25 de novembro de 2016

Capítulo 22

Tikal, Guatemala

Dan amava burritos, mas cada vez que tentava dar uma mordida, seu estômago se apertava em protesto. Ele estava em um estado raro: tão nervoso que mal conseguia comer.
Ian, Ham, Jonah, e Pony tinham chegado, e todos se encontraram para um jantar adiantado e para planejar as missões daquela noite. Eles tinham dois objetivos: obter o cristal despedaçado e se encontrar com os chantagistas para recuperar o livro de Olivia.
Seria uma longa noite.
Ian, Ham, Jonah e Pony pareciam desconfortáveis também, a principio: Ian ficava olhando para os hematomas no pescoço de Jake, mas pela primeira vez ele estava abalado demais para comentar. Jonah tentou agir como se nada tivesse errado.
— E aí — ele falou casualmente, dando um aceno solene para Dan. Ele envolveu Amy em um abraço de urso e a segurou um segundo a mais do que o habitual, mas não conseguia exatamente olhá-la nos olhos, como se não soubesse o que dizer a ela.
E ao cumprimentar Amy, que ainda brilhava como se tivesse sido presa em um reator nuclear, Ham ficou tão surpreso que deixou escapar:
— Amy, você está incrível! Nem parece que vai...
Um chute na canela dado por Jonah o calou antes que ele pudesse terminar a frase mórbida. Mas todos viram o olhar angustiado no rosto de Amy.
Pony se mexeu nervosamente, olhando para seu tênis verde-néon. Mas assim que viu Amy falou:
— O que eu puder fazer para ajudar, apenas diga. Qualquer coisa que precisar.
Ele tocou o topo da cabeça com o dedo indicador em uma espécie de gesto cavalheiresco de respeito – pelo menos, era o que Dan pensou ser a intenção do gesto – antes de ficar fascinado com seus tênis novamente.
Dan os levou direto para os negócios. Todos concordaram que o único jeito de conseguir tudo em uma noite seria se dividirem em dois grupos. O que eles não concordaram era quem deveria ir para onde.
— Ham, Jonah, Atticus, Jake, Pony e Ian — Dan falou. — Vocês vão atrás do cristal. Nós temos um mapa os levará até lá. Saiam logo após o pôr do sol.
Jake lançou a Ian um olhar cauteloso. Dan sabia que ele não queria ficar no mesmo grupo que Ian, mas eles teriam que deixar a rixa pessoal de lado por enquanto.
— Ei, espere um minuto — Jonah disse. — Quem vai com você e a Amy?
— Vocês estão indo direto para uma armadilha — Ian apontou. — É uma missão suicida.
— Que escolha temos? — Dan perguntou. — Sem o livro... — Sem o livro, a Ammy morre, ele pensou, mas não conseguia dizer em voz alta.
— Tá — Jonah disse. — Mas vocês vão precisar de ajuda.
— Eu aprecio a oferta — Dan respondeu. — Mas não posso deixar nenhum de vocês fazer isso pela gente. É um sacrifício grande demais.
— O quê?! — Ham protestou — essa é a nossa luta também.
— Mesmo Ian disse: é uma missão suicida. — Dan olhou para Amy, que parecia triste. Ele estava começando a entender o raciocínio por trás de tantas decisões anteriores da irmã, aquelas que o tinham enfurecido, aquelas em que ela o deixara para poder sair e lutar sozinha. — Não posso pedir isso para nenhum de vocês.
— Mas eu me ofereço! — Ham tinha pulado em pé.
— Eu também! — Jonah concordou.
— E eu — Ian acrescentou.
Jake e Atticus estavam com eles. Suas vozes ecoaram no silêncio do quarto. Pony olhou em volta, desconfortável. Cada garoto estava de pé, exceto ele. Então ele se levantou.
— Eu também.
Amy piscou para conter as lágrimas.
— Vocês todos tem outro trabalho a fazer.
— Os chantagistas disseram para irmos sozinhos — Dan apontou. — Se vissem vocês, poderia piorar as coisas.
— Eu posso ficar aqui e monitorar as comunicações com eles — Pony disse. — Quero dizer, você sabe, eu me ofereço para...
— Obrigada, Pony — Amy disse. — Esse é o trabalho perfeito para você. Se nós nos metermos em problemas, você pode chamar os outros. Dan e eu ficaremos bem por conta própria — ela continuou. — Precisamos que vocês cinco fiquem juntos. Vocês poderiam ser sabotados no caminho para o templo, assim como da última vez.
Jake se virou para Dan.
— E você está de acordo com isso?
Dan empurrou seu prato intocado para longe.
Ele estava no comando agora, e isso o deixava tão tenso que ele perdeu seu apetite de uma vez por todas.
— Amy e eu conversamos, e nós concordamos. Vocês precisam uns dos outros para proteção. Com o poder dela, nós dois devemos ficar bem por conta própria.
— Possivelmente — Ian cedeu. — Mas você não sabe ao certo. Na verdade, vocês não fazem ideia no que estão se metendo.
— Pony estará monitorando as linhas de comunicação em busca de problemas — Amy falou. — Nós ficaremos bem. Eu prometo.
Nenhum dos outros parecia satisfeito com suas palavras, mas Dan sentiu que eles hesitaram em desafiá-la tão vigorosamente como normalmente fariam. Eles não sabiam como se comportar ao redor de alguém que estava morrendo.
— Nós precisamos daquele cristal — Dan disse aos outros. — Eu quero que vocês cinco vão para a selva e o encontrem esta noite. E voltem em segurança. É isso.
Dan se ouviu falar as palavras, dando ordens a cinco garotos que eram mais velhos que ele, mas não parecia real. Ele sentia como se estivesse assistindo uma versão de si mesmo comandando de fora de seu corpo. Assistindo outro garoto, um garoto que parecia exatamente como ele, mas que tinha muito mais confiança do que o verdadeiro Dan jamais teria.
Mas, para sua surpresa, eles ouviram. Ele podia ter fingindo, mas estava fingindo bem o suficiente dar certo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!