Kabra tinha encontrado a garota de seus sonhos. Ele não deixaria que se afastasse – se sobrevivesse às próximas doze horas.

* * *

Sr. e Sra. Floyd Penobscot de Saco, Maine, nunca antes tinham ganhado nada na vida. Foi por isso que ficaram espantados quando chegou uma carta do Clube Mensal da Gelatino dizendo que seus nomes tinham sido selecionados para o grande prêmio anual da geleia-surpresa – um cruzeiro de uma semana no Caribe, todas as despesas pagas.
Uma nota intrigante – nem o marido nem a mulher se lembravam de ter se inscrito no prêmio anual da geleia-surpresa. Mas o casal não discutiria por férias grátis, as passagens aéreas inclusas.
De braços dados, eles embarcaram no avião, cheio de antecipação da aventura que estava por vir.
Assim que o voo 5537 decolou de Portland, uma notificação da companhia aérea chegou no celular de Atticus Rosenbloom.
— Os Penobscots estão a caminho — relatou. — É real, certo? Quero dizer, nós não mandamos essas pobres pessoas para a Flórida só para elas descobrirem que não há cruzeiro, né?
O comentário provocou uma risada curta de Amy, e isso realmente queria dizer alguma coisa. Ela não poderia ter imaginado ser capaz de qualquer tipo de riso em seu estado – tremendo num momento, suando no seguinte, vendo coisas que não estavam lá, sua tempestade pessoal de relâmpagos Technicolor.
E sempre aqueles tremores.
— Não se preocupe — ela acalmou Atticus — o cruzeiro é real, mesmo que o concurso não fosse. Eu reservei-lhes uma cabine de primeira classe panorâmica no terraço e jantar na mesa do capitão. Os Penobscots estão indo no estilo.
Sammy virou a chave na ignição, e o caminhão alugado rosnou de volta à vida. Sammy, Amy, e os Rosenbloom passaram as duas últimas horas estacionados na esquina da sua County Road 5 esperando a notícia de que os “premiados” estavam a caminho. A van rangia sobre o pavimento e dirigiu os últimos quilômetros até a propriedade dos Penobscot na saída de Saco. Era uma casa estruturada em madeira pura bem afastada da estrada, mas a característica principal era uma pequena pista de pouso. Na placa na caixa de correio na frente lia-se PENOBSCOT AVIAÇÃO AGRÍCOLA. Debaixo estavam algumas palavras que explicavam tudo: PULVERIZAÇÃO DE CULTURAS.
Sammy guiou o caminhão até a rodovia, passando na frente da casa e saindo da pista. Uma cabana pintada de branco estava do lado do asfalto, abrigando um biplano monomotor encorpado e o nome Roslyn pintado na lateral.
— Uau! — exclamou Atticus. — O Barão Vermelho não se recusou a voar em um desses porque era muito velho?
— Tudo o que isso tem a fazer é sobrevoar o terreno de uma altura suficiente para pulverizar as plantações, Att — Jake falou para seu irmão. — Nós não precisamos de um bombardeiro invisível.
— Pierce Landing fica a menos de cinquenta quilômetros da costa — acrescentou Amy. — Eles atendem clientes mais distantes do que isso.
Amy chutou para longe os blocos de segurança, e os quatro foram capazes de empurrar a aeronave Grumman para fora do hangar. O próprio avião agrícola era extremamente leve; a maior parte do seu peso estava no combustível e no conteúdo de seus enormes tanques de pulverização. Estes normalmente eram preenchidos com pesticida. Para a missão de hoje, no entanto, os Cahill tinham uma carga diferente em mente.
Sammy levantou a porta traseira do caminhão para revelar um recipiente de aço inoxidável enorme. Ele desenrolou a mangueira ligada e inseriu o bocal no tanque de carga do avião. Um interruptor foi acionado no recipiente e as bombas entraram em ação. Houve um ruído alto e o som de líquido correndo, e eles tiveram que gritar para se ouvirem.
— Você sabia que ia ser tão alto? — Jake reclamou. — Eu realmente não me sinto bem para explicar a algum vizinho intrometido por que estamos bombeando setecentos litros de antídoto em um avião agrícola!
Amy deu de ombros.
— Você sabe a história de cobertura. Estamos ajudando Sammy, que está voando com o avião para os Penobscots enquanto eles estão fora.
— Isso vai demorar pelo menos uma hora — Sammy informou. — Então é melhor se acostumar com isto.
Atticus estava preocupado.
— Este antídoto é diferente do que Nellie deu a Fiske?
Sammy sacudiu a cabeça.
— A composição química é idêntica. A única diferença é que sairá como um spray em vez de injeção. Tem que cobrir toda a ilha de modo que todos lá respirem o suficiente das partículas para obter o efeito completo. É a única maneira de atingirmos Pierce e toda a sua corja de bandidos ao mesmo tempo.
Parecia tão razoável quando Sammy falou, mas eles entenderam que uma enorme quantidade de coisas teria dar certo para este plano ter qualquer chance de sucesso: o antídoto aerossol tinha que funcionar; o vento não podia ser muito forte; o piloto inexperiente que dirigiria o avião agrícola teria que baixar exatamente no momento certo; Pierce e seus capangas teriam que estar ao ar livre, onde as partículas em suspensão iria alcançá-los; Dan, Ian, Hamilton e Jonah tinham de evitar serem detectados; Cara não poderia mudar de lado novamente e traí-los para seu pai. E toda a operação dependia de Amy, que tomara o soro fazia uma semana.
Sua vida – e o sucesso da missão – pendiam do mesmo fio.

Um comentário:

  1. LUAMARA Cahill Madrigal infiltrada Ekhaterina28 de fevereiro de 2017 13:44

    Que ótimo...........vou morrer ok ?

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)