29 de outubro de 2016

Fanfic: A Vampira


Sinopse:
Katherine Miller é uma vampira que foi transformada há mais de três séculos por seu grande amor, Daniele. Depois de oito anos juntos, ele decide abandoná-la para mantê-la segura, já que ao seu lado ela corria perigo. Antes de partir, porém, Daniele promete protegê-la, ainda que de longe, sob qualquer circunstância. Para um vampiro, a palavra é tudo, mas Kath não se convence e, a partir daquele momento, abdica de qualquer sentimento. Agora, trezentos anos depois, sozinha e diante da eternidade, Katherine é uma vampira sem compaixão, que mata sem parar. Para se entreter, ela se matricula na universidade e, logo no primeiro dia de aula, reencontra alguém de seu passado. O choque é enorme. O que ele fazia ali? Mesmo com sede de vingança, Katherine começa a perceber que, apesar de tudo, ainda sentia algo por Daniele. Negando esse sentimento para si mesma, tenta mascará-lo com raiva, mas, aos poucos, começa a ceder. Ele ainda quer protegê-la, pois há um grande perigo à espreita. Para ficarem juntos, porém, ela terá que deixar seu rancor de lado.

Categorias: ficção, romance, aventura, história original
Autora: Martina Romero
________________________________________

Prólogo

Meio da noite: o momento em que nos sentimos mais fortes, como se o mundo se curvasse diante de nós. Pelo menos, era assim que eu me sentia quando saía à procura de minhas presas. Pobres humanos… eles não tinham culpa de me encontrar no caminho deles.
Antes, eu tentava não matá-los. Depois que ele me deixou, porém, não me importei mais. As lendas diziam que eu era um monstro, então eu tinha que agir como tal.
Devia ser madrugada, mas ainda havia adolescentes dançando e bebendo perto de um lago no City Park. Eles eram muito ousados. Àquela hora, a parte mais fechada da floresta era perigosa. Quem sabia o que habitava aquele lugar? Para um humano, aquela multidão estava ali apenas para a festa de aniversário da filha do prefeito, Madelyn Jackson; para um vampiro, contudo, aquilo podia ser considerado um banquete. Era muito fácil arrastar para a floresta adolescentes bêbados e sem a menor ideia do que realmente estava acontecendo e me deliciar com o sangue deles.
Em Nova Orleans, histórias de fantasmas e seres sobrenaturais são muito comuns; tem gente até que diz já ter visto espíritos. Toda vez que há um assassinato, os jovens culpam os fantasmas até que a verdadeira causa da morte seja revelada. Pensando bem, eles não estão tão errados ao pensar que se trata do sobrenatural, mas não são os fantasmas que matam as pessoas: são os vampiros. Ou melhor, a vampira.
Não era certo descrever o local da festa como uma floresta. Conforme falei, estávamos no City Park, e a maioria ali era menor de idade.
Então, se um policial pegasse aquele bando de jovens bebendo por lá, ainda mais com a filha do prefeito, digamos que a situação não seria boa.
Não entendi como Madelyn conseguiu fazer a festa lá, ainda mais com toda aquela bebida. Provavelmente os pais não estavam sabendo de nada.
Eu ainda tinha a aparência de uma garota de dezessete anos – porque fui transformada nessa idade –, mas tenho mais de trezentos. Ninguém sabia realmente o que eu era, então me consideravam uma menor de idade. Que insulto!
Caminhei por entre os jovens e parei ao lado de um dos barris de cerveja. Enchi um copo e bebi. Joguei meu cabelo para trás e encontrei o olhar de um garoto, que piscou para mim, todo malicioso. Mesmo estando escuro e com poucas luzes iluminando o lugar, eu podia ver que os cabelos dele eram loiros. Sorri. Minha refeição!
Andei na direção dele, mas não parei. Em vez disso, passei reto, mantendo apenas a distância suficiente para que minha mão roçasse na dele. Eu não precisava me virar para saber que ele estava me seguindo. Alguns eram mais fáceis de pegar que outros. Já me alimentei de pessoas que eram tão teimosas, que tive que hipnotizá-las para conseguir que se calassem e me obedecessem. A maioria, porém, me obedecia por causa da minha beleza e do meu charme.
Quando estávamos bem longe de olhares curiosos, parei e me virei para encontrar o rosto dele, sorrindo maliciosamente. Ele se aproximou e roçou os lábios em meu pescoço. Mas que atrevido! Como tinha coragem de se aproximar tão rapidamente de uma dama? Talvez essa tenha sido a causa de sua morte.
Ele encostou a boca na minha. Suspirei e soltei um gemido quando ele me empurrou contra uma árvore. Não suportando mais seus beijos, passei minha boca pelo pescoço do garoto. Senti quando meus caninos afiados rasgaram minha gengiva, lutando para se libertar. Passei a língua por eles.
– Mas o quê…? – A pergunta morreu nos lábios dele quando cravei meus dentes em sua pele.
Senti sua pulsação em meus lábios, e me deliciei ao ouvi-lo soltar um gemido de dor. Minha audição aguçada detectou quando o sangue dele começou a correr mais fracamente em suas veias. Quando seu corpo ficou flácido, larguei-o no chão, certa de que ele não sobreviveria por muito tempo. Por via das dúvidas, porém, ergui-o novamente e vi que seus olhos ainda estavam mais ou menos abertos.
Você vai esquecer o que aconteceu aqui. Não vai se lembrar de mim, ou de nós. Se sobreviver, o que acho que não vai acontecer, dirá que estava bêbado e que viu um animal antes de tudo acontecer.
Forcei meus olhos a encarar os dele. Quando vi suas pupilas dilatarem, tive a certeza de que meu controle mental havia funcionado. Larguei o corpo do garoto ali e corri para longe dele. Senti o seu sangue escorrendo pelos cantos da minha boca e usei a manga da minha camiseta para me limpar.
Havia trezentos anos eu agia assim: seduzia, me alimentava, matava e largava o corpo para alguém encontrar. Eu não me importava. Tinha que recomeçar minha vida a cada década em um lugar diferente, pois as pessoas envelheciam, e eu não. Ninguém se lembraria de mim se eu hipnotizasse para que esquecessem.
Quando voltei para a festa, um sorriso se abriu em meu rosto. Eu adorava ser uma vampira! A eternidade pela frente, a velocidade e a força, poder entrar na mente das pessoas… Era tudo tão legal! Em trezentos anos, houve apenas um momento em todo esse tempo que desejei ser humana, e hoje me arrependo dessa fraqueza.
Meu nome é Katherine Miller, e eu amo ser uma vampira!
  


Três séculos antes
Eu nunca havia amado alguém como o amava. Seu nome era Daniele Toronto, e nos conhecemos onde hoje fica a Itália. Na época, essa região estava dividida em vários pequenos países e não se chamava Itália, pois cada um desses países tinha seu próprio nome e era autossustentável.
Ele era um nobre, e eu, uma camponesa. Desde o dia em que nos conhecemos, eu sabia que nunca poderíamos nos casar.
                Nunca diga nunca – ele havia sussurrado ao meu ouvido quando nos encontramos pela primeira vez, e depois desaparecera, me deixando confusa.
No dia seguinte, ele apareceu de novo; no próximo, apareceu outra vez, e me levou para dar uma volta pela sua propriedade. Conversamos sobre coisas bobas, nos beijamos, e ele disse que me amava, mesmo tendo me conhecido há tão pouco tempo.
Pelos dois meses que se seguiram, ele ia cedo até a minha casa e me levava para caminhar. Eu sabia que o amava. Tudo estava indo bem, até um dia ele me revelar o que era. Eu conhecia superstições e lendas sobre vampiros, mas nunca imaginei que ele pudesse ser um.
Ele era tão normal, mesmo sendo um nobre.
                Pare de brincar com minha fé – eu avisei.
                É verdade – ele disse, e então mostrou os caninos para mim.
                Então você é mesmo um monstro? – eu perguntei, nervosa.
Mas eu não tinha medo.
                Se você prefere esse substantivo para me nomear, então, sim, sou um monstro.
Recuei alguns passos e respirei fundo. Eu estava chocada e precisava pensar. De todas as vezes que ouvi histórias e pensei em como seria encontrar um vampiro, nunca imaginei que seria assim. Pode parecer meio banal e um tanto simples, mas foi exatamente assim que ele me revelou seu segredo, e foi exatamente assim que eu reagi.
                Eu amo você – ele disse. – Jamais lhe faria mal.
                Eu sei.
                Quero transformá-la, então poderemos ter a eternidade. Sem limites, sem regras. – E me beijou.
Ele me transformou um mês depois. Minha curiosidade não tinha fim, e eu quis explorar logo todas as minhas novas habilidades: superforça, supervelocidade, superaudição, e muitas outras. No entanto, eu só podia andar à noite, o que fazia sentido, pois eu era uma vampira, mas Daniele podia andar à luz do sol livremente.
Ele me explicou que para poder andar à luz do sol, controlar a mente das pessoas e ter muitas outras vantagens sobre os outros vampiros, tínhamos que ir atrás de um dos Caçadores Originais – aqueles que pertencem à família caçadora original, a primeira família de caçadores que surgiu – e matá-lo, bebendo todo o seu sangue.
Foi a primeira vez que matei, e foi difícil. Com a ajuda de Tatia, uma amiga bruxa de Daniele, encontramos um caçador. Ele era muito forte, até mesmo para um vampiro. Percebi que isso acontecia porque ele não era um humano comum, mas um ser sobrenatural treinado para matar vampiros. Para derrotá-lo, não tive que usar força, e sim inteligência. Virei uma diurna, assim como Daniele, e aprendi a compelir as pessoas a fazerem o que eu queria. Também me tornei mais rápida e forte que os vampiros normais, e meus sentidos ficaram mais aguçados.
Não demorei para aprender a caçar sem matar. Eu não gostava da morte. Por anos, a única pessoa que matei foi o caçador de vampiros, mas ele era sobrenatural também, então não contava como um humano normal. Eu acreditava que todos tinham o direito de viver, inclusive o caçador que matei, de modo que foi fácil aprender.
Minha família estava começando a desconfiar de algo. Eu teria que partir… Não poderia continuar vivendo com eles sabendo que desconfiavam de mim. Com esse pensamento, aceitei que teria que deixá-los. E foi o que fiz. Parti com Daniele sem deixar rastros.
Depois de um tempo, as coisas começaram a se complicar. Inimigos antigos de Daniele passaram a nos caçar. Quando não conseguimos mais fugir, ele tomou uma decisão que me deixou arrasada.
Isso aconteceu oito anos depois de eu ter sido transformada.
– Não podemos mais fugir juntos. Você está correndo riscos assim. Não quero você em perigo.
A princípio, não entendi o que ele quis dizer.
      Não podemos mais continuar juntos se você correr todo esse perigo, Catarina – ele disse, e eu comecei a chorar.
No meu primeiro ano como vampira, Daniele me ensinara que vampiros que poupavam vidas, que não matavam sem necessidade e se importavam com os outros, choravam lágrimas, pois tinham sua humanidade intacta. Já os vampiros sem humanidade, os que não se importavam e matavam sem remorso, choravam sangue.
      Não sou indefesa – falei entre soluços. – Sei me defender muito bem. Não vou viver sem você, Daniele.
      Essa não é uma escolha sua. – Então ele me beijou.
      Mas deveria ser em parte, pelo menos – murmurei quando ele se afastou.
      Quando um vampiro promete algo – Daniele começou a falar –, ele cumpre essa promessa, não importa o que aconteça, não importam os obstáculos que tenha que enfrentar.
      O que isso quer dizer?
      É como a necessidade de ser convidado antes de entrar em uma casa. É uma coisa de vampiro. Não sei por que é assim, mas é, e não cabe a mim descobrir o porquê.
      Não entendo o que você quer dizer – falei, mas, no fundo, eu estava começando a compreender.
      Você logo vai entender. – Ele beijou minha testa. – Eu, Danie-le Toronto, prometo que manterei você segura, não importa o que aconteça e o que tenha que fazer. Vou deixá-la viver sua vida sem mim, se isso for necessário. Não importa o que eu tenha que fazer, ou quanto tenha que sofrer, vou mantê-la segura eternamente.
      Não! – Cada palavra que ele dizia era uma facada em meu coração. – Você não pode fazer isso comigo.
      Eu já fiz. – Seus olhos estavam tristes, mas eu também pude ver que ali brilhava a promessa que ele acabara de fazer. Assim eu soube que ele a cumpriria.
Daniele não falou mais nada; apenas me beijou.
Foi um beijo de despedida. Lágrimas rolavam por minha face enquanto eu o via se afastar. Depois disso, nunca mais fui a mesma garota boa e cheia de amor. Eu virei um monstro, e não me arrependo nem um pouco.

Hoje

Capítulo um


Daniele me deixara, e eu recomeçara a minha vida. Foi difícil, e por vários anos senti a falta dele; até quis voltar a ser humana e morrer. Certo dia, porém, acordei e pensei: Por que continuo perdendo tempo pensando nele? Ele escolheu me deixar. Já chega de me lamentar por aquele insensível.
Daquele dia em diante, comecei a matar sem remorso. Era apenas uma distração, e eu sabia, mas ajudava a esquecê-lo. Depois de um tempo, eu o havia esquecido completamente e era indiferente ao falar dele. Ou era o que eu pensava.
Fazia dois anos que eu havia me mudado para Nova Orleans. Acabara de terminar a escola e, agora, ia para a Loyola University. Quantas vezes será que eu entrara para a universidade e me formara? Não sei, mas não foram poucas. Estudar era mais um passatempo do que vontade de aprender coisas novas.
Fui embora da festa no parque e caminhei até minha casa. Eu morava em um casarão do século XIX. Ele era amarelo e bastante chamativo, mesmo sendo daquela época. O espírito de uma bruxa antiga também habitava aquele lugar. Não sei se por coincidência ou destino, mas a bruxa que morava ali era a que havia me ajudado a encontrar o Caçador Original, três séculos antes.
Entrei na casa e me larguei no sofá. No dia seguinte eu começaria a universidade! De novo. Quem seria minha colega de quarto dessa vez? Não tinha a menor ideia, mas contanto que não atrapalhasse minha vida, estaria tudo bem. E se atrapalhasse… bem, acho que eu ganharia um lanchinho.
Olhei ao meu redor. Todas as minhas coisas já estavam encaixotadas, só faltava carregá-las até o carro. Eu poderia fazer isso mais tarde, mas preferia me livrar daquilo naquele momento.
Fui até o carro e abri o porta-malas. Deixei a porta do casarão aberta. Usando minha velocidade e força de vampira, entrei na casa e peguei três caixas pesadas de uma vez. Rapidamente, coloquei-as no carro.
Fiz isso até carregar tudo o que precisava. Fui até a cozinha e peguei uma garrafa de rum. Bebi direto no gargalo. Uma das coisas legais de ser vampira era que eu não precisava me alimentar como antes, da mesma forma que os humanos, para sobreviver. Eu podia, se quisesse, mas teria que seguir alguma dieta que não fizesse mal ao meu organismo morto, e mesmo assim precisaria continuar consumindo sangue. Então eu apenas bebia. A bebida não me fazia tão mal a ponto de não conseguir ingeri-la – mesmo que às vezes eu vomitasse depois –, e também não me deixava bêbada, pois eu estava morta e meu corpo não reagia ao álcool da mesma maneira que o dos humanos.
Ergui a garrafa.
      A você, querida Tatia – disse, referindo-me à minha amiga bruxa.
      O que lhe acontece hoje? – o sussurro de seu fantasma respon-deu, mas ela não se mostrou.
      Nada – respondi. – Tudo está ótimo.
      Matou alguém nesta noite, não foi? Senti o espírito do garoto deixar seu corpo.
      Eu não me importo. E ele mereceu. Era um atrevido!
      Você virou um monstro, Catarina – ela disse, usando meu nome de nascença. Um século depois, eu mudara meu nome para Katherine, e apenas quando encontrei Tatia ouvi meu verdadeiro nome ser dito outra vez. – Você não era assim. Sempre respeitou a vida humana.
      As pessoas mudam.
      Eu sei. Mas, se quisesse, poderia mudar novamente. Para melhor.
      Eu não me importo – retruquei.
      Devia começar a se importar. Matando pessoas assim, sem esconder os rastros, vai ser descoberta.
      Não existem caçadores de vampiros em Nova Orleans. A Família Original morreu faz um século! – repliquei, e bebi mais um gole de rum.
      Que você saiba. E se eles estiverem esperando a hora certa de atacar? Quanto tempo você acha que as pessoas vão engolir a história de que as mortes são ocasionadas por animais? Quanto tempo acha que as pessoas vão demorar para se tocar de que não existem animais perigosos que matam seres humanos no City Park?
Tatia estava começando a me irritar.
      Apareça – falei, entredentes. – Quero vê-la, não apenas ouvir sua voz.
Sem retrucar, seu espírito tremulante apareceu diante de mim. Ela ainda usava o vestido da época em que havia morrido. Era comprido, branco e tinha bordados cor-de-rosa. Seu cabelo negro e cacheado estava solto sobre os ombros e chegava até a cintura. Seu rosto exibia uma expressão preocupada.
      Apenas quero o seu bem – ela falou, e se aproximou de mim. – Você deve tomar muito cuidado; sinto um caçador se aproximando da cidade. Não quero que você seja um alvo.
      É impossível! – Acho que eu já havia comentado que a Família Original morreu, certo? E então acrescentei: – Se a Família Original está morta, não tem como nascerem mais caçadores.
Como se isso não fosse óbvio!
      E se tiver sobrado algum?
      Não sobrou – falei, com os dentes cerrados. – Eu mesma me certifiquei de que estivessem todos mortos.
Cento e cinquenta anos atrás, eu comecei a matar os caçadores. Um por um. Aniquilei a Família Original, bebendo o sangue de cada um deles, sem deixar um único sobrevivente para continuar a linhagem. Era impossível que houvesse caçadores por aqui. E, mesmo que houvesse – não, não podia haver –, todo o sangue dessa linhagem que corria por minhas veias me tornava mais forte que qualquer outro vampiro, então eu era mais que páreo para qualquer caçadorzinho.
      E se não forem da Família Original? – argumentou Tatia. – E se forem humanos normais que sabem da existência dos vampiros e decidiram caçá-los? Existe a possibilidade. E eu não sentiria sua presença se fossem humanos comuns.
      Certo. Vamos direto para a sua hipótese: são os Caçadores Originais. Ok. O que quer que eu faça?
      Seja mais discreta. Esconda seus rastros.
Bufei.
      Por que se importa tanto comigo? Sou um monstro.
      Você não se tornou um monstro sem algum motivo. E acho que Daniele tem muito a ver com isso.
      Não fale o nome dele! – gritei.
      O que quero dizer é que você pode mudar, pode voltar a ser a garota que era antes.
      Estou cansada – interrompi nossa conversa –, e amanhã tenho que ir para a universidade. Vou dormir.
      Quero que saiba que, se algum dia precisar de alguém, eu esta-rei aqui. É só chamar – Tatia avisou, e depois desapareceu.
Bebi mais um gole do rum e ergui a garrafa, respondendo para o nada:
      Obrigada.
Antes de me deitar, terminei de beber toda a garrafa. Apesar de o álcool não me deixar bêbada, eu não conseguiria dormir se não estivesse embriagada, ou pelo menos o mais próximo disso que eu pudesse chegar.
Nem me preocupei em vestir um pijama. Eu já tinha guardado tudo, não iria até o carro revirar as caixas só para pegar uma roupa. Cobrindo-me com o lençol até a cabeça, comecei a escutar os ruídos ao meu redor. Uma coruja piava em algum lugar. E eu conseguia ouvir o vento assobiando e mexendo os galhos das árvores.
Depois de me revirar na cama pelo que pareceram ser horas, finalmente consegui cair no sono.
___________________________________

Deixe sua opinião nos comentários!

10 comentários:

  1. Adorei Karina , estou completamente ansiosa para o sorteio , mesmo que eu nunca ganhe nada.

    ResponderExcluir
  2. Estou amando gente!!!
    Só uma perguntinha, faz parte do livro ou e somente a fanfic Karina?Fala pra gente...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São os primeiros capítulos do livro, Samara. Apenas postei na coluna de fanfics pq é onde faço as divulgações de novos autores :)

      Excluir
  3. Daniele não é nome de mulher?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniele é um nome italiano, seria o equivalente a Daniel aqui! :) :*

      Excluir
  4. Eu ja ameiiiiiii .... quero muito esse livro

    ResponderExcluir
  5. Respostas
    1. Então, na page dela tem informações de como comprar o livro dela, com autógrafo e marcadores :)

      Excluir
  6. Ei Ka.Bem que vc podia publicar o livro dela ali né😢😢. Seria muito legal😉😉

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!