29 de junho de 2016

Capítulo 10

— Você é realmente algum tipo de herói em Gálica? — Will perguntou, incrédulo. Não era totalmente certo que Halt e Horace fossem falar que era algum tipo de brincadeira enorme. Mas o arqueiro grisalho balançava a cabeça enfaticamente.
 Uma figura de respeito — disse ele.
Evanlyn virou-se para o guerreiro musculoso e inclinou-se para tocar a sua mão levemente.
 Não posso acreditar — disse ela. — Você viu a maneira como ele cuidou do soldado Temujai que estava tentando me matar? — Seus olhos eram chamas com um calor incomum e Will, percebendo isso, sentiu uma pontada súbita de ciúmes de seu velho amigo. Então ele empurrou o indigno pensamento de lado.
Halt havia se indisposto a permanecer muito perto do acampamento Temujai. Não havia como dizer o quão longe a principal força poderia estar e sempre havia a possibilidade de que os dois homens que haviam escapado poderiam levar outras pessoas de volta para o local.
Eles tinham refeito o trajeto que Halt e Horace tinham seguido, se movendo em direção à fronteira, onde haviam descoberto a primeira evidência do assalto Temujai. Em torno do meio do dia, eles encontraram um lugar no topo de uma colina com uma boa visão do terreno circundante e uma depressão em forma de disco voador que iria mantê-los escondidos de vista. Aqui, eles podiam ver sem serem vistos, e Halt decidiu acampar lá.
Ele havia construído uma pequena fogueira, atrás de um bosque de pinheiros jovens e preparou uma refeição.
Evanlyn e Will caíram vorazmente no guisado saboroso que o arqueiro tinha preparado e por um tempo houve silêncio, quebrado apenas pelo som de uma alimentação específica.
Então os velhos amigos, começaram a trocar os acontecimentos que tiveram lugar desde o confronto final com o exército Wargal nas planícies de Uthal. A mandíbula de Will tinha caído com espanto como Halt descreveu como Horace tinha derrotado o terrível Lorde Morgarath em um único combate.
Horace parecia envergonhado e devidamente Halt, percebendo isso, descreveu o combate em um tom alegre, brincando, o que implicava que o menino tinha tropeçado e caído desajeitadamente nas patas do cavalo de batalha de Morgarath, ao invés de optar por fazê-lo como um deliberado último lance de dados para derrubar seu oponente. O guerreiro aprendiz corou e salientou que a sua manobra final de faca dupla de defesa tinha sido ensinado a ele por Gilan, que ele e Will passaram horas praticando a habilidade em sua viagem através da Céltica.
Ele fez soar como se, de alguma forma, Will merecesse algumas partes do crédito para sua vitória. Enquanto ele falava, Will recostou-se confortavelmente contra o tronco e pensou o quanto Horace tinha mudado. Uma vez que era seu inimigo jurado, quando ambos estavam crescendo no castelo, Horace havia se tornado seu amigo mais próximo.
Bem, um de seus amigos mais próximos, pensou, quando ele sentiu uma cabeçada insistente contra o seu ombro. Ele girou em torno, estendendo uma mão para acariciar o local entre as suas orelhas. Puxão soltou um relincho baixo de prazer com o toque da mão do seu dono. Desde que eles haviam sido reunidos, o cavalo recusou-se a desviar mais de um metro ou dois da presença de Will.
Halt olhou para os dois agora, em toda a fogueira, e sorriu interiormente. Ele sentiu uma enorme sensação de alívio agora que tinha finalmente encontrado seu aprendiz.
Um peso de autoacusação foi retirado, porque ele tinha sofrido muito nos longos meses desde que ele tinha visto a vela longe da costa Araluen com Will a bordo. Sentiu que não tinha o jovem, que de alguma forma o traira. Agora que o menino estava de volta, em segurança sob seus cuidados, ele foi preenchido com uma profunda sensação de bem-estar.
Era certo que os acontecimentos dos últimos dias também deixaram uma nova preocupação no fundo de sua mente, mas para o momento, poderia esperar enquanto ele aproveitava a reunião.
 Você acha que poderia convencer seu cavalo a ficar com os outros cavalos por um minuto ou dois? — Disse ele com gravidade simulada. — Caso contrário ele vai acabar acreditando que ele é um de nós.
 Ele ficou louco na primeira vez que Halt encontrou as suas pegadas — Horace falou. — Ele deve ter sentido o seu cheiro e soube que foi você que estávamos seguindo, embora Halt não tenha percebido isso.
Com a afirmação, Halt levantou uma sobrancelha.
— Halt não tenha percebido isso? — Ele repetiu. — E eu suponho que você o fez?
Horace encolheu os ombros.
— Eu sou apenas um guerreiro — respondeu — não sou um suposto pensador. Deixo isso para vocês, arqueiros.
 Devo admitir que me confundiu — Halt disse. — Nunca vi um cavalo de arqueiro se comportar assim. Mesmo quando eu pedi-lhe para se acalmar e ficar em silêncio, eu poderia dizer que havia algo em sua mente. Quando você saiu das árvores para me abraçar, pensei que ele ia se atirar em você.
Will continuou a esfregar a cabeça felpuda que se inclinou para ele. Ele sorriu largamente ao redor do acampamento. Agora que Halt estava aqui e ele foi cercado por seus amigos mais próximos, se sentiu seguro e protegido, uma vez mais, uma sensação que não tinha apreciado em mais de um ano. Ele sorriu para o arqueiro, aliviado de que Halt havia ficado satisfeito com suas ações. Evanlyn havia descrito a sua viagem através do Mar Stormwhite, e a série de eventos que levaram à sua chegada Hallasholm.
Horace tinha olhado com admiração quando ela descreveu a forma como Will humilhou o capitão Slagor na cabana. Halt só tinha estudado seu aprendiz com um olhar aguçado e acenou com a cabeça uma vez. Esse movimento queria dizer muito mais que os muitos elogios, principalmente porque ele não estava muito orgulhoso da forma como as coisas tinham acontecido em Hallasholm, e seu vício posterior a erva do calor. Ele tinha pensado que Halt iria reprovar, mas quando Evanlyn havia falado de seu desespero quando o encontrou no abrigo para escravos, cego e irracional. O arqueiro apenas acenou com a cabeça mais uma vez e soltou uma praga em voz baixa para as pessoas que infligir uma dessas substâncias em outras. Seus olhos encontraram Will ansioso através do fogo e viram uma tristeza profunda lá.
 Sinto muito que você teve que passar por isso — disse suavemente seu mestre, e Will soube que tudo ficaria bem.
Eventualmente, eles tinham falado tudo. Haveria detalhes que poderiam ser preenchidos durante as próximas semanas, e lá foram os itens que eles tinham esquecido. Mas em termos gerais, eles foram atualizados um com o outro.
Houve, no entanto, um aspecto da história de Halt, que não tinha sido revelado. Nem Will nem Evanlyn sabiam do banimento de Halt, ou a sua expulsão do Corpo de Arqueiros.
Quando as sombras cresceram, Halt andou mais uma vez para o local onde seu prisioneiro estava amarrado pelos pés e mãos. Ele soltou os nós por alguns minutos, primeiro as mãos, em seguida, os pés.
O guerreiro Temujai grunhiu uma apreciação sumária de alívio temporário. Halt já tinha feito isso várias vezes durante a tarde, garantindo que o homem não estava permanentemente incapacitado pela restrição do fluxo de sangue para as mãos e pés. Ele também lhe deu uma oportunidade para se certificar de que o homem estava bem amarrado e que ele não conseguiria soltá-las ou fugir.
Sabendo que não iria receber nenhuma resposta, Halt perguntou ao homem o seu nome e sua unidade militar. Embora ele falasse a língua Temujai com fluência razoável, tendo passado vários anos entre o povo, como eles chamavam a si próprios, não viu nenhuma razão para informar o prisioneiro desse fato. Como consequência, Halt usou uma linguagem comum a todos os povos do Hemisfério, uma mistura de gaulês, teutões e palavras Temujai em uma simples estrutura da língua, pidgin, que não tomou conhecimento da gramática ou sintaxe do comerciante.
Como ele esperava, o Temujai simplesmente ignorou suas propostas. Halt encolheu os ombros e afastou-se, no fundo do pensamento. Horace estava sentado junto à lareira, cuidando da limpeza e lubrificação da espada.
Evanlyn estava na posição de sentinela no alto do morro, vigiando a encosta abaixo deles. Ela seria substituída em meia hora, pensou preguiçosamente. Como Halt andou para frente e para trás, pensando sobre o problema que estava em sua mente, tomou conhecimento de outra presença ao lado dele. Ele olhou ao redor e sorriu ao ver Will ao seu lado, envolto no manto de arqueiro cinza malhada que Halt tinha levado com ele, juntamente com o arco que ele tinha feito e uma faca de caça. A dupla bainha da faca item do equipamento de arqueiro Halt tinha sido incapaz de encontrar um para o menino, já que fora expulso do corpo de arqueiros. Até agora, Will não havia comentado sobre o fato.
 Qual é o problema? — O jovem perguntou.
Halt parou de andar para enfrentá-lo, sua sobrancelha arcos em uma expressão que era familiar a Will.
 Problema? — Ele repetiu.
Will sorriu para ele, recusando-se a ser adiado, recusando-se a ser desviado. Ele cresceu muito no ano passado, Halt pensou, lembrando-se que essa resposta teria uma vez ter deixado o menino confuso e desconcertado.
 Ao ritmo que você anda para lá e para cá como um tigre enjaulado, isso normalmente significa que você está pensando em algum tipo de problema — disse Will.
Halt mordeu os lábios, pensativo.
 E eu suponho que você já viu muitos tigres? — perguntou ele.
Will arregalou os olhos um pouco.
— E quando você tenta distrair-me da minha pergunta fazendo outra pergunta, assim eu sei que você está pensando sobre algum problema — acrescentou.
Halt finalmente cedeu. Ele não tinha ideia de que seus hábitos se tornaram tão fáceis de interpretar. Ele fez uma nota mental para mudar as coisas, então se perguntou se ele não estava ficando velho demais para isso.
 Bem, sim — respondeu ele. — Devo admitir que tenho algo em minha mente. Nada grave. Não deixe que preocupe você.
 O que é? — Disse seu aprendiz sem rodeios, e Halt inclinou a cabeça para os lados.
— Você vê — explicou ele — quando eu digo “não deixe que preocupe você”, quero dizer, não há nenhuma necessidade real para que precisamos discuti-lo.
 Eu sei disso — falou o aprendiz. — Mas o que é afinal?
Halt respirou fundo e depois soltou em um suspiro.
 Eu me lembro que uma vez eu tinha muito mais autoridade do que pareço ter estes dias — disse ele a ninguém em particular. Então percebeu que Will ainda estava esperando ansiosamente, ele cedeu. — São estes Temujai — falou — eu gostaria de saber o que estão fazendo.
Olhou através de seu acampamento para onde o Temujai estava sentado, devidamente amarrado.
— E eu tenho a chance de encontrar uma bola de neve em um incêndio florestal do sabre do nosso amigo ali.
Will que deu de ombros.
— É realmente uma das nossas preocupações? — questionou. — Afinal, certamente podemos deixá-los e os Escandinavos o combaterem.
Halt considerou, coçando o queixo com o indicador e o polegar.
— Acho que você está pensando ao longo das linhas do velho ditado O inimigo do meu inimigo é meu amigo — disse ele.
Will que deu de ombros novamente.
— Eu não estava pensando exatamente com essas palavras. Mas isso soma-se a situação muito bem, você não acha? Se os escandinavos são mantidos ocupados lutando contra esses Temujai, então não serão capazes de nos incomodar com as suas incursões costeiras, certo?
 Isso é verdade, até certo ponto — Halt admitiu. — Mas há outro velho ditado: Pelo contrário, o diabo você conhece. Alguma vez você já ouviu algo assim?
 Sim. Então você está dizendo que estes Temujai poderiam ser muito mais um problema que os escandinavos?
 Oh sim. Se eles derrotarem os Escandinavos, não há nada para impedi-los de mover-se sobre Teutônia, Gálica, e finalmente Araluen.
 Mas eles têm de vencer primeiro os escandinavos, não? — Will disse.
Ele sabia, por experiência em primeira mão, que os escandinavos eram ferozes, guerreiros destemidos. Ele podia vê-los formando um tampão eficaz entre o Temujai invadindo outras nações ocidentais, com ambos os lados acabando severamente enfraquecida pela guerra e não representem uma ameaça no futuro próximo. Era uma perfeita posição estratégica, pensou confortavelmente. Mas as próximas palavras de Halt o fez sentir-se bem menos confortável.
— Oh, eles vão derrotá-los. Não se engane sobre isso. Vai ser uma selvagem, sangrenta guerra, mas os Temujai vão ganhar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!