31 de outubro de 2016

Capítulo 16

Attleboro, Massachusetts

A casa parecia tão grande sem Fiske, Amy e Dan. Nellie não estava acostumada a tal silêncio. Ele parecia ecoar contra seus tímpanos. Quando atravessou o piso de madeira polido, os passos soaram altos como os de um gigante. Ela tirara as botas e agora andava por aí de meias.
Ansiedade a consumia. Ela correra para um enorme beco sem saída. Era como se Sammy tivesse desaparecido no ar.
Nelly enfiou a mão no bolso e tirou o bilhete do pedágio de Nova Jersey. Seja lá quem fosse o dono, tinha viajado o percurso inteiro. O pedágio terminava na Delaware Memorial Bridge.
Ela reconheceu a batida de Pony – três toques rítmicos. Em seguida, as batidas se transformaram em um esmurro. Ela correu para deixá-lo entrar, o telefone ainda na mão. Pony entrou, deu uma olhada em seu laptop aberto e se aproximou dele em dois passos.
— O que você está fazendo? — Nellie perguntou enquanto ele digitava rapidamente.
— Pegando um rato — ele respondeu.
— Achei que você tivesse dito que o laptop estava seguro.
— Estava — Pony continuou digitando, suas mãos aparentemente desajeitadas ágeis nas teclas. — Eu te peguei, ratinho — ele murmurou. — Siga o queijo...
— Você está escrevendo para alguém?
— Código. Estou caçando-os enquanto eles me caçam.
— Mas você vai atraí-los para cá!
— Porcos! — Pony bateu as mãos na mesa, e depois voltou a digitar. — Não você, deusa. Olha, não é com...  aqui... que estou preocupado. Eles sabem onde você está. É...  Dan e Amy...
— Estão rastreando eles?
— Eles estão tentando. Você recebeu algo deles?
— Só uma foto...
Pony murmurou entre seus dentes.
— Estou reencaminhando... através de Johannesburg... para Pequim...  E então... venha ratinho, me siga...
Nellie cruzou os dedos, e então fechou os olhos.
— TE PEGUEI! — Pony fechou o laptop com força.
— Funcionou? — Nellie perguntou.
— Eles provavelmente estão procurando-os agora em Moçambique.
— Você conseguiu rastrear o computador deles?
Pony balançou a cabeça.
— Quase, mas não consegui localizá-los. Não estão nos EUA. Algum lugar na Europa.
— Isso não reduz exatamente as coisas.
Ele coçou a orelha.
— Foi o melhor que pude fazer em trinta segundos. Mas não tenho cem por cento de certeza que eles não tiveram uma localização geral de D e A antes de eu conseguir desviá-los.
— É melhor eu dizer para o Dan e a Amy saírem de lá.
— Com esse celular, não — Pony estendeu a mão. — Você conectou o celular ao laptop alguma hora?
— A foto veio por SMS, então eu a transferi para...
Ele jogou o telefone no chão e esmagou-o com seu sapato.
— Não!
— Pony, você está me assustando.
Ele olhou para ela, as mãos nos bolsos.
— Você deveria estar assustada. Nós todos deveríamos estar assustados. Esta é uma situação completamente desastroficalítica. Nós fomos mastigados pela imperatriz suprema.
— Pony, eu te imploro. Por favor fale inglês. É nossa língua comum.
Nellie enfiou as mãos sob as axilas. Ela odiava quando suas mãos começavam a tremer. Pelo olhar no rosto de Pony, ela sabia que era ruim. O que quer que Pony diria agora, ela sabia de uma coisa: era hora de passar por cima de Amy. Eles precisavam de ajuda.
Ele suspirou enquanto examinava minuciosamente o telefone quebrado através de seus dedos e o guardava no bolso.
 — Eu descobri quem hackeou seu sistema. Quem provavelmente ainda está tentando rastrear vocês.
— Quem? — Nellie perguntou, aturdida. Fosse que fosse, dava para ver que assustava Pony.
Ele se inclinou e baixou a voz, como se a própria casa não fosse mais segura. Talvez não fosse.
— Waldo — ele sussurrou.

6 comentários:

  1. alguém sabe o que significa desastroficalítica ?
    e quem será que é Waldo?
    -Ariel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma palavra inventada, Ariel. Desastrosa + catastrófica + catalítica :P

      Excluir
  2. WALDO DEVE SER UM CAHIL TRAIDOR

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!