31 de outubro de 2016

Capítulo 31

Em algum lugar do Mar Mediterrâneo

Com um saco de cheeseburgers e refrigerantes na mão, eles estavam todos no avião de Jonah. Tinham comido, cochilado, e agora estavam a uma hora do aeroporto de Istambul e prontos para ouvir sobre Troia.
— Eu não entendo — disse Dan, espreitando as anotações de Atticus. — O que é lenda, e que é fato? Esse garoto Paris se apaixona por Helena e a leva para longe de seu marido, para Troia. Então, todo mundo fica muito bravo e há uma guerra. Tipo, por dez anos. Agamenon é cunhado de Helena, então ele vai para a propriedade de Paris e há esse grande cerco. Há um monte de batalhas – heróis como Aquiles e Ájax tornam-se grandes. Aí Paris morre, e ele que começou a coisa toda. Finalmente os gregos ficam impacientes e fingem que desistiram. Eles dão aos troianos um gigantesco cavalo de madeira como presente de despedida, tipo “Uau, caras, estamos indo embora, vamos para casa.” Só que eles se escondem dentro do cavalo e enquanto os troianos estavam festejando, eles saíram e iniciaram uma batalha e, desta vez, ganharam a guerra. Exceto basicamente que todos os caras legais morreram, então o que eles ganham, de qualquer maneira?
— Esse é o resumo mais curto da Ilíada de Homero que já ouvi — falou Atticus com admiração.
— E um grande resumo da maior parte das guerras — Jake comentou. — O que eles ganham, de qualquer maneira?
— Maneiro — Jonah adicionou, acenando com a cabeça. Ele recostou-se na poltrona de couro, os olhos semicerrados. Ele tinha voado da Califórnia para Boston, depois para Londres e agora estava quase em Istambul. Estava acostumado com turnês, mas o roteiro dos Cahill eram os piores.
— Maneiro, mesmo — disse Pony. Ele tinha praticamente repetido cada frase de Jonah desde que embarcaram.
— Então um cara na década de 1870 decidiu que Troia não era lenda, era real, e começou a pesquisar — Dan continuou.
— Frank Calvert — Atticus falou. — Mas Heinrich Schliemann geralmente recebe o crédito, mesmo que ele não tenha treinamento arqueológico real e meio que estrague tudo. Mas ele descobriu que Troia realmente existiu. Então, agora sabemos que foi real. Há sete níveis, eu acho...
— Na verdade, nove — disse Jake. — Cada um deles vem de um período histórico diferente. Então para os nossos propósitos, o mais recente seria o que está em cima – o nível nove. Troia foi parte do Império Romano. Havia um aqueduto e sistema de água, banhos públicos, um mercado central, teatro – uma civilização impressionante.
— Então, como ela poderia simplesmente... morrer? — perguntou Ian. — Como todas as cidades puderam morrer? O que as pessoas fizeram de errado?
— Há muitas razões — respondeu Jake. — Às vezes é um desastre natural da qual eles não se recuperaram. Ou um ditador que faliu a tesouraria e matou o seu povo de fome. Ou iniciou-se uma série de guerras que nunca terminaram até a civilização ser destruída. Pode ser uma combinação de fatores, também. Toda civilização é vulnerável, não importa quão poderosa seja — ele acenou com a cabeça para Atticus. — Atticus e eu temos visitado civilizações mortas. Estamos acostumados a ter uma visão de longo prazo.
— Mas não é como se isso pudesse acontecer hoje — Amy disse. — Eu quero dizer, aqui estamos viajando de uma grande cidade para outra. Cidades cheias de táxis e teatros e restaurantes e museus e pessoas... tudo não poderia simplesmente acabar. A América não poderia simplesmente ir embora.
— Leu os jornais ultimamente? — perguntou Jake. — As armas nucleares, as alterações climáticas, governos instáveis...
— Uma pessoa — disse Amy. — Um ditador com poder suficiente tomar decisões erradas...
— Criando um exército indestrutível — Ian continuou.
— Poderia mudar o mundo — completou Atticus.
Eles ficaram em silêncio. Havia um nome em cada uma de suas mentes.
Pierce.

* * *

Quando o avião pousou e eles taxiavam para o terminal, Dan falou.
— Correndo o risco de ser um total corta-clima, eu tenho que perguntar. Será que temos um plano?
— Estive pesquisando sobre leopardos — Jake disse. — Eles são atletas tremendos. Podem correr até 58 quilômetros por hora e saltar seis metros para frente em um único salto. Para o alto, até três metros. Eles se escondem em árvores altas. Eles podem levantar quarenta e cinco quilos ou mais. Caçam durante a noite e tem visão e audição aguçadas. Perseguem suas presas, então as esmagam facilmente e matam-na com uma mordida na garganta.
— Puxa, obrigado, Jake — disse Dan. — Informações que eu adoraria saber.
Jake sorriu.
— Com um pouco de sorte você não chegará tão perto, Dan. Os leopardos de Anatólia estão em extinção há quase quarenta anos. Eles viviam nas florestas e as colinas do Mar Egeu e Mediterrâneo. Eram reverenciados pelos etruscos e caçados pelos romanos. Caçado por todos, atualmente. É por isso que estão extintos.
Amy olhava uma foto de um leopardo em seu celular.
— Isso é tão triste. Eles são tão bonitos.
— A última aparição oficial, dizem, foi em 1974. Mas li em alguns artigos online pessoas que juram ter visto um. Uma organização da vida selvagem colocou uma rede de câmeras nas montanhas – elas ficam em constante movimento, na esperança de avistar algo.
Pony pegou o computador.
— Qual é o nome do grupo?
— A Associaçao Internacilnal da Vida Selvagem — respondeu Jake. — AIVS.
— Há mais — disse Amy. — Tem um pequeno museu no sudoeste da Turquia – no caminho para as montanhas – que tem um leopardo de empalhado. Enviamos e-mails para o endereço, mas eles não responderam. Estão abertos apenas nos finais de semana. Rudimentar, mas definitivamente vale a pena conferir. Nós temos a esperança de que, se houver um leopardo, ele ainda conserve seus bigodes.
— Há uma tonelada de lendas sobre os bigodes de leopardo — observou Jake. — Eles supostamente têm propriedades curativas, ou até mesmo mágicas.
— Então, nós encontraremos um leopardo extinto, o derrubamos com uma droga paralisante e arrancaremos alguns bigodes — disse Dan. — Sem problemas.
— Você só precisa de seis — Jake observou.
— Bem, nesse caso — respondeu Dan — é fácil, fácil.
Pony olhou para cima.
— Entrei. Geralmente esses tipos de organizações governamentais simplesmente não têm os firewalls que deveriam. Porque, vamos lá, por que eles deveriam gastar seus dólares para contratar alguém como eu? É tão cruel – parece complicado, mas é estúpido. Irritante, irritante, eu sei.
— Ele está falando inglês? — Atticus perguntou para Dan.
— Não, ele está falando linguagem de hacker — Jonah respondeu, alongando-se e bocejando. — O cara é incrível. Basta ouvir.
Pony corou com prazer.
— Aposto que esse sistema pode ser destrinchado em uma base regular — ele continuou. — É visível. De qualquer forma, aqui está o que quero. Invadi a câmera principal da rede. A maior parte dos bandos de animais pulam direto, certo? Mas eles também têm uma seção de comentários internos no alimentador. Procurei o arquivo, fiz um rápido programa de busca por palavra, e tive o retorno dos mais recentes relatos de algumas pessoas que acham ser um leopardo e outras que pensar ser apenas um lince, ou outro tipo de animal selvagem, por isso, eles foram pessoalmente ver o que era, e encontraram uma pegada, mas eles estão todos não podemos liberar esta informação ainda e coisa e tal, assim... — Pony virou o laptop para eles. Uma foto apareceu na tela, uma pegada impressa na sujeira. — Aí está o seu leopardo.

3 comentários:

  1. Ou esse cara é um ekat ou é um traidor... Por falar em ekat, já ouvimos sobre Jonah, os Holt e Ian, mas faltam 3 membros do esquadrão jovem dos Cahill, onde estão Ned, Ted e Sinead?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eles moravam em uma ksa ao lado da casa da Amy e do Dan não é? Eles simplesmente evaporaram? Se estivessem aí seria mais fácil para eles encontrarem o antídoto

      Excluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!