23 de dezembro de 2016

32

É uma sala de estar completa, aberta e luxuosa. Um tapete grosso, cadeiras macias, um sofá vai de uma ponta à outra da parede. Lâmpadas quentes, em tons verde, amarelo e laranja, clareiam suavemente o amplo espaço. A sensação de lar é mais forte do que qualquer coisa que já vi. As lembranças frias e solitárias da minha infância sequer se comparam. Sinto-me tão segura que repentinamente isso me assusta.
— Gosta? — Adam está sorrindo para mim, sem dúvida satisfeito com o aspecto de meu rosto.
— Amo — digo em voz alta para afugentar a incerteza.
— Adam que fez — diz James, orgulhoso, estufando o peito um pouco mais que o necessário. — Ele fez para mim.
— Eu não fiz isso — protesta Adam, rindo. — Só dei... uma ajeitada.
— Você mora aqui sozinho? — pergunto a James.
Ele enfia as mãos nos bolsos e faz que sim com a cabeça.
— Benny fica bastante comigo, mas na maior parte do tempo fico sozinho aqui. Mas tenho sorte.
Adam está colocando nossas mochilas sobre o sofá. Ele passa a mão pelos cabelos e eu observo enquanto os músculos de suas costas se flexionam, tensos, em esforço conjunto. Observo enquanto ele exala a tensão de seu corpo. Eu sei por que, mas mesmo assim pergunto.
— Por que você tem sorte?
— Porque eu tenho um hóspede. Nenhuma das outras crianças tem hóspedes.
— Há outras crianças aqui? — Espero não aparentar tanto medo quanto sinto.
James está balançando a cabeça tão rápido que ela está tremendo sobre o pescoço.
— Ah, sim. Esta rua toda. Todas as crianças estão aqui. Mas sou o único com o próprio quarto. — Ele faz gestos ao redor do espaço. — Isso é tudo porque Adam comprou para mim. Mas todo mundo tem que dividir. É mais ou menos uma escola. E Benny me traz pacotes de comida. Adam diz que eu posso brincar com as outras crianças, mas não posso trazê-las para dentro. — Ele encolhe os ombros. — Está tudo bem.
A realidade do que ele está dizendo se espalha como veneno na boca de meu estômago.
“Uma rua dedicada a crianças órfãs.”
Me pergunto como seus pais morreram, mas não por muito tempo.
Faço o inventário da sala e reparo em uma geladeira pequena e um micro-ondas pequeno colocado em cima, ambos encostados a um canto, vejo alguns armários colocados ao lado para despensa. Adam trouxe o máximo de produtos que conseguiu... todos os tipos de comida enlatada e itens não perecíveis. Nós dois trouxemos nossos produtos de higiene pessoal e vários conjuntos de roupas. Fizemos as malas para sobreviver por algum tempo.
James retira um pacote de papel-alumínio da geladeira e o enfia no micro-ondas.
— Espere... James... não... — Tento impedi-lo.
Seus olhos estão arregalados, congelados.
— O quê?
— O papel-alumínio... você não pode... você não pode colocar metal micro-ondas...
— O que é um micro-ondas?
Pisco tantas vezes que a sala gira.
— O quê...?
Ele tira a tampa do recipiente de papel-alumínio para revelar um pequeno quadrado. Ele parece um caldo de carne. Ele aponta para o cubo e acena com a cabeça para o micro-ondas.
— Está tudo bem. Sempre o coloco no Automático. Nada acontece.
— Ele pega a composição molecular da comida e a multiplica. — Adam está de pé ao meu lado. — Não acrescenta nenhum valor nutricional, mas faz você se sentir mais saciado, por mais tempo.
— E é barata! — diz James, sorrindo enquanto enfia a comida de volta a aparelho.
Causa-me espanto ver como tudo mudou. As pessoas ficaram tão desesperadas que estão falsificando comida.
Tenho tantas perguntas que estou sujeita a explodir. Adam aperta meu ombro, delicadamente. Ele sussurra:
— Conversaremos mais tarde, prometo. — Mas eu sou uma enciclopédia um muitas páginas em branco.
James adormece com a cabeça no colo de Adam.
Ele não parou de falar desde que terminou sua comida, contando-me tudo sobre sua escola “mais ou menos”, e seus “mais ou menos amigos”, e Benny, a senhora idosa que cuida dele porque “eu acho que ela gosta mais de Adam do que de mim, mas ela me dá açúcar então está tudo bem”. Todos têm toque de recolher. Ninguém, exceto soldados, tem permissão para ficar do lado de fora depois do pôr do sol, cada soldado é armado e instruído a disparar a seu critério.
Algumas pessoas pegam mais comida e produtos que outras — disse James, mas isso porque as pessoas são classificadas de acordo com o que as podem fornecer para O Restabelecimento, e não porque elas são seres humanos com o direito a não morrer de fome.
Meu coração partiu-se um pouco mais a cada informação que ele compartilhou comigo.
— Você não liga que eu fale muito, né? — Ele mordeu o lábio inferior e me estudou.
— De modo algum eu ligo.
— Todo mundo diz que eu falo demais. — Ele encolhe os ombros. — Mas o que eu devo fazer quando tenho tanto a dizer?
— Ei... falando nisso... — interrompe Adam. — Você não pode contar para ninguém que estamos aqui, está bem?
A boca de James parou no lugar. Ele piscou algumas vezes. Ele olhou severamente para seu irmão.
— Nem pra Benny?
— Ninguém — disse Adam.
Por um momento infinitesimal eu vi algo que parecia um lampejo de dolorosa compreensão em seus olhos. Um garoto de dez anos em quem se pode confiar, totalmente. Ele assentiu com a cabeça várias vezes.
— Beleza. Vocês nunca estiveram aqui.
Adam tira da testa de James fios rebeldes de cabelo. Ele está olhando para o rosto adormecido de seu irmão como se tentasse memorizar cada pincelados de uma pintura a óleo. Estou fitando Adam fitando James.
Pergunto-me se ele sabe que ele está segurando meu coração em sua mão. Respiro, trêmula.
Adam levanta os olhos e eu baixo os olhos e ambos estamos constrangidos por diferentes razões.
Ele sussurra:
— Devia botá-lo na cama — mas não faz esforço para se mover. James está profunda profunda profundamente adormecido.
— Quando foi a última vez que você o viu? — pergunto, com cuidado para manter meu tom de voz baixo.
— Há cerca de seis meses. — Uma pausa. — Mas falei muito com ele por telefone. — Sorri um pouco. — Contei a ele muito sobre você.
Ruborizo. Conto meus dedos para me certificar de que eles estão todos ali.
— Warner não monitorava suas ligações?
— Sim. Mas Benny tem uma linha que não pode ser rastreada, e sempre fui cauteloso para restringi-la apenas a relatórios oficiais. Em todo caso, James sabe sobre você há muito tempo.
— Sério...? — Odeio precisar saber, mas mal consigo conter-me. Estou inquieta.
Ele levanta os olhos, desvia o olhar. Ele cruza com meus olhos. Suspira.
— Juliette, estive procurando por você desde o dia em que partiu.
Meu queixo cai em meu colo.
— Fiquei preocupado com você — diz ele calmamente. — Não sabia o que eles iam fazer com você.
— Como? — engasgo, engulo, tropeço nas palavras. — Como pode se importar?
Ele recosta no sofá. Passa a mão livre pelo rosto. Estações mudam. Estrelas explodem. Alguém está caminhando sobre a Lua.
— Sabia que ainda me lembro do primeiro dia em que você apareceu na escola? — Sua risada é afável, triste. — Talvez eu fosse muito jovem, e talvez eu não soubesse muito do mundo, mas havia alguma coisa em você pela qual fui imediatamente atraído. Era como se só quisesse ficar perto de você... como se você tivesse essa... essa bondade... que eu nunca encontrei na vida. Essa doçura que nunca encontrei em casa. Só queria ouvir você falar. Queria que você me visse, sorrisse para mim. Todo santo dia eu me prometia que falaria com você. Eu queria conhecer você. Mas dia a dia eu era um covarde. E um dia você simplesmente desapareceu. Tinha escutado os rumores, mas sabia mais. Sabia que você nunca faria mal a ninguém. — Ele baixa os olhos. A Terra racha e eu estou caindo dentro da fissura. — Parece loucura — diz ele. — Pensar que me importei tanto sem nunca falar com você. — Ele hesita — mas eu não conseguia parar de pensar em você. Não conseguia parar de me perguntar para onde você tinha ido. O que aconteceria com você. Tive medo que você nunca se defendesse.
Ele fica em silêncio por tanto tempo que quero morder minha língua.
— Eu tinha de encontrá-la — sussurra ele. — Perguntei por toda parte e ninguém tinha respostas. O mundo continuava desmoronando. As coisas pioravam e eu não sabia o que fazer. Eu tinha de cuidar de James e tinha de encontrar um meio de vida e eu não sabia se ingressar no exército ajudaria, mas nunca me esqueci de você. Sempre tive esperanças — ele hesita — de que um dia voltaria a vê-la.
Fiquei sem palavras. Meus bolsos estão cheios de letras e eu não consigo concatenar e eu estou tão desesperada por dizer alguma coisa que nada digo e meu coração está a ponto de explodir no meu peito.
— Juliette...?
— Você me encontrou. — Seis sílabas. Um sussurro de admiração.
— Você está... triste?
Levanto os olhos e pela primeira vez percebo que ele está nervoso. Angustiado. Incerto de como reagirei a essa revelação. Não sei se devo rir ou gritar ou beijar cada centímetro de seu corpo. Quero adormecer ao som de seu coração batendo na atmosfera. Quero saber que ele está vivo e bem, inspirando e expirando, forte e lúcido e saudável.
— Você é o único que sempre se importou. — Meus olhos se enchem de lágrimas e eu pisco para contê-las e sinto o fogo na garganta e tudo tudo tudo dói. O peso do dia inteiro estatela em mim, ameaça quebrar me ossos. Quero chorar de felicidade, de agonia, de alegria e pela falta de justiça. Quero apalpar o coração da única pessoa que sempre se importou.
— Eu te amo — sussurro. — Muito mais do que você jamais saberá.
Seus olhos são um instante de escuridão repleto de memórias, as única janelas para o meu mundo. Seu rosto está tenso. Sua boca está tensa. Ele levanta os olhos e tenta limpar a garganta e eu sei que ele precisa de um momento para se recuperar. Digo a ele que talvez fosse bom colocar James na cama. Ele concorda. Aconchega seu irmão ao peito. Levanta-se e carrega James até o quartinho do depósito transformado em quarto.
Observo-o sair com a única família que ele deixou e eu sei por que Adam ingressou no exército.
Eu sei por que ele sofreu por ser bode expiatório de Warner. Eu sei por que ele lidou com a horripilante realidade da guerra, porque ele estava tão desesperado por fugir, tão pronto a fugir o mais breve possível. Por que ele está tão determinado a revidar.
Ele está lutando por muito mais do que por si próprio.

29 comentários:

  1. entao se amam e blá-blá... casem se, tenham filhos loiros de olhos azuis!! argh sou mais o Warnner nao aguento o Adam e nao consigo confiar nele! falei

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu Deus o que acontece com esses leitores??? O Warnner é um sádico, sociopata e possessivo, fez ela machucar um BEBÊ... Td bem, ele pode até mudar daqui pra frente na história, talvez com algumas revelações sobre ele e talvez venha a ser outro par romântico dela, mas SÉRIO GENTE??? Ele ainda é HORRÍVEL, td bem que eu tbm não vou muito com o Adam (acho q ele esconde alguma merda), mas nem por isso o Warnner se torna uma opção viável, pelo menos não ainda...é um pensamento até meio doentio...




      p.s: Só eu lembro da música da Warnner's brothers quando falo o nome do Warnner???? (aquela q no final dos desenhos o Perna-longa diz "Isso é tudo pessoal") kkkkkkk

      Excluir
    2. Eu até concordo com vc em algumas partes pq o Adam tá escondendo alguma coisa, e que tmb a historia vai fica mto clichê se ficar só nesse romancisinho....

      Excluir
    3. Sério que você não consegue confiar nele ? E prefere o Warner ? KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK


      Aiaiai...

      Excluir
    4. Os leitores agora gostam mais de reviravoltas, o vilão gostando da mocinha é uma delas, o povo ta enjoando das mesmas histórias de sempre em que o mocinho fica com a garota e ,sinceramente, eu acho que o vilão sempre tem uma história melhor que o mocinho.

      Excluir
    5. gente serio... ta obvio que vai dar merda, esse Adam ta muito perfeito... prefiro o warner 1000 vezes, maluca? talvez, mas ele vai mudar tenho certeza
      ps: mimi

      Excluir
  2. gente... vcs tem probleminha.
    Agr todo mundo vai falar que prefere Aspen tbm! Shippando os casais errados

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu nunca shipparia Aspen ele e ridiculo...

      Excluir
    2. Nossa, como vcs podem falar do Aspen desse jeito?Ele é um personagem mto melhor doq mts, sem contar que msm n sendo com a America ele é lindo com a Lucy <3

      Excluir
    3. Eu sempre gostei do Aspen,claro que não pra ficar com America,mas ele sempre foi íntegro e super gato.
      Aspen-Adam
      Maxon-Warner
      😌😏

      Excluir
    4. DANI quando fala Adam penso em Aspen e quando fala Warner penso em Maxon tô lokinha 😂

      Excluir
  3. Essa melosidade toda está me enchendo.

    ResponderExcluir
  4. Eu acho que o Adam e o Wanner devem ser meio irmãos, filhos da mesma mãe, porque ela nunca é citada pelos dois. Talvez por isso ambos podem tocar nela. E eu sempre gosto mais dos vilões kkkkk, incrível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc gosta do Octaviam e da Umbridge tb???

      Excluir
  5. Huum... 1° Sim eu gosto do Warner mesmo ele sendo mau e sim ele merece ser castigado pelas coisas que fez. Gostar dele não significa aprovar suas atitudes. 2° Não odeio o Adam, mas ele tem o selo Edward Perfect e eu sempre preferi o Jacob eu acho que as histórias ficam melhores quando o mocinho é capaz de errar e aprender isso o torna + real mesmo que ele seja um ser fantastico, por isso eu torço para que essa perfeição toda do Adam seja apenas reflexo dos olhos apaixonados da Ju

    ResponderExcluir
  6. Será que o Adam matou o pai dele pois o pai dele odiava o Adam e o espancava

    ResponderExcluir
  7. Eu nunca gostei d vilões, é a primeira vez q fico xonada em um, cara o Warner me encantou desde a primeira vez q a Juju viu ele e outra coisa cada leitor tem opiniões diferentes, então não tem essa d shippar casais errados, cada pessoa shippar o casal q quer, se eu quiser posso shippar a Juju com o coringa e pronto, ninguém tem nada a ver com isso e sem mimimi por favor. Eu também pensei nisso Virna, acho q eles são filhos da msm mãe, é muito estranho apenas o Warner e o Adam poderem tocar nela '-' AMO O WARNER <3
    #TeamJuliner

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, eu também! Primeiro vilão de que gosto

      Excluir
  8. Eu acho o Warner horrível, louco por poder.. Mas também não gosto muito do Adam " perfeição ". Claro que todo mundo desconfia dele, porquê esse 'romance clichê' é perfeito demais..Ambos amam a Juliette.. Ambos me enjoam. Mas talvez isso mude?

    * Lanna *

    ResponderExcluir
  9. Só eu que comecei a acreditar no Warner ( mas nn discordo q ele é louco ) só que ele já foi muito magoado pelo mundo e fez coisas horríveis pelo que fizeram com ele as vezes nos tornamos vilões devido as consequência da vida e ele gosta de um jeito meio louco dela acha q ela tem que descontar o que o mundo fez com ela
    Já o Adam esse ai esconde algo e nn to mais acreditando que ele gosta dela ele só usou ela pq toda vez q ela fala que ama ele ele fica assim e ninguém ama desse jeito que ele diz não pq se for verdade o livro vai fugir da realidade neh

    ResponderExcluir
  10. Amo o Adam, só espero que ele esteja sendo sincero.

    ResponderExcluir
  11. Yesubai, a filha do vilão9 de abril de 2017 22:48

    espero do fundo do meu core que o Adam não seja um mentiroso traidor, seria muito cruel pra jullie

    ResponderExcluir
  12. A culpa de estarmos apaixonadas pelo Warner é da própria Ju.
    ElA diz que odeia ele, mas descreve o quanto os olhos dele são bonitos,seu rosto é perfeito,seu corpo perfeito. O quanto ele a observa com desejo...
    A Aiii❤❤❤❤❤❤
    Eu quero

    ResponderExcluir
  13. ahhhhhh vei tipo ela ja falou que ama ele uma pa de vzs e ele n disse nda, so fica lembrando do passado e mais passado, nao confio no Adam ele é perfeitinho demais pro meu gosto

    ResponderExcluir
  14. Relendo '-' O Adam me deixa enjoada -.-'

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)