16 de outubro de 2016

Cinquenta e seis - Vamos tentar outra vez essa coisa de “encontro para um café”

A JULGAR PELA quantidade de xícaras vazias, Sam estava no terceiro expresso.
A ideia de abordar uma valquíria munida com três expressos no organismo não parecia aconselhável, mas me aproximei lentamente e me sentei de frente para ela. Sam não olhou para mim. Sua atenção estava voltada para as duas penas de corvo em cima da mesa. O vento estava forte. O hijab verde sacudia ao redor do rosto dela como ondas na praia, mas as duas penas de corvo não se moviam.
— Oi — cumprimentou ela.
Foi bem mais simpático do que some daqui. Sam era muito diferente de Alex, mas havia algo parecido nos olhos delas, um turbilhão fervendo logo abaixo da superfície. Não era fácil pensar na herança de Loki lutando dentro das minhas amigas, tentando tomar o controle.
— Você ganhou penas — comentei.
Ela tocou a da esquerda.
— Uma lembrança. E esta — Sam tocou a da direita — é um pensamento. Os corvos não falam. Eles encaram você e permitem que você acaricie sua plumagem até a pena certa cair.
— E o que querem dizer?
— Esta, a lembrança... — Sam passou um dedo pela beirada. — É ancestral. Do meu antepassado, Ahmad Ibn Fadlan Ibn al-Abbas.
— O cara que viajou com os vikings.
Sam assentiu.
— Quando peguei a pena, vi a viagem dele como se eu tivesse estado lá. Descobri muitas coisas que ele nunca registrou, coisas que ele achava que não iam ser bem recebidas na corte do califa de Bagdá.
— Ele viu deuses nórdicos? — tentei adivinhar. — Valquírias? Gigantes?
— E mais. Também ouviu lendas sobre o navio Naglfar. O local onde está atracado, a Costa Oriental, fica na fronteira entre Jötunheim e Niflheim, a parte mais selvagem e remota dos dois mundos. É completamente inacessível, coberto de gelo, exceto por um dia do ano: o Solstício de Verão.
— Então é quando Loki vai planejar a partida.
— E é quando teremos que estar lá para impedi-lo.
Eu queria um café, mas meu coração estava tão disparado que eu duvidava que fosse me fazer bem.
— E agora? Esperamos até o verão?
— Vai levar tempo para encontrarmos o paradeiro de Loki. E, antes de partirmos, vamos precisar nos preparar, treinar, ter certeza de que seremos capazes de vencê-lo.
Eu me lembrei do que Alex disse: Não sei se vou conseguir ensinar a ela.
— Vamos fazer tudo isso. — Tentei parecer confiante. — O que a segunda pena contou a você?
— Esta é um pensamento — disse Samirah. — Um plano. Para chegar à Costa Oriental, vamos precisar viajar pelos galhos mais distantes da Árvore do Mundo, pelas terras vikings ancestrais. É onde a magia de gigantes é mais forte, e onde vamos encontrar a passagem no mar para o porto de Naglfar.
— As terras vikings ancestrais. — Meus dedos formigaram. Eu não sabia se de empolgação ou medo. — A Escandinávia? Tenho certeza de que tem voos diretos para lá saindo de Logan.
Sam balançou a cabeça.
— Vamos ter que ir pelo mar, Magnus. Da mesma maneira como os vikings vieram para . Assim como só se pode entrar em Álfaheim pelo ar, só podemos chegar às terras selvagens da Costa Oriental por água salgada e gelo.
— Certo. Porque nada pode ser fácil.
— Não, não pode.
O tom dela era distraído, melancólico. Fez com que eu percebesse que estava sendo insensível. Sam tinha muitos outros problemas além do pai do mal.
— Como está Amir? — perguntei.
Ela sorriu. No vento, o hijab pareceu se metamorfosear de ondas para campos de grama e para vidro.
— Ele está muito bem. Ele me aceita. Não quer desfazer nosso noivado. Você estava certo, Magnus. Ele é bem mais forte do que supus.
— Que maravilha. E seus avós e o pai dele?
Samirah deu uma risadinha seca.
— Bem, não se pode ter tudo. Eles não se lembram das visitas de Loki. Sabem que Amir e eu fizemos as pazes. No momento, está tudo bem. Voltei a inventar desculpas para precisar sair correndo no meio ou depois da aula. Estou dando muitas “aulas particulares”.
Ela fez aspas com as mãos.
Eu me lembrei de como Sam pareceu cansada quando a encontrei naquele mesmo lugar, seis dias antes. Se havia alguma mudança, ela parecia mais cansada agora.
— Mas você tem que diminuir o ritmo, Sam — falei para ela. — Você parece exausta.
— Eu sei. — Ela colocou a mão em cima da pena do pensamento. — Prometi a Amir: quando recapturarmos Loki, quando eu tiver certeza de que o Ragnarök foi adiado, ao menos por enquanto, vou dar um tempo.
— Dar um tempo?
— Vou me aposentar das valquírias. Vou me dedicar à faculdade, a terminar meu curso de piloto e... ao casamento, claro. Quando eu tiver dezoito anos, como planejamos.
Ela estava vermelha feito... bem, feito uma noiva.
Tentei ignorar o vazio no meu peito.
— E é isso o que você quer?
— É totalmente escolha minha. E conto com o apoio de Amir.
— Valquírias podem se demitir?
— Claro. Não é como ser... hã...
Um einherji, era o que ela queria dizer. Eu era um dos renascidos. Podia viajar entre os mundos. Tinha força e resistência incríveis. Mas jamais voltaria a ser um humano normal. Eu ficaria como era, com a mesma idade para sempre... ou até o Ragnarök, o que viesse primeiro. (Pode haver certas restrições. Leia os termos de serviço para saber os detalhes.)
— Magnus, sei que eu trouxe você para essa pós-vida esquisita — disse ela. — Não é justo eu abandonar você, mas...
— Ei. — Toquei brevemente a mão dela. Sabia que Sam não gostava muito de contato físico, mas ela e minha prima Annabeth eram o mais próximo que eu teria de irmãs. — Samirah, eu só quero que você seja feliz. E, você sabe, se pudermos impedir que os nove mundos peguem fogo antes de você ir embora, também seria legal.
Ela riu.
— Tudo bem, Magnus. Está combinado. Vamos precisar de um navio. Vamos precisar de muitas coisas, na verdade.
— É.
O sal e o gelo já pareciam estar se alojando na minha garganta. Eu me lembrei de nosso encontro em janeiro com a deusa do mar, Ran... e de quando ela me avisou que eu estaria encrencado se tentasse navegar pelo mar outra vez.
— Primeiro, precisamos de conselhos — falei. — Sobre navegar por águas mágicas, lutar contra monstros marinhos esquisitos e não morrer nas mãos de um bando de deuses do mar furiosos. Estranhamente, sei exatamente com quem conversar.
— Sua prima — arriscou Sam.
— É. Annabeth.


17 comentários:

  1. Respostas
    1. Doce-filha da Atena23 de outubro de 2016 01:36

      acho que não, mas nunca se sabe

      Excluir
    2. Argo III!!! 🤗🤗🤗🤗🤗

      Aaaaaaaaaaahhhhhhhhhhh!!!!!!!!!!
      OMG's!!!OMG's!!!OMG's!!!OMG's!!!
      Acho q eu vou chorar!!!!! Todo mundo junto! Vikings, gregos, romanos... Tomara q egípcios tb!!!!
      Aí, vai ser mt bom!

      Ass.: Mutta Chase Hayes

      Excluir
  2. Ownty,Magnus é muito fofo! Quase morro toda vez que cita a Annabeth ❤

    ResponderExcluir
  3. Ok, se vai ser pelo mar Annei tem que levar a tira colo o nosso queridinho Percy... aaaaaaaaaaaaaahhhhhhhhhhhh e os gregos aparecem mais uma vez!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu achei q só eu tinha tido um ataque cardíaco pensando nisso
      😍😍💖

      Excluir
  4. Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaahhhhhhh!!!!!!!!!! Sem comentários! Annabeth!!! Eles vão navegar pelo mar!! P. E. R. C. Y. Por favor!

    ResponderExcluir
  5. VEM NI MIM REUNIÃO DE FAMÍLIA DOS CHASE

    ResponderExcluir
  6. Imagina que louco se Leo e os outros filhos de Hefesto constroem um navio para eles navegarem até as terras antigas?

    ResponderExcluir
  7. Ja quero o Percy 💙💙💙

    ResponderExcluir
  8. Mal posso esperar pro próximo livro!!! ❤️💙💜

    ResponderExcluir
  9. "exceto por um dia do ano: *O Solstício De Verão* .— Então é quando Loki vai planejar a partida.
    — E é quando teremos que estar lá para impedi-lo.
    Eu queria um café, mas meu coração estava tão disparado que eu duvidava que fosse me fazer bem.
    — E agora? Esperamos até o verão?
    — Vai levar tempo para encontrarmos o paradeiro de Loki. E, antes de partirmos, vamos precisar nos preparar, treinar, ter certeza de que seremos capazes de vencê-lo.
    Eu me lembrei do que Alex disse: Não sei se vou conseguir ensinar a ela.
    — Vamos fazer tudo isso. — Tentei parecer confiante. — O que a segunda pena contou a você?
    — Esta é um pensamento — disse Samirah. — Um plano. Para chegar à Costa Oriental, vamos precisar viajar pelos galhos mais distantes da Árvore do Mundo, pelas terras vikings ancestrais. É onde a magia de gigantes é mais forte, e onde vamos encontrar a passagem no mar para o porto de Naglfar.
    — *As terras vikings ancestrais*. — Meus dedos formigaram. Eu não sabia se de empolgação ou medo. — A Escandinávia? Tenho certeza de que tem voos diretos para lá saindo de Logan."

    2coisas:

    1° só eu pensei nas coisas q o Percy teve q encarar no solstício de verão!?

    2° eu fiquei aterrorizada com "As terras vikings ancestrais" por lembrar do plano de Gaia de destruir os seus pelas raízes e etc!?

    ResponderExcluir
  10. "Ahmad Ibn Fadlan Ibn al-Abbas"
    Pera....Fadlan? O.O
    Fiquei meio tristinha com a Sam se "aposentando",mas ok,é a vida... ; -;

    ResponderExcluir
  11. "Solstício de Verão" "Água salgada".Percy meu amor em você? 💙💙💙

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!