14 de maio de 2016

Capítulo 31

Ei, escute as árvores
Elas sabem o que rola
Elas sabem tudo

A DETERMINAÇÃO DE MEG podia estar oscilando, mas a de Pêssego, não.
Quando hesitei em seguir a ordem de minha mestre, o espírito dos grãos mostrou os dentes e sibilou “Pêssego”, como se isso fosse uma nova técnica de tortura.
— Tudo bem — concordei, com a voz amarga.
A verdade era que eu não tinha escolha. Sentia a ordem de Meg penetrando em meus músculos, me obrigando a obedecer.
Eu me virei para os carvalhos fundidos e coloquei as mãos nos troncos. Não senti qualquer poder oracular. Não ouvi vozes, só um silêncio pesado e teimoso. A única mensagem que as árvores pareciam emitir era: VÃO EMBORA.
Eu me virei para Meg e disse:
— Se fizermos isso, Nero vai destruir o bosque.
— Não vai, não.
— Ele precisa destruir. Nero não consegue controlar Dodona. O poder do bosque é antigo demais. E ele não pode deixar mais ninguém usá-lo.
Meg encostou as mãos nas árvores, logo abaixo das minhas.
— Concentre-se. Abra o portão. Por favor. Você não vai querer enfurecer o Besta.
Ela disse isso baixinho, novamente se referindo ao Besta como se ele fosse alguém que eu ainda não conhecia... um bicho-papão escondido debaixo da cama, não um homem de terno roxo a alguns metros de distância.
Seria impossível me recusar a executar a ordem de Meg, mas talvez devesse ter protestado com mais vigor. Meg poderia ter recuado se eu a desafiasse. Mas aí, Nero ou Pêssego ou os germânicos teriam me matado. Tenho que confessar: eu estava com medo de morrer. Com um medo corajoso, nobre e lindo, verdade. Mas com medo mesmo assim.
Fechei os olhos. Senti a resistência implacável das árvores, a desconfiança que sentiam de estrangeiros. Sabia que, se abrisse o portão à força, o bosque podia ser destruído. Mesmo assim, me esforcei ao máximo e procurei a voz da profecia, atraindo-a para mim.
Pensei em Reia, a rainha dos titãs, que plantou esse bosque. Apesar de ser filha de Gaia e Urano, apesar de ter sido casada com o rei canibal Cronos, Reia conseguiu cultivar sabedoria e gentileza. Ela deu à luz uma linhagem nova e melhor de imortais (modéstia à parte). Ela representava o melhor dos tempos antigos.
Tudo bem, Reia se afastou do mundo e abriu um estúdio de cerâmica em Woodstock, mas ainda se preocupava com Dodona. Ela me enviou aqui para abrir o bosque, compartilhar do poder dele. Ela não era o tipo de deusa que acreditava em portões fechados e placas de “NÃO ENTRE”. Comecei a cantarolar delicadamente “This Land Is Your Land”.
Os troncos ficaram quentes debaixo dos meus dedos. As raízes das árvores tremeram. Olhei para Meg. Ela estava superconcentrada, apoiada nos troncos como se tentando derrubá-los. Tudo nela era familiar: o cabelo curto desgrenhado, os óculos de gatinha que brilhavam, o nariz escorrendo, as cutículas roídas e o leve cheiro de torta de maçã.
Mas eu não a conhecia de verdade, não mesmo. Era enteada do psicopata imortal do Nero. Fazia parte do Lar Imperial. O que isso significava? Visualizei os membros da família Soprano de togas roxas, ao redor da mesa de jantar, com Nero na cabeceira fumando um charuto. Ter imaginação vívida é uma maldição terrível.
Infelizmente para o bosque, Meg também era filha de Deméter. As árvores reagiram ao poder dela. Os carvalhos gêmeos rugiram. Os troncos começaram a se mover.
Eu queria parar, mas acabei sendo tragado pelo momento. O bosque parecia estar usando meu poder agora. Minhas mãos estavam grudadas nas árvores. O portão se abriu mais, afastando meus braços com ele. Por um momento apavorante, achei que as árvores continuariam se movendo e arrancariam meus membros. Então, elas pararam. As raízes pararam. O tronco esfriou e me soltou.
Eu cambaleei para trás, exausto. Meg ficou parada, imóvel, diante da passagem recém-aberta.
Do outro lado havia... bem, mais árvores. Apesar do frio do inverno, os carvalhos jovens se erguiam altos e verdes, crescendo em círculos concêntricos ao redor de um carvalho um pouco maior no meio. Cobrindo o chão, os frutos das árvores brilhavam com uma luz âmbar suave. Ao redor do bosque havia um muro de árvores ainda mais incríveis do que as da antecâmara. Acima, outro domo de galhos entrelaçados protegia o local de invasores aéreos.
Antes que eu pudesse preveni-la, Meg entrou no bosque. As vozes explodiram. Imagine quarenta pistolas de pregos disparando no seu cérebro de todas as direções ao mesmo tempo. As palavras não faziam sentido, mas atacaram minha sanidade, impedindo que eu pensasse em qualquer coisa. Cobri os ouvidos. O barulho só ficou mais alto e mais persistente.
Atordoado, Pêssego enfiou as unhas na terra, tentando enterrar a cabeça. Vince e Gary se contorciam no chão. Até os semideuses inconscientes se debateram e gemeram nas estacas.
Nero recuou, com a mão levantada como se para bloquear uma luz intensa.
— Meg, controle as vozes! Agora!
Meg não pareceu incomodada pelo barulho, mas estava perplexa.
— Elas estão dizendo alguma coisa... — Meg balançou as mãos no ar, puxando fios invisíveis para desemaranhar o pandemônio. — Estão agitadas. Não consigo... Espere...
De repente, as vozes se calaram, como se já tivessem dito tudo o que precisavam dizer.
Meg se virou para Nero com os olhos arregalados.
— É verdade. As árvores me disseram que você deseja queimá-las.
Os germânicos grunhiram, parcialmente conscientes no chão. Nero se recuperou com mais rapidez. Ele levantou o dedo, repreendendo, orientando.
— Me escute, Meg. Eu esperava que o bosque pudesse ser útil, mas está óbvio que está quebrado e confuso. Você não pode acreditar no que ele diz. É a criação de uma rainha titã senil. O bosque tem que ser destruído. É o único jeito, Meg. Você entende isso, não entende?
Ele chutou Gary para que virasse para cima e remexeu nas pochetes do guarda-costas. Então se levantou, triunfante, segurando uma caixa de fósforos.
— Depois do incêndio, prometo que vamos reconstruir tudo — disse ele. — Vai ser glorioso!
Meg olhou para ele como se pela primeira vez estivesse reparando na barba horrível no pescoço.
— Do q-que você está falando?
— Ele vai queimar Long Island — expliquei. — Depois, vai transformar em seu domínio particular, como fez com Roma.
Nero riu, furioso.
— Long Island é uma droga mesmo! Ninguém vai sentir falta. Meu novo complexo imperial vai se estender de Manhattan a Montauk, o maior palácio já construído! Vamos ter rios e lagos particulares e cento e sessenta quilômetros de propriedade à beira-mar, com jardins tão grandes que vão ter CEP próprio. Vou construir para cada pessoa do meu lar um arranha-céu particular. Ah, Meg, imagine as festas que vamos dar na nossa nova Domus Aurea!
A verdade pesava demais, e fez os joelhos de Meg cederem.
— Você não pode fazer isso. — A voz dela tremeu. — O bosque... eu sou filha de Deméter.
— Você é minha filha — corrigiu Nero. — E me preocupo profundamente com você. E é por isso que você precisa sair da frente. Rápido.
Ele encostou um fósforo na superfície da caixa.
— Assim que eu acender essas estacas, nossas tochas humanas vão gerar uma onda de fogo direto por aquela entrada. Nada vai conseguir detê-la. A floresta toda vai pegar fogo.
— Por favor! — gritou Meg.
— Venha, minha querida. — Nero franziu mais a testa. — Apolo não tem mais utilidade para nós. Você não quer despertar o Besta, quer?
Ele acendeu o fósforo e andou na direção da estaca mais próxima, onde meu filho Austin estava.

22 comentários:

  1. mano ta muito dahora vei



    filho de hades

    ResponderExcluir
  2. florzinha indelicada18 de maio de 2016 18:26

    puro suspense q q a garitinha vai fazer

    ResponderExcluir
  3. Esse cara me lembra o irmão da Daenerys, com essa de despertar o besta/dragão

    ResponderExcluir
  4. Tio Rick causando um enfarto aqui

    ResponderExcluir
  5. Tio Rick me impressionando...

    Filho de Poseidon

    ResponderExcluir
  6. caraca esse livro é muito foda! filha de atena aqui
    que é loveada por um filho de hefesto <3

    ResponderExcluir
  7. Brinca com fogo...que falta faz o Leo. Meg tem que fazer alguma coisa! Cadê o protagonismo de Deméter?!

    ResponderExcluir
  8. Finalmemte o tio Rick tá aprendendo a fazer ação/suspence decente

    ResponderExcluir
  9. Filha de Hades aqui
    Meu coração tá partido pq Meg tadinha e Apolo então

    ResponderExcluir
  10. Marina Atlântida.29 de maio de 2016 15:21

    Só observo a treta.
    Suuuuuspenseeee.
    ASS: Caçadora de Ártemis/Filha de Poseidon.

    ResponderExcluir
  11. Fantástico,tá ficando muito bom!


    Filho de Hefesto

    ResponderExcluir
  12. Só eu estou aqui morrendo pq minha mãe não deixou eu comprar esse livro e ele é simplesmente maravilhoso?

    ResponderExcluir
  13. Gente esse supense tá simplesmente maravilhoso!

    ResponderExcluir
  14. Apoio podia morrer e a meg ficar com peso na consciência pra nunca mais trair ngm

    Sim eu sou má

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Apolo não morreria nem se quisesse, acredite. Zeus não transformou ele em um humano pra ele morrer, só pra Apolo aprender uma lição (que obviamente está funcionando). Apolo é um Deus, é importante e se eles derrotaram Cronos e Gaia, vão derrotar esses projetos de imperadores e a cobrinha jsjsj tá mais pra cobrão, mas vai.

      Excluir
  15. NOOOOOSSSAAAAAAAAAAAAAA!!!!!!!!!!!!!!! Tio Rick deixou as coisas tenças, roendo as unhas aqui...

    ResponderExcluir
  16. A coisa tá começando a ficar boa

    ResponderExcluir
  17. Caraca Zeus não tá na hora de interferir não criatura socorro
    Percy, Annabeth, Will, Nico, Frank, Hazel, Reyna, Rachel, Jason, Piper, Chiron, Atena, Hades, Artémis, Clarisse, Hefesto, LEO, Reia, Ares, Poseidon, Afrodite, mds HERA alguém ajuda por favor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fernanda: A Filha de Hades27 de julho de 2016 16:53

      É nóis! o/ S.O.S( Save Our Souls)

      Excluir
  18. MEG SUA TROUXA DE MERDA MORRE FDP

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!