31 de outubro de 2016

Capítulo 24

Dan sentiu como se seu estômago estivesse caindo com a força da onda que os apanhou e os arremessava para frente. Ele estava à mercê de uma força tão grande que parecia que o ar estava sendo sugado de seus pulmões e sua cabeça foi preenchida com uma expansão primal energia que expulsou todos os pensamentos de seu cérebro e a fez pulsar com sentimento puro.
Eles atravessaram um túnel de gelo verde que era a água. Ele pensou ter gritado, mas o barulho das ondas era muito alto em torno dele e segurar a borda escorregadia da prancha era muito difícil. Cada movimento de Declan, cada mudança de peso enviava outro choque de terror puro pelo corpo de Dan.
Através do túnel de água ele podia ver outro surfista à frente, mantendo Amy a bordo. Estavam paralelos à costa, descendo a curva da onda. Dan podia sentir o poder da água caindo atrás deles.
— Segure aí, vamos fazer a curva! — Declan gritou.
Como se ele pudesse se segurar em mais alguma coisa! Declan moveu seu corpo, e a prancha guinou em direção à costa. Dan piscou para olhar em volta. À frente, o outro surfista tinha feito o mesmo. Ele viu Amy deslizando pelo comprimento da prancha, e então ela caiu, tombando na água agitada!
Ele não hesitou. Pulou na água gelada.
Imediatamente sentiu a fúria da onda, e se esforçou para manter a cabeça acima do turbilhão de espuma. Ele era como um pedaço de pau balançando na força propulsiva da água. A onda era como um animal, algo vivo que poderia facilmente partir seu corpo em dois.
Ele esticou seu corpo, mantendo-o em linha reta, boiando no alto da onda. Ele se afogaria se fosse pego no recuo do mar. Ele tinha que continuar, encontrar Amy em algum lugar daquela onda.
À sua frente, ele teve um vislumbre de algo marrom – uma alga? Não, o cabelo de Amy flutuando atrás dela! Ela, também, estava tentando boiar com seu corpo. Declan tentava retardar sua prancha, tentando manter Amy à vista.
Os minutos pareciam não passar. Dan sentiu o sal em seus olhos e não conseguia mais sentir os dedos. Ele podia ver a praia em frente, e estendeu a mão para Amy, tentando agarrar seu pé, ou sua roupa...
A onda explodiu em torno dele, rugindo, quebrando, e ele sentiu o recuo da onda puxando-o para trás, mas ele lutou para ficar, ficar à frente, nadando agora pela sua vida, nadando em direção a Amy...
Que agora estava se agitando, os braços dentro do suéter de lã pesada arrastando-a para baixo. Dan mergulhou. A força do recuo da onda diminuiu, e ele podia ver apenas a forma pálida da mão de Amy flutuando.
Ele nadou mais fundo, chegando, se aproximando da mão. E agarrou-a.
Ele a puxou para si, nadando até que pensou que seu coração fosse explodir em seu peito. Colocou o braço ao redor dela e fez força para cima, em direção à luz fraca.
Ele rompeu a superfície, engasgando, e Declan estava lá, montado em sua prancha, seu rosto angustiado. Ele estendeu a mão e puxou Dan e Amy para cima. Em seguida remou até a costa.
Os outros surfistas e Ian vieram rapidamente.
Juntos, eles levaram Dan e Amy para a praia. Amy ajoelhou-se, tossindo.
Declan se sentou, a cabeça entre os joelhos, todo o seu corpo trêmulo. Sua atitude arrogante apagada pelo desastre que quase aconteceu.
Dan estava na praia, tentando recuperar o fôlego.
Amy olhou para cima através do emaranhado de seu cabelo molhado.
— Salvou a minha vida de novo, irmão — ela falou asperamente. — Te devo duas.
Lá em cima, Sean e Fiona desciam pela trilha Switchback do penhasco, com os braços cheios de cobertores. Amy tentou se levantar.
Sem dúvida, os joelhos estavam tão moles quanto os de Dan. Ian tirou areia dos bolsos de sua calça.
— Declan, temos que ir — disse Patrick. — Temos apenas alguns minutos antes que eles chamem a guarda costeira e lhes digam que chegamos nas falésias.
— Certo. — Declan levantou, tirando seu cabelo escuro dos olhos.
O barco preto era apenas um ponto à distância, voltando pelo mesmo caminho em que vieram.
Dan percebeu que estava congelando, tremendo tanto que tinha dificuldades para andar. Fiona correu até a praia e jogou um cobertor
em torno de Amy, depois de Dan.
— Vamos lá — ela falou. — Não há tempo.
Eles seguiram os surfistas até a trilha para uma caravana de veículos. Declan foi até a sua caminhonete e abriu as portas para eles.
— Volto em um segundo — disse ele, e então desapareceu na van estacionada ao lado deles.
Os irmãos caíram dentro do caminhão, tremendo. Fiona passou uma garrafa térmica e copos.
— Está bem quente; vai aquecê-los. Declan os levará ao aeroporto. Há um avião particular lá. Aqui está o número do piloto. Ele s levará a qualquer lugar que precisem ir. — Seus olhos azuis eram ferozes. — Vocês estarão seguros, eu juro. Declan pode dirigir como o diabo e ele conhece que essas estradas como ninguém.
— Ele surfa como o diabo, também — comentou Dan. O tremor estava sob controle.
Declan reapareceu, agora vestindo jeans e uma camisa de lã grossa, o cabelo alisado novamente. Ele deslizou para trás do volante.
— Tchau, Fiona — despediu-se Amy. — Obrigada por tudo. Isso não é suficiente, mas...
— Não se preocupe. Nós nos encontraremos novamente. Tenho certeza disso. — Ela fechou a porta, em seguida, deu um tapinha na caminhonete.
Declan ligou a ignição e eles se foram, espalhando terra enquanto se distanciavam rapidamente.

* * *

Eles não se aqueceram completamente até que estarem a meio caminho do aeroporto de Dublin, e Amy sentiu seu cérebro começar a trabalhar novamente.
— Como eles nos encontraram? — ela perguntou. — Nós não usamos os telefones para nos comunicarmos. Mal saímos da casa nos últimos dois dias.
— Com exceção de Ian — disse Dan. — Você notou algo suspeito quando saiu para sua caminhada?
Ian balançou a cabeça.
— Não havia nenhuma vigilância. Eu teria notado. Só eu e minha bicicleta. Claro, eu quase fui atropelado, mas foi um acidente.
— Acidente? — perguntou Amy rapidamente.
— Minha moto bateu no pára-choque de uma Range Rover — Ian respondeu. — Para minha sorte, eu não estava nela no momento. O motorista me deu uma carona até como Ballycreel.
As suspeitas de Amy instantaneamente estavam de pé.
— Qual era o nome dela?
— Como você sabe que era uma garota?
— Porque, se eu estivesse tentando encontrar um de nós através de você, eu usaria uma garota — respondeu Amy.
— O nome dela era Maura, e ela não parecia uma espiã, ela era uma jovem muito rica e muito amável dirigindo o carro caro de seu pai, e me ofereceu um curto passeio ao longo alguns campos com estradas bastante esburacadas até o vilarejo mais próximo — Ian disse defensivamente. — Fim da história.
— Como foi o acidente? — Dan perguntou.
— Eu não aprecio ser investigado — Ian falou. — Sou um Lucian. Eu sei o que estou fazendo. Não falei o meu verdadeiro nome para a garota. Eu me certifiquei que ela tivesse ido embora antes de voltar para Bhaile Anois.
— Essa garota pediu para usar seu celular? — Amy perguntou.
— Não. Ele esteve sempre em minha posse. Exceto... — Ian parou de repente. Seu rosto ficou vermelho. — Exceto quando ela acertou a bicicleta. Eu procurei cobertura e o celular caiu das minhas mãos...
— E ela o pegou — Amy completou, estendendo a mão. — Deixe-me ver seu telefone.
— Isto é ridículo!
No entanto, Ian suspirou e procurou em sua mochila de couro. Ele
entregou o celular para Amy. As palavras KEEP CALM AND CARRY ON estavam escritas na capa. Amy ligou o aparelho. Olhou-o e em seguida, entregou-o de volta.
— Você tem que colocar ua senha.
Ian digitou seu código numérico.

SENHA ERRADA
Tente Novamente

Ian digitou novamente.

SENHA ERRADA
Tente Novamente

Ele virou o aparelho para o outro lado.
— Este não é o meu celular! Está todo desgastado e riscado. — Ele olhou para cima. — Jake deve ter pego o meu por engano.
Pensamentos giraram na cabeça de Amy. Tudo fazia sentido.
— Ela colocou um rastreador em seu telefone. Foi assim que eles nos rastrearam até aqui. Mas Jake levou o seu celular por engano esta manhã. Isso significa que eles vão rastrear a ele agora. —
Amy rapidamente discou o número de Ian. A voz de Ian entrou na linha. — Você ligou para mim. Deixe um recado. Não torne isto tedioso. Adeus. Ele não está atendendo — Amy falou freneticamente.
— Se há um rastreador em seu telefone, Pierce e os seus homens sabem onde ele está. Eles vão atrás dele e de Atticus!

2 comentários:

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!