17 de abril de 2016

Apêndice

Elementos em nomes nos idiomas quenya e sindarin

Estas notas foram compiladas para aqueles que se interessam pelos idiomas eldarin. Para os exemplos, recorreu-se amplamente a O Senhor dos Anéis. Como precisaram ser muito resumidas, podem dar a impressão de uma certeza e uma irrevogabilidade que de modo algum se justificam. Resultam também de grande seleção, dependendo tanto de considerações relativas ã extensão do texto, quanto das limitações de conhecimento do compilador. Os verbetes não estão organizados sistematicamente pelos radicais ou pelas formas em queny a ou em sindarin, mas de modo algo arbitrário, tendo como objetivo facilitar ao máximo a identificação dos elementos que compõem os nomes.


adan (plural Edairi) em Adanedhel, Aradan, Dúnedain. Para seu significado e história, veja Atani no Glossário.
aelin “lago, lagoa”, em Aelin-uial-, cf. lin (1).
aglar “glória, brilho” em Dagor Aglareb, Aglarond. A forma em queny a, alkar, apresenta transposição das consoantes: ao sindarin aglareb corresponde Alkarinquë. O radical é kal-, “brilho”, q. v.
aina “sagrado”, em Ainur, Ainulindalë.
alda “árvore” (queny a), em Aldaron, Aldudéniê, Malinalda, correspondendo ao sindarin galadh (visto em Caras Galadhon e nos Galadhrim de Lothlórien).
alqua “cisne” (sindarin alph), em Alqualondë; de um radical alak— (veloz), que ocorre também em Ancalagon.
amarth “sina”, em Amon Amarth, Cabed Naeramarth, Úmarth-, e na forma sindarin do nome de Túrin “Senhor do Destino”, Tura— marth. A forma queny a da palavra aparece em Turambar.
amon “colina”, termo sindarin que ocorre como primeiro elemento em muitos nomes; plural emyn, em Emyn Beraid.
anca “mandíbulas”, em Ancalagon (para o segundo elemento nesse nome, veja alqua).
an(d) “comprido”, em Andreini, Anduin-, também em Anfalas (“Praia Comprida”), em Condor, Cair Andros (“navio cie espuma longa”), uma ilha no Anduin, e Angerthas “longas fileiras de runas”.
andúnë “pôr-do-sol, oeste”, em Andúniê, ao que corresponde em sindarin annún, cf. Annúminas, e Henneth Annun “janela do pôr— do-sol”, em Ithilien. O antigo radical dessas palavras, ndu, que significa “para baixo, do alto”, aparece também no termo queny a númen, “o caminho do pôr-do-sol, o oeste” e no sindarin dun “oeste”, cf. Dúnedain. O adunaico adún, em Aclúnakhor e Anadúnë, era um empréstimo da fala eldarin.
anga “ferro”, sindarin ang, em Angainor, Angband, Anghabar, Aijgla— chel, Angrist, Angrod, Anguirel, Gurthang; angren “de ferro”, em Angrenost, plural engrin, em Ered Engrin.
anna “presente”, em Annatar, Melian, Yavanna; o mesmo tronco em Andor “Tem da Dádiva”.
annon “grande porta ou portão”, plural ennyn, em Annon-in-Gelydb; cf. Morannon, o “Portão Negro” de Mordor, e Sirannon, o “Riacho do Portão” de Moria.
ar- “ao lado de, fora de” (daí o queny a ar “e”, sindarin d), provavelmente em Aramem, “fora de Aman”; cf. também (Nirnaeth) Arnoe— diad, “(Lágrimas) incontáveis”.
ar(a)~ “alto, nobre, majestoso” aparece em grande quantidade de nomes, como Aradan, Aredhel, Argonath, Amor, etc.; com o radical prolongado arat- aparecendo em Aratar e em aráto “campeão, homem eminente”, ex.: Angrod de Angaráto e Finrod de Findaráto; também aran “rei”, em Aranrúth. Ereinion “descendente de reis” (nome de Gil-galad) contém o plural de aran; cf. Fornost Erain “Fortaleza do norte dos Reis”, em Amor. O prefixo Ar-, dos nomes adûnaicos dos Reis de Númenor, foi derivado dessa raiz.
arien (a Maia do Sol), o nome deriva de um radical as-, também encontrado no queny a árë “luz do sol”. atar” pai”, em Atanatári (veja Atani no Glossário), Ilúvatar.
band “prisão, cárcere”, em Angband-, do original mbando, do qual a forma em queny a aparece em Mandos (sindarin Angband = queny a Angamandó).
bar “morada”, em Bar-en-Danwedh. O antigo termo mbãr (queny a már, sindarin bar) significava tanto o “lar” das pessoas quanto a “pátria” dos povos, e assim aparece em muitos topónimos, como Brithombar, Dimbar (cujo primeiro elemento significa “triste, melancólico”), Eldamar.; Val(i)mar, Vinyamar, Mar-nu-Falmar. Mardil , nome do primeiro dos Regentes de Gondor, significa “devotado à Casa” (ou seja, à Casa dos Reis).
barad “torre”, em Barad-díir, Barad Eithel, Barad Nimras-, o plural em Emyn Beraid.
beleg “forte”, em Beleg, Belegaer, Belegost, Laer Cú Beleg.
bragol “repentino”, em Dagor Bragollach.
brethilprovavelmente significa “bétula prateada”; cf. Nimbrethil, os bosques de bétulas em Arvernien, e Fimbrethil, uma das entesposas.
brith “cascalho”, em Brithiach, Brithombar, Brithon. (Para muitos nomes iniciados com C, veja verbetes com K)
calen (galen) o termo costumeiro em sindarin para “verde”, em Ard-galen, Tol Galen, Calenardhon, também em Parth Galen (“Verde Relva”), à margem do Anduin, e Pinnath Gelin (“Serras Verdes”), em Gondor. Veja kal-,
cam (de kambà) “mão”, especificamente a mão em concha em atitude de receber algo ou segurar algo, em Camlost, Erchamion.
carak— Esse radical é visto em queny a carca “presa”, a partir do qual a forma sindarin carch ocorre em Carchamth, e também em Carchost (“Forte da Presa”, uma das Torres dos Dentes na entrada de Mordor). Cf. Caragdûr, Carach Angren (“Mandíbulas de Ferro”, a muralha e o fosso que protegiam a entrada de Udun em Mordor), e Helcaraxë.
caran “vermelho”, em queny a came, em Caranthir, Camil, Orocami-, também em Caradhras, a partir de caran-rass, o “Chifre Vermelho” nas Montanhas Nevoentas, e Carnimíriè, “a de gemas vermelhas”, a sorveira na canção de Barbárvore. A tradução de Carcharoth no texto como “Goela Vermelha” deve estar vinculada à associação com esta palavra; veja carak-,
celeb “prata” (queny a telep,- telpê, como em Telperiorí) em Celeborn, Celebrant, Celebros. Celebrimbor significa “punho prateado”, a partir do adjetivo celebrin, “prateado” (não querendo dizer “feito de prata”, mas “semelhante à prata, em tom ou em valor”) e paur (queny a quãrê), “punho”, frequentemente usado para designar “mão”; a forma do nome em queny a era Telperinquar. Celebrin-dal tem celebrin e tal, dal “pé”,
coron “monte”, em Corollaire (também chamado Coron Oiolairë, sendo que este último termo parece significar “Verão-eterno”, cf. Oio-lossë); cf. Cerin Amroth, o grande monte em Lothlórien. cií “arco”, em Cúthalion, Dor Cúarthol, Laer
Cú Beleg. cuivië “despertar”, em Cuiviénen (em sindarin, Nen Echut). Outros termos derivados da mesma raiz são DorFim-i-Guinar, coirë, os primeiros dias da primavera, em sindarin echuir, O Senhor dos Anéis, Apêndice D; e coimas “pão-da-vida”, nome em queny a para lembas.
cul- “vermelho-dourado”, em Culúrien.
curu “talento”, em Curufin(wë), Curunír.
dae “sombra”, em Dor Daedeloth e talvez em Daeron.
dagor “batalha”; o radical é ndak.-, cf. Haudh-en-Ndengin. Outro derivado é DagniriDagnir Glaitrunga “A Perdição de Glauaing”).
Del “horror”, em Deldúwath; deloth “aversão”, em Dor Daedeloth.
dîn “silencioso”, em Dor Dínen-, cf. Rath Dínen, a Rua Silenciosa em Minas Tirith, e Amon Dín, um dos picos de Gondor onde foram instalados faróis.
dol “cabeça”, em Lôrindol-, aplica-se frequentemente a montes e montanhas, como em Dol Guldur, Dolmed, Mindolluin (também Nardol, um dos picos de Gondor providos de faróis, e Fanuidhol, uma das Montanhas de Moria).
dôr “terra” (ou seja, terra firme, em oposição a mar) derivou de ndor, ocorre em muitos nomes sindarin, como Doriath, Dorthonion, Eriador, Gondor., Mordor, etc. Em queny a, o radical foi assimilado a uma palavra totalmente distinta e confundido com ela — nórê — com o significado de “povo”; em sua origem, Valinóré era estritamente “o povo dos Valar”, mas Valandor, “a terra dos Valar”, e de modo similar Númen(n)ôrê, “povo do oeste”, mas Númendor “terra do oeste”. O termo queny a Endor “Terra Média” era derivado de ened “médio” e ndor,; esse termo em sindarin tornou-se Ennor (cf. ennorath “terras do meio”, no cântico A Elbereth Gilthoniel).
draug “lobo”, em Draugluin.
“noite, penumbra”, em Deldúwath, Ephel Dúath. Derivado do antigo dbmc, de onde veio o queny a lómë; assim, o termo sindarin dúlin, “rouxinol”, corresponde a lómelindë.
duin “rio (comprido)”, em Anduin, Baranduin, Esgalduin, Malduin, Taur-im-Duinath.
dûr “escuro”, em Barad-dûr, Caragd ûr, Dol Giddur. ; também em Durthang (um castelo em Mordor).
ëar “mar” (queny a), em Eárendil, Eãirãmê e muitos outros nomes. A palavra sindarin gaer (em Belegaei-) parece derivar do mesmo radical original.
echor em Echoriath “Montanhas Circundantes” e Orfalch Echor, cf. Rammas Echor “a grande muralha do círculo externo” em volta dos Campos do Pelennor em Minas Tirith.
edhel “elfo” (sindarin), em Adanedhel, Aredhel, Glóredhel, Ost-in-Edhil; também em Peredhil “meio-elfo”.
eithel “poço”, em Eithel Ivrín, Eithel Sirion, Barad Eithel-, também em Mitheithel, o rio Fontegris em Eriador (assim chamado a partir de sua nascente). Veja kel-,
êl, elen “estrela”. De acordo com as lendas élficas, efe era uma exclamação primitiva “Olhem!”, feita pelos elfos quando viram as estrelas pela primeira vez. Dessa origem foram derivadas as antigas palavras êl e elen, com o significado de “estrela”, e os adjetivos elda e elena, com o significado de “das estrelas”. Esses elementos aparecem em muitíssimos nomes. Para uso posterior de Eldar.; veja o Glossário. O equivalente sindarin de Elda era Edhel (plural Edhil) q.v.; mas a forma estritamente correspondente era Eledh, que ocorre em Eledhwen.
er “único, sozinho”, em Amon Ereb (cf. Erebor, a Montanha Solitária), Erchamion, Eressëa, Ern.
ereg “espinho, azevinho”, em Eregion, Region.
esgal “véu, esconderijo”, em Esgalduin.
falas “costas, linha de arrebentação” (em queny a falasse), em Falas, Belfalas; também Anfalas,
em Gondor. Cf. Falathar, Falathrim. Outro derivado do radical foi o queny a falma, “onda (encapelada)”, do qual derivaram Falmari, Mar-nu-Falmar.
faroth é derivado de um radical com o significado de “caçada, perseguição”; na Balada de Leithian, os Taur-en-Faroth acima de Nargoth- rond são chamados de “Colinas dos Caçadores”.
faug- “de boca muito aberta”, em Anfauglir, Anfauglith, Dor-nu-Fauglith.
fëa “espírito”, em Fëanor, Fëanturi.
fin- “cabelo”, em Finduilas, Fingon, Finrod, Glorfindel.
formen “norte” (queny a), em Formenos-, sindarin forn (também for, forod) em Fomost.
fuin “penumbra, escuridão” (queny a huinê), em Fuinur, Taur-nu-Fuin.
gaer “mar”, em Belegaer (e em Gaerys, nome de Ossé em sindarin). Diz-se que teria derivado do radical gaya “assombro, pavor”, e de ter sido o nome criado para o Grande Mar, enorme e aterrador, quando os eldar chegaram pela primeira vez às suas praias.
gaur “lobisomem” (de um radical ngwaiv — “uivo”), em Tol-in-Gaurhoth.
gil “estrela”, em Dagor-nuin-Giliath, Osgiliath (giliath “exército de estrelas”); Gil-Estel, Gil-galad.
girith “trêmulo”, em Nen Giritb, cf. também Girithron, nome do último mês do ano em sindarin (O Senhor dos Anéis, Apêndice D).
gîn “brilho” (especialmente dos olhos), em Maeglin.
golodh é a forma sindarin do queny a noldo-, veja gûl. Plural Golodhrim e Gelydh (em Annon-in-Gelydtí).
gond “pedra”, em Gondolin, Gondor, Gonnhirrim, Argonath, seregon. O nome da cidade oculta do Rei Turgon foi criado por ele em quenya como Ondolindê (quenya ondo = sindarin gond-, e linde “canto, canção”); mas ela sempre foi conhecida nas lendas na forma sindarin Gondolin, que provavelmente foi interpretada como gond-dolen “Rocha Oculta”.
gor “horror, pavor”, em Gorthaur, Gorthol; goroth, de fnesmo significado, repetindo o gor, em Gorgoroth, Ered Gorgoroth.
groth (grod) “escavação, morada subterrânea”, em Menegroth, Nogrod (provavelmente também em Nimrodel, “senhora da caverna branca”). Nogrod era originalmente Novrod “escavação oca” (daí a tradução Morada Oca), mas foi alterada sob a influência de naug “anão”.
gûl “bruxaria”, em Dol Guldur, Minas Morgul. Essa palavra foi derivada do mesmo radical antigo ngol-, que aparece em Noldor, cf. queny a nólë, “longo estudo, tradição, conhecimento”. No entanto, a palavra sindarin teve seu sentido obscurecido por seu
frequente uso no composto morgul “magia negra”.
gurth “morte”, em Gurthang (veja também Melkor no Glossário).
giwaith “povo”, em Gwaith-i-Mírdain, cf. Enedwaith “Povo-do-meio”, nome da terra entre o Rio
Cinzento e o Isen.
gwath, wath “sombra”, em Deldúwath, Ephel Dúath; também em Gwathló, o Rio Cinzento em
Eriador. Formas afins em Ered Wethrin, Thuringwethil. (Esta palavra sindarin refere-se à luz
fraca, não às sombras de objetos projetadas pela luz: estas eram chamadas mor-chaint, “formas escuras”.)
hadhod em Hadhodrond (tradução de Khazad-duni) era uma transposição de Khazâd para os sons do idioma sindarin.
haudh “monte”, em Haudh-en-Arwen, Haudh-en-Elleth, etc.
heru “senhor”, em Herumor, Herunúmen; sindarin hîr, em Gonnhirrim, Robirrim, Barahir, híril,
“senhora”, em Hírilorn.
him “frio”, em Himlad(e Himring?).
híni “filhos”, em Eruhíni “Filhos de Eru”; Narti i Htn Húrin.
hîth “névoa”, em Hithaegtír, Hithlum (também em Nen Hithoel, um lago no Anduin). Hithlum é
sindarin na forma, adaptada do nome em queny a Hísilómë, dado pelos exilados noldorin
(queny a hísiê, “névoa”, cf. Hísimê, nome do décimo primeiro mês do ano, O Senhor dos Anéis,
Apêndice D).
hoth “hoste, horda” (quase sempre em sentido pejorativo), em Tol-in-Gaurhoth ; também em
Loss(h)oth, os homens da neve de Forochel (O Senhor dos Anéis, Apêndice A (I, iii)) e
Glamhoth “horda barulhenta”, um nome dos orcs.
hyamien “sul” (queny a), em Hyarmentir, sindarin, har-, harn, harad.
“vazio, abismo”, em Moria. iant
“ponte”, em Iant Iaur. iâth “cerca”,
em Doriath.
iaur “velho”, em lant-Iaur, cf. o nome élfico de Bombadil, Iarwain.
ilm- Esse radical aparece em Ilmen, Ilmarë e também em Ilmarin (“palácio dos ares elevados”,
morada de Manwê e Varda no Oiolossë).
ilúwë “o todo, o tudo”, em Ilúvatar.
kal- (gal-) Esse radical, que significa “brilho”, aparece em Calacirya, Calaqiiendi, Tar-calion;
galvom, Gil-galad, Galadriel. Os dois últimos nomes não têm nenhuma relação com o termo sindarin galadh “árvore”, embora no caso de Galadriel essa associação fosse feita com frequência, e o nome tenha sido alterado para Galadhriel. Na fala do alto-élfico, seu nome era Al(a)tãriel, derivado de alata “radiância” (sindarin galad) e riel “donzela com grinalda” (de um radical rig- “trançar, formar coroas”): o sentido pleno “donzela coroada com uma grinalda radiante” era uma referência ao seu cabelo. Calen (galen) “verde” é etimologicamente “brilhante” e deriva desse radical; veja também aglar.
káno “comandante”: esse termo queny a é a origem do segundo elemento em Fingon e Turgon.
kel- “ir embora” (água), “escorrer, correr para baixo”, em Celon; de et— kelc, “fonte de água, nascente”, derivam, com transposição das consoantes, o queny a ehtelë, o sindarin eithel.
kemen “terra”, em Kementári; palavra em queny a que se refere à terra como um piso plano sob menel, os céus.
khelek- “gelo”, em Helcar; Helcaraxë(quenya helka “gelado, frio como o gelo”). Porém em Helevorn, o primeiro elemento é o sindarin heledh “vidro”, extraído do khuzdul kbeled (cf. Kheled-zâram “Lago-espelho”); Helevom significa “vidro negro” (cf. galvorn).
khil- “seguir”, em Hildor, Hildórien, Eluchíl.
kir- “cortar, fender”, em Calacirya, Cirth, Angertbas, Cirith (Ninniach, Thoronath). A partir do sentido de “atravessar com velocidade” derivou-se o termo queny a cítya, “nau de proa afilada”, e esse significado também aparece em Círdan, Tar-Ciryatan e, sem dúvida, no nome do filho de Isildur, Ciryoii.
lad “planície, vale”, em Dagorlad, Himlad; imlad, um vale estreito com encostas íngremes, em Imladris (cf. também Imlad Morgul, na Ephel Dúath).
laurë “dourado” (mas de luz e cor, não do metal), em Laurelin• formas sindarin em Glóredhel, Glorfindel, Loeg Ningloron, Lórindol, Rathlôriel.
Ihach “chama que salta”, em Dagor Bragollach; e provavelmente em Anglachel (a espada feita por Eõl com ferro de um meteoro).
lin (1) “lagoa, alagado”, em LinaewenCque contém aeiv [queny a aiwê]
“pequeno pássaro”), Teiglin; cf. aelin.
lin- (2) Esse radical, que tem o significado de “cantar, emitir um som musical”, ocorre em Ainulindalë, Laurelin, Lindar, Lindon, Ered Lindon, lómelindi.
lith “cinza”, em Anfauglith, Dor-nu-Fauglith-, também em Ered Lithui, as Montanhas de Cinza, que compõem a fronteira setentrional de Mordor; e Lithlad “Planície de Cinzas” aos pés das Ered Lithui. lok— “curva, volta”, em Urulóki (queny a [b]lókë “cobra, serpente”; sin— darin Ihûg).
lóm “eco”, em Dor-lõmin, Ered Lómin, formas afins são Lammoth, Lanthir, Lamath.
lómë “crepúsculo”, em Lómion, lómelindv, veja dú.
londë “porto abrigado pela terra”, em Alqualondë, a forma sindarin lond (lonn), em Mithlond.
los”neve”, em Oiolossë (queny a ozo “sempre” e tosse “neve, branco como a neve”); sindarin toss, em Amon Uilos e Aeglos.
loth “flor”, em Lothlórien, Nimloth; queny a lótê, em Ninquelótë, Vin— gilótë.
luin “azul”, em Ered Luin, Helluin, Luinil, Mindolluin.
maeg “agudo, penetrante” (queny a maikà), em Maeglin.
mal- “ouro”, em Malduin, Malinalda; também em mallorn e no Campo de Cormallen, que significa “círculo dourado” e recebeu esse nome das árvores cidumalda que lá cresciam (veja cm/-).
man- “bom, abençoado, imaculado”, em Aman, Manwê-, derivados de Aman, em Amandil, Araman, Úmanyar.
mel- “amor”, em Melian (de Melyanna “presente amado”); esse radical é também encontrado na palavra sindarin mellon “amigo”, na inscrição no Portão Oeste de Moria.
men “caminho”, em Númen, Hyarmen, Rómen, Formen.
menel “os céus”, em Meneldil, Menelmacar, Meneltarma.
mereth “festa”, em Mereth Aderthad; também em Merethrond, o Salão de Festas em Minas Tirith.
minas “torre”, em Annúminas, Minas Anor, Minas Tirith etc. O mesmo radical ocorre em outras palavras que se referem a pontos isolados, proeminentes, como por exemplo, Mindolluin, Mindon; a esse radical está provavelmente  relacionado o queny a minya “primeiro” (cf. Tar-Minyatur, o nome de Elros como primeiro Rei de Númenor).
mír”joia” (queny a mirë), em Elemmírë, Gwaith-i-Mírdain, Míriel, Nau-glamír, Tar-Atanamir.
mith “cinza”, em Mithlond, Mithrandir, Mithrim-, também em Mitheithel, o Rio Fontegris em Eriador.
mor “escuro”, em Mordor, Morgoth, Moria, Moriquendi, Mormegil,Moriven, etc. moth “crepúsculo”, em Nan Elmoth.
nan(d) “vale”, em Nan Dungortheb, Nan Elmoth, Nan Tathren.
nár “fogo”, em Narsil, Narya-, também presente nas formas originais de Aegnor {Aikanáro, “Forte Chama” ou “Fogo Cruel”) e Fëanor (Fëanáro, “Espírito de Fogo”). A forma sindarin era naur, como em Sammath Naur, as Câmaras de Fogo em Orodruin. Derivado da mesma raiz antiga (a)nar era o nome do Sol, queny a Anar (também em Anáriori), sindarin Anor (cf. Minas Anor, Anórien).
naug “anão”, em Naugrim, veja também Nogrod no verbete groth. Aparentado com esse existe outro termo em sindarin para “anão”, nogoth, plural noegyth (Noegyth Nibin “anõespequenos”) e no— gothrim.
-(n)dil sufixo muito frequente em nomes de pessoas, Amandil, Eàrendil (abreviado para Eamil), Elendil, Mardil e outros; implica “devoção”, “amor desinteressado” (veja Mardil no verbete bas).
-(n) dur em nome como Eãrendur (forma abreviada Eárnur), tem sentido similar a -(n) dil. neldor “faia”, em Neldoreth-, mas parece que essa era a forma correta do nome Hírilorn, a grande faia de três troncos (neldê 'cúme', e orn).
nen 'água', em lagos, poças e rios menores, em Nen Girith, Nenning, Nenuial, Neny a; Cuiviénen, Vinen; também em muitos nomes em O Senhor dos Anéis, como Nen Hithoel, Bruinen, Guly m, Arnen, Núrnen. Nín, 'molhado', em Loeg Ningloron, também em Nindalf.
nim 'branco' (dos mais antigos nimf, nimp), em Nimbretbil, Nimloth, Nimphelos, niphredil (niphred, “palidez”), Barad Nimras, Ered Nimrais. A forma queny a era ninquê, assim Ninquelótè = Nimlotb. Cf. também Taniquetil.
orn “árvore”, em Celeborn, Hírilorn-, cf. Fangom “Barbárvore” e mallorn, plural mellyrn, as árvores de Lothlórien.
orod “montanha”, em Orodruin, Thangorodrim-, Orocarni, Oromet. Plural ered, em Ered Engrin, Ered Lindon e outros.
os(t) “fortaleza”, em Angrenost, Belegost, Formenos, Fornost, Mandos, Nargothrond (de Narogost-rond), Os(t)giliath, Ost-in-Edhil.
palan (queny a) “por toda parte”, em palantíri, Tar-Palantir.
pel- “dar a volta, circundar”, em Pelargir, Pelórie no Pelennor, o “território cercado” de Minas Tirith; também em Ephel Brandir, Ephel Dúath {ephel derivado de et-pel”cerca exterior”).
quen- (quet-) “dizer, falar”, em Quendi(Calaquendi, Laiquendi, Moriquendi), Quenya,Valaquenta, Quenta Silmarillion. As formas sindarin apresentam />(ou b) no lugar do qu; ex.: peão “falar”, na inscrição no Portão Oeste de Moria, correspondendo ao radical queny a quet-, e as palavras de Gandalf diante do portão, lasto beth lammen “escute as palavras de minha língua”, em que beth, “palavra”, corresponde ao queny a quetta.
ram “muralha” (queny a rambà), em Andram, Ramdal; também em Ranimas Echor; a muralha em torno dos Campos do Pelennor em Minas Tirith.
ran— “vagar, perambular”, em Rãna, a Lua, e em Mithrandir, Aerandir, também no rio Gilraen, em Gondor.
rant “curso” nos nomes de rios Adurant (com adu “duplo”) e Celebrant (“Veio de Prata”),
ras “chifre”, em Barad Nimras, também em Caradhras(“Chifre-vermelho”) e Methedras (“Último Pico”) nas Montanhas Nevoentas; plural rais, em Ered Nimrais.
rauko “demônio”, em Valaraukar; sindarin raug, rog, em Balrog.
ril “brilho”, em Idril, Silmaril; também em Andúril (a espada de Ara— gorn) e em mithril (prata de Moria). O nome de Idril na forma queny a era Itarillë (ou Itarilde), de um radical ita-, “cintilação”.
rim “grande número, hoste” (queny a rimbe) era usado comumente para formar coletivos, tais como Golodhrim, Mithrim (veja o Glossário), Naugrim, Thangorodrim e outros.
ring “frio, gelado”, em Ringil, Ringwil, Himring; também no Rio Ringló, em Gondor, e em Ringarë, nome queny a do último mês do ano. (O Senhor dos Anéis, Apêndice D).
ris “fenda” parece estar assimilado ao radical kris-, de significado semelhante (um derivado da raiz kir-, “fender, cortar”, q.v.); daí Angrist (também Orcrist “Cortadora-de-orcs”, a espada de Thorin Escudo-de-carvalho), Crissaegrim, Imladris.
roch “cavalo” (queny a rokko), em Rochallor, Rohan (de Rochand, “terra de cavalos”), Rohirrim, também em Roheryn, “cavalo da senhora” (cf. bem), cavalo de Aragorn, que era assim chamado por lhe ter sido dado por Arwen (O Retomo do Rei).
rom- Radical usado para designar o som de clarins e trompas, que aparece em Oromè e Valarótna; cf. Béma, o nome desse Vala no idioma de Rohan como traduzido para o anglo-saxão em O Senhor dos Anéis, Apêndice A: anglorsaxão berne “clarim”.
rómen “levante, nascer do Sol, leste” (queny a), em Rómenna. Os termos sindarin para “leste”,
rhun (em Talath Rhúnerí) e amrun, eram da mesma origem.
rond significava um teto em arco ou abóbada; ou um grande salão ou câmara assim coberto; logo Nargothrond (veja ost), Hadhodrond, Aglarond. Podia ser aplicado aos céus, daí o nome Elrond, “abóbada de estrelas”.
ros “espuma, respingos, borrifo”, em Celebros, Elros, Rauros; também em Cair Andros, uma ilha no rio Anduin.
ruin “chama vermelha” (queny a rímya), em Orodnàn. ruth “raiva”, em Aranrúth.
sarn “(pequena) pedra”, em Sarn Athrad ( Vau Sam, no Brandevin, é uma tradução parcial); também em Sam Gebir (“espigões de pedra”: ceber, plural cebir “estacas”), corredeiras no Rio Anduin. Um derivado é Serni, um rio em Gondor.
sereg “sangue” (queny a serké), em seregon.
sil- (e a variante thil-) “brilho (com luz branca ou prateada)”, em Belthil, Galathilion, Silpion; e em queny a Isil, sindarin Ithil, a Lua (termos dos quais derivaram Isildur; Narsil-, Minas Ithil, Ithilierí). Diz-se que o termo queny a Silmarílli derivou do nome silima que Féanor deu à substância da qual as pedras foram feitas.
sîr “rio”, da raiz sir-, “fluxo”, em Ossiriand (o primeiro elemento vem do radical do numeral “sete”, queny a otso, sindarin odo), Sirion; também em Sirannon (o “Riacho do Portão” de Moria) e Sirith (“uma correnteza”, como tirith “vigilante”, a partir de tir), um rio em Gondor. Com a transformação do s em h no meio das palavras, ele está presente em Minhiriath “entre os rios”, a região entre o Brandevin e o Cinzento; em Nanduhirion “vale de córregos escuros”, o Vale do Riacho Escuro (veja nan[d]e dú) e em Ethir Anduin, a saída ou delta do Anduin (derivado de et-sîr).
sûl “vento”, em Amon Sul, Súlimo; cf. Súlimë, nome queny a para o terceiro mês do ano (O Senhor dos Anéis, Apêndice D).
tal (dal) “pé”, em Celebrindal, e com o significado de “extremidade”, em Ramdal.
talath “terras planas, planície”, em Talath Dirnen, Talath Rhúnen.
tar- “alto” (queny a tára “elevado”), prefixo dos nomes queny a dos Reis numenorianos; também em Annatar. Feminino tãri “a que é enaltecida, Rainha”, em Elentãri, Kementári. Cf. tarma “coluna”, em Meneltanna.
tathar “salgueiro”; adjetivo tathren, em Nan-tathren, queny a tasarë, em Tasarinan, Nan-tasarion (veja Nan-tathren no Glossário).
taur “bosque, floresta” (queny a taure), em Tauron, Taur-im-Duinath, Taur-nu-Fuin.
tel- “encerrar, terminar, ser o último”, em Teleri.
thalion “forte, indómito”, em Ciithalion, Thalion.
thang “opressão”, em Thangorodrim, também em Durthang (um castelo em Mordor). O queny a sanga significava “turba, multidão”, daí Sangahyando “Rachador de multidões”, nome de um homem em Gondor (O Senhor dos Anéis, Apêndice A).
thar- “de través, através”, em Sam Athrad, Thargelion-, também em Tharbad (de thara-pata, “travessia”), onde a antiga estrada de Amor e Gondor atravessava o Rio Cinzento.
thaur “abominável, desprezível”, em Sauron(de Voaurori), Gorthaur.
thin(d) “cinza”, em Thingol-, queny a sinda, em Sindar, Singollo (Sindacollo: collo “capa”).
thôl “elmo”, em Dor Cúarthol, Gorthol.
thôn “pinheiro”, em Dorthonion.
thoron “águia”, em Thorondor(queny a Sorontaf), Cirith Thoronath. A forma queny a talvez esteja presente no nome da constelação Soronúmê.
til “ponta, chifre”, em Taniquetil, Tilion (“o provido de chifres”); também em Celebdil, “Pico de Prata”, uma das Montanhas de Moria.
tin- “cintilação” (queny a tinta “fazer cintilar”, tinwè “fagulha”), em Tintallê, também em tindómè “crepúsculo estrelado” (O Senhor dos Anéis, Apêndice D), donde derivou tindómerel, “filha do crepúsculo”, um nome poético para o rouxinol (sindarin Tinúviet). Aparece também em sindarin ithildin, “lua-estrela”, a substância com a qual foram feitos os desenhos no Portão Oeste de Moria.
tir “vigiar, observar”, em Minas Tirith, palantíri, Tar-Palanttr.; Tirion.
tol “ilha” (que se ergue com escarpas íngremes do mar ou de um rio), em Tol Eressëa, Tol Galen e outros.
tum “vale”, em Tumhalad, Tumladen; queny a tumbo (cf. o tumbale— morna “profundo vale negro” de Barbárvore, As Duas Torres). Cf. Utum.no, sindarin Udún (Gandalf em Moria chamou o balrog de “Chama de Udun”), nome usado mais tarde para o profundo vale em Moria entre Morannon e Boca Ferrada.
tur “poder, domínio”, em Turambar, Turgon, Túrin, Fêanturi, Tar— Minyatur.
uial “crepúsculo”, em Aelin-uial, Nenuial.
ur- “calor, ser quente”, em Urulóki; cf. Urimé e Urui, nomes em queny a e sindarin do oitavo mês do ano Associado à palavra queny a aurë, “luz do sol, dia” (cf. grito de Fingon antes da Nirnaeth Arnoediad), sindarin aur.;
Or- é o prefixo dos nomes dos dias da semana.
val- “poder”, em Valar, Valacirca, Valaquenta, Valaraukar, Val(i)mar, Valinor. O radical original era bal-, preservado no termo sindarin Balan plural Belain, os Valar, e em Balrog.
wen “donzela” é um sufixo frequente, como em Eáriven, Moriven.
wing “espuma, borrifo”, em Elwing, Wingelot (e somente nesses dois nomes).
yãvë “fruto” (queny a), em Yavanna; cf. Yavannië, nome em queny a do nono mês do ano

yávië “outono” 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!