31 de outubro de 2016

Capítulo 19

Quando Amy e Dan pedalaram até a vila na manhã seguinte, Fiona colocou a cabeça para fora da mercearia e fez um gesto frenético para eles.
— Tenho uma mensagem de casa para vocês. Seus telefones não são mais seguros. Você deveriam destruí-los. Se precisarem se comunicar, devem ir a um cibercafé. Há um na próxima vila. E há uma chance muito pequena de que sua localização tenha sido comprometida. O conselho é ficarem quietos por enquanto. Eu deveria dizer-lhes que o Pony vai verificar tudo?
— Tudo bem — disse Amy, assentindo. Ela sentiu seus nervos tensos com a notícia.
— Não se preocupem. Vamos mantê-los seguros. A vila inteira está em alerta. E é por isso... — Fiona foi até a janela e olhou para fora através da sombra. Em seguida, voltou. — Há alguém na cidade pedindo indicações de Bhaile Anois. Ele se instalou tarde da noite na pousada.
Amy e Dan trocaram olhares inquietos.
— Como ele se parece? — perguntou Amy.
Fiona estreitou os olhos.
— Sorrateiro, com certeza — respondeu ela. — E ele é um grande gastador. Bom em nada além de reclamar. Nora, da pousada, disse que ele nunca está satisfeito com a temperatura do chá, e ele pediu mantas de cashmere para seu quarto.
Amy e Dan trocaram outro olhar.
— Ian — disseram juntos, e suspiraram. 
— Vocês conhecem o eejit? — perguntou Fiona.
— O eejit é... nosso primo — explicou Amy.
— Primo distante — Dan acrescentou. — Muito, muito distante.
Eles caminharam até a frente da pousada, onde Ian Kabra discutia com o funcionário da recepção. Seu primo alto e elegante apoiava um dedo em uma bicicleta raquítica, como se fosse se contaminar nela. Nesta aldeia rural, ele estava vestido com calças jeans apertadas, uma jaqueta azul marinha e uma camiseta escura de seda.
Ele tinha apenas dezesseis anos, mas parecia mais velho.
— Você está realmente me dizendo, meu bom homem, que este é o único meio de transporte na vila? Certamente deve haver um serviço de carro. Ou uma garagem, onde se pode alugar um carro? Mesmo neste fim de mundo? 
O jovem de cabelos vermelhos colocou as mãos nos quadris.
— Por que o senhor não procura, me boyo? Faça um voo rápido para a garagem mais próxima por si mesmo? E então você pode...
Dan avançou e pegou o braço de Ian.
— Nós vamos levá-lo a partir daqui. Obrigado.
— Dan! Amy! Graças a Deus vocês estão aqui — disse Ian em seu sotaque britânico emplumado. — Os moradores têm sido extremamente inúteis — Ian estreitou os olhos escuros. — Fiquei perdido por horas nas estradas secundárias na noite passada porque quando perguntei a uma mulher se aqui era Meenalappa, ela respondeu que não. E eu estava bem no meio da aldeia! Se eu vir aquela jovem novamente, eu vou... — os olhos de Ian se arregalaram. Fiona estava atravessando a rua para o pub. — L-lá está ela! — ele gaguejou.
— Oi, Fiona! — cumprimentou Dan, acenando.
— Oi, Danny boy! — ela vibrou volta.
— Está familiarizado com essa criatura?
— Relaxa, Ian — Dan tentou esconder seu sorriso. — Ela estava apenas tentando nos proteger.
— Será que Nellie o chamou? — perguntou Amy. Irritação era visível em sua pergunta.
— É claro que ela chamou. E Hamilton e Jonah, também — Ian disse, nomeando seus outros primos. — Eles estão em estado de alerta. Reagan e Madison viriam, também, mas estão ambas treinando para os Jogos Olímpicos, e Hamilton não iria deixá-las. Eles estão na reserva, apesar de tudo.
Amy rangeu os dentes. 
— Eu disse a Nellie para não alertar ninguém.
— Bobagem — Ian respondeu rapidamente. — Somos Cahill. Estamos nisso juntos. Agora, vamos para a casa de Grace. Tem que ser melhor do que essa pousada de má qualidade.

* * *

Ian encarou a cama de solteiro com a colcha de algodão e lençóis lisos e brancos.
— Falei cedo demais. Por que, oh por que Grace não sabia sobre contagens de fios? — ele gemeu.
— Eu não tenho ideia sobre o que está falando, cara, mas se insultar Grace na minha presença mais uma vez, ganhará um lábio muito inchado — Dan falou alegremente. — Ou dois.
— Eu não estou insultando-a — devolveu Ian. — Só estou indicando a minha preferência. Se apenas Natalie estivesse aqui, ela saberia exatamente o que eu quero dizer.
De repente, o rosto de Ian fechou. Natalie tinha morrido há apenas seis meses, sua irmã caçula. Amy sabia que a ferida ainda deveria estar insuportavelmente fresca. Ian limpou a garganta e rapidamente se afastou. Sua voz saiu mais alta e apertada.
— Uma vez que estou sozinho nessa, não direi mais uma palavra. Lidarei com colchas esfarrapas e lençóis arranhando como um cavalheiro.
Amy poderia dizer pelo jeito que Ian examinava a cama que ele estava à beira das lágrimas. Ninguém estava interessado em afofar seu travesseiro.
— Nós sentimos falta dela, também, Ian — ela falou suavemente.
Ele limpou a garganta.
— Obrigado.
Seria como perder Dan, ela pensou.
Ela teve um vislumbre da grande e inesgotável dor, e se pudesse conseguir uma manta de cashmere para Ian naquele momento, ela teria ficado feliz em fornecê-la.
— Nós realmente precisamos da sua ajuda — acrescentou ela.
O rosto de Ian iluminou, e ela sabia que tinha sido a coisa certa a dizer. Ele queria ser necessário agora.
Ian seguiu-os ao descer as escadas.
— Eu sei que vocês dois vão precisar de alguma estratégia de Lucian — ele sentou-se no sofá estofado. — Portanto, relaxem e me contem como posso resolver todos os seus problemas.
Era quase um flashback do antigo Ian arrogante que tinham conhecido, mas agora ele terminava o comentário com um sorriso que zombava de seu velho egocentrismo. A perda de Natalie o fizera mudar.
Amy sentiu seus olhos embaçarem. Com toda a sua preocupação de coloca-lo em perigo, ela não tinha parado para pensar que Ian podia precisar deles também.

* * *

Eles se sentaram no gramado novamente. Amy tinha aberto um cobertor de linho e trouxera uma bandeja com um bule e xícaras bastante descasadas – Grace sempre tinha colecionado relíquias chinesas – e um prato de biscoitos. O tempo tinha ficado mais quente e brilhante, e a brisa suave balançou as páginas do livro de Olivia.
Ian sabia latim melhor do que Amy, por isso ele foi capaz de traduzir algumas coisas que a tinham confundido.
— Esta referência é intrigante — disse Ian. — Ela continua se referindo a “isso”, mas não sabemos do que se trata. É um lugar, ou dinheiro, ou animais, ou objetos?
— Aparece muitas vezes — Amy concordou. — Mesmo depois de Gideon estar morto.
Amy olhou para ele. Seus rostos estavam muito próximos. Ela se lembrou de quando aqueles expressivos olhos escuros a faziam tremer por dentro, quando estar perto dele a faria corar e gaguejar. Não mais, porém. Uma sombra caiu sobre o cobertor.
— Ora, ora. Se não são os dois aconchegados aí.
Protegendo os olhos, Amy olhou para cima e, com um surto de surpresa desconfortável, viu Jake. Seu coração começou a bater forte. Ele estava de pé contra o sol, e ela não podia ver sua expressão. Era oficial. Ela ia matar Nellie. Sentindo-se culpada, ela ficou de pé. Agora podia ver seu rosto, o nariz forte, olhos castanhos, cabelo escuro bagunçado. Ele parecia cansado. E irritado.
— O que você está fazendo aqui? — ela perguntou, confusa.
— Nellie nos contatou e disse que você precisava de ajuda.
— Eu disse a ela para não fazer isso!
— Sim, e posso ver porque — o olhar de Jake relanceou para Ian. — Você já estendeu a mão para ajudar, não é? Desculpe interromper a festa do chá.
— Nossa rede caiu — ela explicou. — Nós até tivemos que desistir dos nossos telefones. Eu não podia avisá-lo.
 Ele deu de ombros, tenso.
— Não importa. Você não tem que me explicar. Eu entendo.
Seu olhar pétreo moveu-se para Ian.
— Não, você não entendeu — disse Amy.
Ian levantou-se.
— É bom vê-lo, Jake. Espero que tenha trazido o seu irmão mais novo. Há um pouco de italiano medieval para traduzir...
Só então Atticus subiu com Dan. Atticus era meio-irmão de Jake, mas não eram muito parecidos. Atticus era magro e moreno, e tinha herdado o espesso cabelo encaracolado da sua mãe afroamericana, que ele usava em dreadlocks até os ombros.
— Isso não é fantástico? — perguntou Dan. — Jake e Atticus em pessoa! — Dan socou Atticus no braço. — Professor! Você foi socado assim por aparecer sem avisar!
— Você não tem telefone! — Atticus respondeu com um sorriso — foi um obstáculo intransponível, cara!
Embora Atticus fosse um ano e meio mais novo que Dan, ele falava com um vocabulário que poderia levar um professor universitário a consultar o dicionário.
— Você não deveria estar na faculdade? — perguntou Dan. — Como você conseguiu tempo livre?
— Fazendo estudo independente — explicou Atticus. — Meu pai disse que eu deveria adiar Harvard até estar emocionalmente maduro o suficiente para ir.
— Emocionalmente maduro? — Dan assobiou. — Seu pai vai ter que esperar cerca de um bilhão de anos, cara!
— Eu não vou ter que esperar tanto quanto você, cara! — Atticus ajeitou os óculos enquanto olhava para baixo sobre o cobertor. — Ei, esse é o livro de que Nellie nos contou?
Os olhos de Jake focaram no livro de Olivia.
— Você o trouxe aqui fora no sol? Está louca?
Amy cruzou os braços.
— Nós estamos tendo cuidado.
— Não é sobre cuidado, este é um manuscrito quinhentos anos! Vocês deveriam estar usando luvas – Atticus trouxe alguns pares – e mantê-lo fora da luz solar.
— Não demorou muito tempo para começar a despejar ordens! — exclamou Amy, seu rosto ruborizando. — Mas, então, você sempre sabe mais, não é?
— Alguém tem que ser maduro nesta situação — replicou Jake, seu olhar indo para Ian, que estava agora atentamente tentando escovar migalhas doe biscoito para fora de suas calças.
— Verdade. Nesse caso, preferimos consultar o seu irmão mais novo — disse Ian com um sorriso.  Os manuscritos medievais são o seu campo, estou certo?
— Tecnicamente, é início do Renascimento — corrigiu Jake.
— Obrigado pela correção, meu bom homem. Amy está certa – você sabe mais — Ian passou o braço em torno de Amy. — Ela é tão perspicaz. Uma das muitas coisas que adoro nela.
— Está ficando frio. Por que não vamos para dentro? — Amy sugeriu brilhantemente enquanto tentava sair do círculo do braço de Ian.
Ian aproveitou a oportunidade para esfregar seu ombro.
— Você parece bastante fria — concordou ele. — Vamos sentar perto do fogo. Jake, já que você está tão interessado em manuseio adequado, por que não pega o livro?
Jake pegou o livro e furiosamente saiu pisando duro em direção à casa.
— Você se esqueceu de usar luvas! — Ian gritou para ele.
 Amy o empurrou.
— Sinceramente, Ian.
— Que cara sensível — comentou Ian. — Francamente, eu não sei o que você vê nele — ele fez uma careta quando a porta da cozinha bateu, em seguida, olhou para o rosto vermelho de Amy. — Hmmm. Pode ser um bom momento para fazer uma caminhada.

16 comentários:

  1. Eu tambem! Desde o labirinto dos ossos que eu torço pra eles ficarem juntos e nunca dava certo. Fiz ate uma fanfic do livro como uma continuaçao de CahillxVesper. Me dediquei bastante. Se chama: "uma nova ameaça" e esta no nyah fanfiction. Espero que nao se importe de eu citar minha fic aqui, Karina ;-) tenho muito que te agradecer por esse blog!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem problemas, Iara! E espero que a sua fic seja melhor que Cahill vs Vesper, pq né...

      Excluir
    2. É verdade que nesse blog também tem fics? Como é que faz pra postar aqui?

      Excluir
    3. É sim! É sóme mandar por e-mail que eu divulgo aqui. Envie-me o primeiro capítulo e/ou prólogo, sinopse, imagem ilustrativa e link de onde posta para livroson-line@hotmail.com

      Excluir
    4. MDS! Já li sua fanfic no nyah! Amei

      Excluir
  2. Ahhhhhhhhhhhh tendo um mini ataque cardíaco A-D-O-R-E-I o Ian provocando o Jake... Particularmente eu gosto mais do Hamilton, mas se a Amy ficar com o Ian ao invés do jake ta valendo, n gosto do jake...

    ResponderExcluir
  3. Comecei a shippar Amyan desde o Labirinto dos Ossos quando a Amy disse que se sentia cupada por achar o Ian bonito já que eles são parentes.O shipping cresceu mais depois de O Ladrão de Espadas.Esse livro mexeu comigo. Eu sinto muita saudade da Natalie,coitado do Ian.Adorei ele estár fazendo ciúme no Jake.Quando vi o nome dele no capítulo dei um grito de felicidade.Eu não quero ofender quem shippa Jamy mas prefiro infinitamente Amyan.

    Karina obrigada pelo site.Amo muito ele
    ❤❤❤❤❤❤❤❤❤❤

    ResponderExcluir
  4. Aeeee tava com saudade do Ian! Ele já chegou chegando causando ciúmes kkkk amei. Amy esquece esse Jake, não sei pq vc foi se apaixonar por ele. Ah quero q tenha muito Amyan sim <3. Falou na Natalie já me dá um dorzinha, já disse e digo de novo: nunca vou superar a morte dela.

    ResponderExcluir
  5. Jake ficou tipo: _Que cena mais linda, será que eu estou atrapalhando o casalzinho aí? Adorei a volta do Ian. SSDs dá Sinead.
    $Heyna

    ResponderExcluir
  6. LUAMARA Cahill Madrigal infiltrada Ekhaterina27 de fevereiro de 2017 13:21

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    nada descreve esse momento..........
    priminha se joga ;)
    AMYAN Forever

    ResponderExcluir
  7. LUAMARA Cahill Madrigal infiltrada Ekhaterina23 de março de 2017 19:46

    Amy sentiu seus olhos embaçarem. Com toda a sua preocupação de coloca-lo em perigo, ela não tinha parado para pensar que Ian podia precisar deles também.

    :'(

    ResponderExcluir
  8. Chegou chegando, ein Ian
    Santa Nellie, obrigado por mandar o Ian para cá
    Meu britânico Lucian favorito♥

    ResponderExcluir
  9. AIN! Ian colocando ciúmes no Jake, adoro! Vem, Amyan, não aguento mais esperar!

    ResponderExcluir
  10. IAN SEU LINDO
    MAS
    COMO EU AMO O IAN
    AMYAN FOREVER♥
    Estava com muita saudade do meu Lucian preferido

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)