15 de novembro de 2016

Capítulo I: A infância de Túrin

A HISTÓRIA DOS FILHOS DE HÚRIN

Hador Cabeça Dourada era um senhor dos Edain e muito estimado pelos Eldar. Viveu, enquanto os seus dias duraram, sob o domínio de Fingolfin, que lhe deu vastas terras naquela região de Hithlum a que chamavam Dor-lómin. A sua filha Glóredhel casou com Haldir, filho de Halmir, senhor dos Homens de Brethil; e na mesma festa o seu filho Galdor, o Alto, desposou Hareth, a filha de Halmir.
Galdor e Hareth tiveram dois filhos, Húrin e Huor. Húrin era três anos mais velho do que o irmão, mas mais baixo em estatura do que outros homens da sua família; nisso saía à família da mãe, mas em tudo o mais era como Hador, o av ô, forte de corpo e fogoso de temperamento.
Mas o fogo ardia nele firmemente e era pertinaz a sua força de vontade. De todos os homens do Norte, era o mais conhecedor dos conselhos dos Noldor. Huor, seu irm ão, era alto, o mais alto de todos os Edain exceto o seu próprio filho, Tuor, e um corredor veloz, mas, se a corrida era longa e difícil, Húrin era o primeiro a chegar, pois corria com igual vigor tanto no fim da corrida como no princípio. Havia um grande amor entre os irmãos, que na juventude raramente se separavam.
Húrin desposou Morwen, a filha de Baragund, filho de Bregolas, da Casa de Beor, o que a tornava parente chegada de Beren Maneta. Morwen era alta, tinha cabelo escuro e, devido ao brilho do seu olhar e à beleza do seu rosto, os homens chamavam-lhe Eledhwen, a fada élfica; mas ela era algo austera de temperamento e orgulhosa. Os infortúnios da Casa de Beor entristeciam o coração, pois chegara a Dor-lómin como exilada de Dorthonion, após a ruína da Bragollach.
Túrin era o nome do filho mais velho de Húrin e Morwen e nasceu no ano em que Beren chegou a Doriath e conheceu Lúthien Tinúviel, filha de Thingol. Morwen deu também uma filha a Húrin, a qual se chamou Urwen; mas todos quantos a conheceram na sua curta vida chamaram-lhe Lalaith, que significa Riso.
Huor desposou Rían, prima de Morwen, que era filha de Belegund, filho de Bregolas.
Quis o duro destino que nascesse em tais tempos, ela que era afável de coração e não gostava nem de caça nem de guerra. Devotava o seu amor às árvores e às flores silvestres e cantava e compunha canções. Estava casada com Huor havia apenas dois meses quando ele partiu com o irmão para a Nirnaeth Arnoediad e nunca mais voltou a vê-lo.
Mas agora a narrativa regressa a Húrin e Huor no tempo da sua juventude. Diz-se que, durante algum tempo, os filhos de Galdor viveram em Brethil como filhos adotivos de Haldir, seu tio, de acordo com o costume dos Homens do Norte daquele tempo. Batalhavam freqüentemente com os Homens de Brethil contra os Orcs, que então assolavam as fronteiras setentrionais da sua terra, pois Húrin, apesar de ter apenas dezessete anos, era forte, e Huor, o irmão mais novo, era já tão alto como a maioria dos homens feitos daquele povo.
Numa ocasião, Húrin e Huor partiram com uma companhia de batedores e os Orcs apanharam-nos numa emboscada e dispersaram-nos, tendo os irmãos sido perseguidos para o vau do Brithiach. Aí teriam sido aprisionados ou chacinados não fora o poder de Ulmo, ainda forte nas águas do Sirion; e diz-se que uma neblina subiu do rio e os ocultou dos seus inimigos, e eles fugiram pelo Brithiach para Dimbar. Vaguearam, ent ão, atribuladamente entre os montes abaixo dos Crissaegrim, até serem desorientados pelos artifícios daquela terra e não saberem como prosseguir ou regressar. Thorondor, que os espiava, mandou duas das suas Águias em seu socorro.
As Águias transportaram-nos para lá das Montanhas Circundantes, até ao vale secreto de Tumladen e à cidade oculta de Gondolin, que jamais Homem algum vira.
Aí foram bem recebidos por Turgon, o Rei, quando este teve conhecimento da família a que pertenciam, pois Hador era um Amigo-dos-Elfos e, além disso, Ulmo aconselhara Turgon a tratar com brandura os filhos daquela Casa, de onde lhe chegaria auxílio, caso necessitasse. Húrin e Huor viveram como convidados na casa do Rei durante quase um ano e diz-se que, nesse tempo, Húrin, cuja mente era veloz e ávida, adquiriu muita da erudição dos Elfos, além de ter aprendido alguma coisa com os conselhos e os propósitos do Rei. Pois Turgon ganhara grande afeição pelos filhos de Galdor, com os quais falava muito. Era mesmo seu desejo mantê-los em Gondolin por amor, e não apenas por causa da sua lei, segundo a qual nenhum desconhecido, fosse ele Elfo ou Homem, que descobrisse o caminho para o reino secreto ou estendesse o olhar sobre a cidade jamais poderia partir de novo, até o Rei abrir o cerco e o povo oculto poder avançar.
Mas Húrin e Huor desejavam regressar para junto do seu povo e partilhar as guerras e sofrimentos que então o assediavam. E Húrin disse a Turgon: “Senhor, somos apenas homens mortais e diferentes dos Eldar. Estes podem permanecer longos anos à espera de batalharem com os seus inimigos num qualquer tempo distante, mas, para nós, o tempo é breve e a nossa esperança e a nossa força não tardarão a declinar. Além disso, não descobrimos o caminho para Gondolin e, em verdade, não sabemos com certeza onde a cidade se situa, pois fomos transportados, num estado de medo e espanto, pelos altos caminhos do ar, e, por misericórdia, os nossos olhos foram velados”. Então Turgon satisfez a sua súplica e disse: “Pelo caminho que vieram estão autorizados a partir, desde que Thorondor a tal esteja disposto. Desgosta-me esta separação, embora, segundo os cálculos dos Eldar, em breve possamos reencontrar-nos”.
Mas Maeglin, o filho da irmã do rei, que era poderoso em Gondolin, não lamentou nada a partida deles, posto que lhes invejava o favor do Rei, não sentindo afeto algum por qualquer dos aparentados com os Homens; e disse a Húrin: “A graça do Rei é maior do que imaginais, e haverá quem se pergunte por que motivo foi a rigorosa lei mitigada em benefício de dois tratantes filhos dos Homens. Seria mais seguro se lhes não restasse outra alternativa senão aqui permanecerem como nossos servos até ao fim dos seus dias.”
— A graça do Rei é deveras grande — respondeu Húrin —, mas, se a nossa palavra não é suficiente, então far-vos-emos juramentos.
E os irmãos juraram que nunca revelariam os intentos de Turgon e guardariam segredo de tudo quanto tinham visto no seu reino. Depois despediram-se e as Águias vieram e transportaram-nos de noite, deixando-os em Dor-lómin antes do alvorecer. Os seus familiares rejubilaram ao vê-los, pois mensageiros de Brethil haviam comunicado que estavam perdidos; mas nem ao próprio pai eles disseram onde tinham estado, além de que tinham sido salvos no deserto pelas Águias que os haviam trazido para casa. Mas Galdor disse:
— Vivestes, então, um ano no deserto? Ou acolheram-vos as Águias nos seus altos ninhos? Mas encontrastes alimento e boas vestes, e regressastes como jovens príncipes e não  como perdidos na floresta.
— Contentai-vos, pai, por termos regressado — respondeu Húrin. — Pois somente sob jura de silêncio tal nos foi permitido. A esse juramento continuamos obrigados.
Então Galdor não os interrogou mais, mas ele e muitos outros suspeitaram da verdade. Pois tanto o juramento de silêncio como as Águias apontavam para Turgon, pensavam os homens.
Os dias foram passando e a sombra do medo de Morgoth foi crescendo. Mas, no 469° ano após o regresso dos Noldor à Terra Média, houve um frêmito de esperança entre Elfos e homens, pois correu entre eles o rumor dos feitos de Beren e Lúthien e da humilhação de Morgoth no seu próprio trono, em Angband, e alguns diziam que Beren e Lúthien continuavam vivos ou tinham ressuscitado dos mortos. Nesse ano ficaram também quase concluídos os grandes intentos de Maedhros e, com a força revigorada dos Eldar e dos Edain, o avanço de Morgoth foi sustido e os Orcs rechaçados de Beleriand. Depois, alguns começaram a falar de vitórias vindouras e do desagravo da Batalha da Bragollach, quando Maedhros comandasse as hostes unidas, rechaçasse Morgoth para o subsolo e cerrasse as Portas de Angband.
Mas os mais sensatos continuavam inquietos, receando que Maedhros revelasse a sua força crescente demasiado cedo e Morgoth dispusesse de tempo suficiente para se precaver contra ele. “Será sempre maquinado em Angband algum novo mal que ultrapassa as conjecturas de Elfos e Homens”, diziam. E, no Outono desse ano, como que a confirmar as suas palavras, soprou do Norte um vento doentio, sob céus de chumbo. O Bafo Maligno, chamaram-lhe, pois era pestilento. E muitos adoeceram e morreram, no Outono do ano, nas terras setentrionais que ladeavam a Anfauglith, e foram na sua maioria as crianças ou os jovens em crescimento das casas dos Homens.
Nesse ano, Túrin, filho de Húrin, ainda tinha apenas cinco anos de idade e Urwen, a sua irmã, fizera três no início da Primavera. O seu cabelo era como os lírios amarelos no prado, quando ela corria pelos campos, e o seu riso lembrava o som do regato alegre que descia, cantando, dos montes e passava pelas muralhas da casa do seu pai. Nen Lalaith, assim se chamava o regato, e as pessoas da casa passaram a chamar Lalaith à menina e os seus corações sentiram-se felizes enquanto ela viveu entre elas.
Mas Túrin era menos amado do que ela. Tinha cabelos escuros, como a mãe, e prometia ser também como ela em disposição, pois não era alegre e pouco falava, embora tivesse aprendido cedo a falar e sempre tivesse parecido mais velho do que na verdade era. Túrin demorava a esquecer a injustiça ou a zombaria, mas o fogo do seu pai também ardia nele e tornava-o capaz de ser brusco e violento. Todavia, depressa se apiedava e a mágoa ou a tristeza das coisas vivas comoviam-no até às lágrimas — e nisso era também como o pai, pois Morwen era tão severa para com os outros como para consigo mesma. Túrin amava a mãe, pois ela falava-lhe de modo franco e claro; mas via pouco o pai, porque Húrin estava frequentemente muito tempo longe de casa com a hoste de Fingon, que guardava as fronteiras orientais de Hithlum, e, quando regressava, o seu falar apressado, cheio de palavras estranhas, gracejos e subentendidos, intrigava e constrangia Túrin. Nesse tempo, todo o calor do seu coração ia para Lalaith, sua irmã; mas raramente brincava com ela e preferia protegê-la sem ser visto e observá-la a caminhar sobre a relva ou sob as árvores, enquanto cantava canções como as que eram feitas pelos filhos dos Edain havia muito tempo, quando a língua dos Elfos ainda estava fresca nos seus lábios.
— Lalaith é bela como uma criança élfica — dizia Húrin a Morwen —, mas, ai de nós, mais fugaz! E por isso ainda mais bela, talvez, ou mais querida.
Túrin, ouvindo tais palavras, meditava nelas, mas não conseguia compreendê-las. Pois nunca vira nenhuma criança élfica. Naquele tempo, nenhum dos Eldar vivia nas terras do seu pai, e apenas uma vez ele os vira, quando o rei Fingon e muitos dos seus senhores tinham atravessado Dor-lómin e passado pela ponte do Nen Lalaith, cintilantes de prata e branco.
Mas, antes de findo o ano, a verdade das palavras do pai foi revelada, pois o Bafo Maligno chegou a Dor-lómin e Túrin adoeceu e passou muito tempo mergulhado em febre e sonhos negros. E, quando sarou, pois tal era o seu destino e a força da vida que nele havia, perguntou por Lalaith. Mas a ama respondeu: “Não faleis mais de Lalaith, filho de Húrin; mas da vossa irmã Urwen podeis pedir notícias a vossa mãe”.
E, quando Morwen foi ter com ele, Túrin disse-lhe:
— Já não estou doente e desejo ver a minha irmã Urwen; mas porque não devo chamar-lhe mais Lalaith?
— Porque Urwen morreu e o riso foi silenciado nesta casa — respondeu-lhe ela. — Mas tu vives, filho de Morwen, assim como o Inimigo que nos fez isto.
Não procurou confortá-lo, do mesmo modo que não se confortava a si mesma, pois acolhia a sua dor em silêncio e de coração frio. Mas Húrin pranteou sem disfarces e pegou na sua harpa e quis compor uma canção de lamento. Não conseguiu, porém, e quebrou a harpa e, saindo, ergueu a mão para o lado do Norte, gritando: “Desfigurador da Terra Média, pudera eu ver-te cara a cara e desfigurar-te como o meu senhor Fingolfin o fez!”
Mas, à noite, Túrin chorava amargamente, sozinho, embora nunca mais voltasse a dizer o nome da irmã a Morwen. A um amigo apenas recorreu nesse tempo e a ele falou do seu desgosto e do vazio da casa. Esse amigo chamava-se Sador, um criado ao serviço de Húrin, coxo e de pouco valimento. Fora lenhador e, por má sorte ou mau manejo do machado, cortara o pé direito. A perna, sem pé, mirrara, e Túrin chamava-lhe Labadal, que significa “coxo”, mas a alcunha não desagradava a Sador, pois fora-lhe dada por compaixão e não por desdém. Sador trabalhava nos edifícios exteriores, fazendo ou consertando coisas de pouca monta que eram necessárias para a casa, pois possuía alguma perícia na arte de trabalhar com madeira. E Túrin levava-lhe aquilo de que ele precisava, para lhe poupar a perna, e às vezes, às escondidas, alguma ferramenta ou pedaço de madeira que encontrara ao abandono, se lhe parecia que podia ser útil ao amigo. Então Sador sorria, mas mandava-o repor as dádivas onde as encontrara. “Dá com mão larga, mas dá apenas o que é teu”, dizia-lhe. Recompensava como podia a gentileza do rapazinho e entalhava para ele figuras de homens e animais; mas Túrin deliciava-se mais com as suas histórias, pois Sador tinha sido jovem nos tempos da Bragollach e gostava agora de falar dos breves dias da sua plena masculinidade, antes da mutilação.
— Dizem que foi uma grande batalha, filho de Húrin. Eu fui chamado das minhas tarefas na floresta pela necessidade surgida nesse ano, mas não estive na Bragollach, ou poderia ter recebido o meu ferimento com mais honra. Chegamos tarde de mais, a tempo apenas de transportar o féretro de Hador, o velho senhor, que tombou em defesa do Rei Fingolfin. Depois disso, fui para soldado e estive na Eithel Sirion, a grande fortaleza dos Reis Élficos, durante muitos anos; ou assim me parece agora, e os anos monótonos que se seguiram pouco têm que os assinale. Encontrava-me na Eithel Sirion quando o Rei Negro a atacou e Galdor, pai do teu pai, tornou-se comandante no lugar do Rei. Foi morto nesse ataque; e eu vi o teu pai assumir o seu domínio e o seu comando, apesar de ter atingido havia pouco a idade adulta. Havia nele um fogo que tornava a espada quente na sua mão, dizia-se. Atrás dele, empurramos os Orcs para a areia, e desde esse dia eles não se atreveram a aparecer à vista das muralhas. Mas, ai de mim, o meu amor pelo combate estava saciado, pois vira sangue vertido e feridas suficientes, e fui autorizado a regressar às florestas por que ansiava. E aí sofri o meu ferimento, porque um homem que foge do seu medo pode descobrir que, afinal, apenas enveredou por um atalho para ir ao seu encontro.
Deste modo falava Sador a Túrin, à medida que este ia crescendo, e Túrin começou a fazer muitas perguntas às quais Sador tinha dificuldade em responder, pensando que outros, mais chegados a ele, deviam ter-se encarregado de ensiná-lo. E um dia Túrin disse-lhe:
— Lalaith parecia, realmente, uma criança élfica, como o meu pai dizia? E o que significavam as palavras dele quando disse que ela era mais fugaz?
— Parecia, e muito — respondeu Sador —, pois, na sua primeira juventude, os filhos dos Homens e dos Elfos parecem muito semelhantes. Mas os filhos dos Homens crescem mais depressa e a sua juventude em breve passa. É esse o nosso destino.
Então Túrin perguntou-lhe:
— O que é o destino?
— Quanto ao destino dos Homens, deves perguntar aos que s ão mais sábios do que Labadal. No entanto, como todos podem ver, nós definhamos depressa e morremos; e, por fatalidade, alguns encontram a morte ainda mais cedo. Mas os Elfos não definham e não morrem a não ser por grande ferimento. De ferimentos e desgostos que matariam os Homens eles podem ser sarados; e há quem diga que, mesmo quando os seus corpos estão despedaçados, eles voltam. Tal não acontece conosco.
— Então a Lalaith não regressará? — perguntou Túrin. — Para onde foi ela?
— Não, ela não regressará. Mas para onde foi nenhum homem sabe; ou, pelo menos, eu não sei.
— Foi sempre assim? Ou sofremos a influência de alguma maldição do rei perverso, como o Bafo Maligno?
— Não sei. Há atrás de nós uma escuridão, da qual poucas histórias surgiram. Os pais dos nossos pais podem ter tido coisas para dizer, mas n ão as disseram. Até os seus nomes estão esquecidos. As Montanhas erguem-se entre nós e a vida de onde eles vieram, fugindo nenhum homem sabe do quê.
— Tinham medo? — perguntou Túrin.
— Talvez. É possível que tenham fugido do medo das Trevas, apenas para o encontrarem aqui antes de nós e sem nenhum lugar para onde fugirem a não ser o Mar.
— Nós já não temos medo — disse Túrin —, não todos. O meu pai não tem medo e eu não terei. Ou, pelo menos, como a minha mãe, terei medo e não o demonstrarei.
Pareceu então a Sador que os olhos de Túrin não eram os de uma criança, e pensou:
“O sofrimento é uma pedra de afiar para uma mente forte.” Mas o que disse foi:
— Filho de Húrin e Morwen, Labadal não pode imaginar o que se passará com o teu coração, mas raramente e a poucos mostrarás o que nele se passa.
E Túrin respondeu:
— Talvez seja melhor não dizermos o que desejamos, se não podemos tê-lo. Mas, Labadal, eu desejava ser um dos Eldar. Ent ão Lalaith poderia regressar e eu ainda aqui estaria, mesmo que ela tivesse estado muito tempo ausente. Serei soldado de um rei élfico assim que for capaz, como tu fizeste, Labadal.
— Poderás aprender muito com eles — disse Sador, e suspirou. — São um povo belo e maravilhoso e têm poder sobre os corações dos Homens. E, no entanto, às vezes penso que talvez tivesse sido melhor se nunca os houvéssemos conhecido, mas seguido por caminhos mais modestos. Pois eles são já antigos em sabedoria e são também orgulhosos e resistentes. A sua luz ofusca-nos ou então ardemos numa chama demasiado rápida e o peso do nosso destino pesa ainda mais sobre nós.
— Mas o meu pai ama-os — respondeu Túrin — e não se sente feliz sem eles. Diz que aprendemos com eles quase tudo quanto sabemos e assim nos tornamos um povo mais nobre; e diz também que os Homens vindos recentemente pelas Montanhas pouco melhores são do que os Orcs.
— Isso é verdade — admitiu Sador —, é verdade pelo menos em relação a alguns de nós. Mas a subida é dolorosa e dos lugares altos é fácil cair.
Nesse tempo, Túrin tinha quase oito anos de ida de, que completaria no mês de Gwaeron do calendário dos Edain, no ano que não pode ser esquecido. Entre os mais velhos corriam já rumores de uma grande recolha e concentração de armas, dos quais Túrin nada ouvira, embora reparasse que, com freqüência, o pai o olhava firmemente, como um homem olha para qualquer coisa querida de que terá de separar-se.
Ora, conhecedor da sua coragem e de quanto a sua língua era cauta, Húrin falava muitas vezes com Morwen a respeito dos desígnios dos reis élficos e do que poderia acontecer se eles corressem bem ou mal. O seu coração estava pleno de esperança e pequeno era o seu receio quanto ao resultado da batalha, pois não lhe parecia que força alguma da Terra Média conseguisse derrubar o poder e o esplendor dos Eldar. “Eles viram a Luz no Ocidente”, dizia, “e no fim as Trevas deverão fugir dos seus rostos.” Morwen não o contradizia, pois na presença de Húrin a esperança parecia sempre o mais provável. Mas na sua família também havia conhecimento da tradição élfica e ela dizia para consigo: “E, todavia, não deixaram eles a Luz e não estão agora excluídos dela? Pode ser que os Senhores do Ocidente os tenham afastado do seu pensamento; e sendo assim, como poderão até mesmo os Filhos dos Antigos vencer um dos Poderes?”
Nem sombra de semelhante dúvida parecia haver em Húrin Thalion. E, todavia, numa manhã de Primavera daquele ano, ele acordou com o coração pesado, como se tivesse tido um sono atribulado, e nesse dia pairou uma sombra na luminosidade da sua disposição. Chegada a noite, disse, de súbito:
— Morwen Eledhwen, quando for convocado, deixarei a teu cargo o herdeiro da Casa de Hador. As vidas dos Homens são curtas e há nelas muitos riscos, mesmo em tempo de paz.
— Sempre assim foi — respondeu ela. — Mas o que inspira as tuas palavras?
— Prudência, sem dúvida — disse Húrin, embora parecesse perturbado. — Mas quem olha em frente deve ver o seguinte: que as coisas não permanecerão como estão. Esta será uma grande jogada e um dos lados terá de descer para mais baixo do que está agora. Se forem os reis élficos a cair, então correrá mal para os Edain, e nós somos quem se encontra mais perto do Inimigo. Esta terra poderá passar para o seu domínio. Mas, se as coisas correrem mal, eu não te direi: Não tenhas medo! Pois tu temes o que deve ser temido, e apenas isso, e o medo não te desfalece. Mas digo-te: Não esperes! Voltarei para ti como puder, mas não esperes! Parte para sul o mais depressa que puderes; se eu viver seguir-te-ei e encontrar-te-ei, nem que tenha de procurar em toda a Beleriand.
— Beleriand é vasta, e não tem abrigo para os exilados — respondeu Morwen. — Para onde fugirei, com poucos ou com muitos?
Húrin pensou um momento, em silêncio.
— Há a família da minha mãe, em Brethil — respondeu, por fim. — Fica a cerca de trinta léguas, seguindo o voo da águia.
— Se tal tragédia ocorrer, de fato, que ajuda poder á ser encontrada junto dos Homens? — perguntou Morwen. — A Casa de Beor caiu. Se a grande Casa de Hador cair também, para que buracos se arrastará o pequeno povo de Haleth?
— Para aqueles que conseguir encontrar — disse Húrin. — Mas não duvides da sua coragem, embora sejam poucos e incultos. Onde mais haverá esperança?
— Não falas de Gondolin — lembrou Morwen.
— Não, pois esse nome nunca passou dos meus lábios. No entanto, é verdadeiro aquilo que ouviste: eu estive l á. Mas digo-te agora sinceramente, como nunca disse nem direi a mais ninguém: não sei onde fica.
— Mas fazes uma idéia, e uma idéia aproximada, segundo penso — disse Morwen.
— É possível que sim. Mas, a não ser que o próprio Turgon me libertasse do meu juramento, não poderia revelar essa idéia, nem mesmo a ti, e portanto a tua busca seria vã. Porém, ainda que, para vergonha minha, eu falasse, chegarias quando muito a uma porta fechada; pois, a não ser que Turgon avance para a guerra (e disso nada constou e nem é esperado), ninguém entrará.
— Nesse caso, se a tua família não ajudar e os teus amigos te negarem, terei de decidir por mim mesma e agora vem-me ao pensamento Doriath.
— O teu alvo é sempre muito alto — comentou Húrin.
— Excessivamente alto, dirias? Mas penso que, de todas as defesas, a Cerca de Melian será a última a ser quebrada. E, além disso, a Casa de Beor não será desprezada em Doriath. Não sou eu parente do rei? Pois Beren, filho de Barahir, era neto de Bregor, tal como o meu pai.
— O meu coração não se inclina para Thingol — disse Húrin. — Nenhum auxílio virá dele para o Rei Fingon, e não sei que sombra cai sobre o meu espírito quando ouço falar de Doriath.
— O nome de Brethil também ensombra o meu coração — confessou Morwen.
Inesperadamente, Húrin riu-se e disse:
— Eis-nos aqui a discutir questões que ultrapassam o nosso alcance e sombras que emanam de sonhos. As coisas não correrão assim tão mal; mas, se porventura correrem, então a tua coragem e o teu discernimento empenhar-se-ão. Faz, pois, o que o teu coração ordenar, mas não tardes. E, se alcançarmos os nossos objetivos, os reis élficos estão resolvidos a restituir todos os feudos da Casa de Beor ao seu herdeiro, e esse herdeiro és tu, Morwen, filha de Baragund. Grandes domínios deteremos, então, e elevada herança caberá ao nosso filho. Sem o rancor do norte, ele adquirirá grande riqueza e será um rei entre os homens.
— Húrin Thalion — disse Morwen —, acho mais verdadeiro dizer isto: tu olhas bem alto, mas eu temo cair bem baixo.
— Isso, na pior das hipóteses, não tens de recear. Nessa noite, Túrin, meio acordado, teve a sensação de que o seu pai e a sua mãe estavam de pé ao lado da sua cama e o olhavam à luz das velas que seguravam. Mas ele não conseguia ver-lhes os rostos.
Na manhã do aniversário de Túrin, Húrin presenteou o filho com uma faca forjada por elfos, cujos punho e bainha eram em prata e negro, e disse-lhe:
— Herdeiro da Casa de Hador, aqui tens um presente de anivers ário. Mas cautela! E uma lâmina penetrante e o aço serve apenas aqueles que sabem brandi-lo. Decepará a tua mão e tão bom grado como a de qualquer outro. — E, pondo o filho em cima de uma mesa, beijou-o e acrescentou: — Assim já ficas mais alto do que eu, filho de Morwen, e em breve terás igual altura apoiado nos teus próprios pés. Nesse dia, muitos temerão a tua lâmina.
Então, Túrin saiu a correr da sala e afastou-se para longe, e no seu coração havia um calor igual ao do sol sobre a terra fria que faz desabrochar as sementes. Repetiu para consigo as palavras do pai: Herdeiro da Casa de Hador. Mas outras palavras lhe vieram igualmente ao pensamento: Dá com mão larga, mas dá o que é teu. E foi ter com Sador, e gritou:
— Labadal, é o dia do meu aniversário, do aniversário do herdeiro da Casa de Hador! E trouxe-te um presente para assinalar a data. Aqui está uma faca, tal como precisas; cortará tudo o que desejares, fino como um cabelo.
Sador sentiu-se perturbado, pois bem sabia que o pr óprio Túrin a recebera de presente naquele dia; mas os homens consideravam ofensivo recusar uma oferta dada de livre vontade pela mão de alguém. Falou-lhe então em tom grave:
— Vens de uma família generosa, Túrin filho de Húrin. Eu não fiz nada que se compare com o teu presente e não tenho esperanças de poder fazer melhor nos dias que me restam; mas o que puder fazer, farei. — E quando Sador tirou a faca da bainha acrescentou: — É, deveras, uma grande dádiva: uma lâmina de aço élfico. Há quanto tempo não sentia o seu contato.
Húrin não tardou a reparar que Túrin não usava a faca e perguntou-lhe se o seu aviso o fizera temê-la. Então Túrin respondeu:
— Não, mas eu dei a faca a Sador, o entalhador de madeira.
— Quer dizer que menosprezaste a prenda do teu pai? — perguntou Morwen, e de novo Túrin respondeu:
— Não. Mas sou amigo de Sador e tenho pena dele. Então Húrin disse:
— Todas as três prendas eram tuas e podias dá-las, Túrin: amor, compaixão e, a menos importante, a faca.
— No entanto, duvido que Sador as mereça — declarou Morwen. — Auto mutilou-se com a sua própria falta de perícia e é vagaroso nas suas tarefas, pois perde muito tempo com bagatelas que lhe não são pedidas.
— Dá-lhe, apesar de tudo, compaixão — disse Húrin. — Uma mão honesta e um coração sincero podem falhar o alvo do corte; e o dano pode ser mais difícil de suportar do que a obra de um inimigo.
— Mas agora terás de esperar por outra faca — lembrou Morwen. — Assim, a dádiva será uma verdadeira dádiva e a teu próprio custo.
No entanto, Túrin notou que Sador passou a ser tratado mais bondosamente a partir daí, e estava agora empenhado em fazer uma grande cadeira para o senhor se sentar no seu salão.
Chegou uma luminosa manhã do mês de Lothron em que Túrin foi despertado por súbitos toques de trompas; e, correndo para as portas, viu no pátio um grande aglomerado de homens a pé e a cavalo e com armaduras completas, como se fossem para a guerra. Lá se encontrava também Húrin, que falava aos homens e dava ordens, pelo que Túrin ficou a saber que partiriam naquele dia para Barad Eithel. Aqueles eram os guardas de Húrin e gente da sua casa, mas todos os homens da sua terra que podiam ser dispensados foram igualmente convocados.
Alguns já tinham partido com Huor, o irm ão de seu pai, e muitos outros juntar-se-iam na estrada ao senhor de Dor-lómin e seguiriam atrás da sua bandeira para a grande concentração marcada pelo Rei.
Morwen despediu-se de Húrin sem lágrimas, e disse:
— Velarei pelo que deixas a meu cargo, tanto o que já existe como o que existirá.
E Húrin respondeu-lhe:
— Adeus, Senhora de Dor-lómin; partimos agora com maior esperança do que alguma vez sentimos. Pensemos que a festa do solst ício deste Inverno será mais alegre do que as de todos os anos que já tivemos, seguida por uma Primavera sem medo!
Depois ergueu Túrin à altura do seu ombro e gritou aos seus homens:
— Que o herdeiro da Casa de Hador veja a luz das vossas espadas! — E o sol cintilou nas cinqüenta lâminas que se ergueram e no pátio ecoou o grito de combate dos Edain do Norte: Lacho calad! Drego morn! Flameja, Luz! Foge, Noite!
Depois, finalmente, Húrin saltou para a sela, a sua bandeira dourada foi desfraldada e as trompas cantaram de novo na manhã; e deste modo partiu H úrin Thalion para a Nirnaeth Arnoediad.
Mas Morwen e Túrin ficaram imóveis nos portões, até ouvirem, muito ao longe, o tênue grito de uma só trombeta ao vento: Húrin transpusera a espalda do monte, para lá do qual já não podia ver a sua casa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!