6 de fevereiro de 2016

Capítulo 12

Celaena correu até Ilias, que gemeu quando ela o virou. O ferimento na barriga ainda sangrava.
A assassina arrancou tiras do próprio manto, já encharcado de sangue, e gritou por ajuda ao atar com força o rapaz.
Um farfalhar de roupas sobre pedra soou, e Celaena olhou por cima do ombro para ver o mestre tentando se arrastar até o filho. O efeito da droga paralisante devia estar passando.
Cinco assassinos ensanguentados vieram correndo pelas escadas, os olhos arregalados e os rostos lívidos quando viram Mikhail e Ilias. Celaena deixou Ilias aos cuidados deles ao correr até o mestre.
— Não se mova — disse ela, encolhendo o corpo quando sangue de seu rosto pingou nas vestes brancas do homem. — Pode se machucar.
Celaena verificou a plataforma em busca de qualquer sinal do veneno e correu até a taça de bronze caída. Cheirando algumas vezes, percebeu que o vinho fora contaminado com uma pequena porção de gloriella, apenas o bastante para paralisá-lo, e não para matar. Ansel devia querer o mestre totalmente imobilizado para o assassinar – devia querer que ele soubesse que fora ela quem o traíra. Queria que o mestre estivesse consciente quando decepasse sua cabeça. Como ele não havia notado antes de beber? Talvez não fosse tão humilde quanto parecia; talvez fosse arrogante o suficiente para acreditar que estava a salvo ali.
— Vai passar logo — assegurou Celaena, mas mesmo assim pediu um antídoto para acelerar o processo. Um dos assassinos saiu correndo.
Ela permaneceu sentada ao lado do mestre, uma das mãos segurando o próprio pescoço ensanguentado. Os assassinos do outro lado da sala levaram Ilias para fora, parando para tranquilizar o mestre de que o filho ficaria bem.
Celaena quase gemeu de alívio ao ouvir isso, mas enrijeceu o corpo quando a mão seca e calejada segurou a dela, apertando levemente. Abaixou o rosto e olhou para o homem, cujos olhos se voltaram para a porta aberta. Ele a estava lembrando da promessa que fizera. Ansel recebera vinte minutos para fugir do alcance da flecha.
Estava na hora.



Ansel já tinha virado um borrão escuro a distância, Hisli galopava como se demônios estivessem mordendo seus cascos. Seguia para noroeste sobre as dunas, na direção das Areias Cantantes, para a ponte estreita de selva feroz que separava a Terra Desértica do resto do continente, e então para a extensão aberta dos desertos do Oeste além delas. Na direção de penhasco dos Arbustos.
Do alto da muralha, Celaena sacou uma flecha da aljava e alojou no arco.
A corda do arco grunhiu quando a assassina a puxou, mais e mais, enrijecendo o braço. Concentrando-se na minúscula figura no alto do cavalo negro, ela mirou.
No silêncio da fortaleza, o arco rangeu como uma harpa lamuriante.
A flecha deslizou, girando implacavelmente. As dunas vermelhas passaram sob a arma como um borrão, encurtando a distância. Um fiapo de escuridão alada com ponta de aço. Uma morte rápida e sangrenta.
A cauda de Hisli se moveu para o lado quando a flecha se enterrou na areia, apenas centímetros atrás dos cascos traseiros.
Mas Ansel não ousou olhar por cima do ombro. Continuou cavalgando, e não parou.
Celaena abaixou o arco e observou até que a menina desaparecesse além do horizonte. Uma flecha, essa fora sua promessa.
Contudo, também havia prometido a Ansel que ela teria vinte minutos para sair do alcance.
Celaena atirara depois de 21 minutos.



O mestre chamou Celaena para sua câmara na manhã seguinte. Fora uma longa noite, mas Ilias estava se curando, o ferimento por pouco não perfurara os órgãos. Todos os soldados estavam mortos e eram levados de volta a Xandria em uma carroça, como lembrete para que Lorde Berick procurasse a aprovação do rei de Adarlan em outro lugar. Vinte assassinos haviam morrido, e um silêncio pesado, de luto, preenchia a fortaleza.
Celaena se sentou em uma cadeira de madeira entalhada, observando o mestre enquanto ele olhava pela janela para o céu. A assassina quase caiu do assento quando o homem começou a falar.
— Fico feliz por não ter matado Ansel. — A voz era áspera, e o sotaque era pesado com os sons estalados porém fluidos de alguma língua que a jovem nunca tinha ouvido antes. — Estava imaginando quando ela decidiria o que fazer com o próprio destino.
— Então você sabia...
O mestre se voltou da janela.
— Sei há anos. Muitos meses depois da chegada de Ansel, mandei inquisidores para as Terras Planas. Como a família dela não escreveu carta alguma, eu estava preocupado que algo tivesse acontecido. — O mestre se sentou em uma cadeira diante de Celaena. — Meu mensageiro voltou meses depois, dizendo que não havia penhasco dos Arbustos. O lorde e a filha mais velha foram assassinados pelo alto rei, e a mais nova, Ansel, estava desaparecida.
— Por que não... a confrontou? — A assassina tocou a ferida estreita na bochecha esquerda.
Não deixaria cicatriz se ela cuidasse bem. E se deixasse uma cicatriz... então talvez caçasse Ansel para devolver o favor.
— Porque eu esperava que ela, por fim, confiasse em mim o suficiente para contar. Precisava dar essa chance a Ansel, embora fosse um risco. Esperava que aprendesse a lidar com a dor, que aprendesse a suportá-la. — O mestre sorriu com tristeza. — Se você aprende a suportar sua dor, pode sobreviver a qualquer coisa. Algumas pessoas aprendem a acolhê-la, a amá-la. Algumas suportam a dor ao afogá-la em mágoa, ou ao se fazerem esquecer. Outras a transformam em raiva. Mas Ansel deixou sua dor se tornar ódio, e deixou que a consumisse até que se tornasse outra coisa, uma pessoa que jamais achei que ela gostaria de ser.
Celaena absorveu as palavras, mas guardou-as para considerar mais tarde.
— Vai contar a todos o que ela fez?
— Não. Vou poupá-los da raiva. Muitos acreditavam que Ansel era sua amiga, e parte de mim também acredita que, às vezes, ela o era.
A jovem olhou para o chão, pensando no que fazer com a dor no peito. Será que transformá-la em fúria, como dissera o mestre, ajudaria a suportar?
— Se faz alguma diferença, Celaena — disse o mestre, com a voz grossa — acredito que você tenha sido o mais próximo de uma amiga que ela jamais se permitiu ter. E acho que Ansel mandou você embora porque se importava de verdade.
Ela odiou a própria boca por estremecer.
— Isso não torna a mágoa menor.
— Não achei que tornaria. Mas acho que você vai deixar uma impressão eterna no coração de Ansel, pois poupou a vida dela e devolveu a espada de seu pai. Ela não vai se esquecer disso tão cedo. E quando fizer a próxima manobra para reconquistar seu título, talvez se lembre da assassina do Norte, assim como do carinho que mostrou a ela, e tente deixar menos corpos ao encalço.
O mestre caminhou até uma caixa de treliça, como se desse a Celaena tempo para se recompor, e tirou de dentro uma carta. Quando voltou, os olhos dela estavam secos.
— Ao dar isto a seu mestre, mantenha a cabeça erguida.
Ela pegou a carta. A recomendação. Parecia insignificante diante de tudo que acabara de acontecer.
— Por que está falando comigo agora? Achei que o voto de silêncio fosse eterno.
O mestre deu de ombros.
— O mundo parece achar que sim, mas, até onde a memória me serve, jamais jurei oficialmente ficar em silêncio. Escolho fazê-lo na maior parte do tempo, e me acostumei tanto com isso que às vezes esqueço que tenho capacidade de falar, mas em certas ocasiões as palavras são necessárias, quando é preciso uma explicação que os gestos não conseguem comunicar.
Celaena assentiu, tentando ao máximo esconder a surpresa. Depois de uma pausa, o mestre falou:
— Se algum dia quiser deixar o Norte, sempre terá um lar aqui. Prometo que os meses de inverno são muito melhores que o verão. E acho que meu filho ficaria muito feliz se você decidisse retornar também. — O mestre deu uma risadinha, e a jovem corou. Ele pegou a mão dela. — Quando partir amanhã, estará acompanhada de alguns dos meus.
— Por quê?
— Porque serão necessários para levar a carroça para Xandria. Sei que está presa a seu mestre, que ainda deve muito dinheiro antes de estar livre para viver a própria vida. Ele a está fazendo pagar de volta pela fortuna que a obrigou a pegar emprestada. — O Mestre Mudo apertou a mão de Celaena antes de se aproximar de um dos três baús encostados à parede. — Por salvar minha vida, e por poupar a dela. — Abriu a tampa de um baú, então de outro e mais outro.
A luz do sol refletiu o ouro do interior, iluminando o salão como luz sobre água. Todo aquele ouro... e mais o pedaço de Seda de Aranha que o mercador lhe dera... não conseguia pensar nas possibilidades que a riqueza abriria para ela, não naquele momento.
— Quando der esta carta a seu mestre, dê também isto a ele. E diga que no deserto Vermelho, não agredimos nossos discípulos.
Celaena sorriu devagar.
— Acho que consigo fazer isso.
Ela olhou pela janela aberta para o mundo lá fora. Pela primeira vez em muito tempo, ouviu o canto de um vento norte, chamando-a para casa. E Celaena não teve medo.

14 comentários:

  1. Ai q orgulho! ^-^ kkkkkkk

    ResponderExcluir
  2. Que fofo!!!!!!

    Ok minha raiva da Ansel passou e fico feliz pela Celena não ter matado ela e nem quero mais q a Manon esquarteje ela. Mas quero q ela pague a dívida q tem com a Assassina do Norte com uma aliança de armas contra o mal (bem vago para não dizer en q é spoiler)

    Orgulho dos assassinos silenciosoS eles são verdadeiramente uma família.
    Orgulho desse mestre q se importa com seus pupilos e não os agride mas ensina valores e honra!!!
    Fico feliz por pelo menos lá, a Celena encontrou um lar, apesar do tanto de sofrimento q ela passou e infelizmente Aida vai passar...

    Fico feliz e super agradecida a autora por ter salvo o Ilias e já q a Celena não ficou com ele sobra mais desse assassino silêncio e gato para mim!!!

    ResponderExcluir
  3. Assassina do Norte é bem melhor que Assassina de Adarlan (é assim mesmo?)
    Ass: Betta

    ResponderExcluir
  4. Que mestre sábio é caridoso!!!
    Amei
    Mais uma história fantástica!

    ResponderExcluir
  5. Totalmente d+

    Ass:Shay Santos

    ResponderExcluir
  6. 'O efeito da droga paralisante devia estar passando.' gloriella

    ResponderExcluir
  7. Eu imagino o mestre como o veinho do karate kid kkkkkkk mas aí lembro que ele tem olhos cor verde-mar e que de japa não tem nada

    ResponderExcluir
  8. Estou muito orgulhosa da nossa assassina com coração bom.
    Pague sua liberdade,a Cel merece.

    ResponderExcluir
  9. Estou amando esses contos.. Ainda estou no primeiro livro e agora os contos,mas,tenho a leve impressão de que Sam ainda está vivinho da Silva.. Sou daquelas loucas que não pode aparecer um gato que shippo, quero Cel com Sam, Dorian e agora com o Ilias♡♡♡♡ hahahaha..
    Morrendo de amores pelo Mestre, Arobyn precisa aprender certas coisas com ele..Vinhado..

    -Lívia

    ResponderExcluir
  10. Chorei de novo ❤ esses assassinos silenciosos parecem mais um monte de monges, eu imagino o mestre um velhinho tipo karatê Kids também kkkk gostei muito deles .

    ResponderExcluir
  11. Melhor mestre *-*
    Jaqueline rocha não vejo ele como velho e sim como um cara de 40 é poucos anos de idade e sábio como um monge (só q assassino)
    Ass: Milly

    ResponderExcluir
  12. Eu imagino ele como o mestre Tarturuga(não sei o nome) de Kun fu Panda!! hahaha

    ResponderExcluir
  13. Q LIINDOOOOOO 😍😍 Sabia q valia a pena gostar do Mestre Mudo! To emocionada.. 😀😄

    ResponderExcluir
  14. Pqp mano, sabe o chão, to nele cara.

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)