12 de março de 2016

Capítulo 25

ESFREGUEI O PEITO QUE AINDA DOÍA enquanto esperava no carro. O avião delas tinha pousado havia quase uma hora, e achei melhor partir para nossa casa no estado de Washington assim que elas passassem pela alfândega e pegassem as malas. Seria melhor voltar antes que a Água percebesse que tínhamos viajado.
Não tinha certeza se queria saber se a viagem delas tinha sido um sucesso.
Em todo caso, a sensação era de uma pequena vitória. Tinha feito uma coisa sozinha e ninguém sabia. Essa privacidade fez com que me sentisse um indivíduo, menos serva e mais garota.
Ainda assim, soltei um gritinho dentro do carro quando vi Padma, Elizabeth e Miaka saírem do aeroporto. Estava muito feliz em tê-las de volta.
Quando Padma me viu, soltou a mala e correu pelo estacionamento; o cabelo preto arroxeado voava atrás dela. Nos unimos num abraço, fazendo o máximo de esforço para não rir.
— Obrigada — ela sussurrou no meu ouvido. — Obrigada por tudo.
— Venha. Vamos para o carro.
Me afastei e lancei um olhar por cima do ombro na direção de Miaka e Elizabeth, ambas contentes. Joguei as chaves na direção de Elizabeth, cansada de dirigir. Na verdade, um pouco cansada de tudo. Foram poucos dias, mas muito longos.
Uma vez seguras, fiz a única pergunta que importava:
— A Água suspeita de algo?
— Não — Miaka garantiu. — Fiquei na escuta, e Ela parecia nem desconfiar da nossa viagem. Só estava ansiosa para chegarmos a tempo. Você A ouviu hoje de manhã?
Assenti.
— Ela está faminta.
— Vamos ter que cantar de novo? — Padma perguntou, mordendo o lábio.
Eu sabia que ela estava lembrando da confusão do último canto.
— Não se preocupe — prometi, virando para ela para passar segurança. — Não vai ser como a última vez. Aquilo jamais vai acontecer de novo.
Elizabeth concordou, e Miaka estendeu o braço e segurou a mão de Padma.
— As coisas estão diferentes agora — ela disse. — Faremos o que precisarmos fazer.
Encostei no banco e fechei os olhos. Não via a hora de voltar para casa.
Estive perigosamente perto de Akinli, e a presença das minhas irmãs reforçaria minha decisão de me manter longe dele.
A lembrança da textura da barba por fazer na bochecha dele foi a última coisa em que pensei antes de cair no sono.


— Acorde, bela adormecida! — A voz de Miaka me arrancou da inconsciência.
Pisquei para me acostumar com a luz.
— Quê?
— Estamos em casa!
Elizabeth bateu a porta do carro. Levantei os olhos e vi nossa imaculada casa de praia.
— Dormi a viagem inteira?
Miaka sorriu para mim.
— Impressionante para alguém que nem precisa.
— Foram o quê? Uns dois dias?
Ela confirmou.
— Como eu disse, impressionante.
Apesar do sorriso, havia uma pequena ruga de preocupação no rosto dela. Dormir por tanto tempo era estranho, mesmo para mim.
Miaka saltou do carro para a neblina cinza da manhã. O sol era como uma massa gigante e perolada escondida atrás das nuvens, mas ainda brilhante o suficiente para incomodar meus olhos.
Tirei a mala do bagageiro e a levei para dentro. As outras retomaram a rotina instantaneamente, como se só tivéssemos parado para conversar. Miaka pegou as tintas à procura de tons amarelos e alaranjados. Não conseguia deixar de pensar no que ela teria visto enquanto estivera fora e como aquilo a inspiraria naquele dia.
— Muito bem — Elizabeth disse, puxando Padma para o sofá. — Vamos ver se encontramos algum desses filmes de Bollywood de que você falou. — Ela pegou o controle da TV e fez uma busca.
Concluí que a viagem delas tinha sido um sucesso. Padma não chorava mais e as outras pareciam calmas. Sorri para minha irmã mais nova. Como sempre parecia acontecer com as jovens sereias, a sensação era de que ela tinha sido minha irmã desde o começo. Esfreguei os olhos para tentar me livrar da sonolência.
Tinha sonhado com Akinli e isso me deixara mais feliz. Era a única forma de mantê-lo perto, e eu repassaria todos os meus momentos com ele, os reais e os imaginados, enquanto ainda pudesse.


— Vai ser um cruzeiro de novo? — Padma perguntou nervosa, esfregando as mãos.
— Não sabemos — respondi. — Meu único conselho é: evite olhar para o rosto das pessoas. Você vai ouvir gritos de qualquer jeito, mas olhe para qualquer outra coisa. A lua, a água, o vestido… Ajuda.
— E assim que acabarmos, voltamos e fazemos o que você quiser — Elizabeth disse enquanto acariciava o cabelo de Padma para acalmá-la.
— Não vamos embora dessa vez, vamos? — Miaka perguntou.
Fiz que não com a cabeça.
— Acho que não. Esta casa é tão isolada que ninguém nos incomoda. Talvez seja o lugar mais fácil onde já moramos.
Não sabia o que tinha acontecido na Índia, mas Padma parecia mais calma e confortável em nossa casa à beira-mar. Talvez tivesse finalmente compreendido a própria força, a nova vida. Ela ainda tinha muito tempo pela frente.
— Combinado.
— Então vai ser assim: fazemos o nosso trabalho e voltamos para cá — eu disse ao grupo. — Talvez a gente possa comemo… Bom, não comemorar, mas, sei lá, fazer algo especial.
— Temos vinho — Elizabeth lembrou.
— E mais filmes — Padma acrescentou.
Segurei a mão dela.
— Ótimo. Noite de filme então.
— Venha. Está próximo.
Padma lançou um olhar por cima do meu ombro em direção ao mar e engoliu em seco.
— Vamos — disse minha irmã mais nova.
Senti orgulho da coragem dela e torci para que continuasse assim a noite inteira. Padma segurou a mão de Elizabeth enquanto caminhava para a Água.
— Parece que roubaram sua melhor amiga — comentei com Miaka.
— Que nada. Ela ainda me ama. Assim como você, mesmo quando está distraída.
— Estou distraída?
Ela apertou os lábios e me encarou como quem tem certeza do que diz.
— Você passa a maior parte dos dias com a cabeça longe. Mas não te culpo. E não culpo Elizabeth por levar Padma debaixo da asa. São elas que vão passar mais tempo juntas.
Soltei um suspiro.
— Por pouco.
Miaka me cutucou.
— Vamos. Já está na hora.
Mergulhamos e tomamos a corrente que nos levaria direto ao navio. O sal pinicava quando grudava no meu corpo para fazer o vestido. Era uma rotina tão familiar que eu nem pensava nisso. Até passarmos por algum lugar no litoral sul americano.
Foi lá que me senti sufocar.
— Socorro! — implorei, ainda sendo puxada.
— Que foi?
Comecei a me debater na Água na tentativa de chegar até o ar.
— Não consigo respirar! Socorro!
Acho que Ela não me levou a sério. Afinal, como seria possível? Minha visão foi diminuindo até sumir, senti minha consciência escapar e meus pulmões pareciam esmagados.
Então Ela mudou a direção e me levou para cima. Emergi resfolegando, deitada sobre Ela, cuspindo água e puxando o ar.
— Por que você fez isso? — Ela quis saber. — Como?
— Não sei como. Não sei o que aconteceu.
— O que houve?
— Precisei de oxigênio — respondi enquanto endireitava o corpo. Minhas pernas ainda descansavam sobre a Água, e minha cabeça estava caída de exaustão. — Senti que meus pulmões não aguentavam mais.
— Não é possível.
— Mas foi o que aconteceu! Nunca tinha sentido nada assim.
— Devo chamar as outras?
— Não — respondi. — Me deixe respirar um pouco. Depois eu alcanço as três.
Pude notar a paciência dEla se esvair enquanto eu tentava recuperar o fôlego, mas não havia o que fazer. Mesmo quando voltei a me sentir normal, meu coração acelerava ao pensar que teria que voltar para debaixo da Água. Mas eu tinha consciência de qual era o meu trabalho – e de tudo que dependia dele – então mergulhei esperando alcançar as outras antes de começarem a se preocupar.
— Onde você estava? — Elizabeth perguntou.
— Difícil explicar. — Me sentia tonta e enjoada. Não queria que elas soubessem o que tinha acontecido.
— Fiquei com medo de você ter desobedecido. — Miaka falou ao me abraçar.
— Não. Como vocês mesmas já disseram, esse não é meu forte.
— O que aconteceu então?
Como explicaria a ela e às outras que não tinha sido capaz de fazer algo que todas deveríamos conseguir?
— Depois. Por enquanto, vamos nos preparar.
Nadei desviando das rochas pontiagudas, consciente do que estava à espera bem debaixo de nós. Mas duvidava que o navio ao longe soubesse.
Me estiquei na Água, me sentindo péssima por ter perdido o fôlego.
Miaka ajoelhou atrás de mim, e Elizabeth abraçou Padma, que murmurava para si mesma:
— Não olhar para os rostos, não olhar para os rostos, não olhar para os rostos…
A canção preencheu o céu vazio conforme nossas vozes se erguiam na noite.
Olhei para a bela luz das estrelas enquanto o navio colidia com as rochas a bombordo e tombava por causa da velocidade.
— Linda garota! — um homem gritou com a voz alegre enquanto nadava em nossa direção. Não o vi, mas a voz foi engrossando em gargarejos conforme a água entrava pela boca dele. — Lin-da — ele entoou algumas vezes, então se calou.
Esperei o silêncio, a certeza de que tínhamos atingido cada alma, mas antes de as vozes dos passageiros sumirem, a minha falhou.
Tossi algumas vezes na tentativa de forçar a garganta, mas foi em vão. Movi os lábios com a canção, já que conhecia cada nota tão bem quanto as batidas do meu coração, mas só saía silêncio. Miaka me agarrou pelo braço, Elizabeth e Padma me lançaram olhares consternados, mas todas continuaram a cantar.
O naufrágio terminou e reconheci envergonhada a facilidade com que esqueci os rostos se afogando ao meu redor. Estava preocupada demais comigo mesma para pensar nos outros. Olhei para Padma, que soluçava nos ombros de Elizabeth.
— Já acabou. Vai ficar mais fácil com o tempo.
— Os gritos são terríveis! — ela chorava.
O olhar de Elizabeth cruzou com o meu antes de ela aproximar os lábios do ouvido de Padma.
— Não foi pior do que o que você fez com seu pai.
— Mas ele merecia! — Padma berrou.
A Água se agitou sob nós e nos puxou com tudo para baixo da superfície.
— O QUÊ? — Ela rugiu.
Padma se agarrou em Elizabeth e eu tremi. Todo aquele trabalho para nada.
— Eu tinha dito não. Por que fizeram isso? — A voz saiu carregada com toda a fúria e força mortal dEla.
— Porque você estava errada! — A acusação de Elizabeth estourou dentro da nossa cabeça. — Entrei na casa de Padma. Vi como o pai dela era cruel, mas agora essa lembrança já era. Nós a destruímos. Nenhuma de nós podia permitir que ela vivesse no mesmo mundo que seus agressores. Agora eles se foram, ninguém desconfia, e você ainda nos tem ao dispor.
— Kahlen, você sabia? — Ela pareceu magoada diante da possibilidade da minha traição.
Olhei para cada uma das minhas irmãs, me perguntando o que aconteceria comigo.
— Sim. Não fui com elas, mas ajudei.
— Era para você não deixar isso acontecer!
— Eu não conseguia viver com a tristeza de Padma. Ela voltou muito melhor. Agora a segunda vida dela é pra valer. Ela venceu os próprios demônios e é inteiramente sua.
Senti o calor da raiva dEla nos envolver. Suas ondas batiam contra nosso corpo.
— O que vou fazer com vocês?
— Vai nos condenar a mais tempo? — Elizabeth caçoou. — Que inteligente seria! Manter quatro rebeldes presas ao seu lado. Ou melhor aindamate todas nós! Quem serviria a você?
— Não, não poderia acabar com todas vocês — a Água concordou com um tom frio e mortal na voz. Ela arrancou Padma dos braços de Elizabeth, apertando-a. Padma gritou, tentou mover os braços, mas estava completamente imobilizada.
— Não! — supliquei.
— Pare! — Elizabeth insistiu.
Miaka estava em choque. Seus pensamentos saíam como sons distorcidos em vez de palavras.
— Prestem atençãonão posso acabar com todas de uma vez, mas sinto a devoção que têm por ela. Quebrem minhas regras de novo e ela vai pagar o preço.
Elizabeth contorceu o rosto de raiva à espera de que Padma fosse devolvida.
— Alguém mais tem algo a confessar?
Quis ocultar Akinli com outros pensamentos, preocupada de acabar revelando alguma coisa errada. Afastei a lembrança da minha última viagem a Port Clyde, enterrando-a sob lembranças mais antigas dele.
— Sinto saudade dele — pensei, na esperança de que isso mascarasse meus outros pecados.
— Eu sei. — Ela ainda estava com raiva, mas começava a se acalmar.
Baixei a cabeça, desejando que eu fosse melhor. Eu era considerada a boazinha, então não deveria ser assim?
— Muito bem. — Ela lançou Padma de volta para Elizabeth, que a envolveu nos braços. Miaka correu para o lado delas. — Voltem agora. Sem desvios.
As outras partiram, mas eu permaneci.
— Como você pôde? Você me desobedeceu de novo! — Dava para perceber a decepção na voz dEla.
— Sentia a dor dela. Era impossível viver daquele jeito. Você sempre disse que nos devolvia às nossas vidas. Ela nunca conseguiria aproveitar isso enquanto soubesse que os pais estavam por aí, felizes e bem, sem pagar pelo que fizeram.
— Sempre há pessoas cruéis, e nem todas recebem o que merecem.
— Sim, mas tínhamos a oportunidade de castigar duas pessoas que não seriam castigadas. Por favor, não fique brava. Ela não precisa do ódio de outra mãe.
Senti a Água suspirar impaciente.
— Por que você não cantou?
— Eu cantei! Até não conseguir mais. Não faço ideia do que aconteceu.
— Isso não é normal. — Ela soava mais irritada do que preocupada. — Você tem que conseguir cantar e nadar. É para isso que foi criada.
— Será que estou velha demais? Sei que ainda não completei um século, mas é possível que esteja perdendo a força?
— Não — Ela respondeu seca. — É mais provável que esteja me desobedecendo.
— Por que eu faria isso?
— Pelo mesmo motivo que levou você a ajudar Padma. Está com raiva de mim.
Balancei a cabeça.
— Sinto saudade de Akinli. Todo dia, mesmo quando tento não sentir. Mas você me deu sua palavra de que iria protegê-lo, e aceitei meu destino. A esta altura, você deveria saber que nunca ignoro suas ordens por interesse próprio.
Ela refletiu por um instante. A vez que não cantei, a tentativa de tirar Akinli do mar, a viagem de Padma até os pais… Nada disso tinha sido só por mim.
— É verdade.
— Posso me juntar às minhas irmãs? Com certeza Padma está se sentindo uma peça de um jogo agora, e quero que ela saiba que é amada.
— Sim — Ela disse, mais calma. — Diga que ela é amada. Não apenas por você, mas por mim também.
Balancei a cabeça.
— Posso dizer o que quiser a Padma, mas você deveria provar seu amor pessoalmente. Em breve.
Segui minhas irmãs, exausta pela noite e grata por Ela ter me empurrado durante a maior parte do trajeto.
Em casa, encontrei as três no sofá. Elizabeth e Miaka abraçavam Padma entre carinhos e sussurros para tentar acalmar o choro.
— Ela não vai te matar — Elizabeth garantiu.
— Então por que disse aquilo? Deve existir algum fundo de verdade nas palavras — Padma replicou, tremendo de medo.
— Ela me pediu para dizer que te ama — eu disse baixo, com a sensação de ser mais espectadora do que participante da cena.
Padma balançou a cabeça. O rosto se contorcia de dor.
— Sei que não parece. Às vezes o amor dEla é uma tortura. Mas é real. Às vezes sinto até demais a atenção que Ela nos dá, mas a Água não faz ideia de como erra feio quando tenta demonstrar Seu amor.
Esfreguei as têmporas, tentando processar toda a estranheza daquele dia.
— Kahlen tem razão — Miaka disse, balançando a cabeça. — É inevitável. Mas Ela demonstra tão mal que às vezes parece ódio.
— Vocês estão tentando justificar o que Ela fez hoje? — Elizabeth perguntou, nervosa.
Miaka levantou.
— Não. Só estou tentando entender como Ela pode nos tirar tanta coisa e ainda achar que está sendo carinhosa.
— Não é como se Ela tivesse um semelhante com que praticar — comentei enquanto cutucava o sal do vestido. Quase senti pena dEla.
— Não quero voltar para a Água — Padma disse preocupada. — Não quero que Ela me machuque.
Elizabeth continuou a abraçá-la.
— Ela não vai. Porque vamos ser tão perfeitas daqui para a frente que Ela jamais terá motivo. Prometo.

18 comentários:

  1. Eu acho que a Kahlen esta voltando a ser humana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Laura do Bom Senso 42 #Zueira18 de março de 2016 13:17

      Faz tempo já que dava pra perceber

      Excluir
  2. Desde a coceira na perna, pra mim pelo meno
    Alguém percebeu antes?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tá na cara que ela criou um vínculo com o Akinli, e pode ser que ele, como no sonho dela,possa ter adquirido umas a biliares depois que se beijaram. Só acho, me perdoem se eu estiver errada.

      Excluir
  3. A Kahlen ta voltando a ser humana gente q felicidade

    ResponderExcluir
  4. Eu percebi no momento em que ela salvou ele. Ela disse q sentiu cansaço

    ResponderExcluir
  5. Agora e certeza A Kahlen ta voltando mesmo a ser humana...

    ResponderExcluir
  6. Mano,essa Padma eh muito mimada.
    MEU DEUS

    Rupp

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho q ela é tudo menos mimada tem certeza q voce ta prestando atençao no livro ?

      Excluir
    2. Desculpe, mas ela não tem nada de mimada, se vc estivesse passando por metade do que ela passa nao aguentaria.

      Excluir
  7. Ela ja mal consegue respirar debaixo de agua

    ResponderExcluir
  8. Acho que o amor fazem elas se tornarem humanas, por isso a Agua nao aceita esposas ou maes, porque elas amam, e é amor verdadeiro, deve ser por isso que nao deixa suas sereias amarem, porque senao pode perde-las.

    ResponderExcluir
  9. Eu acho q ela tá voltando a ser humana! Estou ansiosa para saber o final💙

    ResponderExcluir
  10. Acho que está voltando a ser humana e o bê estava com o Ankili no hospital e não com a esposa ela volta a ser humana e ele ou vai esta morto ou perto de morrer.

    ResponderExcluir
  11. Acho que des que ele ouviu a canção e sobreviveu adquiriu uns dos dons da agua.

    ResponderExcluir
  12. Eu li comentarios de que o final não é ,muito bom.. mas a esperança é a ultima que morre ne...

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)