17 de setembro de 2016

Fanfic: Um preço a ser pago


Sinopse:
Emma sempre se achou normal apesar de estar um pouco acima do peso e fora dos padrões de beleza. Por isso, quando Oliver, o galã da escola, se interessou por ela no colegial, ela achou que viveria um verdadeiro conto de fadas.
Mas o tempo passou, trouxe mudanças e ela percebeu que Oliver não era o seu verdadeiro Príncipe Encantado. Então, com o coração quebrado, aceitou o convite de seu melhor amigo, Simon, para ir ao Marrocos.
A ideia de Simon era que Emma esquecesse Oliver e começasse uma vida nova, mas nenhum deles estava preparado para as surpresas que a viagem reservava.

Categorias: romance, amizade, aventura, história original
Autora: Kamila Lübe

_______________________________________

Prólogo


Quando era mais nova, eu odiava ter que fazer escolhas. Eu não conseguia entender por que eu não podia ter dois sabores de sorvete ao mesmo tempo, ou porque minha meia-calça preta com bolinhas amarelas não combinavam com meu vestido lilás por mais que minha mãe tentasse me explicar. Eu era uma criança complicada.
Foi quando eu estava com 8 anos que cheguei a conclusão de que os adultos faziam aquilo de propósito para deixar a vida mais chata. Eu só não entendia o porquê.
Depois, com 12 anos, finalmente entendi que escolhas eram mais do que cores conflitantes e sabores de sorvete, que escolher era algo perigoso por que é necessário abrir mão de todas as outras possibilidades para ter apenas uma, e que ainda pode não ser a certa. Desde então, minha vida nunca mais foi a mesma.
Não há como viver a vida despreocupadamente sabendo que a qualquer momento você pode fazer uma escolha que destruirá sua carreira ou seu relacionamento com seus pais. Mas mesmo com toda a insegurança que eu sentia, acho que me saí até bem. Pelo menos era o que eu achava até todas as minhas convicções serem jogadas ao chão.
É como diz o ditado: vivendo e aprendendo! Não que isso seja uma coisa boa.
Hoje, com 24 anos, aprendi que algumas vezes não existe escolha, e que nesses casos a única coisa que podemos fazer é observar enquanto a vida nos cobra seu preço. 


Um


meses antes...
- Terra chamando Emma! - Zaila falou enquanto estalava os dedos na frente dos meus olhos. Deixei que minhas pupilas se reajustassem, olhei para ela e nem tentei disfarçar que minha mente tinha estado em outro lugar nos últimos minutos.
- Desculpem meninas. - pedi para minhas amigas. Zaila me olhava meio brava, mas eu sabia que não era pela minha falta de atenção que ela agia assim. O ódio dela pertencia todo ao Oliver. Já Padma e Lis tinham aquele olhar de pena que as pessoas costumavam usar comigo nos últimos tempos. Eu o odiava.
- Não precisa pedir desculpas, Emma. A gente te entende. - Padma esticou a mão por cima da mesa para colocá-la sobre a minha numa tentativa de me confortar - Nós estamos aqui se você quiser conversar.
- Verdade. - Zaila tocou minha outra mão. Agora ela também tinha aquele olhar que eu odiava. - Olha! - ela disse fechando o livro-tema da nossa reunião daquela noite e o afastando para o lado - O que você acha de mudarmos de assunto e você nos contar sobre os preparativos da sua viagem com o Simon?
Simon. A única razão pela qual eu ainda continuava sã.
Tomei fôlego para começar a falar dos planos que tínhamos juntos, mas o sino da porta de entrada tocou anunciando o próximo cliente do Café Vienna e eu me apavorei. Senti um frio na barriga até perceber que não conhecia os dois rapazes que entravam e me acalmei. Aquilo tudo durou apenas meio segundo, mas não passou despercebido a nenhuma das três mulheres sentadas à mesa comigo. Afinal, elas tinham estado ali na semana retrasada quando Oliver entrou pela mesma porta agarrado a uma outra mulher, aparentemente só para me mostrar que tipo de companhia ele tinha agora.
De todos os cafés, bares e outros estabelecimentos que existiam em Londres, ele tinha escolhido justo o Café Vienna, na quinta-feira, depois das sete horas da noite, onde sabia que eu estaria com minhas amigas para a reunião semanal do nosso clube do livro. Havia pelo menos três anos que Padma, Lis, Zaila e eu nos encontrávamos ali toda semana. E ele sabia muito bem, pois costumava ir me buscar às nove, quando a reunião acabava, para voltarmos juntos ao nosso apartamento.
Mas ele havia me traído, e agora eu morava sozinha em um lugar cheio de lembranças de algo que eu jamais pensei que um dia deixaria de existir.
- Emma? - Lis sussurrou, ou assim me pareceu - Ele fez aquilo de novo? Digo, apareceu na sua frente com outra garota? - quis saber, insegura, como se estivesse pisando em um campo minado. Na verdade, estava.
- Não, Lis. - respondi, sentindo o peso sobre minhas costas dobrar - A última vez que vi Oliver foi aqui naquele dia.
- Que bom! - Zaila disse com aquele tom de voz duro dela e teria criticado Oliver por um milhão de coisas se meu telefone não tivesse tocado.
- É uma mensagem de Simon. - avisei enquanto a abria para ler.
"Já acabou aí? Estou com Adam no bar aqui da esquina. Me avisa quando puder ir te pegar."
Olhei para as meninas por um instante. Zaila estava guardando seu livro na Bolsa. Lis já tinha feito aquilo e agora retocava o batom. E Padma, como eu, checava suas mensagens.
"Pode vir", respondi.
Guardei meu celular e me senti culpada. Nosso encontro ainda não tinha terminado, mas a verdade é que nenhuma de nós estava com cabeça para aquilo. Estávamos traumatizadas, eu com certeza muito mais do que elas, pela forma como Oliver tinha vindo deliberadamente ali para me mostrar tudo aquilo que eu não era e que ele desejava ter. O fim do meu relacionamento tinha afetado e muito as pessoas a minha volta.
Veja Simon, por exemplo. Desde que Oliver tinha me deixado, ele tinha tomado para si a tarefa de me proteger, como ele mesmo dizia. Eu podia ser durona com minhas amigas, com o pessoal do trabalho e até com meus pais, mas não com Simon. Ele era meu melhor amigo desde que eu podia me lembrar e me conhecia como mais ninguém no mundo. E, por isso, quando ele dizia que eu precisava de proteção, em vez de fazer cara feia e tentar parecer mais forte do que eu realmente era, simplesmente deixava que ele me abraçasse e me embalasse em seus braços. Para ser sincera, aqueles eram os únicos momentos de paz que eu tinha ultimamente.
- Simon vai vir hoje? - Lis perguntou, enquanto ajeitava o cabelo e se olhava mais uma vez no pequeno espelho que tinha na bolsa.
- Ele já está vindo. - respondi - Nosso voo é amanhã e nós ainda temos muito o que fazer. Vamos passar a noite resolvendo os últimos detalhes.
Lis sorriu, como ela sempre sorria quando o assunto era Simon, o que me fez sorrir também.
- Lis, quando é que vai deixar que eu fale de você para ele? - perguntei e ela corou. Não era segredo para ninguém que ela tinha um crush enorme por ele e que eu a aprovava. - Sério! - continuei - Vocês dois seriam ótimos juntos! Você é tímida, ele também. Você é ruiva, ele também. Tenho certeza que poderia ficar aqui o resto da noite falando de coisas em que vocês são parecidos e que fariam muito melhor se estivessem juntos. Você precisa pelo menos tentar.
Lis corou, agora furiosamente, Padma riu baixinho e Zaila, irônica como só ela sabia ser, virou-se para mim.
- Emma, querida, Lis não quer que você fale dela para Simon por que ele nunca a repara. Pelo menos não do jeito que ele repara você.
Lis arregalou os olhos e até Padma pareceu se ajeitar na cadeira para ouvir melhor. Não era a primeira vez que Zaila insinuava aquilo. Eu apenas dei de ombros.
- Lá vem você com essa conversa fiada de novo, Zai. - falei - Simon é como um irmão pra mim, todas vocês sabem disso. O problema é que ele ainda é meio apaixonado por aquela ex que foi embora pra Austrália e por isso parece meio frio com as outras mulheres. Mas isso é só porque Lis não me deixa dar uma de cupido.
- Se você acha que é só... - Zaila começou a dizer, mas foi interrompida por Padma que praticamente gritou:
- Ele chegou!
E todas nós olhamos para a porta no momento em que ele a empurrava e entrava no Café Vienna.
Devia estar chovendo lá fora, por que ele passou a mão no cabelo umas três vezes para expulsar os pingos, deixando-o adoravelmente arrepiado. Ouvi Lis suspirar ao meu lado no momento em Simon olhou sorrindo na nossa direção e começou a andar pelo salão desviando das mesas e cadeiras que estavam em seu caminho até nós.
- Preciso admitir que ele é um diamante bruto. - Zaila sussurrou - Algumas roupas novas, um corte de cabelo e ele poderia ser a próxima grande descoberta da moda.
O olhar que lancei na direção dela poderia tê-la matado. Jamais permitiria que alguém tentasse tirar de Simon sua personalidade transformando-o em mais um usuário de um estilo qualquer. Ele era lindo daquele jeito meio desarrumado. Por isso que eu gostava tanto da ideia dele e Lis juntos. Ela o via como ele realmente era: um nerd muito fofo.
- Boa noite senhoritas. - ele nos saudou com aquele sorriso maravilhoso capaz de derreter até as calotas polares. Mesmo Zaila era afetada quando ele sorria daquele jeito.
- Puxa uma cadeira e senta um pouco. - disse a ele, enquanto empurrava minha cadeira para fazer um espaço entre mim e Lis. Ela me olhou em total desespero, mas eu apenas pisquei.
Simon puxou uma cadeira da mesa vizinha, se sentou e olhou para mim. Vi um milhão de coisas passarem pelos seus olhos verdes e soube, assim simples como eu sempre sabia quando estava com fome ou com frio, que ele não queria ficar muito ali pois estava preocupado com as coisas que ainda tínhamos para fazer antes de viajarmos.
- Então meninas, - eu disse, em tom de finalização - fica a critério de vocês as reuniões para as próximas semanas. Não vou ter tempo de ler enquanto estiver no Marrocos, por isso não faz sentido vocês esperarem que eu volte para se encontrarem.
- Talvez estarei de plantão na próxima quinta, - Padma nos informou. Ela era anestesista no St. Mary. - mas ainda vou confirmar e aviso a vocês.
Conversamos mais algumas amenidades até que comecei a me despedir. Zaila e Padma me deram abraços quando nós já estávamos na calçada do lado de fora do Café Vienna e desejaram a mim e a Simon uma ótima viagem. Zaila sacou uma câmera da bolsa enquanto ainda conversávamos e fotografou nós dois sem que percebêssemos. Ela parecia muito satisfeita consigo mesma quando nos mostrou a foto na tela de sua câmera profissional.
- Vou fazer um antes e depois da viagem com vocês. - ela explicou, então deu um tchauzinho e começou a se afastar, mas logo se virou para gritar - Ah, Emma! Não faça nada que eu não faria!
Lis, Simon e eu ficamos observando enquanto a louca da Zaila e Padma se afastavam de nós pela calçada até virarem a esquina. Então nós andamos na direção contrária.
- Emm, você já conseguiu falar com seus pais? - Simon me perguntou logo em seguida, prático como sempre. Ele já queria começar a resolver nossas pendencias, mas eu tinha outros planos que envolviam Lisbeth.
- Falei sim. - respondi rapidamente - Mas Simon, Lis me perguntou mais cedo sobre como é Marrakech e eu não soube falar nada. Será que você poderia explicar para ela?
Senti Lis estremecer ao meu lado enquanto Simon, que estava do meu outro lado, se esticava para olhar para ela.
- A cidade é linda, Lis. - ele disse sorrindo, e eu aproveitei para empurrá-la para o meio. Ela me lançou um último olhar que eu não pude dizer se era de raiva ou de agradecimento e se virou para dar atenção total a Simon. Ele, então, dedicou-se a dar a ela uma explicação sobre como Marrakech era antiga e como tinha sido importante para as rotas de comércio que atravessavam o deserto do Saara centenas de anos atrás, sobre o povo Berbere e sobre como a cidade era colorida.
Observei, feliz comigo mesma, a forma como Lis olhava para Simon e como ele a correspondia. Sim, os dois formariam um casal perfeito! Ele era alto, mas ela também não era tão baixinha. Enquanto os cabelos dela pareciam fogo vivo, os dele estavam mais para o cobre antigo. Ele era um antropólogo e ela uma jornalista. Os dois tinham paixão por livros e boa argumentação. Adoravam comida simples e orgânica. E tinham a mim como amiga. E isso era bom por dois motivos: primeiro, eu podia ajudá-los a ficar juntos e, o melhor de tudo, não haveria ciúmes desnecessários entre nós. Ou seja, melhor impossível!
Nós havíamos chegado na esquina onde Lis deveria ir para a esquerda e Simon e eu para a direita, mas os dois continuaram a conversar. Simon explicava, Lis perguntava e eu tentava parecer não estar ali. Queria que os dois tivessem privacidade. Quem sabe até não rolasse um beijo de despedida? Mas eu já estava sonhando demais. Os dois eram muito tímidos e iam precisar de muitos empurrões até que chegassem ao primeiro beijo. Não tinha problema! Seria um prazer juntá-los.
Depois de um tempo de muitos gestos e sorrisos, Simon se lembrou de que eu também estava ali e me procurou com os olhos.
- Acho que temos que ir. - ele disse para Lis enquanto olhava seu relógio de pulso.
- Eu também preciso! - Lis respondeu - Tenho que terminar um artigo que precisa estar na mesa do meu editor antes do meio dia de amanhã.
Então, para a minha total surpresa, Simon abriu os braços e envolveu Lisbeth em um abraço. Lis não titubeou e o abraçou de volta. Os dois se despediram até que chegou minha vez.
- Aproveita bem a viagem e me traz um suvenir legal. - ela pediu quando nos abraçamos.
- Prometo que farei as duas coisas.
Lis acenou para nós antes de se virar e seguir seu caminho.
Simon e eu agora seguiríamos o nosso sozinhos.
______________________________________

Deixe sua opinião nos comentários!

Saiba mais: https://www.wattpad.com/story/71161535-um-pre%C3%A7o-a-ser-pago

14 comentários:

  1. Aiiiiinnn que lindo! Muito orgulhosa por minha história estar aqui! Muito obrigada Karina! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De nada, Kamila! Muito sucesso pra você! *-*

      Excluir
  2. karina o que seria wattpad?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Wattpad é um site para postar histórias... é onde o resto do livro da Kamila está :)

      Excluir
  3. Como eu faço para mandar uma fanfic?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Envie o primeiro capítulo, sinopse, imagem ilustrativa e link para livroson-line@hotmail.com

      Excluir
  4. "[...]que escolher era algo perigoso por que é necessário abrir mão de todas as outras possibilidades para ter apenas uma, e que ainda pode não ser a certa. Desde então, minha vida nunca mais foi a mesma. [...]"

    Se estou certa, onde diz "por que era necessário" na verdade deve ser utilizado "porque", junto. "Por que" serve quando é feito uma pergunta. ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Tai .. eu sou a autora .. confesso que tinha um probleminha com os porques da vida, mas isso já passou .. aprendi minha lição e revisei a história à caça dos erros gramaticais .. Acontece que mandei esse texto para o Blog há um tempo, mas no Wattpad já está tudo correto :D

      Excluir
    2. Entendi! E a propósito, sua obra me deixou super curiosa. Estou adorando, parabéns!!!

      Excluir
  5. O primeiro capítulo me deixou empolgada, a estória parece boa, vou continuar!

    ResponderExcluir
  6. Amo os livros da Kamila Lube, leio no wattpad

    ResponderExcluir
  7. Eu estou gostando !!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  8. é possível passar o e-mail dela? estou interessada em entrar em contato com o autor, desde já agradesço.

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!