17 de fevereiro de 2016

Prólogo

2007

Quando ele sai do banheiro, ela está acordada, recostada nos travesseiros e folheando os prospectos de viagem que estavam ao lado da cama. Usa uma camiseta dele e seu cabelo comprido está despenteado de uma maneira que o faz lembrar da noite anterior.
Ele fica parado, desfrutando da breve recordação enquanto enxuga seu próprio cabelo com uma toalha.
Ela levanta os olhos do prospecto e faz um beicinho. É um pouco velha para isso, mas eles estão juntos há pouco tempo e ainda é bonitinho.
— A gente precisa mesmo fazer algo que envolva escalar montanhas ou se pendurar em ribanceiras? É a primeira vez que vamos tirar férias juntos para valer e não há uma única viagem nesses folhetos que não envolva se atirar de algum lugar ou — ela finge tiritar de frio — usar casacos de fleece.
Ela joga os folhetos na cama e estica os braços bronzeados acima da cabeça. A voz está rouca, prova de que dormiram pouco.
— Que tal um spa de luxo em Bali? Poderíamos ficar deitados na areia... passar horas sendo paparicados... ter longas noites relaxantes...
— Não posso ter esse tipo de férias. Preciso de atividade...
— Como se jogar de aviões.
— Não critique até que tenha experimentado.
Ela fica amuada.
— Se você não se importar, acho que vou continuar criticando.
A camiseta dele está ligeiramente úmida em sua pele. Ele passa um pente pelo cabelo, liga o celular e dá uma olhada na lista de recados que surge imediatamente na telinha.
— Muito bem, preciso ir — diz ele. — Tome seu café da manhã. — Inclina-se sobre a cama para beijá-la. Ela tem um cheiro morno, perfumado e muito sensual. Ele inala o aroma de sua nuca e, por um instante, perde o rumo dos pensamentos quando ela o envolve pelo pescoço com os braços, puxando-o para a cama.
— Ainda vamos viajar no fim de semana?
Ele se desvencilha, relutante.
— Depende do que acontecer nessa reunião. Por enquanto, tudo está meio no ar. Pode ser que eu ainda tenha de ir a Nova York. Que tal jantar num lugar bacana na quinta-feira, para compensar? Você escolhe o restaurante.
Sua jaqueta de motoqueiro está pendurada atrás da porta, ele a pega.
Ela estreita os olhos, pensativa.
— Jantar com ou sem o Sr. BlackBerry?
— Com quem?
— O Sr. BlackBerry faz com que eu me sinta uma intrusa. — Ela faz beicinho de novo. — Parece que sempre tem uma terceira pessoa disputando sua atenção.
— Vou colocá-lo no silencioso.
— Will Traynor! — ela o repreende. — Você precisa desligar esse aparelho em algum momento.
— Na noite passada eu desliguei, não foi?
— Só sob enorme coação.
Ele sorri.
— É assim que chamamos isso agora? — Ele calça os sapatos.
E o efeito que Lissa mantinha sobre sua mente se rompe. Ele joga a jaqueta de motoqueiro no braço e lança um beijo para ela ao sair.
O BlackBerry tem vinte e duas mensagens, a primeira delas enviada de Nova York às três e quarenta e dois da manhã. Algum problema legal. Will desce de elevador até o estacionamento no subsolo, tentando rememorar os acontecimentos da noite.
— Bom dia, Sr. Traynor.
O segurança sai de seu cubículo. O lugar é à prova de intempéries, embora ali não haja intempéries das quais se proteger. Às vezes, Will imagina o que o segurança faz lá embaixo, de madrugada, olhando fixamente para a televisão do circuito interno e para os para-lamas reluzentes de carros de sessenta mil libras que jamais ficam sujos.
Ele enfia os ombros na jaqueta de couro.
— Como está o tempo lá fora, Mick?
— Horrível. Está chovendo canivetes.
Will para.
— É mesmo? Não dá para ir de moto?
Mick balança a cabeça.
— Não, senhor. A menos que tenha um bote inflável. Ou esteja querendo morrer.
Will olha para a moto e tira a jaqueta. Não importa o que Lissa pense, ele não é o tipo de homem que corre riscos desnecessários. Abre o porta-capacete da moto e guarda a jaqueta lá dentro, tranca o compartimento e joga as chaves para Mick, que pega-as precisamente com uma das mãos.
— Passe por debaixo da porta do meu apartamento, pode ser?
— Sem problemas. Quer que eu chame um táxi?
— Não. Não faz sentido nós dois nos molharmos.
Mick aperta o botão do portão automático e Will sai, acenando em agradecimento.
A manhã está escura e trovejante a seu redor, o tráfego no centro de Londres já está intenso e lento apesar de ainda ser sete e meia. Ele levanta o colarinho em volta do pescoço e segue a passos largos pela rua até o cruzamento, onde é mais provável que consiga um táxi. As ruas estão escorregadias por causa da água, a luz cinzenta se reflete nas poças da calçada.
Will amaldiçoa intimamente outros engravatados ao enxergá-los na beira do meio-fio. Desde quando Londres inteira acorda tão cedo? Todos tiveram a mesma ideia.
Enquanto pensa no melhor lugar para se posicionar, o celular toca. É Rupert.
— Estou chegando. Estou tentando pegar um táxi.
Ele vislumbra um táxi livre se aproximando pelo outro lado da rua e começa a ir em sua direção, desejando que ninguém mais o tenha visto. Um ônibus passa roncando, seguido de um caminhão que freia de maneira estridente, impedindo-o de ouvir o que Rupert diz.
— Não estou ouvindo, Rupe — grita, por sobre o barulho do trânsito. — Você vai precisar repetir. — Meio isolado em uma ilha de trânsito, com o tráfego fluindo por ele como uma correnteza, vê a luz alaranjada sobre o capô do táxi, indicando que o veículo está desocupado, e estica a mão livre, na esperança de que o motorista consiga vê-lo através da chuva forte.
— Você precisa ligar para Jeff em Nova York. Ele ainda está acordado, à sua espera. Tentamos falar com você na noite passada.
— Qual é o problema?
— Um empecilho legal. Duas cláusulas que eles estão protelando por causa de duas alíneas... assinatura... papéis. — A voz é abafada por um carro que passa, os pneus silvando na água.
— Não entendi.
O táxi o viu. Está reduzindo a marcha, esguichando um fino borrifo de água à medida que anda mais devagar do outro lado da rua. Will percebe que o homem mais adiante diminui o passo, desapontado, ao perceber que não alcançará o táxi a tempo. Ele tem uma íntima sensação de vitória.
— Escute, peça a Cally para colocar a papelada na minha mesa — grita. — Chego em dez minutos.
Olha para os dois lados, então baixa a cabeça ao dar os últimos passos para atravessar a rua em direção ao táxi, já com o destino “Blackfriars” na ponta da língua. A chuva se infiltra pelo espaço entre o colarinho e a camisa. Ele vai chegar ao escritório ensopado só por ter andado aquele pedacinho na chuva. Talvez precise mandar a secretária comprar outra camisa.
— E temos de resolver essa questão importante antes que Martin chegue...
Ele olha em direção ao chiado, o som rude e estridente de uma buzina. Vê a lustrosa lateral do táxi negro diante de si, o motorista já abaixando o vidro, e pelo canto do olho nota algo que não distingue direito, que está vindo para cima dele numa velocidade incrível.
Ele se vira e, nesse milésimo de segundo, percebe que a coisa vem em sua direção, que não há como sair da frente. Surpreso, abre a mão e o BlackBerry cai no chão. Ouve um grito que talvez seja seu. A última coisa que vê é uma luva de couro, um rosto dentro de um capacete, o choque nos olhos do homem refletindo o dele próprio. Há uma explosão quando tudo se parte em pedaços.
E então não há nada.

33 comentários:

  1. Eita, ancioso para o filme,mas antes vou ler o livro. he he.

    ResponderExcluir
  2. Primeiro livro que estou lendo no site. Obrigada por liberar tanta coisa gratuita!

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito do começo da história, ansiosa pra poder ler mais, obrigada por disponibilizar esse livro para nos. :D

    ResponderExcluir
  4. Gente... Já começa assim... 😮

    ResponderExcluir
  5. Admito que só vim aqui realmente pelo filme que estou alias muito ansiosa pra ver, mas parece ser um bom livro..

    ResponderExcluir
  6. Oba! Parabéns pelos compartimentos! Adorando...bj

    ResponderExcluir
  7. Já amo o personagem pelo simples fato de se chamar Will��

    ResponderExcluir
  8. Nossa ja estou gostandoo

    ResponderExcluir
  9. Caracá tô pasma!!! Nem acredito acho encontrei esse livro por um site. Wue legal. Tô amando!! Obrigada 💗

    ResponderExcluir
  10. #principe mestiço,casa grifinoria ,chale de ares ,da facçao franqueza, meu pensamento: "nao magoe alguem que faria tudo por voce21 de junho de 2016 19:50

    O prologo ja começou bem 😃 espero que os proximos capitulos continue assim...... Com uma narrativa inigualavel.jojo moyers sabe como contar historia assim como uotros bom autores

    ResponderExcluir
  11. uouu, a culpa nem foi do coitado! Aff que ódio, e isso porque eu já sabia que isso ia acontecer, né!

    ResponderExcluir
  12. É muito chato quando vc lê um livro com um personagem chamado Will e depois vai ler outro e não consegue imaginar o protagonista diferente do outro livro pelo simples fato de terem o mesmo nome

    ResponderExcluir
  13. Que site lindo pra gente q ama ler 💕 Obrigada por fazê-lo e nos dar a oportunidade de desfrutar de lindas leituras. Ja sou fa!!

    ResponderExcluir
  14. Estou amando esse site. Obrigada pela oportunidade de ler livros maravilhosos

    ResponderExcluir
  15. Ei gente! Vi o filme maraaaa... Mas o livro vou ler... Deve ser mais emocionante... Pela experiência que tenho em ler livros e depois assistir ao filmes...
    Obrigada blogueira...

    ResponderExcluir
  16. Não gostei muito não......... WFT

    ResponderExcluir
  17. Ai como estou desejosa de continuar. Já tenho o filme mas nem morta vou vê-lo sem antes ler o livro hhhhhh.

    ResponderExcluir
  18. Nossa!! Partiu proximo capitulooo

    ResponderExcluir
  19. Meeeee Deeeeeeeeeus ! Preciso ler todo, preciso ler todo, preciso ler todo!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  20. Muito bom e o filme mexe muito com o sentimento da gente 😍😍😍

    ResponderExcluir
  21. Amei primeiro livro q leio e ja amei muito bom o seu trabalho 😊
    Vooc podia fazer um canal no youtube contandos historias d livros!!eu se inscreveria!!

    ResponderExcluir
  22. Estou muito ansiosa para assistir o filme,mas por enquanto vou ler o livro.
    Parabéns pelo belíssimo trabalho!!

    ResponderExcluir
  23. Gente achei muito complicado,esse tempo todo ele continua na cadeira de rodas e depois acontece outro acidente?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahn?
      Ele acaboude sofrer o acidente que o deixou tetraplégico. Antes andava, normal

      Excluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!