9 de dezembro de 2016

Capítulo 14

Com um grito de espanto, Hamilton se abaixou e puxou a forma imóvel de Amy para fora da água.
— Por aqui! — ele gritou, jogando-a no ombro e indo para a margem.
Se houvesse um recorde de velocidade ao correr através da água na altura da cintura e lodo lamacento carregando uma menina de dezesseis anos nas costas Hamilton Holt o quebraria.
— Alguém sabe primeiros-socorros? — perguntou Dan freneticamente.
— Não precisa disso! — Hamilton falou rapidamente.
Em um instante, ele virou o corpo mole de Amy de cabeça para baixo, segurando-a pelos tornozelos e sacudindo-a.
— Pare com isso! — Jake quase gritou. — Ela está fraca! Você vai matá-la! — Ele começou a bater nas costas de Hamilton. O grande Tomas continuou balançando-a, nem sequer pestanejou.
De repente, Amy tossiu e cuspiu o que parecia ser um litro de lodo do Tonle Sap.
Hamilton virou-a e colocou de pé no chão. Amy olhou para onde seu irmão estava congelado de medo, e lhe deu um valente sinal de joia.
Jake estava quase histérico.
— Amy, o que aconteceu?
Ela deu de ombros.
— Num minuto estávamos caçando a cobra, e a próxima coisa que eu soube é que Hamilton me segurava pelos tornozelos. Nada demais.
— Nada demais?! — Jake ecoou. — Os tremores e alucinações são ruins o suficiente, mas desta vez você apagou completamente! Você quase se afogou!
Até mesmo o motorista do tuk-tuk saiu de seu veículo e olhava com preocupação.
— Devo levá-la para o hospital? — ele chamou.
— Definitivamente! — confirmou Jake.
— Ah, claro! — Amy retrucou. — Vou para um médico do Camboja e explicarei sobre um soro de quinhentos anos de idade!— Sua voz quebrou, e ela lutou para recuperar a compostura. Ela quase morreu, mas isso não mudava o fato de que ela morreria de verdade se essa missão falhasse. Eles não podiam deixar este incidente distraí-los. Simplesmente não tinham tempo. — E mesmo que ele entendesse, não poderia fazer nada sobre isso, porque não há antídoto – pelo menos, não até encontrarmos a cobra...
Jake não estava convencido.
— Nenhum antídoto no mundo vai ajudá-la se você já estiver morta.
— É por isso que temos que voltar lá fora — disse Dan, lutando para permanecer profissional. — A cobra resolve tudo. O antídoto, a saúde de Amy, e J. Rutherford Pierce...
Eles acenaram para o motorista voltar ao tuk-tuk.
Desta vez não houve nenhuma reclamação enquanto o grupo se espalhava através do Tonle Sap e começava a mergulhar as redes. A única diferença era que agora havia três búfalos vadeando a água e os assistindo. O sol continuou sua escalada no céu, e a temperatura subiu na tarde habitual para “insuportável”.
Eles estavam ali fazia horas quando Dan se assustou ao ouvir o motor antigo do tuk-tuk ligando. Ele olhou para cima bem a tempo de ver alguém entregando um maço de dólares norte-americanos para o motorista. Um segundo depois, o veículo fez uma curva apertada na estrada de terra e foi embora.
Foi quando Dan reconheceu o corpulento recém-chegado loiro. Ele gritou um aviso para os outros.
— Galt!
Ian ficou horrorizado.
— Nosso tuk-tuk! Como é que vamos voltar para Siem Reap?
— Esse é o menor dos nossos problemas, yo! — Jonah entrou na conversa. — Olhe!
Eles viram como o filho de Pierce estava acompanhado por seus cinco capangas.
— Estou realmente decepcionado com o sistema de justiça do Camboja — Hamilton observou com um aceno para a corja de Pierce. — Como você pode praticamente explodir Ta Keo e estar de volta na rua no dia seguinte?
— Você está falando deles ou de nós? — brincou Jonah. O comentário carregava um pouco de sua famosa atitude hip-hop.
— O que eles vão fazer com a gente? — perguntou Atticus com medo.
Ele logo teve sua resposta, embora pudesse ter preferido ser mantido em suspense. As expressões ameaçadoras, Galt e seus capangas entraram no Tonle Sap atrás de sua presa.
Os Cahill tinham a vantagem em números, mas seus inimigos eram todos reforçados pelo soro, cinco deles adultos. O impulso Lucian de Amy fez imediatamente um balanço da sua situação.
— Vou lutar com três deles. O resto de vocês se junte e proteja uns aos outros.
— Amy, você não está em condições para isso — advertiu Jake.
— Você está brincando? — ela retrucou. — Esta é a única coisa para a qual estou em condições agora!
Os irmãos Rosenbloom agacharam-se juntos, assim que Dan se esgueirou atrás de Jonah e Ian para a segurança. Sua atenção primária, porém, estava em Amy. Ela estava mais agressiva desde o soro, mas nunca parecera tão perigosa. Seus olhos, pouco mais de fendas, focavam-se em Galt com a concentração letal de um guepardo prestes a atacar.

* * *

Galt não percebeu nada disso. Ele abrigava sentimentos muito fortes quanto aos acontecimentos do dia anterior no rio, em Ta Keo, e mais tarde na delegacia de polícia. Lá, ele foi mantido por oito horas até que seu pai ligara oferecendo um suborno considerável para comprar sua liberdade. Ele estava além da raiva.
— Vocês devem pensar que são muito especiais — ele zombou, olhando diretamente para Amy. — Tipo, “Ninguém pode nos tocar. Nós somos os Cahill. Somos especiais”. Bem, deixe-me dizer-lhes uma coisa...
Isso foi o máximo que conseguiu dizer. Amy saltou para ele com uma rapidez surpreendente, atacando-o com uma cotovelada no rosto. Ele caiu com um esguicho, desaparecendo abaixo da superfície. Ela colocou um joelho no topo de sua cabeça, segurando-o debaixo d’água. Levou toda a sua força lutar seu caminho de volta para a superfície.
Nesse ponto, os outros cinco atacaram, e a batalha começou. Dois deles correram em defesa de Galt. Amy acertou um chute nas costelas de um, e enviou o outro para longe com um golpe forte do braço.
Hamilton aplicou golpes em seu adversário desenvolvido pelo soro, indo tão bem quanto possível. Mas Ian estava em apuros. Ele tinha aprendido boxe em seu internato inglês, e seu estilo era todo sobre regras e jogo limpo. O capanga treinado acertou um chute vicioso no centro do peito de Ian que tirou o ar dos pulmões do adolescente e derrubou-o no fundo do lago lamacento. Jonah atirou-se ao redor do pescoço do homem, e foi descartado tão facilmente como um gafanhoto. Dan quebrou sua rede de pesca sobre a cabeça do gorila, mas isso nem sequer o atrasou.
Ian se levantou da água, determinado a lutar em um estilo mais Lucian. Em suas mãos, ele agarrou um dos grandes e lentos peixes-gato Mekong. Agarrando o peixe como um bastão de críquete, tomou um impulso poderoso e acertou um golpe forte nos rins do homem.
Seu oponente não caiu, mas enquanto ele se dobrava para frente, todos os três Cahill pularam em suas costas e o prenderam pela própria vida.
Nas costas do capanga e fixado lá, Dan teve um vislumbre de sua irmã aplicando golpes de boxe em Galt e dois outros. Ele permitiu-se considerar a possibilidade, apenas por um segundo fugaz, de que eles realmente conseguiriam passar por isso.
— Paaaarem!
Havia algo no desespero, o pânico na voz que fez com que todos congelassem, mesmo no meio da batalha.
Lá estava Jake, seu rosto fluindo com sangue e lama.
— Não lutem! Não podemos! Ele vai matar Att!
Atrás dele, o último dos capangas estava escondendo alguma coisa debaixo d'água. Para fins de ilustração, o homem levantou o braço que todos pudessem ver. O “objeto” em seu punho era os dreadlocks de Atticus. O menino aterrorizado engasgou e ofegou em busca o ar.
— Eu o matarei, você sabem! — o homem rugiu. Ele forçou Atticus novamente para baixo em um argumento brutal de suas intenções. — Vocês tem cinco segundos para se renderem, ou nunca verão o seu amiguinho estranho vivo novamente!
Com uma mão, Amy agarrou a gola da camisa de Galt, arrastou-o para longe de seus defensores, e forçou-o a se abaixar.
— Eu não vejo brânquias no Júnior! — foi um feito espetacular de força, que só poderia ter vindo de criação original de Gideon Cahill.
O capanga que segurava Atticus não vacilou. Bolhas começaram a subir a partir da água na frente dele.
O grito de Jake era abertamente humano.
— Amy, por favor, não faça isso!
A voz de Dan penetrou no escudo de propósito frio que tinha Amy em suas garras.
— Amy, pare com isso! Eu ordeno que você desista!
Foi a primeira vez que Dan usara essas palavras exatas – eu ordeno. Parecia errado, mas não havia um resultado imediato. Ele era o líder da família Cahill, e estava emitindo uma ordem direta. Amy puxou um Galt tossindo para fora da água e libertou-o.
Hamilton parou de resistir, e levantou as mãos em sinal de rendição. Um por um, Jonah, Ian e Dan saltaram de cima de seu capanga. Então, e só então, o captor de Atticus libertou o menino meio afogado. Soluçando e cuspindo, Atticus cambaleou para frente, chiando em busca de ar. Sua pele morena, manchada de lama, tinha ficado quase azulada. Era óbvio que ele não teria aguentado muito mais tempo.
A luta acabou, a batalha estava perdida.
Assim que Galt estava de volta em seus pés, ele deu um soco em Amy, que a acertou no queixo e nem sequer piscou.
— Você vai pagar pelo que fez para nós! — ele rosnou. Para seus capangas, ele chamou: — Vamos sair desse pântano. Mas vigiem-nos. Eles são espertinhos.
Galt e seus homens reuniram os Cahill na água na altura da cintura e começaram a empurrá-los para a margem. Jonah recebeu um empurrão áspero e engoliu um bravo yo, cuidado! Não havia motivo para resistir agora. Seus inimigos tinham provado que possuíam a arma que sempre era suprema – não apenas a capacidade de matar, mas também a vontade de fazê-lo.
Então ele viu o tronco flutuante nos juncos, e percebeu que ele poderia ter uma arma também. Ele tinha visto muitos troncos daqueles no dia anterior – e nenhum deles era um tronco.
A estrela internacional sondou o fundo lodoso com o pé até que encontrou uma pedra ligeiramente maior do que uma bola de golfe. Cavando com os dedos dos pés, ergueu-a para fora da água e transferiu-a para sua mão direita. Tomando cuidado – ele era um artista, não um lançador de beisebol – ele puxou o braço para trás e a atirou. A pedra ricocheteou no tronco com um baque surdo e caiu para dentro do lago.
O capanga empurrou-o novamente.
— Ei! O que acha que está fazendo?
Jonah não respondeu. Com uma mistura de satisfação e temor, ele observou que o “tronco” flutuante já não estava lá.
Um grito foi arrancado da garganta de Galt enquanto um crocodilo de três metros e meio se ergue na frente dele espirrando água violentamente.
Imediatamente, eles foram transformados de captores e cativos para treze pessoas correndo por suas vidas. Amy aproveitou o caos para esmagar o queixo de Galt com a palma da mão aberta. O golpe o enviou voando na direção oposta da margem. Ele caiu na água branca agitada por mandíbulas se fechando. À medida que os capangas de Pierce se moviam para resgatá-lo, os Cahill fugiram para a praia. Os sete chegaram em terra seca, pegaram seus sapatos e correram para a estrada.
— Como é que vamos sair daqui? — Ian lamentou. — Nosso tuk-tuk se foi!
Naquele exato momento, um Humvee preto rugiu na estrada, o motorista mascarado por uma balaclava. Em um único movimento convidou-os a saltar.
— Quem é você? — Amy desafiou.
O motorista repetiu o gesto com a mão, sua urgência aumentando. Desta vez, todos os sete começaram a subir a bordo, sem perguntas. A equipe Pierce estava muito perto agora.
O punho de Galt caiu sobre o capô do Humvee. Um dos capangas deu a volta e esticou o braço para Atticus. Hamilton segurou o braço do menino de onze anos logo antes de o motorista pisar no acelerador. O Humvee deu marcha à ré na estrada de terra, suas rodas cuspindo lama e pedras em todas as direções. Hamilton arrastou Atticus para dentro e despejou-o no colo de seu irmão.
Na velocidade máxima, o jipe ​​militar chegou em uma pequena clareira e girou. Enquanto eles pela estrada na direção de Siem Reap, eles passaram por uma van quadrada que devia ser o transporte de Galt. Ele estava baixo em seus eixos. Todos os quatro pneus tinham sido cortados.
— Você é bastante completo — comentou Amy, ainda desconfiada.
O motorista tirou a balaclava e atirou-a para dentro da selva. Longos cabelos loiros caíram sobre os ombros.
— Agora vocês confiam em mim? — perguntou Cara Pierce.

Um comentário:

  1. LUAMARA Cahill Madrigal infiltrada Ekhaterina28 de fevereiro de 2017 11:33

    MAS EU ADORO ESSA GURIA !!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)