2 de abril de 2016

Prólogo

A respeito de hobbits

Em grande parte, este livro trata de hobbits, e através de suas páginas o leitor pode descobrir muito da personalidade deles e um pouco de sua história. Informações adicionais podem ser obtidas na seleção feita a partir do Livro Vermelho do Marco Ocidental, já publicada sob o título de O Hobbit. Essa história originou-se dos primeiros capítulos do Livro Vermelho, escritos pelo próprio Bilbo, o primeiro hobbit a se tornar famoso no mundo todo, e chamados por ele de Lá e de Volta Outra Vez, porque relatavam a sua viagem para o Leste e sua volta: uma aventura que mais tarde envolveria todos os hobbits nos grandes acontecimentos daquela Era relatados aqui.
Entretanto, muitos podem desejar desde o início saber mais sobre esse povo notável, uma vez que alguns podem não possuir o primeiro livro. Para esses leitores, aqui vão algumas notas sobre os pontos mais importantes dos hobbits, e um rápido resumo da primeira aventura.
Os hobbits são um povo discreto mas muito antigo, mais numeroso outrora do que é hoje em dia. Amam a paz e a tranquilidade e uma boa terra lavrada: uma região campestre bem organizada e bem cultivada era seu refúgio favorito. Hoje, como no passado, não conseguem entender ou gostar de máquinas mais complicadas que um fole de forja, um moinho de água ou um tear manual, embora sejam habilidosos com ferramentas. Mesmo nos tempos antigos, eles geralmente se sentiam intimidados pelas “Pessoas Grandes”, que é como nos chamam, e atualmente nos evitam com pavor e estão se tornando difíceis de encontrar. Têm ouvidos agudos e olhos perspicazes, e, embora tenham tendência a acumular gordura na barriga e a não se apressar desnecessariamente, são ligeiros e ágeis em seus movimentos. Possuem, desde o início, a arte de desaparecer rápida e silenciosamente, quando pessoas grandes que não desejam encontrar aparecem pelos caminhos aos trambolhões; e desenvolveram essa arte a tal ponto que para os homens ela pode parecer magia. Mas os hobbits na verdade nunca estudaram qualquer tipo de magia, e sua habilidade para desaparecer se deve somente a um talento profissional que a hereditariedade, a prática e uma relação íntima com a terra tornaram inimitáveis por raças maiores e mais desengonçadas.
São um povo pequeno, menores que os anões: menos robustos e troncudos, quer dizer, mesmo que na realidade não sejam muito mais altos, a sua altura é variável, indo de 60 centímetros a 1 metro e 20 centímetros em nossa medida. Raramente chegam a 1 metro e meio; mas eles diminuíram pelo que dizem, e em tempos antigos eram maiores. De acordo com o Livro Vermelho, Bandobras Túk (Urratouro), filho de Isengrim II, tinha 1 metro e 33 centímetros de altura e conseguia montar um cavalo. Ele só foi superado em todos os recordes hobbitianos por dois personagens famosos de antigamente, mas essa interessante questão é tratada neste livro.
Quanto aos hobbits do Condado, enfocados nesses contos nos tempos de paz e prosperidade, eram um povo alegre. Vestiam-se com cores vivas, gostando notadamente de verde e amarelo, mas raramente usavam sapatos uma vez que seus pés tinham solas grossas como couro e eram cobertos por pelos grossos e encaracolados, muito parecidos com os que tinham na cabeça, que eram geralmente castanhos. Dessa forma, o único ofício pouco praticado entre eles era a manufatura de sapatos, mas tinham dedos longos habilidosos e podiam fazer muitas outras coisas úteis e graciosas. Em geral seus rostos eram mais simpáticos que bonitos; largos, com olhos brilhantes, bochechas vermelhas e bocas prontas para rir e para comer e beber. Assim eles riam, comiam e bebiam, frequentemente e com entusiasmo, gostando de brincadeiras a qualquer hora, e também de cinco refeições por dia (quando podiam tê-las). Eram hospitaleiros e adoravam festas e presentes que ofereciam sem reservas e aceitavam com gosto.
É fato que, apesar de um estranhamento posterior, os hobbits são nossos parentes: muito mais próximos que os elfos, ou mesmo que os anões. Antigamente, falavam a língua dos homens, à sua própria maneira, e em grande parte gostavam e desgostavam das mesmas coisas que os homens.
Mas qual é exatamente nosso parentesco não se pode mais descobrir. A origem dos hobbits se situa nos Dias Antigos, agora perdidos e esquecidos.
Apenas os elfos preservam registros dessa época extinta, e suas tradições trata quase que inteiramente de sua própria história, na qual os homens aparecem raramente e os hobbits não são mencionados. Mas não há dúvida de que os hobbits, de fato, viveram sossegadamente na Terra Média por muitos anos antes que qualquer outro povo tomasse conhecimento deles. E estando o mundo afinal de contas cheio de inumeráveis criaturas estranhas, esse pequeno povo parecia ter muito pouca importância. Mas na época de Bilbo e de Frodo, seu herdeiro, eles repentinamente se tornaram, sem que o desejassem, tanto importantes quanto renomados, e atrapalharam as deliberações dos Sábios e dos Grandes.
Aqueles dias, a Terceira Era da Terra Média, já se passaram há muito tempo, e o formato de todas as terras foi mudado; mas as regiões habitadas pelos hobbits dessa época são sem dúvida as mesmas onde eles ainda permanecem: o Noroeste do Velho Mundo, a Leste do Mar. De sua terra natal, os hobbits da época de Bilbo não preservavam nenhum conhecimento. O amor por aprender coisas novas (que não fossem registros genealógicos) estava longe de ser comum entre eles, mas ainda restavam alguns nas famílias mais antigas que estudavam seus próprios livros, e até reuniam relatos de tempos antigos e terras distantes feitos por elfos, anões e homens. Seus próprios registros começaram apenas depois da fundação do Condado, e suas lendas mais antigas raramente são anteriores aos seus Dias Errantes.
Entretanto, está claro, a partir dessas lendas e das evidências de suas palavras e hábitos peculiares, que os hobbits, como muitos outros povos, se dirigiram para o Oeste no passado. Suas histórias mais antigas parecem ser de um tempo em que eles moravam nos vales superiores de Anduin, entre a orla da Grande Floresta Verde e as Montanhas Sombrias. Já não se conhece com certeza a razão pela qual empreenderam a tarefa árdua e perigosa de atravessar as montanhas e chegar até Eriador.
Seus próprios depoimentos falam da multiplicação dos homens na terra, e de uma sombra que desceu sobre a floresta, de modo que esta ficou escura e seu nome passou a ser Floresta das Trevas.
Antes de atravessar as montanhas, os hobbits já se haviam dividido em três raças relativamente diferentes: Pés-peludos, Grados e Cascalvas. Os Pés-peludos tinham a pele mais escura, eram menores e mais baixos, não tinham barbas ou botas; suas mãos e pés eram destros e ágeis e eles preferiam as regiões serranas e as encostas de montanhas. Os Grados tinham uma constituição mais encorpada e pesada: suas mãos e pés eram maiores, e preferiam planícies e regiões banhadas por rios. Os Cascalvas tinham a pele e o cabelo mais claros, eram mais altos e esguios que os outros e eram amantes de árvores e florestas.
Os Pés-peludos tinham muito a ver com os anões em épocas antigas, e viveram por muito tempo nos pés das montanhas. Migraram cedo em direção ao oeste, e vagaram até Eriador chegando ao Topo do Vento, enquanto os outros ainda estavam nas Terras Ermas. Eram a variedade mais comum e representativa de hobbits, e sem dúvida a mais numerosa. Eram os mais inclinados a se acomodar em um único lugar, e preservaram por mais tempo o hábito ancestral de viver em túneis e tocas.
Os Grados permaneceram por mais tempo ao longo das margens do Grande rio Anduin, e eram menos reservados em relação aos homens.
Migraram, para o Oeste depois dos Pés-peludos e seguiram o curso do Ruidoságua em direção ao sul, e ali muitos deles moraram por um longo tempo entre Tharbad e os limites da Terra Parda, antes de rumar para o Norte novamente.
Os Cascalvas, os menos numerosos, eram um ramo do Norte. Tinham um contato mais amigável com os elfos do que os outros hobbits, e tinham mais habilidade com línguas e música do que com trabalhos manuais. E desde antigamente preferiam caçar a lavrar a terra. Eles cruzaram as montanhas ao norte de Valfenda e desceram o rio Fontegris. Em Eriador, rapidamente se mesclaram com os outros tipos que os haviam precedido, mas, sendo relativamente maiores e mais aventureiros, eram frequentemente tidos como líderes ou chefes entre os clãs de Pés-peludos ou de Grados. Mesmo no tempo de Bilbo, ainda se podiam notar os fortes traços de Cascalvas entre as famílias maiores, como os Túks e os Mestres da Terra dos Buques.
Na região oeste de Eriador, entre as Montanhas Sombrias e as Montanhas de Lún, os hobbits encontraram tanto homens quanto elfos. Na verdade, ainda morava lá um remanescente dos Dúnedain, os reis dos homens que chegaram de Ponente pelo Mar; mas eles estavam desaparecendo rapidamente, e as terras de seu Reino do Norte estavam se deteriorando por toda a região. Havia espaço de sobra para os que chegavam, e logo os hobbits começaram a se assentar em comunidades organizadas. Muitas de suas comunidades mais antigas tinham desaparecido e caído em total esquecimento na época de Bilbo; mas uma das primeiras a se tornar importante ainda permanecia, embora reduzida em tamanho; situava-se em Bri e na Floresta Chet que ficava nas redondezas, a umas quarenta milhas do Condado.
Foi nesses tempos primordiais, sem dúvida, que os hobbits aprenderam suas letras e começaram a escrever na maneira dos Dúnedain, que por sua vez tinham aprendido a arte muito antes com os elfos. E nessa época eles também esqueceram todas as línguas usadas anteriormente, e depois disso sempre falaram a Língua Geral, o Westron, que era como a chamavam nas terras dos reis desde Arnor até Gondor, e em toda a costa marítima desde Belfalas até Lúri. Mesmo assim, eles ainda preservavam do passado algumas palavras próprias, bem como seus próprios nomes de meses e dia e uma grande quantidade de nomes de pessoas.
Por volta dessa época, as lendas entre os hobbits se tornaram pela primeira vez história, com uma contagem de anos. Pois foi no ano 1601 da Terceira Era que os irmãos Cascalvas, Marcho e Blanco, partiram de Bri, e tendo obtido permissão do rei1 em Fornost, cruzaram o escuro rio Barandum acompanhados de muitos hobbits.
Atravessaram a Ponte dos Arcos de Pedra, construída na época de poder do Reinado do Norte, e tomaram toda terra além dela para ali morar, entre o rio e as Colinas Distantes.
Tudo que se exigia deles era que fizessem a manutenção da Grande Ponte e de todas as outras pontes e estradas, que facilitassem a passagem dos mensageiros do rei e que reconhecessem seu poder.
Assim teve início o Registro do Condado, pois o ano em que cruzaram o rio Brandevin (assim rebatizado pelos hobbits) se tornou o Ano Um do condado, e todas as datas posteriores se baseiam nessa2.
Imediatamente os hobbits do Oeste se apaixonaram por sua nova terra e lá permaneceram, e assim rapidamente mais uma vez desapareceram da história dos homens e dos elfos. Enquanto ainda havia um rei, eram seus súditos nominais; mas na verdade eram governados por seus próprios líderes e não se misturavam de modo algum com os acontecimentos do mundo lá fora.
Na última batalha em Fornost contra o Rei dos Bruxos de Angmar, enviaram alguns arqueiros para ajudar o rei, ou pelo menos assim afirmavam, embora nenhuma história dos homens conforme a informação. Mas com aquela guerra o Reinado do Norte acabou; e então os hobbits tomaram a terra para si próprios, e escolheram entre seus próprios chefes um Tham para ocupar o lugar de autoridade do rei que havia partido. Ali, por mil anos, tiveram poucos problemas com guerras, e prosperaram e se multiplicaram depois da Peste Negra (R.C. 37) até o desastre do Inverno Longo e a penúria que o seguiu. Milhares pereceram nessa época, mas os Dias de Privação já estavam distantes na época desta história, e os hobbits tinham se acostumado novamente com a fartura. A terra era rica e boa, e, embora já estivesse abandonada por muito tempo quando lá chegaram, fora bem cultivada antes, e ali o rei possuíra muitas fazendas, plantações de milho, vinhedos e bosques.
A terra se estendia por 120 milhas desde as Colinas Distantes até a Ponte do Brandevin, e por 150 milhas dos pântanos do norte até os charcos do sul. Os hobbits a chamaram de Condado, sendo a região de autoridade de seu Thain e um distrito de negócios bem-organizados; e ali, naquele canto agradável do mundo, exerceram sua bem organizada atividade de viver e prestavam cada vez menos atenção ao mundo de fora, onde coisas obscuras aconteciam, chegando a pensar que paz e fartura fossem a regra na Terra Média e o direito de todas as pessoas sensatas.
Esqueceram ou ignoravam o pouco que sabiam dos Guardiões e dos trabalhos daqueles que possibilitavam a paz prolongada do Condado. Na verdade, eles estavam protegidos, mas deixaram de se lembrar disso.
Em tempo algum, hobbits de qualquer tipo foram amantes da guerra, e nunca guerrearam entre si. Em tempos antigos, é claro, viram-se frequentemente obrigados a lutar para se manterem num mundo difícil; mas na época de Bilbo esta já era uma história muito antiga. A última batalha antes de esta história começar, e na verdade a única que aconteceu dentro dos limites do Condado, estava além da memória viva: a Batalha dos Campos Verdes, R.C. 1147, na qual Bandobras Túk expulsou os orcs que tinham invadido a região. Até mesmo o clima ficara mais ameno, e os lobos que uma vez chegavam famintos fugindo do Norte, durante amargos invernos brancos, eram apenas uma história contada pelos avós. Dessa forma, embora ainda houvesse um pequeno estoque de armas no Condado, estas eram usadas geralmente como troféus, penduradas sobre lareiras ou nas paredes, ou reunidas no museu em Grã Cava. A Casa-mathom, era como se chamava; pois qualquer coisa que os hobbits não fossem utilizar imediatamente, mas que não quisessem jogar fora, eles chamavam de mathom. Suas moradias podiam vir a ficar cheias de mathoms, e muitos dos presentes que passavam de mão em mão eram desse tipo.
Entretanto, a paz e a tranquilidade tinham tornado este povo curiosamente resistente. Se a situação exigisse, eram difíceis de intimidar ou matar e eram, talvez, tão incansavelmente afeiçoados às coisas boas quanto, quando necessário, capazes de passar sem elas, e podiam sobreviver à ação rude da tristeza, do clima ou do inimigo de um modo que surpreendia aqueles que não os conheciam direito e não enxergavam além de suas barrigas e de seus rostos bem-alimentados. Embora demorassem para discutir e não matassem nenhum ser vivente por esporte, eram valentes quando em apuros , se fosse preciso sabiam ainda manejar armas. Atiravam bem com o arco pois seus olhos eram perspicazes e certeiros no alvo. Não apenas com arco e flechas.
Se qualquer hobbit se abaixasse para pegar uma pedra era bom logo se proteger, como bem sabiam todos os animais transgressores.
Todos os hobbits viviam originalmente em tocas no chão, ou assim acreditavam, e nesse tipo de moradia ainda se sentiam mais à vontade; mas com o passar do tempo foram obrigados a adotar outros tipos de habitação. Na verdade, no Condado da época de Bilbo, geralmente apenas os mais ricos e os mais pobres mantinham o antigo hábito.
Os mais pobres foram viver em tocas do tipo mais primitivo, na verdade meros buracos com apenas um ou nenhuma janela, enquanto os abastados ainda construíam versões mais luxuosas das escavações simples de antigamente. Mas locais adequados para esses tipos de túneis grandes e ramificados (ou smials, como os chamavam) não se encontravam em qualquer lugar, e nas planícies e nos distritos baixos os hobbits, conforme se multiplicavam, começaram a construir acima do solo.
Na verdade, mesmo nas regiões montanhosas das aldeias mais antigas, como a Vila dos Hobbits ou Tuqueburgo, ou no distrito principal do Condado, que se chamava Grã Cava e ficava sobre as Colinas Brancas, havia agora muitas casas de madeira, tijolo ou pedra. Estas eram especialmente preferidas por mineiros, ferreiros, cordoeiros e carreteiros e outros profissionais do tipo, pois mesmo na época em que tinham tocas onde morar, os hobbits já estavam havia muito tempo acostumados a construir oficinas e barracões.
Afirmava-se que o hábito de construir celeiros e casas-grandes teve início entre os habitantes do Pântano, na região do rio Brandevin. Os hobbits dessa região, a Quarta Leste, eram bastante grandes e tinham pernas volumosas, e usavam botas de anões quando o tempo estava úmido e havia lama no chão. Mas eram conhecidos por ter uma boa quantidade de sangue Grado, como de fato se demonstrou pela penugem que muitos deles tinham no queixo. Nenhum dos Pés-peludos ou dos Cascalvas tinha qualquer sinal de barba. Na verdade, o pessoal do Pântano, e da Terra dos Buques, a leste do Rio, que eles ocuparam posteriormente, vieram em sua maior parte para o Condado mais tarde, procedendo do Sul; e ainda tinham muitos nomes peculiares e usavam palavras estranhas não encontradas em nenhuma outra região do Condado.
É provável que o ofício da construção, além de muitos outros ofícios, tenha sido copiado dos Dúnedain. Mas os hobbits podem ter aprendido diretamente com os elfos, os professores dos homens quando jovens. Pois os elfos da Alta Linhagem ainda não haviam abandonado a Terra Média e naquela época ainda moravam nos Portos Cinzentos, no longínquo Oeste, e em outros lugares dentro dos domínios do Condado.
Três torres élficas de tempos imemoriais ainda podiam ser vistas nas Colinas das Torres, além das fronteiras do Oeste. Brilhavam de longe à luz da lua. A mais alta ficava mais distante, erguendo-se solitária sobre uma colina verde.
Os hobbits da Quarta Oeste diziam que se podia ver o Mar do alto daquela torre; mas jamais se soube de um hobbit que tivesse estado lá. Na verdade, poucos hobbits já tinham visto o Mar ou navegado nele, e menos ainda retornaram para contar o que fizeram. A maioria dos hobbits encarava mesmo os rios e pequenos barcos com grande apreensão, e poucos sabiam nadar. E conforme os dias do Condado se alongavam, eles falavam cada vez menos com os elfos, e se tornaram receosos deles, e desconfiados daqueles que tinham relações com eles; o Mar se tornou uma palavra ameaçadora e um sinônimo de morte, e deram as costas para as colinas e o Oeste.
O ofício da construção pode ter vindo dos elfos ou dos homens, mas os hobbits o usavam a sua própria maneira. Não gostavam de torres. Suas casas eram geralmente compridas, baixas e confortáveis. Os tipos mais antigos eram, na verdade, nada mais que imitações construídas de smials, cobertas com grama seca ou palha ou turfa, e com paredes de certo modo arqueadas. Esse estágio, entretanto, pertenceu aos primeiros tempos do Condado, e as construções dos hobbits tinham sido alteradas havia muito, aprimoradas por métodos aprendidos com os anões ou desenvolvidos por eles próprios. Uma preferência por janelas e mesmo por portas redondas era a peculiaridade mais importante da arquitetura hobbit.
As casas e tocas dos hobbits do Condado eram sempre grandes, e habitadas por grandes famílias. (Bilbo e Frodo Bolseiro, sendo solteiros, eram muito incomuns, como eram também em muitos outros pontos, como por exemplo em sua amizade com os elfos.) Algumas vezes, como no caso de Túks de Grandes Smials, ou os Brandebuques da Sede do Brandevin, muitas gerações de parentes viviam em (relativa) paz, juntos numa mansão ancestral e de muitos túneis. Todos os hobbits, de qualquer modo, tinham tendência a viver em clãs, e tratavam seus parentes com muita atenção e cuidado. Desenhavam grandes e elaboradas árvores genealógicas com ramos inumeráveis. Em se tratando de hobbits é importante lembrar quem é parente de quem, e em que grau. Seria impossível neste livro esboçar uma árvore genealógica que incluísse mesmo apenas os mais importantes membros das famílias mais importantes da época da qual esses contos trataram. As árvores genealógicas no final do Livro Vermelho do Marco Ocidental são em si um pequeno volume, e todos, com a exceção dos hobbits, as considerariam excessivamente enfadonhas.
Os hobbits se deliciavam com esse tipo de coisas, quando eram precisas: gostavam de ter os livros repletos de coisas que já conheciam, colocadas preto no branco, sem contradições.

Conforme os relatos de Gondor, este rei era Argeleb II, o vigésimo da linhagem do Norte, que terminou com Arvedui, três séculos depois.
Dessa forma, os anos da Terceira Era no registro dos elfos e dos Dúnedam podem ser achados somando-se 1.600 às datas do Registro do Condado.


A respeito da erva-de-fumo

Existe uma outra coisa a respeito dos hobbits que deve ser mencionada, um hábito surpreendente: eles inspiravam ou inalavam, através de um tubo de barro ou madeira, a fumaça derivada da queima de folhas de uma erva que chamavam de erva-de-fumo ou folha, provavelmente uma variedade Nicotiana. Um mistério enorme envolve a origem desse hábito peculiar, “arte”, como os hobbits preferiam chamá-lo. Tudo o que se pôde descobrir sobre isso na antiguidade foi recolhido por Meriadoc Brandebuque (depois Mestre da Terra dos Buques), e, uma vez que ele e o tabaco da Quarta Sul têm um papel na história que se segue, suas observações na introdução de seu Registro das Ervas do Condado merecem transcrição: “Esta”, diz ele, “é uma arte que se pode certamente descrever como uma invenção nossa. Quando os hobbits começaram a fumar não se sabe, nenhuma lenda ou história familiar questiona o assunto; por muito tempo as pessoas do Condado fumaram várias ervas, algumas mais fortes, outras mais suaves. Mas todos os registros concordam com o fato de que Tobol Corneteiro, do Vale Comprido, na Quarta Sul, cultivou pela primeira vez a verdadeira erva-de-fumo em seus jardins na época de Isengrim II, por volta do ano 1070 do Registro do Condado. As melhores ervas de cultivo doméstico ainda vêm desse distrito, especialmente as variedades hoje conhecidas como Folha do Vale Comprido, Velho Toby e Estrela do Sul.
Como o Velho Toby encontrou a planta não está registrado, pois até o dia de sua morte não o disse a ninguém. Sabia muito sobre ervas, mas não era um viajante. Comenta-se que em sua juventude ele sempre ia a Bri, embora certamente nunca tenha ido além desse ponto. Dessa forma, é muito possível que tenha conhecido essa planta em Bri, onde atualmente, de qualquer modo, ela cresce muito bem nas encostas da colina voltadas para o Sul. Os hobbits de Bri dizem ter sido os primeiros a realmente fumar a erva-de-fumo. Eles dizem, é claro, que fizeram tudo antes das pessoas do Condado, a quem se referem como “colonos”; mas neste caso acredito que o que dizem é correto. E certamente foi de Bri que a arte de fumar a erva genuína se espalhou nos séculos recentes entre anões e outros povos semelhantes, guardiões, magos, ou andarilhos, que ainda passavam indo e vindo por aquela encruzilhada antiga. O reduto e o centro da arte podem desse modo ser encontrados na velha hospedaria de Bri, O Pônei Saltitante, conservada pela família de Carrapicho desde tempos imemoriais.
Mesmo assim, as observações que fiz em minhas viagens para o Sul me convenceram de que a erva não é nativa da nossa parte do mundo, mas veio do norte do Anduin inferior, e até ali foi trazida, suspeito eu, originalmente do outro lado do Mar por homens de Ponente. Ela cresce de forma abundante em Gondor, e ali é mais rica e maior que no Norte, onde nunca é encontrada na forma selvagem e floresce apenas em lugares cobertos e aquecidos como o Vale Comprido. Os homens de Gondor a chamam de doce galenas, e a estimam somente pela fragrância de suas flores.
Dessa terra ela deve ter sido levada através do Caminho Verde, durante os longos séculos entre a vinda de Elendil e os dias atuais. Mas mesmo os Dúnedam de Gondor nos dão este crédito: os hobbits pela primeira vez colocaram a erva em cachimbos. Nem mesmo os magos pensaram nisso antes que nós. Apesar de um mago que eu conheço ter aderido à arte há muito tempo, tornando-se habilidoso nela como em qualquer outra coisa em que se mete.


Sobre a organização do Condado

O Condado se dividia em quatro partes, as Quartas já citadas, Norte, Sul, Leste e Oeste; e estas por sua vez novamente se dividiam em vários povoados, que ainda levam os nomes de algumas das famílias mais importantes, embora no tempo desta história esses nomes não fossem mais encontrados apenas em seus próprios povoados.
Quase todos os Túks ainda viviam na Terra dos Túks, mas não se pode dizer o mesmo de muitas outras famílias, como os Bolseiros e os Boffins. Para além das Quartas ficavam os Marcos Leste e Oeste: a Terra dos Buques; e o Marco Ocidental adicionado ao Condado em R.C. 1462.
Nessa época o Condado mal tinha um “governo”. Na maioria das vezes as famílias cuidavam de seus próprios negócios. Cultivar comida comê-la ocupava a maior parte de seu tempo. Em outros assuntos eles eram em geral, generosos e não gananciosos, mas satisfeitos e moderados, de modo que terras, fazendas, oficinas e pequenos comércios tendiam a permanecer inalterados por gerações.
Permanecia, é claro, a antiga tradição, acerca do Alto Rei de Fornost, ou Cidadela do Norte, como chamavam o lugar ao norte do Condado. Mas não tinha havido um rei por mais de mil anos, e mesmo as ruínas do Rei da Cidadela do norte estavam cobertas pelo mato. Mas os hobbits ainda comentavam sobre povos selvagens e coisas perversas (como trolls) que não tinham ouvido falar do rei. Pois eles atribuíam ao rei de outrora todas as suas regras essenciais; e geralmente mantinham as leis do livre-arbítrio, pois estas eram As Regras (como diziam), tão antigas quanto justas.
É verdade que a família Túk tinha se destacado havia muito tempo, pois o ofício de Tham tinha passado a eles (dos Velhobuques) alguns séculos antes, e o chefe Túk levava o título desde essa época. O Thain era o mestre do Tribunal do Condado, e capitão das Tropas do Condado e dos Hobbit em armas, mas como tribunais e exércitos só eram organizados em tempo de emergência, que não ocorriam mais, o título de Thain não era agora mais que uma honraria. A família Túk ainda era, na verdade, tratada com um respeito especial, pois permanecia numerosa e extremamente rica, e tinha habilidades de produzir em cada geração grandes personalidades de hábitos peculiares e até de temperamento aventureiro. Esta última qualidade entretanto, era atualmente mais tolerada (nos ricos) do que propriamente aprovada. Permaneceu o costume, entretanto, de se referir ao chefe da família como O Túk, e de se adicionar ao seu nome, se necessário, um número: como Isengrim II, por exemplo.
O único cargo oficial no Condado nessa época era o de Prefeito Grã Cava (e do Condado), que era eleito a cada sete anos na Feira Livre nas Colinas Brancas no Lithe, isto é, no Solstício de Verão. Como Prefeito, quase seu único dever era presidir banquetes, oferecidos nos feriados do Condado, que ocorriam a intervalos frequentes.
Mas os cargos de Agente Postal e de Primeiro Condestável foram acrescentados ao de Prefeito, de modo que este gerenciava tanto o Serviço de Mensagens como a Patrulha.
Estes eram os únicos funcionários do Condado, e os Mensageiros eram os mais numerosos e os mais ocupados dos dois. Os hobbits não eram, de modo algum, todos letrados, mas os que eram escreviam constantemente para todos os seus amigos (e para alguns de seus parentes) que viviam em lugares mais distantes do que uma caminhada vespertina podia alcançar.
“Condestáveis” foi o nome que os hobbits deram à sua polícia, ou ao seu equivalente mais próximo. Eles não tinham, obviamente, uniformes (essas coisas eram desconhecidas por eles), só uma pena em seus chapéus; e na prática estavam mais para pastores que para policiais, mais envolvidos com animais perdidos que com pessoas. Havia apenas doze deles em todo o Condado, três em cada Quarta, para Trabalho Interno. Uma corporação bem maior, que variava em tamanho conforme a necessidade, estava encarregada de “bater as fronteiras” e cuidar que os forasteiros de qualquer tipo, grandes ou pequenos, não se transformassem num incômodo.
Na época em que esta história começa, os Fronteiros, como eram chamados, tinham aumentado bastante. Havia muitos relatos e reclamações de pessoas e criaturas estranhas rondando as fronteiras, ou a região delas: o primeiro sinal de que nem tudo estava como deveria estar, e sempre havia estado, a não ser nas histórias e lendas de antigamente. Poucos perceberam o sinal, e até mesmo Bilbo não tinha qualquer noção do que isso representava. Sessenta anos haviam se passado desde que partira em sua memorável viagem, e estava velho mesmo em se tratando de hobbits, que geralmente chegavam aos cem anos; mas ele evidentemente ainda conservava a riqueza considerável que havia trazido. A quantidade nunca fora revelada a ninguém, nem mesmo a Frodo, seu “sobrinho” favorito. E ainda guardava em segredo o Anel que havia achado.


Sobre o achado do Anel

Como se narra em O Hobbit, um dia chegou à porta de Bilbo o grande mago, Gandalf, o Cinzento, e treze anões junto com ele: na realidade, ninguém mais que Thorin Escudo de Carvalho, descendente de reis, e seus doze companheiros de exílio. Com eles partiu, para sua grande surpresa, numa manhã de abril, no ano de 1341, de acordo com o Registro do Condado, na busca de grandes riquezas, o tesouro acumulado pelos anões e pertencente aos Reis sob a Montanha abaixo de Erebor em Valle, no extremo Leste. A busca foi bem-sucedida e o dragão que guardava o tesouro foi destruído. Mas, embora antes que tudo estivesse terminado, a Batalha dos Cinco Exércitos tenha sido travada e Thorin tenha sido morto, e muitos feitos importantes tenham acontecido, o assunto não teria sido de muito interesse para a história posterior, ou merecido mais que uma nota nos longos anais da Terceira Era, se não fosse por um “acidente”.
O grupo foi assaltado por orcs numa passagem nas Montanhas Sombrias enquanto ia para as Terras Ermas; e então aconteceu que Bilbo ficou perdido por um tempo nas escuras minas dos orcs sob as montanhas, e ali, quando tateava em vão no escuro, ele pôs a mão sobre um anel que estava no chão de um túnel.
Colocou-o no bolso. Na hora, isso pareceu mera sorte.
Tentando achar a saída, Bilbo desceu até as raízes das montanhas, até que não pudesse ir adiante. No chão do túnel ficava um lago frio, longe da luz, e numa ilha de pedra sobre a água vivia Gollum. Era uma criatura repugnante: remava um pequeno barco com seus grandes pés chatos, e escrutando com olhos pálidos e luminosos e pegando peixes cegos com longos dedos e comendo-os crus. Comia qualquer coisa viva, até mesmo orcs, se pudesse capturá-los e estrangulá-los sem esforço. Possuía um tesouro secreto, que tinha chegado até ele muito tempo atrás, quando ainda vivia na luz: um anel de ouro que fazia com que quem o usasse se tornasse invisível. Era a única coisa que amava, seu “precioso”, e conversava com o mesmo quando não o tinha consigo. Guardava-o seguro num esconderijo, um buraco em sua ilha, a não ser quando estava caçando ou espionando orcs das minas.
Talvez ele tivesse atacado Bilbo imediatamente se estivesse com o anel quando se encontraram; mas não estava, e o hobbit segurava uma faca branca, que lhe servia de espada. Então, para ganhar tempo, Gollum desafiou Bilbo para um jogo de charadas, dizendo que, se propusesse uma charada que Bilbo não conseguisse adivinhar, poderia matá-lo e comê-lo.
Por outro lado, se Gollum fosse derrotado, faria o ordenado por Bilbo: conduzi-lo a saída dos túneis.
Já que estava perdido no escuro e sem esperanças, não podendo ir adiante e nem voltar, Bilbo aceitou o desafio e eles propuseram um ao outro muitas charadas. No final Bilbo ganhou o jogo (mais por sorte ao que parece) do que por esperteza; pois tinha ficado em apuros sem ter nenhuma charada a propor, e gritou, quando sua mão alcançou o anel que tinha apanhado e esquecido: O que eu tenho no meu bolso? Isso Gollum não conseguiu responder, embora tivesse exigido três chances.
As Autoridades, é verdade, discordam quanto a essa última pergunta ser uma mera “pergunta” ou uma “charada”, de acordo com as regras estritas do jogo; mas todos concordam que, depois de aceitá-la e tentar acertar a resposta, Gollum se obrigava a cumprir sua promessa. E Bilbo o pressionou a manter sua palavra, pois lhe ocorreu que essa criatura gosmenta poderia voltar atrás, embora essas promessas fossem consideradas sagradas, e desde antigamente apenas as criaturas mais perversas não temiam quebrá-las.
Mas depois de muito tempo sozinho no escuro, Gollum tinha o coração negro, e a traição morava nele. Escapou e voltou à sua ilha, da qual Bilbo não sabia coisa alguma, não muito distante na água escura. Ali, pensou, estava seu anel. Estava faminto agora, e raivoso, e se o seu “precioso” estivesse com ele, não temeria qualquer tipo de arma.
Mas o anel não estava na ilha; ele o havia perdido, sumira. Seu chiado causou arrepios em Bilbo, embora ele ainda não tivesse entendido o que havia acontecido. Mas Gollum tinha descoberto a resposta, tarde demais. O que ele tem nos ssseus bolssssos?, gritou ele. A luz em seus olhos era como uma chama verde, e ele correu de volta para matar o hobbit e recuperar seu “precioso”. Bilbo percebeu o perigo em tempo, e fugiu cegamente pela passagem para longe da água; e mais uma vez foi salvo por sua sorte. Pois enquanto corria colocou a mão no bolso, e o anel escorregou-lhe no dedo. Foi assim que Gollum passou por ele sem vê-lo, e seguiu em frente para guardar a saída, para que o “ladrão” não fugisse. Cuidadosamente, Bilbo o seguiu, conforme ele ia em frente, xingando e conversando consigo mesmo sobre seu “precioso”; dessa conversa Bilbo finalmente descobriu a verdade, e recuperou a esperança na escuridão: ele próprio tinha encontrado o anel e uma chance de escapar dos orcs e de Gollum.
Finalmente pararam perante uma abertura escondida, que levava até os portões inferiores das minas, no lado leste das montanhas. Ali Gollum se agachou, farejando e escutando, e Bilbo se sentiu tentado a matá-lo com sua espada. Mas teve pena, e embora mantivesse o anel, no qual estava sua única esperança, não o usaria como um recurso para matar a criatura ignóbil em desvantagem. No final, juntando toda sua coragem, pulou por cima de Gollum no escuro, e fugiu pela passagem, seguido pelos gritos de ódio e desespero de seu inimigo: Ladrão, ladrão! Bolseiro! Nós odeia ele para sempre!
É curioso o fato de que essa não é a história que Bilbo contou inicialmente a seus companheiros. Para estes disse que Gollum havia prometido dar-lhe um presente se ele ganhasse o jogo; mas quando Gollum foi pegá-lo em sua ilha descobriu que o presente havia sumido: um anel mágico, que lhe tinha sido dado em seu aniversário havia muito tempo. Bilbo adivinhou que era exatamente esse anel que ele havia encontrado, e como tinha ganhado o jogo, o anel já era seu por direito. Mas, estando numa situação difícil, não disse nada, e obrigou Gollum a mostrar-lhe a saída como recompensa em vez do presente.
Esse relato Bilbo colocou em suas memórias e parece nunca tê-lo alterado, nem mesmo depois do Conselho de Elrond. Evidentemente isso ainda constava no Livro Vermelho original, da mesma forma que em várias cópias e resumos. Mas muitas cópias contém a história verdadeira (como uma alternativa), derivada sem dúvida das notas de Frodo ou Samwise; ambos souberam a verdade, embora não parecessem dispostos a apagar qualquer coisa já escrita pelo velho hobbit.
Gandalf, entretanto, desacreditou da primeira história de Bilbo assim que a escutou e continuou muito curioso a respeito do anel. Finalmente conseguiu saber da verdadeira história pelo próprio Bilbo, depois de muitos questionamentos, que por um tempo estremeceram sua amizade; mas o sábio parecia considerar a verdade importante. Embora não dissesse isso a Bilbo, ele também achava importante, e perturbador, o fato de o bom hobbit não ter contado a verdade desde o começo, o que era contrário aos seus hábitos. A ideia de um “presente” não era uma mera invenção de hobbit, de qualquer forma. Ela lhe foi sugerida, como o próprio Bilbo confessou, pela conversa de Gollum que ele por acaso ouvira; porque Gollum, na verdade, chamou o anel de seu “presente de aniversário” muitas vezes.
Este fato Gandalf também considerou estranho e suspeito, mas só descobriu a verdade sobre ele depois de muitos anos, como se verá neste livro.


Sobre as aventuras posteriores de Bilbo é preciso dizer pouca coisa mais.

Com a ajuda do anel ele escapou dos guardas-orcs no portão e reencontrou seus companheiros.
Usou o anel muitas vezes nessa viagem, principalmente para ajudar seus amigos; mas o manteve em segredo o quanto pôde. Depois de sua volta, nunca mais falou dele para qualquer pessoa, a não ser Gandalf e Frodo, e ninguém mais no Condado sabia de sua existência, ou assim ele pensava. Apenas a Frodo mostrou o relato de sua viagem que estava escrevendo.
Sua espada, Ferroada, Bilbo pendurou sobre a lareira, e seu maravilhoso casaco de malha de metal, presente que os anões lhe deram e que fazia parte do tesouro do dragão, foi doado a um museu, na verdade à Casa-mathom em Grã Cava. Mas ele mantinha numa gaveta em Bolsão a velha capa e o capuz que havia usado em suas viagens; e o anel, pendurado numa corrente fina, era mantido em seu bolso.
Ele voltou para sua casa em Bolsão em 22 de junho, no seu quinquagésimo segundo aniversário (R.C. 1342), e nada de muito notável aconteceu no Condado até que o Sr. Bolseiro começou os preparativos para a comemoração de seu centésimo décimo primeiro aniversário (R.C. 1401). Nesse ponto esta História começa.


Nota sobre os registros do Condado

No final da Terceira Era, o papel desempenhado pelos hobbits nos grandes eventos que levaram à inclusão do Condado no Reino Reunido despertou neles um interesse muito mais amplo por sua própria história, e muitas de suas tradições, até então na sua maioria orais, foram coletadas e escritas. As famílias maiores também estavam interessadas pelos eventos no Reinado em geral, e muitos de seus membros estudavam suas histórias e lendas antigas. No final do primeiro século da Quarta Era já se podiam encontrar no Condado várias bibliotecas com muitos livros e registros históricos.
As maiores dessas coleções ficavam provavelmente em Sob-as-torres, em Grandes Smials, e na Sede do Brandevin. Este relato sobre o final da Terceira Era é retirado principalmente do Livro Vermelho do Marco Ocidental. Esta fonte importantíssima para a história da Guerra do Anel era chamada assim porque foi preservada por muito tempo em Sob-as-torres, o lar dos Lindofilhos, Administradores do Marco Ocidental. Originalmente, este livro era o diário pessoal de Bilbo, levado por ele a Valfenda.
Frodo o trouxe de volta para o Condado, juntamente com muitas folhas soltas de anotações e durante R.C. 1420-1 ele quase encheu todas as páginas com seu relato sobre a Guerra. Mas anexados a este e preservados juntamente com ele, provavelmente num único estojo vermelho, estavam os três grandes volumes, encapados com couro vermelho, que Bilbo lhe deu como um presente de despedida. A esses quatro volumes foi acrescentado no Marco Ocidental um quinto contendo comentários, genealogias e vários outros materiais relacionados aos membros hobbits da Sociedade.
O Livro Vermelho original não foi preservado, mas muitas cópias foram feitas, especialmente do primeiro volume, para o uso dos descendentes dos filhos de Mestre Samwise. A cópia mais importante, entretanto, tem uma história diferente.
Foi guardada em Grandes Smials, mas escrita em Gondor, provavelmente a pedido do bisneto de Peregrin, e terminada em R.C. 1592 (Q.E. 172). Seu escriba acrescentou esta nota: Findegil, Escriba do Rei, terminou este trabalho em IV 172.
Ele é uma cópia exata em todos os detalhes do Livro do Thain de Minas Tirith. Esse livro era uma cópia, feita a pedido do Rei Elessar, do Livro Vermelho dos Periannath, e foi trazido a ele pelo Thain Peregrin quando este se retirou para Gondor em IV 64.
O Livro do Thain foi, desse modo, a primeira cópia do Livro Vermelho, e continha muitos dados que foram omitidos ou perdidos. Em Minas Tirith ele recebeu muitas anotações e muitas correções, especialmente nos nomes, palavras e citações das línguas élficas; e foi acrescentada uma versão abreviada daquelas partes do Conto de Aragom e Arwen, que ficam de fora do relato da Guerra. Afirma-se que o conto completo foi escrito por Barahir, neto do Intendente Faramir, algum tempo depois da morte do Rei. Mas a característica mais importante da cópia de Findegil é que somente ela contém todas as “Traduções do Élfico” feitas por Bilbo. Esses três volumes foram considerados um trabalho de grande habilidade e erudição durante o qual, entre 1403 e 1418, ele usou todas as fontes disponíveis em Valfenda, tanto vivas quanto escritas. Mas como elas foram pouco usadas por Frodo, por se tratar quase que inteiramente dos Dias Antigos, não serão mais comentadas aqui3.
Sendo que Meriadoc e Peregrin se tornaram os chefes de suas grandes famílias, e ao mesmo tempo mantiveram suas relações com Rohan e Gondor, as bibliotecas de Buqueburgo e Tuqueburgo continham muitas coisas que não apareciam no Livro Vermelho.
Na Sede do Brandevin havia muitas obras que tratavam de Eriador e da história de Rohan.
Algumas delas foram escritas ou iniciadas pelo próprio Meriadoc, embora no Condado ele fosse lembrado principalmente pelo seu Registro das Ervas do Condado, e pelo seu Registro dos Anos, no qual ele discutia a relação entre os calendários do Condado e de Bri com os de Valfenda, Gondor e Rohan. Ele também escreveu um pequeno tratado sobre Palavras e Nomes Antigos em Rohan, mostrando um interesse especial em descobrir o parentesco entre a língua dos Rohirrim e certas “palavras do Condado” como mathom e partículas antigas e nomes de lugares.
Em Grandes Smials os livros eram de menor interesse para o povo do Condado, embora fossem da maior importância para a história mais abrangente. Nenhum deles foi escrito por Peregrin, mas ele e seus sucessores coletaram muitos manuscritos feitos por escribas de Gondor: em sua maioria cópias ou resumos de histórias ou lendas relacionadas com Elendil e seus herdeiros. Apenas aqui no Condado era possível encontrar materiais abundantes para a história de Númenor e a ascensão de Sauron.
Foi provavelmente em Grandes Smials que O Conto dos Anos foi organizado, com a ajuda do material coletado por Meriadoc.
Embora as datas fornecidas sejam frequentemente conjecturais, principalmente para a Segunda Era, elas merecem atenção. É provável que Meriadoc tenha obtido ajuda e informações em Valfenda, lugar que visitou mais de uma vez. Ali, embora Elrond tivesse partido, seus filhos permaneceram durante muito tempo, juntamente com alguns elementos do povo dos Altos-elfos. Afirma-se que Celeborn tinha ido morar lá depois da partida de Galadriel, mas não há registros do dia em que ele finalmente se dirigiu aos Portos Cinzentos, e com ele partiu a última memória viva dos Dias Antigos da Terra Média4.

Ver Apêndice B: anais 1451, 1462, 1482; e uma nota no final do Apêndice C.
Representado de forma bastante reduzida no Apêndice B, até o final da Terceira Era.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!