18 de setembro de 2016

Capítulo 1

Começou quando eu estava no meio de uma batalha extremamente acirrada na internet por causa de um par de botas plataforma de couro. Foi quando ouvi um alerta em minha mesa, avisando que eu havia recebido um e-mail.
Normalmente eu teria ignorado, pois minha necessidade de comprar botas estilosas, porém funcionais, era sempre alta. As antigas sofreram um acidente infeliz enquanto eu mediava uma PMNO (Pessoa Morta Não Obediente) na marina Carmel. Ela era especialmente teimosa, e nós duas acabamos na água..
Infelizmente, eu estava no trabalho, e meu chefe, o padre Dominic, não gosta quando os funcionários ignoram e-mails, mesmo que sejam estagiários não remunerados, como eu.
Murmurei um “Eu voltarei” para a tela (no que considerei uma boa imitação de Arnold Schwarzenegger em O Exterminador do Futuro e cliquei na caixa de entrada, mantendo a tela do leilão aberta. Com bico reforçado em aço e saltos grossos, aquelas botas eram perfeitas para lidar com os que precisavam do encorajamento de um belo chute na bunda a fim de passarem para o além; apesar de eu duvidar de que a pessoa tentando dar lances mais altos que eu – Maximillian28, um apelido totalmente ridículo – quisesse as botas pelo mesmo motivo.
Mas, se tem uma coisa que aprendi na indústria da mediação, é que nunca se deve fazer suposições.
E foi exatamente isso que percebi quando li o nome da pessoa que havia mandado o e-mail. Não era um de meus colegas de trabalho na Academia da Missão, multo menos um pai ou um aluno. Também não era ninguém da família, nem um amigo.
Era uma pessoa com quem eu não tinha contato havia muito, muito tempo – alguém de quem torcia nunca mais ouvir falar. Só de ver o nome dele no e-mail meu sangue ferveu... ou congelou. Não consegui distinguir.
Esqueci as botas e cliquei no e-mail.

Para: suzesimon@academismissao.edu
De: paulslater@industriasslater.com
Assunto: Sua Casa
Data: 16 de novembro 13:00:02 PST

Oi, Suze
Com certeza já ficou sabendo que minha nova empresa, Indústrias Slater, comprou sua velha casa na Pine Crest Road, 99, bem como as propriedades no entorno.
Você nunca foi do tipo sentimental, então acho que não vai ter problemas com o fato de que vamos demoli-la para construir o novo projeto de casas familiares de tamanho moderado (ver plantas em anexo) da Propriedades Slater. Meus números de contato estão abaixo. Pode ligar se quiser conversar.
Sabe, fico chateado por não termos mantido contato, principalmente porque éramos tão próximos.
Lembranças a Jesse.

Abraços,
Paul Slater

PS.: Não me diga que ainda está aborrecida com o que aconteceu na noite da formatura. Foi apenas um beijo.

Fiquei olhando para a tela, ciente de que meus batimentos cardíacos haviam se acelerado. Acelerado? Fiquei tão furiosa que quis socar o monitor, como se dessa maneira eu pudesse socar o abdômen definido de Paul Slater. Eu machucaria os dedos em ambos os casos, mas aliviaria grande parte da agressão acumulada.
Se eu tinha problemas, como disse Paul de maneira tão leve, com o fato de que ele havia comprado minha antiga casa – o casarão vitoriano em Carmel Hills que minha mãe e meu padrasto renovaram com tanto carinho uma década antes para abrigar a nova família estendida (eu e meus meios-irmãos Jake, Brad e David) – e de que agora queria destruí-la para construir um tipo qualquer de subdivisão horrenda?
Sim. Sim, eu tinha problemas com isso, tinha mesmo, e com quase todo o resto que ele havia escrito naquele e-mail idiota.
E não porque sou sentimental.
Ele teve a coragem de chamar o que havia feito comigo na formatura de “apenas um beijo”? Engraçado como durante esse tempo todo achei outra coisa completamente diferente.
Para a sorte de Paul, nunca fui imbecil o suficiente para mencionar nada a meu namorado, Jesse, porque, se tivesse, um assassinato teria acontecido.
Mas, considerando que homens de descendência hispânica compõem cerca de 37% da população carcerária total da Califórnia (e era evidente que Paul tinha dinheiro para comprar a rua toda onde eu costumava morar), não vi nenhuma possibilidade decente de Jesse se livrar da prisão por um homicídio justificável – embora a morte de Paul teria sido exatamente isso, em minha opinião.
Sem parar para pensar – grande erro – tirei o celular do bolso de trás do jeans e digitei com raiva um dos números que Paul havia listado, tocou apenas uma vez antes de eu ouvir sua voz, mais grave do que eu me lembrava, dizer suavemente: “Paul Slater falando.”
— Qual é seu problema, droga?
— Nossa, Suzannah Simon — disse ele, parecendo satisfeito. — Que bom falar com você. Não mudou nada. Sempre tão delicada e refinada.
— Cale essa droga de boca.
Quero frisar que não falei droga em nenhuma das duas frases. Tem uma jarra de palavrões em minha mesa – o padre Dominic a colocou ali por causa de minha tendência ao xingamento. Tenho de colocar um dólar por cada palavrão, e cinco por cada bomba-F que soltar.
Mas como não havia ninguém no escritório para me escutar, deixei que as armas mais fortes de meu arsenal verbal escapassem livremente. Parte de meus afazeres nos escritórios administrativos da Academia da Missão Junípero Serra (da creche ao ensino médio) – onde estou tentando fazer os créditos práticos de que preciso para receber minha certificação de conselheira acadêmica – consiste em atender ao telefone e checar e-mails enquanto meus supervisores estão no almoço.
O que meus afazeres não incluem: xingar. Ou fazer ligações pessoais a meus inimigos.
— Só queria saber onde você está — falei — para que eu possa ir até aí, desmembrá-lo bem devagar, coisa que eu obviamente devia ter feito no dia em que nos conhecemos.
— A boa e velha Suze — disse Paul com carinho. — Quanto tempo faz, seis anos? Quase isso. Acho que não falo com você desde aquela noite de formatura do terceiro ano, quando seu meio-irmão Brad encheu tanto a cara de Goldschläger que vomitou em cima dos Louboutins de Kelly Prescott. Ah, as memórias.
— Ele não foi o único que encheu a cara se bem me recordo — relembrei. — E não foi só isso que aconteceu naquela noite. Sabe o que tenho feito desde então, fora estudar pra me formar em aconselhamento pedagógico? Tenho malhado. Assim, quando te encontrar de novo, posso...
Comecei a fazer uma descrição bastante anatômica de precisamente onde eu pretendia enfiar a cabeça do Paul depois que eu a arrancasse do corpo.
— Suze, Suze, Suze. — Paul fingiu espanto. — Quanta hostilidade. Não consigo entender como deixaram uma pessoa como você participar de um programa para conselheiros. Os coordenadores te conhecem mesmo?
— Se eles te conhecessem, estariam se perguntando o mesmo que eu: como um manipulador bizarro assim não está preso em uma penitenciária de segurança máxima?
— O que posso dizer, Simon? Você sempre fez meu lado romântico aflorar.
— Acho que você está confundindo a palavra romântico com tarado sociopata. E você tem sorte que foi Debbie Mancuso, e não Jesse, que apareceu enquanto você me apalpava como um macaco no cio, porque se tivesse sido ele, teria...
—... teria me dado uma daquelas surras que são sua marca registrada e que tanto mereço. Ok, ok, já sei, Suze, ouvi tudo isso antes.
Paul respirou fundo. Ele e meu namorado nunca se deram bem, principalmente porque Jesse foi uma PMNO por certo tempo, e Paul – que, como eu, tem o tal “dom” de se comunicar com os que ficaram presos no mundo espiritual – insistiu em mantê-lo naquele estado para que pudesse se dar bem comigo.
Felizmente, ele falhou nas duas coisas.
— Dá pra gente seguir em frente, por favor? — perguntou Paul. — Isso é tudo muito divertido, mas quero chegar no momento da conversa em que falamos sobre eu ser o proprietário de sua casa. Você já sabe o que houve, não sabe? Não sobre a casa; dá para sacar, pela reação nada graciosa, que você acabou de descobrir. Estou falando sobre meu avô ter batido as botas e deixado a herança da família para mim.
— Ai, não. Paul, eu...
Mordi o lábio. O avô dele era uma pessoa difícil de vez em quando, mas também era o único na família de Paul – fora o irmãozinho, Jack – que genuinamente parecia dar a mínima para ele. Mas não me surpreendi ao saber que havia morrido. O velho já estava mal quando o conheci em minhas “passagens” corriqueiras pelo tempo, que é uma habilidade que os mediadores têm, mas são aconselhados a não utilizar. É considerado prejudicial à saúde. Mesmo assim, senti que não era certo dizer lamento sua perda a Paul, considerando que ele estava agindo como o maior babaca do mundo.
Não fez diferença, no final. Paul queria algo de mim, mas não era minha condolência.
— Isso, você está falando com um dos solteirões mais cobiçados da revista Los Angeles — disse ele, distraído. — É claro que meus pais não estão muito felizes com isso. Tiveram a coragem de me levar a julgamento e contestar o testamento, acredita?
— Hum... acredito?
— Engraçadinha. Mas justiça foi feita e agora sou presidente e CEO das Indústrias Slater. Tenho uma casa em cada costa do país e um avião particular para ir de uma a outra, mas, como diz a revista, não tenho ninguém especial com quem compartilhar isso tudo. — Senti o tom sarcástico em sua voz. — Está interessada em ser esse alguém especial, Suze?
— Dispenso, obrigada — respondi friamente. — Principalmente visto que não consegue pensar em nada mais criativo para fazer com sua nova fortuna que demolir a casa das pessoas. O que não acho que você tenha direito de fazer legalmente. Minha casa tem quase duzentos anos. Ainda tem o pilar talhado na base da escada com a data de construção, 1850. Tem janelas de vitral. É um marco histórico.
— Na verdade, não é, não. Sim, tem seu charme peculiar, acho, mas nada histórico aconteceu ali. Quero dizer, fora o que aconteceu entre mim e você — disse ele com um risinho na voz. — E, considerando a forma como você vem me ignorando nesses últimos anos, acho que não sou o único a se lembrar daquilo como algo historicamente significativo.
— Nada aconteceu entre a gente, Paul — respondi. Ele estava tentando minar minha confiança, do mesmo jeito que fez com o fecho de meu sutiã na formatura. Era assim que ele operava, como um bicho-de-pé ou outros vários parasitas sanguessugas. — Pelo menos nada de bom.
— Ai, Simon! Você sabe mesmo como machucar um cara. Eu me lembro muito de uma tarde em meu quarto quando você não pareceu nem um pouco enojada com minhas atitudes. Você chegou até a...
— ... te deixar falando sozinho, lembra? E ninguém pode demolir uma casa tão antiga quanto aquela. Isso deve violar alguma lei da cidade.
— É só dar dinheiro aos políticos certos, Simon, e você consegue permissão para o que quiser no querido estado da Califórnia. É por isso que chamam esse lugar de terra da oportunidade. Falando nisso, parabéns a seu padrasto pelo sucesso. Quem diria que aquele programinha sobre renovações de casas de Andy Ackerman viraria uma sensação internacional? Pra onde seus pais vão com todo o dinheiro de direitos de transmissão que ele está ganhando? Bel Air? Ou Hills? Não se preocupe, acontece com todo mundo. Tenho certeza de que eles não deixaram o sucesso subir à cabeça. Sua mãe é uma mulher amável, de modos tão graciosos, o que não posso dizer sobre sua filha única...
— Fale mais uma coisa sobre minha mãe — rosnei —, e acabo com você, Paul, como deveria ter feito há muito tempo Eu te acho, onde quer que esteja, arranco sua cabeça e a enfio no seu...
— Você já usou essa antes — lembrou Paul. — Então pelo visto você tem mesmo um lado sentimental, Suze. Que surpreendente. Eu sempre soube que aquele seu namorado morto-vivo era um ponto fraco, é claro, mas nunca achei que isso também abrangia sua casa. Quero dizer, espere... Jesse deve ser mais que seu namorado agora que você conseguiu reconectar o corpo com a alma dele. Acho que estou desinformado; quem tem tempo de ficar lendo o boletim informativo dos alunos? Vocês já se casaram? Espere, que idiota eu sou: é claro que sim. Já se passaram seis anos desde o ensino médio! Tenho certeza de que um amor tão apaixonado quanto o que você nutre por seu mestiço necromante não tinha como esperar seis anos para ser consumado. E, até onde me lembro, Hector “Jesse” de Silva te respeitava demais para tentar algo mais íntimo fora da santidade do sagrado matrimônio.
Senti minhas bochechas ficarem quentes. Disse para mim mesma que era a indignação diante do racismo – mestiço necromante? Sério? – mas eu sabia que parte de minha reação era por causa de outra emoção totalmente diferente. Ainda bem que Paul não estava no escritório comigo, ou certamente teria percebido. Sempre foi tão observador que chegava a ser desconcertante.
— Jesse e eu estamos noivos — falei, controlando com muito esforço o impulso de xingá-lo ainda mais. No passado, sempre que Paul conseguia arrancar algum tipo de emoção de mim, mesmo que negativa, ele se satisfazia. E a última coisa que eu queria era satisfazer Paul Slater.
— Noivos? — entoou Paul. — Em que ano estamos, na década de 1950? As pessoas ainda ficam noivas? Ainda se casam? Quero dizer, os héteros?
Eu realmente devia ter pensado melhor e jamais ter ligado para ele, pensei com tristeza enquanto olhava o pôster que a Srta. Diaz, conselheira da Academia da Missão, havia colocado na parede acima da entrada do escritório. Era um daqueles pôsteres condizentes com a profissão, uma foto de um gatinho lutando para se segurar em um galho de árvore, e as palavras Mire Alto!
Tarde demais, percebi que devia ter mirado alto e tratado Paul com um distanciamento frio, que não devia ter deixado minhas emoções interferirem. Era a única forma de lidar com ele.
Mas ele sempre foi bom em me atiçar.
Atiçar em todos os sentidos.
— Um noivado não é algo meio antiquado para uma menina moderna como você, Simon? — continuou ele. — Ah, não, eu me esqueci... o Menino Walking Dead gosta de fazer as coisas à moda antiga, não gosta? Isso quer dizer — ele soava mais contente do que nunca — que vocês dois estão esperando até o casamento?
Senti outra vontade avassaladora de surtar e dar um soco em alguma coisa, qualquer coisa, talvez até mesmo o gatinho do pôster. Mas a parede atrás dele tinha quase 1 metro de espessura, construída no século XVIII, e havia resistido a vários terremotos do Norte da Califórnia. Certamente resistiria a meu punho.
— Isso não é de sua conta — retruquei, com tanta frieza que me surpreendi pelo telefone não ter congelado em meu rosto.
Eu estava me esforçando para não deixar Paul perceber minha insatisfação com a noção pré-histórica de meu namorado de que não só não podíamos nos casar antes de ele alcançar uma posição financeira boa o bastante para sustentar a mim e a eventuais filhos (mesmo que eu garantisse que estava tomando pílula e planejava continuar até que terminasse o mestrado e arrumasse um emprego que cobrisse tratamentos dentários, pelo menos), como também não podíamos morar juntos.
Pior ainda, Jesse insistia que tínhamos de esperar até que tivéssemos trocado votos – em uma igreja, com ele de terno, eu de vestido branco e véu, nada menos – para só então termos relações conjugais. Era o mínimo que podia fazer, insistia ele, por “respeito” a tudo o que fiz por ele, não só ter lhe devolvido a vida, mas fazer com que ela valesse a pena.
Eu já havia repetido várias e várias vezes, e de maneira bem clara, que podia viver muito bem sem esse tipo de respeito.
Mas o que esperar de um cara que havia nascido durante o reinado da rainha Vitória? Sem mencionar que ele tinha sido assassinado – e enterrado, e vivido como assombração por 150 anos – na mesma casa que Paul ameaçava demolir.
Isso precisava ter alguma coisa a ver com o motivo de Paul para fazer aquilo. Sempre suspeitei de que ele tinha ciúmes por eu ter escolhido um fantasma a ele no final. Mas como eu poderia não fazer isso? Até mesmo quando Jesse não tinha batimentos cardíacos, era mais humano que Paul.
— Esperando até o casamento — repetiu Paul. Estava quase chorando de tanto gargalhar. — Meu Deus. Que coisa fofa. É fofo mesmo, Simon. Acho que o programa de seu padrasto é sobre a pessoa errada. Eles deviam estar filmando você e esse seu namorado, num show chamado As Últimas Virgens. Juro que daria mais ibope que Médium.
— Pode rir — falei. Apoiei os calcanhares sobre a mesa e cruzei as pernas. — Vai rindo, Paul. Sabe o que Jesse está fazendo agora? Residência médica.
Surtiu efeito. Paul parou de rir abruptamente.
— Isso mesmo — continuei, começando a ficar satisfeita. — Enquanto você está por aí sendo o solteirão mais cobiçado de Los Angeles por não fazer nada a não ser receber herança de seu avô, Jesse passou no MC AT com uma das melhores notas da Califórnia e se formou em Medicina na UCSF. Agora ele está fazendo um treinamento pediátrico no Centro Médico São Francisco, em Monterrey. É só terminar a residência e vai ter licença para ser médico. Sabe o que isso significa?
A voz de Paul perdeu um pouco do humor.
— Ele roubou a identidade de outra pessoa? Porque só assim alguém que era um cadáver ambulante pode entrar na UCSF. A não ser que seja para ser usado nas aulas de anatomia, é claro.
— Jesse nasceu na Califórnia, seu idiota.
— Sim, antes de se tornar um estado.
— O ponto — continuei, me inclinando para trás na cadeira — é que ano que vem, depois de Jesse conseguir a certificação do comitê, e eu, a minha, vamos nos casar.
Quero dizer, se tudo acontecesse conforme planejado e se Jesse recebesse a bolsa de estudos para a qual havia se candidatado com o objetivo de abrir o próprio consultório. Achei que era desnecessário mencionar todos esses “se” para Paul... ou o fato de que eu não sabia quanto tempo mais ia aguentar ficar dando voltas na piscina minúscula de meu prédio para trabalhar a frustração que eu sentia por causa de meu noivo e dos seus pontos de vista oitocentistas sobre amor, honra e sexo... Pontos estes que eu estava determinada a respeitar tanto quanto ele respeitava meu corpo (infelizmente).
Mas as coisas já haviam ficado quentes o suficiente para que eu soubesse que valia a pena esperar por aquilo que o jeans de Jesse escondia. Nossa noite de núpcias seria épica.
A não ser que um daqueles “se” não desse certo, ou que o noivo acabasse na cadeia.
De todos os obstáculos que eu havia imaginado para atrapalhar nossa noite de núpcias muito merecida, o reaparecimento de Paul era o último que eu esperava.
— Porém, o mais importante é que isso significa que um dia teremos nosso próprio consultório, especializado em ajudar crianças doentes — continuei. — Não que eu ache que ajudar pessoas seja um conceito que você vá entender.
— Isso não é verdade — disse Paul. Não havia humor algum em sua voz dessa vez. — Sempre quis ajudá-la, Suze.
— É assim que você chama o que fez comigo na formatura, quando disse que tinha um presente para me dar em particular, então eu te segui e você me jogou na parede e meteu a mão por baixo de minha saia? — perguntei, ácida. — Você considera isso uma ajuda?
— Sim — disse ele. — Eu estava tentando ajudá-la a não perder tempo com um santinho latino que já havia morrido e que acredita ser pecado sentir prazer sem um certificado de casamento.
— Bem — falei, e tirei os pés de cima da mesa —, vou desligar. Não foi prazer algum falar com você depois de todos esses anos, Paul. Por favor, morra de maneira bem lenta e dolorosa. Tchau tchau.
— Espere — disse Paul com urgência antes que eu apertasse o botão de desligar. — Não vá. Eu queria dizer que...
— O quê? Que você não vai derrubar minha casa se eu aprender com você a ser uma mediadora melhor? Foi mal, Paul, isso pode ter dado certo quando eu tinha 16 anos, mas já estou velha demais para cair nessa de novo.
Ele pareceu ofendido.
— O negócio com sua casa é apenas business. Só te contei por cortesia. O que eu queria dizer é desculpe.
Paul Slater jamais havia pedido desculpas na vida... de coração. Ele me pegou desprevenida.
— Desculpa pelo quê?
— Pelo que eu falei sobre Jesse agora há pouco, e desculpe pelo que aconteceu naquela noite. Você tem razão, Suze. Eu tinha bebido demais. Sei que não é justificativa, mas é verdade. Honestamente, mal me lembro do que aconteceu.
Ele estava curtindo com minha cara?
— Deixe que eu refresque sua memória, então. Depois que me prendeu na parede, eu te dei um presentinho. Meu joelho em suas partes baixas. Isso o ajuda a recuperar a memória?
— Um homem nunca se esquece desse tipo de dor, Simon. Mas o que aconteceu depois não é claro. Foi quando Debbie Mancuso chegou?
— Foi. E ela parecia interessada em ajudar sua área dolorida a melhorar.
— Então você é quem devia pedir desculpas a mim. O tratamento da Debbie não foi nada carinhoso. Ela subiu em cima de mim como se eu fosse um maldito gigolô...
— Cuidado aí — grunhi. — Debbie é casada com meu meio-irmão Brad agora. E eu obviamente não te golpeei com a força que deveria se ainda conseguiu se dar bem com ela depois. A última coisa que vai ouvir de mim é um pedido de desculpas.
— Então aceite o meu, e me deixe compensá-la. Tenho uma proposta.
Soltei uma gargalhada.
— Ah, tá!
— Simon, estou falando sério.
— Seria a primeira vez.
— Pode salvar sua casa.
Parei de rir.
— Estou ouvindo. Talvez.
— Me dê outra chance.
— Já disse que estou ouvindo.
— Não, essa é a proposta. Me dê outra chance.

8 comentários:

  1. Essa estória fica muito melhor com o Paul! Amo o Jesse mas, o Paul... Sabe como viver a vida. kkk

    ResponderExcluir
  2. Haaa não acredito estava louca para ler muito obrigada

    ResponderExcluir
  3. Paul poderia ser um cara muito legal se fizesse as coisas pelo bem, e não por ele próprio... Se bem que, vilão como é, não é tão ruim assim... ? O que estou falando??

    ResponderExcluir
  4. "-Por favor, morra de maneira bem lenta e dolorosa. Tchau tchau."
    Isso que eu desejo para esse nojento do Paul..

    ResponderExcluir
  5. Por que eu gosto dos vilões? Jesus, esse Paul, e eu não acredito que ela continua virgem, aja amor! Seis anos! Espero que ele tenha dado uns bons amassos nela, ainda que eu ache que isso só piora tudo...
    ENFIM, essa série só surpreende, sociedade!

    ResponderExcluir
  6. Paul, o vilão que eu não consigo odiar

    ResponderExcluir
  7. Meu Deus gosto do Jesse, mas os vilões sempre me atraem!! kkkkkk

    ResponderExcluir
  8. o Jesse é lindo, mas o Paul, tem aquele algo mais....

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!