12 de março de 2016

Capítulo 2

OITENTA ANOS DEPOIS

— POR QUÊ? — ela perguntou com o rosto inchado do afogamento.
Estendi as mãos num alerta para que ela não se aproximasse mais, numa tentativa de dizer sem palavras que eu era fatal. Mas estava claro que ela não tinha medo de mim. Ela buscava vingança. E ia conseguir de qualquer maneira.
— Por quê? — ela quis saber de novo. As algas-marinhas enroscadas na perna dela faziam um som monótono e molhado ao serem arrastadas pelo chão.
As palavras saíram da minha boca antes que eu pudesse segurar:
— Precisei.
Ela nem se abalou com a minha voz, apenas continuou avançando. Era isso. Eu finalmente pagaria pelo que fizera.
— Eu tinha três filhos.
Me afastei, à procura de uma escapatória.
— Eu não sabia! Juro que não sabia de nada!
Por fim, ela parou, a apenas alguns centímetros de mim. Fiquei à espera de que me batesse ou enforcasse, que encontrasse um jeito de vingar a vida que lhe tinha sido tirada tão cedo. Mas ela só ficou ali, com a cabeça inclinada para o lado enquanto me contemplava, os olhos esbugalhados e a pele azulada.
Então ela atacou.
Acordei sem fôlego, agitando o braço contra o vazio diante de mim até entender.
Um sonho. Não passava de um sonho. Levei a mão ao peito, na esperança de acalmar meu coração. Em vez de pele, meus dedos tocaram a capa da minha caderneta. Peguei-a e examinei as páginas montadas com cuidado, repletas de recortes de notícias. Ninguém mandou trabalhar nela antes de dormir.
Eu tinha acabado de terminar a página sobre Kerry Straus quando caí no sono. Ela era uma das últimas pessoas do nosso naufrágio mais recente que eu havia encontrado. Faltavam mais duas, e então eu teria informações sobre cada uma daquelas almas perdidas. O Arcatia talvez fosse meu primeiro navio completo.
Ao observar a página de Kerry, reparei bem nos olhos brilhantes da foto que estava no site em sua memória. O site era feio, sem dúvida criado pelo viúvo entre a rotina sem fim do trabalho e as tentativas de servir algo mais criativo do que macarrão aos seus três filhos órfãos de mãe. Kerry tinha um olhar promissor, um ar de expectativa brilhando ao redor dela.
Eu tirei isso dela. Roubei e dei para a Água se alimentar.
— Pelo menos você teve alguém — eu disse à foto dela. — Pelo menos havia alguém para chorar por você quando você se foi.
Eu queria ser capaz de explicar como a interrupção de uma vida plena era melhor do que o prolongamento de uma vida vazia. Fechei a caderneta e a botei no baú junto com as outras, uma para cada naufrágio. Havia apenas algumas pessoas capazes de entender o que eu sentia, e mesmo assim eu não tinha certeza se entendiam.
Com um suspiro pesado, me dirigi para a sala de estar, onde as vozes de Elizabeth e Miaka soavam mais altas do que me deixava confortável.
— Kahlen! — Elizabeth cumprimentou. Tentei manter a discrição enquanto conferia se todas as janelas estavam fechadas. Elas sabiam como era importante que ninguém nos ouvisse, mas nunca eram tão cautelosas quanto eu desejava. — Miaka acabou de ter outra ideia para o futuro dela.
Mudei o foco para Miaka. Pequena, de pele escura e sempre de bom humor, ela me ganhou nos primeiros minutos em que a conheci.
— Conte, por favor — pedi ao sentar na cadeira do canto.
Miaka me abriu um sorriso largo.
— Eu estava pensando em comprar uma galeria.
— Sério? — perguntei, com as sobrancelhas arqueadas de surpresa. — Então você vai passar da criação para os negócios?
— Acho que você jamais vai conseguir parar de pintar — Elizabeth disse, pensativa.
— É talentosa demais — concordei, assentindo com a cabeça.
Havia anos que Miaka vendia sua arte pela internet. Agora mesmo, no meio da conversa, estava mexendo no celular, e tive certeza de que outra grande venda estava por vir. O fato de uma de nós ter um celular era quase ridículo – como se tivéssemos para quem ligar – mas ela gostava de estar conectada ao mundo.
— Ser responsável por alguma coisa parece divertido, sabe?
— Eu sei — falei. — Ser proprietária de um negócio deve ser fascinante.
— Exatamente! — Miaka digitava e falava ao mesmo tempo. — Responsabilidade, individualidade. Não tenho nada disso agora, então talvez possa compensar mais tarde.
Eu estava prestes a dizer que tínhamos bastante responsabilidade, mas Elizabeth falou primeiro.
— Eu também tive uma ideia nova — ela cantarolou.
— Conta pra gente — Miaka pediu, para em seguida botar o celular de lado e sentar no colo de Elizabeth como se fosse uma cachorrinha.
— Cheguei à conclusão de que gosto mesmo de cantar. Acho que gostaria de continuar cantando, mas de um jeito diferente.
— Você seria uma vocalista fantástica numa banda!
Elizabeth se endireitou no assento, o que quase fez Miaka cair no chão.
— Era exatamente isso que eu tinha pensado!
Eu as observava, maravilhada ao perceber que três pessoas tão diferentes – nascidas em tempos e lugares e culturas distintas – fossem capazes de combinar tão bem. Até mesmo Aisling se encaixou como uma peça de quebra-cabeça quando decidiu deixar sua solidão autoimposta para ficar com a gente por um tempo.
— E você, Kahlen?
— Hein?
Miaka se endireitou.
— Algum sonho novo?
Já havíamos jogado esse jogo centenas de vezes para nos manter animadas. Eu tive dezenas de ideias ao longo dos anos. Já tinha pensado em ser médica, para compensar todas as vidas que tirei. Dançarina, para poder controlar meu corpo de todas as maneiras. Escritora, para descobrir uma maneira de usar minha voz quer eu falasse ou não. Astronauta, caso precisasse botar mais espaço entre a Água e mim. Já tinha praticamente esgotado todas as possibilidades. Mas lá no fundo sabia que só havia uma coisa que eu queria de verdade, dolorosa demais para pensar agora.
Olhei para o grande livro de história que estava sobre minha cadeira favorita – o livro que eu tinha intenção de levar comigo para o quarto na noite anterior – tomando cuidado para que a revista de noivas ainda estivesse escondida dos olhos das outras.
Sorri e dei de ombros.
— Os mesmos de sempre, os mesmos de sempre.


Engoli em seco ao botar os pés no campus. Por mais que eu quisesse uma vida comum e agradável como a de todo mundo, nunca me permitia ficar confortável. Humanos – e a constante necessidade de ficar em silêncio para protegê-los – me deixavam nervosa. Mas mesmo agora eu ouvia a voz de Elizabeth na cabeça: “Não precisa ficar dentro de casa o tempo todo. Não vou viver assim”, ela tinha prometido talvez duas semanas depois de começar sua nova vida conosco. E ela foi fiel à palavra. Não só saía, mas fazia questão de que o resto de nós também tivesse uma vida normal sempre que possível. Me aventurar fora de casa era metade um agrado a ela, metade a mim mesma.
Nossa casa atual era bem perto de uma universidade, o que era perfeito para mim. Isso significava um monte de gente andando de um lado para o outro no gramado e se reunindo em mesas de piquenique. Eu não sentia necessidade de ir a shows ou baladas ou festas, como Elizabeth e Miaka. Me contentava simplesmente em estar entre humanos, observá-los. Se me sentasse debaixo de uma árvore com um livro, era capaz de fingir ser um deles por horas.
Fiquei observando as pessoas passarem, encantada por estar num lugar tão amistoso que algumas pessoas acenavam para mim sem qualquer motivo. Se eu pudesse dizer oi para elas – apenas uma palavrinha minúscula e inofensiva – a ilusão teria sido perfeita.
— ... se ela não quiser. Tipo, por que ela não diz alguma coisa pelo menos? — uma garota perguntou ao grupo de amigos ao seu redor. Imaginei-a como uma abelha-rainha, enquanto os demais eram as pobres operárias.
— Você tem toda a razão. Ela devia ter falado pra você que não queria ir, não pra todo mundo.
A rainha jogou o cabelo de lado.
— Bom, pra mim já chega. Não vou ficar com esses joguinhos.
Olhei bem para ela, certa de que a garota jogava um jogo completamente diferente, que sem dúvida ganharia.
— Estou te dizendo, cara, podemos projetar isso — um rapaz de cabelo curto afirmava, acenando para o amigo.
— Não sei — respondeu o outro, um garoto um pouco acima do peso que coçava o pescoço enquanto caminhava rápido. Talvez tentasse deixar o amigo para trás, mas seu interlocutor tinha pés tão ligeiros e tanta motivação que poderia acompanhar um foguete.
— Só um pequeno investimento, cara. Podemos estourar. Em dez anos, as pessoas vão estar falando dos dois nerds da Flórida que mudaram o mundo!
Segurei um sorriso.
Quando a multidão se dispersou à tarde, fui para a biblioteca. Desde que nos mudamos para Miami, eu passava lá uma ou duas vezes por semana. Não gostava de fazer minhas pesquisas para a caderneta em casa. Já tinha cometido esse erro antes, e Elizabeth me criticara sem piedade pela atitude mórbida.
— Por que você não vai logo procurar os cadáveres? — ela tinha dito. — Ou pede para a Água te contar quais foram seus últimos pensamentos. Você quer saber isso também?
Eu compreendia a repulsa dela. Ela via minhas cadernetas como uma obsessão insana pelas pessoas que tínhamos assassinado. O que eu queria era que ela compreendesse como aquelas pessoas me assombravam, como seus gritos permaneciam comigo muito tempo depois de os navios afundarem. Saber que Melinda Bernard tinha uma vasta coleção de bonecas ou que Jordan Cammers estava no primeiro ano de medicina aliviava minha dor. Era como se saber mais sobre a vida do que sobre a morte deles tornasse as coisas melhores de alguma forma.
Minha meta hoje era Warner Thomas, o penúltimo da lista de passageiros do Arcatia. Warner se revelou uma pesquisa relativamente fácil. Havia milhares de pessoas com o mesmo nome, mas assim que descobri todos os perfis de redes sociais que pararam de postar de repente seis meses antes, tive certeza de que era ele. Warner era um sujeito alto e magro como um poste, e parecia tímido demais para falar com os outros pessoalmente. Aparecia como solteiro em toda parte, e me senti mal por pensar que isso fazia todo o sentido.
A última postagem no blog dele era de partir o coração:

Desculpem pelo texto curto, mas estou atualizando do celular. Vejam esse pôr do sol!

Logo abaixo, o sol se desfazia sobre as costas da Água.

Há tanta beleza no mundo! Não consigo deixar de pensar que coisas boas estão por vir!

Quase ri. A expressão dele em todas as fotos que encontrei me fazia pensar que ele nunca tinha exclamado nada na vida. Mas não pude afastar o pensamento de que alguma coisa tinha acontecido logo antes daquela viagem fatídica. Será que ele tinha motivos para achar que o rumo de sua vida estava mudando? Ou seria apenas mais uma das mentiras que contamos na segurança do quarto quando ninguém pode enxergar a falsidade das palavras?
Imprimi a melhor foto dele, uma piada que ele tinha postado, e algumas informações sobre seus irmãos. Não gostava de andar com as cadernetas por aí, então guardei a papelada com cuidado na bolsa para levar para casa.
Desculpe, Warner. Juro que não foi por mim que você morreu.
Com isso resolvido, consegui focar em algo mais divertido. Eu tinha aprendido ao longo dos anos a compensar cada página devastadora da minha caderneta com alguma coisa feliz. Na noite anterior, tinha olhado uns vestidos antes de colar as últimas fotos de Kerry. Naquele dia, seriam bolos. Descobri a seção de culinária e carreguei uma pilha de livros até um espaço vazio no terceiro andar. Me debrucei sobre receitas, coberturas, arranjos de bolo. Preparei bolos imaginários, um de cada vez, desfrutando do mais consistente dos meus devaneios. O primeiro, um clássico com recheio de baunilha com cobertura azul-clara e enfeites de flores brancas. Três andares. Muito lindo. O seguinte tinha cinco andares; era quadrado, com uma fita preta e broches alinhados verticalmente na frente. Mais apropriado para um casamento à noite.
Talvez esse fosse meu próximo grande sonho. Talvez eu pudesse virar confeiteira e tornar o dia dos outros especial caso nunca tivesse meu dia.
— Você vai dar uma festa?
Levantei os olhos e deparei com um garoto meio desleixado, loiro, que empurrava um carrinho cheio de livros. Ele usava um crachá meio gasto que eu não conseguia ler e vestia o uniforme de todo aluno de faculdade: calça cáqui e uma camisa com as mangas arregaçadas até os cotovelos. Ninguém mais inovava.
Contive o suspiro. Essa parte da sentença era inevitável. Atraíamos as pessoas naturalmente, e os homens eram particularmente vulneráveis.
Baixei a cabeça de novo sem responder, na esperança de que ele entendesse o recado. Eu não tinha sentado nos fundos do último andar para socializar.
— Você parece estressada. Uma festa cairia bem.
Não consegui segurar um sorrisinho. Ele não fazia ideia. Infelizmente, ele tomou o sorriso como um convite para prosseguir.
Ele passou a mão no cabelo, o equivalente moderno para o “Bom dia, senhorita” e apontou para os livros.
— Minha mãe diz que o segredo para preparar bolos é usar uma travessa aquecida. Não que eu saiba. Mal consigo preparar uma tigela de cereal.
O sorriso sem graça dele sugeria que aquilo era bem provável, e fiquei levemente encantada quando ele enfiou a mão no bolso, envergonhado.
Era uma pena, de verdade. Eu sabia que ele não era uma ameaça, e não queria magoá-lo. Mas eu estava prestes a recorrer à minha atitude mais grosseira e simplesmente sair andando quando ele tirou a mão do bolso e a estendeu para mim.
— Meu nome é Akinli, aliás — ele disse, à espera de que eu respondesse.
Fiquei boquiaberta. Não estava acostumada com pessoas insistentes diante do meu silêncio.
— Sei que é estranho — ele acrescentou, interpretando errado meu ar de confusão. — É um nome de família. Mais ou menos. Era o sobrenome da família da minha mãe.
Ele manteve a mão estendida, esperando. Normalmente, minha reação seria fugir. Mas Elizabeth e Miaka conseguiam interagir com os outros. Céus, Elizabeth trocava de namorado o tempo todo sem jamais dizer uma palavra. E algo naquele garoto parecia... diferente. Talvez a maneira como seu lábio se erguia num sorriso sem que ele percebesse, ou o jeito com que sua voz saía suave como as nuvens. Tive certeza de que ignorar aquele rapaz magoaria mais a mim do que a ele.
Com cuidado, como se eu pudesse quebrar a nós dois, apertei sua mão, esperando que ele não notasse como minha pele era fria.
— E você se chama...? — ele deu a deixa.
Suspirei, certa de que isso encerraria o diálogo apesar das minhas melhores intenções. Gesticulei meu nome, e os olhos dele se arregalaram.
— Ah, puxa. Então você estava lendo meus lábios esse tempo todo?
Fiz que não com a cabeça.
— Você ouve?
Fiz que sim.
— Mas não fala... Hum, tudo bem.
Ele começou a apalpar os bolsos enquanto eu tentava combater o medo que me tomava o corpo. Não havia muitas regras, mas todas eram absolutas.
Permanecer em silêncio na presença dos outros, até a hora de cantar. Quando essa hora chegasse, deveríamos cantar sem hesitação. Quando não estivéssemos cantando, não deveríamos fazer nada que pudesse expor nosso segredo. Andar pela rua era uma coisa, assim como sentar embaixo de uma árvore. Mas isso? Uma tentativa de conversa real? Isso me deixava em uma área muito perigosa.
— Achei — ele anunciou, sacando uma caneta. — Não tenho papel, então você vai ter que escrever na minha mão.
Olhei para a pele dele, ponderando. Que nome deveria usar? O da carteira de motorista que Miaka tinha comprado para mim pela internet? O que usei para alugar nossa atual casa na praia? O que usei na última cidade em que estivemos?
Eu tinha uma centena de nomes para escolher.
Talvez tenha sido tolice, mas escrevi meu nome verdadeiro.
— Kahlen? — ele leu na mão.
Fiz que sim com a cabeça, surpresa ao me dar conta de como era libertador que um humano vivo soubesse meu nome de batismo.
— Bonito. Prazer em conhecê-la.
Abri um sorriso tímido, ainda desconfortável. Não sabia bater papo.
— É muito legal você frequentar uma faculdade tradicional apesar de usar língua de sinais. Me achava corajoso só por mudar de estado — ele disse, rindo de si mesmo.
Apesar de eu não estar à vontade, admirei o esforço dele para sustentar a conversa. Era mais do que a maioria das pessoas faria na situação dele. Ele apontou de novo para os livros.
— Então, hã, se você um dia der essa festa e precisar de ajuda com o bolo, juro que posso ser disciplinado por tempo suficiente para não estragar tudo.
Arqueei a sobrancelha para ele.
— É sério! — ele riu como se eu tivesse contado uma piada. — Enfim, boa sorte. Vejo você por aí.
Ele deu um aceno tímido e continuou a empurrar o carrinho pelo corredor.
Fiquei observando. Eu sabia que ia me lembrar do seu cabelo, que parecia bagunçado pelo vento mesmo dentro da biblioteca, e da bondade do seu olhar. E me odiaria por lembrar de tudo isso se nossos caminhos voltassem a se cruzar num desses dias sombrios, dias como os que Kerry ou Warner me encontraram.
Ainda assim, fiquei grata. Não conseguia lembrar da última vez que tinha me sentido tão humana.

25 comentários:

  1. Então aquele capítulo foi 80 anos antes? O.k, tenho a impressão que só lá na frente eu vou entender o primeiro capítulo.
    Minha reação quando descobri que ela matava pessoas foi: O QUÊÊÊ???
    Esse cara parece ser tão legal e gente boa, não é do tipo misterioso e fechado que nem os caras de outros livros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Né, matar gente!
      E sempre falam das sereias como se nos mitos elas fossem meio pássaros, em nenhum momento falou como metade peixes. Repararam nisso? Pq será?

      Excluir
    2. Tbm acho que só vou entender a partir de um certo meio de leitura... Elas não deveriam morar no mar ? Tenho tantas perguntas... rsrs

      Excluir
    3. NÃO E 80 ANOS DEPOIS...
      E PARECE QUE APOS 100 ANOS ALIMENTANDO A ÁGUA ELA SERIA LIVRE.. ESTA PERTO NÉ... FALTAM SÓ MAIS 20 ANOS..
      E O BOM QUE ELAS NÃO ENVELHECEM...

      Excluir
  2. Já xonei no garoto! kkkkk
    Ass: Bina.

    ResponderExcluir
  3. começando a aderir a teoria q elas são meio ' h2o meninas sereias ' é so ficam sereias na água

    ResponderExcluir
  4. Apaixonei pelo garoto
    Tbm acho q so ficam sereias na agua
    Mds ele é fofo😍😍😍
    Nossa ela mata pessoas😱😱😱😱

    ResponderExcluir
  5. Perae,sereia não só fica na água???
    #Boiei

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. fora da água a sereia anda...
      Nunca ouviu falar disso?
      H2O - Meninas sereias, Piratas do Caribe...

      Excluir
  6. então ela pode andar pela terra? uuh,amei!

    ResponderExcluir
  7. Caramba essa Kiera que insiste em criar esses caras perfeitos!! Não basta o Maxon e todos os outros fofos de A Seleção agora mais um pra minha lista! 😂😂😍😍😍😍

    ResponderExcluir
  8. Meio confuso esse capítulo fiquei meio: haaam???? No começo

    ResponderExcluir
  9. Não sei,mas para mim a história está como se fosse no passado e não no presente. Estou amando o livro,parece estranho ver uma sereia fora da água,mas tô adorando mesmo assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para mim Tb.Deve ser Pq se a gente considerar que já se passaram 80 anos até ,vamos supor, 2010,ela mencionou a Grande Depressão e tinha 19 anos quando foi acolhida pela Agua ela deve ter nascido por volta de 1935,40.Sei lá só especulação.

      Excluir
  10. Muito bom,tudo que já li dessa autora.São histórias apaixonantes.Ainda não tinha lido este.Obrigada por postar.

    ResponderExcluir
  11. No começo eu fiquei tipo "como assim? ela usa um celular debaixo d'agua?"

    ResponderExcluir
  12. No começo desse capitulo fiquei meio perdida
    Mais depois entendi
    To amando o livro ja

    ResponderExcluir
  13. Está complicado para entender.
    Mais já gostei do garoto pelo geito a Tia Kiera adora loiro porque os personagens principais dos livros delas são loiros.

    ResponderExcluir
  14. Extremamente estranho elas não viverem na água, a sereia tem um celular!!!11 Não é o tipo de coisa que voce imagina hdnhdd E me lembrou 'H2O meninas serias'. Acho que as alguns só entenderam que ela teria que matar nesse capítulo gbhh AH Por que elas não podem falar? Como elas vivem com eles, mas não falam?

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!