28 de junho de 2016

Capítulo 26

As Planícies de Uthal formavam um enorme espaço aberto de campinas onduladas e cobertas de grama verde e abundante. Havia poucas árvores, embora montes e colinas baixas ocasionais servissem para quebrar a monotonia. As planícies começavam a se erguer aos poucos, formando um pequeno morro a uma pequena distância de onde o exército de Araluen estava posicionado.
Mais perto dos pântanos, onde os Wargals estavam se reunindo, passava um riacho sinuoso. Normalmente apenas um fio de água, ele tinha encorpado por causa das chuvas recentes de primavera e deixara o chão além de onde estavam os Wargals macio e pantanoso, impedindo qualquer ataque da cavalaria pesada por parte de Araluen.
O barão Fergus de Caraway protegeu os olhos contra o sol forte do meio-dia e examinou as planícies com cuidado, até a entrada do desfiladeiro dos Três Passos.
— Eles são muitos — disse em voz baixa.
— E tem mais chegando — Arald de Redmont ajuntou, ajeitando a espada de folha larga na bainha.
Os dois barões estavam conduzindo seus cavalos de batalha lentamente à frente do exército formado por Duncan. Arald acreditava que fazia bem aos homens ver seus líderes relaxados e conversando casualmente enquanto observavam os inimigos surgindo do desfiladeiro estreito na montanha e se espalhando nas planícies. Eles ouviam vagamente a cantoria ameaçadora e ritmada dos Wargals enquanto corriam para suas posições.
— Esse maldito barulho é mesmo irritante — Fergus resmungou, e Arald concordou.
Aparentemente casual, lançou um olhar para os homens atrás deles. O exército estava a postos, mas o mestre de guerra David tinha mandado todos ficarem em posição de descanso. Consequentemente, a cavalaria estava desmontada, e a infantaria e os arqueiros estavam sentados na inclinação coberta de grama.
— Não há sentido em cansá-los com a posição de sentido no sol — David tinha dito e recebido a concordância dos outros.
Pelo mesmo motivo, ele tinha ordenado aos vários mestres de cozinha que fornecessem frutas e bebidas geladas à vontade aos homens. Os ajudantes vestidos de branco se movimentavam entre os integrantes do exército, carregando cestos e recipientes de água. Arald olhou para eles e sorriu diante da aparência imponente de mestre Chubb, chef do Castelo Redmont, supervisionando um grupo de infelizes aprendizes que ofereciam maçãs e pêssegos aos homens. Como sempre, sua colher se levantava e abaixava com frequência assustadora na cabeça de qualquer aprendiz que ele achasse estar se movendo devagar demais.
— Dê uma clava a esse seu mestre de cozinha e ele vai conseguir derrotar o exército de Morgarath sozinho — Fergus comentou fazendo Arald sorrir pensativo.
Os homens em volta de Chubb e seus aprendizes, distraídos pelas caretas do gordo cozinheiro, não prestavam atenção à cantoria que atravessava as planícies. Em outras áreas, Arald podia ver sinais de inquietação e mostras de que os homens estavam ficando cada vez mais incomodados na posição de descanso.
Ao olhar à sua volta, Arald viu um capitão de infantaria sentado com sua companhia. Suas armaduras reduzidas, capas xadrez e espadas de folha larga mostravam que pertenciam a um dos feudos do norte. Ele fez sinal para que o homem se aproximasse e se inclinou na sela para cumprimentá-lo.
— Bom-dia, Capitão — ele disse com tranquilidade.
— Bom-dia, senhor — o oficial respondeu com um forte sotaque do norte que tornava suas palavras quase incompreensíveis.
— Diga-me, capitão, o senhor tem tocadores de gaita entre os seus homens? — o barão perguntou sorrindo.
— Ah, sim, senhor — o oficial respondeu imediatamente muito sério. — McDuig e McForn estão conosco. Eles vêm sempre quando vamos para a guerra.
— Então, o senhor pode pedir a eles que toquem uma ou duas músicas para nós? — o barão sugeriu. — Certamente será um som mais agradável do que esses grunhidos monótonos que vêm de longe.
Ele inclinou a cabeça na direção dos Wargals e logo um sorriso se espalhou em seu rosto. O capitão concordou de imediato.
— Ah, sim, senhor. Vou providenciar. Não há nada como uns toques de gaita para fazer o sangue de um homem correr mais depressa nas veias!
Cumprimentando rapidamente o barão, ele se afastou na direção de seus homens, gritando enquanto corria.
— McDuig! McForn! Respirem fundo e peguem suas gaitas, homens! Vamos ouvir um pouco de música!
Enquanto os dois barões continuavam a percorrer as linhas, eles ouviram os primeiros acordes das gaitas-de-foles enchendo o ar. Fergus estremeceu, e Arald sorriu para ele.
— Nada como alguns toques de gaita para fazer o sangue de um homem correr mais depressa nas veias! — repetiu.
— No meu caso, isso faz meus dentes baterem — seu companheiro declarou e disfarçadamente cutucou o cavalo com o calcanhar para afastá-lo um pouco do som selvagem das gaitas. Mas, quando olhou para os homens atrás deles, percebeu que a ideia de Arald tinha funcionado. As gaitas estavam conseguindo abafar a cantoria monótona, e os dois músicos, marchando e contra-manchando na frente do exército, atraíam a atenção de todos os homens perto deles.
— Boa ideia — ele disse para Arald. — Não posso deixar de me perguntar se essa é igualmente boa — ele acrescentou, fazendo um gesto para o outro lado da planície, onde os Wargals estavam surgindo do desfiladeiro e assumindo suas posições.
— O meu instinto diz que vamos acabar com eles antes que tenham a chance de entrar em formação.
Arald deu de ombros. Essa questão tinha sido acaloradamente discutida pelo Conselho de Guerra nos últimos dias.
— Se os atacarmos quando saírem, vamos simplesmente contê-los — ele disse. — Se quisermos destruir o poder de Morgarath de uma vez por todas, temos que deixar que ele traga suas forças para terreno aberto.
— E esperar que Halt tenha sido bem-sucedido em parar o exército de Horth Fergus — completou. — Estou ficando com dor no pescoço de tanto olhar sobre o ombro para me certificar de que não há ninguém atrás de nós.
— Halt nunca nos decepcionou antes — Arald disse com tranquilidade.
— Eu sei disso — Fergus concordou infeliz. — Ele é um homem notável. Mas há tantas coisas que podem ter dado errado. Ele pode não ter encontrado o exército de Horth. Ainda pode estar tentando atravessar Thorntree. Ou, ainda pior, Horth pode ter derrotado seus arqueiros e a cavalaria.
— Não há nada que possamos fazer sobre isso, além de esperar — Arald ressaltou.
— E ficar de olho no noroeste, esperando não ver achas e capacetes com chifres atravessando aquelas colinas.
— Aí está um pensamento reconfortante — Arald disse tentando brincar. No entanto, não conseguiu resistir à tentação de se virar na sela e espiar ansiosamente em direção às colinas do norte.


Erak tinha esperado até que as últimas poucas centenas de Wargals estivessem descendo o Desfiladeiro dos Três Passos para as planícies e então obrigou seu pequeno grupo a entrar no meio das criaturas apressadas. Houve alguns rosnados e caras feias quando os escandinavos abriram caminho aos empurrões entre o fluxo vivo que seguia as trilhas estreitas e sinuosas do desfiladeiro, mas os guerreiros do mar; pesadamente armados, rosnaram de volta e manejaram suas achas com tamanha facilidade que os zangados Wargals logo recuaram e os deixaram em paz.
Evanlyn e Will estavam no centro do grupo cercados pelos corpulentos escandinavos. A capa de arqueiro de Will, facilmente reconhecível, tinha sido escondida em uma das sacolas e tanto ele quanto Evanlyn usavam casacos de pele de carneiro grandes demais. Os cabelos curtos de Evanlyn estavam cobertos por um capuz de lã. Até aquele momento, nenhum dos Wargals tinha prestado atenção neles, supondo que eram criados ou escravos do pequeno grupo de guerreiros do mar.
— Fiquem de boca fechada e com os olhos no chão! — Erak tinha dito a eles quando atravessaram a multidão de Wargals apressados.
As trilhas estreitas do desfiladeiro ecoavam a cantoria monótona que os Wargals usavam para marcar a cadência. O som se espalhava e flutuava ao redor deles. O plano de Erak era avançar para o leste tão logo tivesse saído do desfiladeiro, aparentemente com o propósito de ocupar uma posição no flanco direito do exército dos Wargals. Assim que a oportunidade aparecesse, os escandinavos se afastariam e fugiriam para a selva alagadiça dos pântanos, viajando pelos charcos e ilhas cobertas de grama até as praias em que a frota de Horth estava ancorada.
Eles avançaram com dificuldade, girando e virando de acordo com as curvas do desfiladeiro. A trilha estreita descia através das montanhas por pelo menos 5 quilômetros, e Will entendeu por que ela sempre tinha sido uma barreira de ambos os lados. Os homens de Morgarath não podiam passar em grandes números a menos que Duncan ficasse para trás e permitisse. Da mesma forma, o exército do rei não podia entrar no desfiladeiro para atacar Morgarath no planalto.
Paredes negras de rochas lisas, úmidas e brilhantes se elevavam acima deles de ambos os lados. O desfiladeiro via a luz do sol por menos de uma hora todos os dias, perto do meio-dia. A qualquer outra hora, era frio, úmido e envolto em sombras. Isso tudo ajudava a esconder a presença dos dois jovens membros de olhares curiosos.
Will sentiu o chão debaixo dos seus pés começar a ficar plano e percebeu que eles deviam estar no final do desfiladeiro, quase no nível da planície. Preso no meio da multidão agitada e apressada, não havia como enxergar o chão adiante dele. Eles viraram a última curva, e um raio de sol mergulhou no desfiladeiro, obrigando o garoto a proteger os olhos com a mão. Eles tinham chegado à entrada.
— Vá para a direita! — Erak gritou empurrando-o.
Os quatro escandinavos mudaram de direção, abrindo caminho entre a multidão até chegarem ao lado direito do desfiladeiro. Houve grunhidos e resmungos zangados por parte dos Wargals, pois vários deles foram atirados para a frente e quase caíram antes de recuperar o equilíbrio.
A luz do sol os atingiu como uma barreira física quando saíram da escuridão do desfiladeiro e, por um momento, Will e Evanlyn hesitaram. Erak os empurrou novamente, mais ansioso agora que ouvia uma voz conhecida gritando comandos para os Wargals.
Morgarath estava ali, dirigindo as operações.
— Maldito seja! — Erak resmungou. — Eu esperava que ele estivesse com a vanguarda do exército. Continuem andando, vocês dois!
Ele empurrou Will e Evanlyn para que andassem um pouco mais depressa. Will olhou para trás. Acima das cabeças dos Wargals, conseguiu ver a figura alta e magra do Senhor da Chuva e da Noite, agora usando roupa e armadura totalmente pretas, ainda sentado em seu cavalo branco e gritando ordens para os violentos e sonoros Wargals.
Aos poucos, eles estavam se posicionando em formações ordenadas e se juntando ao exército principal. Quando Will olhou para trás, o rosto pálido se virou para o grupo de escandinavos apressados, e Morgarath fez o cavalo avançar na direção deles, sem dar importância ao fato de que estava pisoteando os próprios homens para chegar lá.
— Capitão Erak! — ele chamou.
A voz não era alta, mas se fez ouvir, fina e cortante, através da cantoria dos Wargals.
— Continuem a andar! — Erak ordenou em voz baixa. — Continuem a se mexer.
— Parem!
A raiva fria da voz instantaneamente parou e silenciou os Wargals, que ficaram paralisados. Os escandinavos fizeram o mesmo com relutância, e Erak se virou para encarar Morgarath.
O Senhor da Chuva e da Noite conduziu o cavalo pela multidão, empurrando Wargals ou fazendo que caíssem para abrir caminho para ele. Lentamente, seus olhos encontraram os de Erak, e ele desmontou. Mesmo em pé, erguia-se acima do forte líder escandinavo.
— E para onde você e seus homens estão indo hoje, capitão? — ele indagou com uma voz suave.
Erak fez sinal para a direita.
— Eu e meus homens costumamos lutar na ala direita — ele explicou o mais casualmente possível. — Mas, se isso não estiver bom, vou para onde necessitar de mim.
— É mesmo? — Morgarath retrucou com sarcasmo. — Será que vai? Mas como o senhor é gentil. Você... — ele se interrompeu ao olhar para as duas figuras menores que os outros escandinavos tentavam esconder sem sucesso.
— Quem são eles? — Morgarath perguntou, e Erak deu de ombros.
— Celtas — o escandinavo disse rapidamente. — Nós prendemos eles em Céltica e estou planejando vender para o oberjarl Ragnak como escravos.
— Céltica é minha, capitão. Escravos de Céltica também são meus. Eles não estão aqui para você levar e vender eles para o seu rei bárbaro.
Os escandinavos que cercavam Will e Evanlyn se mexeram zangados com essas palavras. Morgarath voltou os olhos frios para eles e então observou os milhares de Wargals que os cercavam: cada qual pronto para obedecer a qualquer ordem sem perguntas. A mensagem estava clara: Erak tentou iludir Morgarath.
— Nosso acordo diz que deveríamos lutar pelo prêmio, e isso inclui escravos — ele insistiu, mas Morgarath o interrompeu.
— Se vocês lutassem! — ele gritou furioso. — Não se ficassem assistindo à minha ponte ser destruída.
— Era seu homem, Chirath, que estava no comando na ponte — Erak disparou de volta. — Foi ele que decidiu não deixar nenhum guarda de vigia. Nós fomos os únicos que tentaram salvar a ponte enquanto ele estava escondido atrás das pedras.
O olhar de Morgarath se fixou no de Erak mais uma vez e sua voz caiu para um tom quase inaudível.
— Ninguém fala comigo nesse tom, capitão Erak — ele disparou. — Peça desculpas imediatamente. E depois...
Ele parou no meio da sentença. Parecia possuir sentidos periféricos anormais. Embora estivesse olhando para Erak sem piscar, aparentemente tinha percebido alguma coisa num dos lados. Os olhos negros se viraram e ficaram presos em Will. Um dedo branco e ossudo estava levantado, apontado para a garganta do garoto.
— O que é isso?
Erak olhou e sentiu um frio na boca do estômago. Um brilho pálido de bronze estava visível na abertura da gola da camisa de Will. Logo, Erak se sentiu empurrado para um lado quando Morgarath se moveu, rápido como uma serpente, e agarrou a corrente em volta do pescoço do rapaz.
Horrorizado com a fúria implacável que viu naqueles olhos apagados, Will cambaleou para trás. Ao seu lado, ele ouviu Evanlyn respirar fundo quando Morgarath olhou para a pequena folha de bronze em sua mão.
— Um arqueiro! — ele berrou. — Ele é um arqueiro! Aqui está seu símbolo!
— Ele é um menino... — Erak começou, mas a fúria de Morgarath se voltou contra ele, e o líder sombrio estapeou o rosto do escandinavo com as costas da mão.
— Ele não é um menino! Ele é um arqueiro!
Quando o colega foi estapeado, os outros três escandinavos se afastaram, com as armas prontas. Morgarath nem mesmo teve que falar. Virou os olhos cintilantes na direção dos Wargals e 20 deles se aproximaram grunhindo, com bastões e lanças preparados.
Erak fez um sinal para que seus homens se acalmassem. A marca vermelha do tapa de Morgarath brilhava em seu rosto.
— Você sabia — Morgarath acusou. — Você sabia — então ele compreendeu. — É ele! Flechas, você disse! Os meus Wargals estavam se escondendo de flechas enquanto a ponte queimava! Arma de arqueiro! Esse é o porco que destruiu minha ponte!
A voz se transformou num grito esganiçado.
A garganta de Will estava seca, e o pavor fazia seu coração bater forte. Ele conhecia o lendário ódio de Morgarath pelos arqueiros: todos os arqueiros conheciam. Ironicamente, o próprio Halt detonara esse ódio quando liderou o ataque-surpresa ao exército de Morgarath em Hackman Heath, dezesseis anos antes.
Erak ficou parado diante do lorde Negro sem falar nada.
Will sentiu uma mão pequena e quente se enroscar na dele: Evanlyn. Por um momento, ficou admirado com a coragem da garota de se unir a ele daquela forma diante da fúria e do ódio implacável de Morgarath. Então, outro cavalo abriu caminho à força entre a multidão. Na sela, vinha um dos tenentes de Morgarath, um dos Wargals que tinha conhecimentos elementares da comunicação com os humanos.
— Meu senhor — ele chamou no tom estranho e sem emoção dos Wargals. — Avanço do inimigo.
O Senhor da Chuva e da Noite tomou uma decisão. Ele saltou para a sela de seu cavalo, com o olhar furioso agora preso em Will, não em Erak.
— Nós vamos terminar isso mais tarde — ele avisou, virando-se então para um sargento entre os que tinham cercado os escandinavos. — Mantenha esses prisioneiros aqui até eu voltar. Sob pena de perder sua vida.
O Wargal saudou seu chefe com um punho levantado no lado esquerdo do peito e grunhiu um comando aos seus homens. Eles cercaram o grupo dos escandinavos. Os quatro lobos do mar agora formavam um pequeno círculo e olhavam para fora, mantendo Will e Evanlyn no centro. Prontos para o ataque, eles seguravam as armas. A situação estava equilibrada e obviamente eles estavam preparados para lutar até a morte.
— Vamos resolver isso mais tarde, Erak — Morgarath repetiu. — Tente escapar e meus homens vão cortar vocês em pedaços.
Virando o cavalo, ele galopou entre a multidão outra vez, espalhando soldados em seu caminho, pisoteando os que eram lentos demais para sair dele. A voz fina e nasalada continuou gritando ordens para suas forças até desaparecer.

2 comentários:

  1. Aquele momento que eu sei que tem gente lendo, mas ninguém comenta, na pressa de ler o próximo, já que está na melhor parte, o fim.

    ResponderExcluir
  2. Verdade, Todos na pressa,e curiosidade !É assim que eu gosto!Amo esses livros!!!

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!