18 de novembro de 2016

Capítulo 11

— Amy! Amy, espera aí! — Dan correu atrás de sua irmã enquanto ela andava apressadamente pelo lobby do hotel. — Por que o Pierce pegaria o Dr. Rosenbloom?
— Para chegar até a gente.
— Mas o Pierce não quer nada da gente. Ele só quer nos matar! Amy!
Amy passou por um trio de turistas atordoados e subiu as escadas de dois em dois degraus. Quando chegou ao andar deles, Amy escancarou a porta do quarto do hotel e entrou, indo em direção ao telefone.
— Para quem você está ligando?
— Para a polícia!
Dan bateu a mão sobre o receptor antes que Amy pudesse ligar.
— Ei, Amy. Você sabe como isso funciona. Se nós chamarmos a polícia...
— Nós não podemos ficar aqui sentados enquanto Pierce faz sabe-se lá o que com o pai deles, Dan. Foi o que fizemos com Damien Vesper, e não vou jogar dessa vez.
— Amy...
— Pedimos ajuda ao Dr. Rosenbloom, Dan.
A dor na voz de Amy era insuportável. Por mais que Dan odiasse admitir, ele sabia que ela estava certa. Eles haviam perdido pessoas antes, e ainda estavam tentando lidar com isso. Como poderiam tentar essa chance de novo, com o próprio pai do Atticus e do Jake? Dan tirou a mão do telefone e Amy o pegou e começou a discar. Antes que ela pudesse terminar, o telefone foi arrancado da mesa e das mãos de Amy. Eles se viraram para ver o fio do telefone enrolado na mão de Jake.
— Ligar para a polícia irá matá-lo — Jake falou. — Pierce tê-lo levando significa que ele quer negociar, e isso nos dá uma oportunidade. Temos que esperar para ver o que ele tem para dizer e então nós o pegamos.
— Jake... — Amy começou.
— É assim que funciona — Jake disse. — Você sabe disso.
— Att — Dan perguntou. — Você concorda com isso?
Atticus estava atrás de seu irmão, os braços cruzados sobre o peito, a cabeça abaixada fazendo seus dreadlocks esconderem o rosto. Ele balançou a cabeça lentamente.
— Então o que fazemos enquanto isso? — Dan perguntou.
— Nosso trabalho — Jake disse com uma respiração estremecida e profunda. — Nós ainda temos que achar o silphium. Atticus, dê uma olhada no livro de Olivia, linha por linha para o caso de termos perdido algo. Dan, veja se você consegue achar algo na internet. Amy, me ajude a procurar alguns lugares na área com alguma conexão com a Founders Media. Talvez possamos reduzir os locais na qual podem estar prendendo o papai.
— Nós não vamos achá-lo — Amy falou.
— Vamos, Amy — Dan disse com um sorriso pálido. — Nosso recorde de levar a melhor sobre loucos homicidas é o melhor da liga!
— Mas o Pierce é mais inteligente deles — ela disse, olhando de Dan para Jake e depois Atticus, ainda imóvel. — Não é?

* * *

Os quatro estavam espalhados pelo cômodo e trabalhando silenciosamente, debruçados sobre papéis e telas de computadores. Dan ansiava a conversa habitual das sessões de pesquisa deles, mas até ele mesmo estava tenso demais para tentar. Não conseguia parar de olhar para o celular. Por que Pierce não ligava logo e acabava com a espera? Quando Dan não estava olhando para o celular, estava olhando para Atticus. Alguém que não conhecia Att provavelmente pensaria que ele estava superfocado, mas Dan via a verdade toda vez que Atticus se atrapalhava com seu lápis e em cada página que seu amigo permanecia por um segundo a mais.
— É isso — Jake disse, se recostando e esfregando seus olhos cansados pela luminosidade da tela. — Eu consegui. Cheguei ao fim da Internet.
— O que tem lá? — Dan perguntou.
— Exatamente o que você esperaria — ele disse. — Um meme.
  Jake pensara certo. Dan estava cansado, também. Estendeu a mão sobre a mesa e ligou a TV em um canal de notícias em inglês.
— Dan — Amy disse.
— O quê? Eu só quero ver como o meu Sox está indo. Você achou algo sobre a Founders Media?
— Nada — Amy respondeu. — Apesar de possuir cada canal de mídia no mundo, juntamente com as empresas farmacêuticas e start-ups da Internet, a Founders Media não tem nada na Tunísia.
— Isso não é possível.
— É verdade — Jake disse. — Nós até pedimos ao Pony para fazer uma pesquisa lá de casa. Pierce não tem nada aqui. Nada que deixe rastro, de qualquer modo.
— Atticus?
— Neca — disse ele, esfregando os olhos injetados de sangue. — Quero dizer, tem todo tipo de coisa aqui, mas é difícil saber o que é importante e o que é uma lista de compras de quatrocentos anos de idade.
— Uh-oh! — Dan se endireitou na cadeira e se atrapalhou com o controle remoto.
— O quê? — Amy perguntou. — Dan, o que foi?
— Nada! — Dan desligou a TV. — Não se preocupe com isso. Ei! Quem quer invadir os arquivos nacionais da Tunísia?
Amy arrancou o controle de sua mão.
— Não, Amy, espera...
A TV foi ligada novamente, mostrando dois jornalistas elegantes em uma enorme mesa de vidro cromado. Amy se sentou atrás de Dan e largou o controle remoto ao lado de um grande cinzeiro na mesa.
— ... para mais notícias sobre os problemáticos viajantes mundiais, Dan e Amy Cahill, nós agora iremos nos voltar para o correspondente sênior de crime internacional, Chet Waterdam. Chet?
— Vamos lá, Amy — Dan disse. — Nós não precisamos ver isso.
Um homem com uma aparência áspera, pele alaranjada e suspensórios vermelhos brilhantes apareceu na tela.
— Obrigado, Wes. As crianças Cahill! No início, nós aqui da CVB News pensamos que era apenas diversão e brincadeiras, mas agora aprendemos o que estamos vendo é realmente uma conspiração criminosa internacional de proporções assustadoras. Mas primeiro, os Cahill, quem eles são?
A foto mais idiota que Dan já vira de si mesmo apareceu na tela.


— Dan Cahill! — Chet exclamou. — Segundo em comando. Um fanático leal, mas com vontade fraca e um puxa-saco estúpido.
— Ei! — exclamou Dan.
— O verdadeiro poder da trama dos Cahill está aqui.
A foto de Dan foi substituída por uma escura de Amy em uma rua com a aparência decadente em alguma cidade sem nome, parecendo misteriosa e furtiva.


— Amy Cahill! Uma garota imprudente viciada em adrenalina sob o disfarce de uma bibliotecária em treinamento.
— Bem, eles te pegaram nessa — Dan disse, esperando por uma risada, mas recebendo um olhar penetrante no lugar.
— A Srta. Cahill é cruel. Nunca disposta a sujar suas próprias mãos, porém, tem um histórico de atrair garotos para fazer suas ordens.
A tela da TV foi preenchida por uma foto de Evan sorrindo, de pé ao sol. Dan olhou para Amy. Ela estava paralisada, os olhos arregalados, a pele pálida.


— Amy — ele disse. — Sério. Desliga isso.
— Evan Tolliver — a voz entoou. — Estudante brilhante e filho amado de Terrence e Letitia Tolliver. Mas por que não deixamos que eles falem sobre o filho...
A foto de Evan desapareceu, substituída por um homem de cabelos grisalhos e blusa branca e uma mulher de vestido azul. Eles estavam sentados lado a lado em uma varanda ensolarada, com uma fazenda se estendendo atrás deles.
— Nosso filho amava Amy Cahill — Letitia Tolliver disse em uma voz extraída de dor. — Ele a amava mais que tudo.
Terrence Tolliver puxou sua esposa mais perto enquanto ela tirava seus óculos e limpava uma única lágrima em seu rosto.
— É verdade — Terrence confirmou. — Ele a amava e ela o matou. Como se a menina tivesse segurado a arma com a própria mão. Ela o arrastou para esse mundo, e esse pobre garoto, nosso único filho, não sobreviveu. E ela corre ao redor do mundo como se nem se importasse.
— Amy... — Jake falou, mas até ele ficou em silêncio quando a câmera se aproximou do rosto do Sr. Tolliver. Ele e sua esposa pareciam mais velhos do que o normal. Uma voz fora da câmera falou:
— E o que você diria para qualquer um que esteja se associando com a Srta. Cahill agora?
— Saaa de perto dessa garota o mais rápido que puder — Letitia disse. — Ela parece inocente, mas é uma cobra.
Amy estava imóvel, inclinada sobre sua cadeira. Na luz bruxuleante da TV, seus olhos estavam ocos.
— Palavras fortes — Chet continuou. — Aquelas que levam a, talvez, a pergunta mais importante de todas; Amy Cahill já achou sua próxima vítima?
A tela mostrou outra foto. Era Jake, fotografado de pé no beco da medina. Ele sorria de escárnio e raiva e sua mão estava fechada em um punho, pronto para socar o repórter que estava caído e sangrando aos seus pés. Amy estava nas sombras, observando tudo com um olhar que, se Dan não conhecesse, acharia parecer nitidamente satisfeito.
— Jake Rosenbloom, atleta estrela, estudante honorário, um jovem com um futuro brilhante pela frente. Quanto tempo até Amy Cahill tirar isso, também? Para mais...
Algo zuniu no ar sobre a cabeça de Dan e a tela da TV explodiu em uma chuva de vidro, plástico e faíscas elétricas. Dan pulou de seu assento quando o cinzeiro de cristal acertou o chão e quebrou. Dan se virou para Amy, de pé ao lado da mesa com lágrimas nos olhos.
— É Pierce quem está fazendo isso — Dan falou. — Você sabe disso. Não significa nada.
— Significa para mim! — Amy gritou. — Talvez você possa fugir, Dan, mas eu não. Eu tenho que ficar! Tenho que lidar com isso!
— Eu não estou fugindo!
— Eu devo estar louca — Amy falou. — Eu não sei por que achei que isso daria certo. Dan, ligue para o piloto. Diga a ele para levar Jake e Atticus para casa. Esta noite.
— Amy — Jake chamou. — Você não pode achar que eu acredito nesse tipo de coisa.
Amy virou-se para ele.
— Não importa no que você acredita! Essa conversa já está terminada. Dan e eu acharemos o silphium e a polícia vai achar o seu pai e é só.
— Não. Amy, não é assim que vai funcionar.
— Isso é loucura — Dan disse. — Você não pode esperar que eles...
— Isso é uma ordem! — Amy rugiu.
Dan recuou para trás, sentindo as palavras de Amy como um soco. A sala ficou em silêncio. Eles eram como quatro estátuas, congelados em cantos opostos da sala, músculos tensos como aço, vibrando de raiva.
— Eu sou a líder dos Cahill — Amy falou, sua calma mortal mais assustadora que seus gritos. — E não quero ouvir mais nenhuma opinião ou discussão. É assim que vai ser e ponto final.
Antes que alguém pudesse dizer uma palavra, Amy abriu a porta de seu quarto e a bateu com força atrás dela.
Jake, Dan e Atticus não se moveram.
— Dan — Jake disse. — Você tem que falar com ela.
Dan assentiu, mas não se virou para Jake ou Atticus, ele apenas continuou olhando para a TV quebrada.

2 comentários:

  1. — Eu sou a líder dos Cahill — Amy falou, sua calma mortal mais assustadora que seus gritos.



    Não está exatamente qualificada para o cargo

    ResponderExcluir
  2. A Amy se tornou um Isabel melhorada, ela vai acabar matando todo muito.
    ~Tephi

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!