24 de setembro de 2016

Fanfic: Hillstown


Sinopse:
Quando Abby Thompson se muda para a pequena Hillstown, na Inglaterra, a sua vida muda drasticamente. Sendo forçada a conviver com adolescentes totalmente diferentes de si mesma, a situação parece não poder piorar, mas a sua convicção se transforma em incerteza quando ela conhece Ethan Wood, e isso acaba por mudar a vida de todos para sempre.

Categorias: Drama, romance, adolescência, história original
Autor: Fabricio Carvalho

___________________________________________

Prólogo - Refúgio


Abby Thompson conseguiu respirar novamente quando o som de passos que tivera ouvido se desvaneceu até sumir por completo. O sangue tornou a correr por seu corpo, lhe concedendo alguma coloração e as batidas de seu coração pareceram se normalizar, acabando com o tremelique que se abatia sobre as suas mãos.

Ela ainda não podia afirmar, com certeza, se estava sozinha ali. Mas como ouvira centenas de vezes, o pensamento postivio era a melhor alternativa a se seguir em momentos como aquele, e por isso, decidiu usar o seu conhecimento na prática.
Não tem ninguém aqui, Abby repetiu mentalmente, para si mesma, sou apenas eu. E após alguns minutos, o exercício leniente, mesmo que bobo, surtiu algum efeito, levando o ataque de pânico para longe da garota, que finalmente compreendeu o quão ridícula parecia naquele instante.

Ela sorriu, ao imaginar a reação de qualquer um que a visse ali, que com certeza, pensaria que ela era alguma espécie de maluca. E o pior de tudo, era que ela podia entender o motivo para isso. A própria Abby, caso não fosse a biruta em questão, não pensaria diferente se visse outra garota qualquer, em seu primeiro dia na escola, tendo um ataque por estar com medo de encarar a sua nova realidade e ter que interagir com pessoas desconhecidas, que, até então, nada de mal tiveram a feito.

Talvez, Abby Thompson não tivesse apenas a aparência de maluca, e de fato, fosse uma.

Seus pensamentos foram interrompidos pelo ruído distante do sinal, que indicava o início do seu primeiro horário de aula do dia, que no seu caso, era a disciplina de história.

Maldita, ela praguejou, em pensamento, estressada por ter que passar por tudo aquilo, por que diabos eu não consigo ir para a droga da aula?

Infelizmente, Abby não tinha a resposta para a sua própria pergunta.

Nem ela mesmo sabia o porquê de agir sempre daquela maneira.

A verdade foi que, desde menor, a reclusão, meio que proposital, sempre fez parte de sua rotina. Ela não podia fingir que alguma vez foi a popular, rodeada de amigos ou até mesmo, que seu nome era famoso por algum motivo. Ela era a ninguém. Nada mais que a garota estranha e retida no seu canto. Essa era Abby Thompson, uma adolescente fracassada, quando vista por qualquer outro jovem de sua idade.

Ela não queria pensar naquilo, mas sabia que esse fator foi de crucial importância para a sua localização agora. Porque se ela não fosse tão discreta, quanto houvera sido durante toda a sua vida, o seu pai, muito que provavelmente, teria reconsiderado a decisão de fazer as malas e se mudar para Hillstown, a levando consigo.

As lembranças de todas as vezes que tentou argumentar, ainda eram frescas. E assim como uma ferida que foi tocada antes de estar devidamente curada, isso ainda machucava. Ela não queria ter aberto mão de toda a sua vida em Miami, mas para o seu pai e responsável perante a lei, Abby não vivia, apenas existia, e justamente por essa causa, deveria urgentemente ter um novo começo, sendo Hillstown a escolhida como o seu novo ponto inicial.

As lágrimas começaram a cair, de maneira tímida, no começo, porém logo depois, elas desceram como as águas de uma cachoeira, e foram alternadas com soluços, que, mais uma vez, fizeram Abby se martirizar por ser tão ruidosa e nem mesmo conseguir sofrer sem fazer barulho.

Até nisso, ela falhava.

O mundo era tão vasto e possuía tantas opções, dos mais variados tipos, mas onde ela estava agora? Em uma maldita cidade inglesa, cujo ela nem mesmo sabia da existência antes de ser obrigada a se mudar para ali.

Realmente, aquele era um bom motivo para chorar.

Ela não era apenas um inútil e antissocial, era uma azarada também.

A tristeza em seus prantos abriu espaço para a raiva, quando Abby lembrou do tamanho egoísmo que seu pai teve ao vir para Hillstown, sem considerar o prejuízo, não só social, mas em outros aspectos, que ela sofreria ao ter que lhe acompanhar. Afinal, querendo ou não, ela ainda era uma adolescente, que estava em pleno exercício dos estudos,e uma alteração em seus ambiente escolar, naquela altura do campeonato, poderia sim, acarretar prejuízos, ainda mais quando somado ao fato de que Abby odiava a ideia, mesmo antes de ser concretizada, de ter que estudar ali.

Nada daquilo dera qualquer resultado.

Ela ainda estava lá.

Trancada em um banheiro e chorando por sua vida, que era um completo fiasco.

Seu pai não poderia ter a ajudado um pouco?

Julius Thompson sempre fora um homem de palavra firme, e Abby soube, desde o princípio, que Hillstown seria o seu destino, com ou sem o seu consentimento, mas, ela também, não poderia esquecer, que na visão dele, aquilo era algo bom para a filha, cujo ele só desejava o bem. O empregado também tivera sido outro ponto importante que os levaram para ali, pois, a empresa que seu pai era gerente comercial em Miami, decidiu por abrir filiais na Inglaterra, e dentre as cidades contempladas, estava Hillstown, que ele escolheu por ser pacata, além de apresentar uma maior base salarial em relação as outras.

Os motivos que a fizeram ir, já não importavam mais para Abby, porque, agora, só lhe cabia aceitar a sua nova vida.

Se já não restava mais nada a ser feito para sair daquele pesadelo, por que o fazer ser ainda pior? Abby se questionou, olhando para o vazio. Ela perdera todo o pouco que tinha, se torturar por quê? Não era como se chorar ou ter ataques de pânico fosse fazer o seu pai repensar todas as suas ideologias que lhe trouxeram para Hillstown.

Ela então, se deu conta de que aquilo não fazia o minimo sentido.

Sua vida não fora boa até ali e ela sempre pôs a culpa nos fatores externos. Mas o problema, de fato, estava neles?

Ela não poderia agir como se alguma vez tivesse tomado decisões por conta própria, fora a realidade de que quase sempre se deixava levar pelo o quê os outros esperavam de si, quebrando a cara na maioria das ocasiões.

Seu pai não esperava que ela recomeçasse?

Já não era decepção suficiente para ele ter uma filha antissocial?

Tudo isso, de repente, inundou a mente de Abby.

Ela não queria mais ser uma fracassada.

Não antes de tentar.

Ela precisava urgentemente, aproveitar aquele sopro de coragem, porque já fazia bastante tempo que ela não se sentia assim, e exatamente por isso, Abby limpou o rosto com as costas das mãos, deu uma ajeitadinha em seu cabelo, respirou fundo e saiu da cabine reservada, onde se escondera até então.

QUE SE DANE, ela deu a voz aos pensamentos, decidida e sem medo de ser escutada.

***

O banheiro estava inteiramente vazio. Provavelmente, porque os outros alunos já estivessem em aula, supôs, onde, porventura, ela também deveria estar.

Sendo assim, Abby encarou seu reflexo no espelho que ali existia, e não ficou nem um pouco contente com a imagem que viu em sua frente. O cabelo negro, continuava desgrenhado, e olheiras enormes se projetavam no seu rosto, essas, que por acaso, ficavam ainda mais assustadoras quando integradas ao tom vermelho que seus olhos cor-de-âmbar adquiriram por conta do choro.

Resumidamente, ela estava um horror.

Tinha que agir rápido.

Ela então lavou o rosto, e logo após, aplicou a sua base, que por sorte, se encontrava justamente dentro de sua bolsa. A ação fez com que a sua aparência melhorasse notavelmente, mas sem estar suficientemente boa para manter a sensação de confiança que ela estava tendo, e por isso, um pouco de pó compacto foi posto, seguido de um batom vermelho e chamativo, que ela nem mesmo sabia o porquê de ter comprado e para finalizar, uma penteada em seus fios de cabelo, que iam até abaixo dos ombros.

Ela olhou para o espelho outra vez, e não conteve o sorriso ao ver que a aparência abatida de alguns minutos atrás desaparecera por completo.

Abby Thompson estava pronta para conhecer o Colégio Brisas.

Ou assim, esperava estar.

Recolhendo todos os seus acessórios postos em cima do lavatório, ela deu uma última olhadela em como estava e abriu a porta para sair dali, e um pouco incerta, seguiu o seu caminho, que ela ainda tinha medo de conhecer por completo.
___________________________________________

Deixe sua opinião nos comentários!

Saiba mais: eduardosegadilha10@hotmail.com

8 comentários:

  1. NÃO TEM DOIS DO LIVRO?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, sou o autor dessa fanfic, e o restante está na minha conta do Wattpad. Você pode me seguir por lá. Mais informações no link, vou ficar muito feliz se você me seguir: https://www.wattpad.com/user/FabricioCarvalho6

      Excluir
  2. DEVERIA TER TODA A HISTÓRIA NÉ....

    ResponderExcluir
  3. Gostaria de ler! 😢

    ResponderExcluir
  4. Tem algum site q essa historia está completa????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O autor não me passou nada.. Manda um e-mail pra ele perguntando :)

      Excluir
  5. Ótima fanfic!!!
    Ei, Karina, eu posso entraramente no grupo? Se pudeé está aqui meu número: 097991563153.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jully! Claro, mas estou adicionando na ordem que pedem... Será que vc pode enviar o seu número no post "Enquete/Whatsapp", por favor?

      Excluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!