17 de fevereiro de 2016

Capítulo 8

Camilla

Nunca tive a intenção de ajudar na morte do meu filho.
Até mesmo ler estas palavras parece estranho – algo como o que se lê em um tabloide ou naquelas revistas horríveis que a faxineira carrega na bolsa, repletas de mulheres cujas filhas fugiram com companheiros desonestos, histórias de incríveis perdas de peso e bebês de duas cabeças.
Eu não era o tipo de pessoa com quem essas coisas aconteciam. Pelo menos, pensava que não era. Minha vida era razoavelmente estruturada – do tipo comum, pelos padrões modernos. Estava casada havia quase trinta e sete anos, criara dois filhos, mantivera minha carreira, ajudara na escola, na Associação de Pais e Professores e saíra de cena quando os filhos não precisavam mais de mim.
Era juíza havia quase onze anos. Vi toda a vida humana passar pelo meu tribunal: os perdidos sem esperança, que não conseguiam se organizar nem para chegar na hora à audiência; os transgressores reincidentes; os jovens mal-encarados, raivosos, e as mães exaustas e endividadas. É um pouco difícil se manter calma e compreensiva vendo os mesmos rostos e os mesmos erros se repetirem. Às vezes, eu podia escutar a impaciência em meu tom de voz. Podia ser estranhamente desanimadora a completa recusa do ser humano em ao menos tentar agir de maneira responsável.
E nossa pequena cidade, apesar da beleza do castelo, dos diversos prédios tombados como patrimônio histórico e de nossas pitorescas estradas rurais, não está imune a tudo isso. Nossas praças construídas na época da Regência eram ocupadas por adolescentes alcoolizados, nossos chalés com teto de palha abafavam o barulho dos maridos batendo em suas esposas e seus filhos. Às vezes, eu me sentia como o rei Canuto, fazendo inúteis pronunciamentos diante da maré de caos e devastação. Mas gostava do meu trabalho.
Eu trabalhava porque acreditava na ordem, em um código moral. Acredito que existe certo e errado, por mais fora de moda que o conceito possa parecer.
Consegui superar os piores momentos por causa do meu jardim. À medida que as crianças foram crescendo, a jardinagem se transformou um pouco em minha obsessão. Eu poderia dizer o nome científico, em latim, de quase todas as plantas que alguém me mostrasse. O engraçado é que nem tive aulas de latim na escola – frequentei uma pequena escola pública para meninas cujo foco era aprender a cozinhar e a bordar, coisas que poderiam nos ajudar a ser boas esposas – mas acontece que o nome científico dessas plantas gruda na cabeça. Eu só precisava escutá-los uma única vez para me lembrar deles para sempre: Helleborus niger, Eremurusstenophyllus, Athyrium niponicumConsigo pronunciar com uma fluência que nunca imaginei.
Dizem que só é possível se admirar um jardim depois de certa idade, e acho que existe alguma verdade nisso. Provavelmente tem algo a ver com o grande ciclo da vida.
Parece que há algo de miraculoso em ver o inexorável otimismo de um novo broto após a desolação do inverno, uma espécie de alegria na diversidade a cada ano, a forma como a natureza escolhe mostrar diferentes partes do jardim. Houve momentos – quando meu casamento ficou mais populoso do que eu tinha imaginado – em que o jardim foi meu refúgio, momentos em que foi uma alegria.
Mas houve momentos também em que, sinceramente, ele foi uma dor. Não existe maior desapontamento do que criar um novo canteiro apenas para vê-lo não florir, ou ver uma fileira de lindos alliums destruídos durante a noite por algum motivo qualquer. Mas mesmo quando eu reclamava a respeito do tempo, do esforço que me exigia cuidar do jardim, do modo como minhas juntas protestavam quando eu passava uma tarde arrancando ervas daninhas ou de como minhas unhas nunca pareciam estar bem limpas, mesmo assim eu adorava aquilo. Adorava os prazeres sensoriais de estar ao ar livre, o cheiro, a sensação da terra sob meus dedos, a satisfação de ver coisas vivas, brilhando, cativada por sua própria beleza fugaz.
Depois do acidente de Will, abandonei a jardinagem por um ano. Não foi só por causa da falta de tempo, embora fossem infindáveis as horas passadas no hospital ou gastas indo e vindo de carro e nas reuniões – ah, meu Deus, as reuniões. Tirei seis meses de licença no trabalho e, mesmo assim, não foi suficiente.
É que, de repente, não vi mais sentido naquilo. Paguei um jardineiro para manter o jardim arrumado, e acho que não dei mais que uma olhada superficial nele durante quase um ano inteiro.
Foi só quando trouxemos Will de volta para casa, depois que o anexo foi adaptado e arrumado, que encontrei algum sentido em tornar o jardim bonito outra vez. Precisava dar ao meu filho um lugar para onde olhar. Precisava dizer a ele, silenciosamente, que as coisas poderiam mudar, crescer ou fenecer, mas que a vida continuaria. Que todos nós éramos parte de um grande ciclo, algum tipo de arranjo cuja finalidade só Deus poderia entender. Eu não podia dizer isso a ele, é claro – Will e eu nunca fomos muito bons em conversar – mas eu queria mostrar. Uma promessa tácita, se preferir, de que existe algo maior, um futuro melhor.

* * *

Steven estava mexendo na lareira acesa. Ele manejava com destreza, usando um atiçador, a lenha parcialmente queimada, fazendo com que faíscas reluzentes subissem pela chaminé, e então colocou uma nova acha no meio. Recuou, como sempre fazia, olhando com calma satisfação à medida que a lenha pegava fogo, e limpou as mãos nas calças de veludo. Virou-se quando entrei na sala. Estendi-lhe um copo.
— Obrigado. George vai descer?
— Pelo jeito, não.
— O que ela está fazendo?
— Assistindo a TV lá em cima. Não quer companhia. Eu perguntei.
— Ela vem. Deve estar com jet lag.
— Espero que sim, Steven. No momento, ela não está muito feliz conosco.
Ficamos em silêncio, observando o fogo. Ao nosso redor, a sala estava escura e parada, as vidraças da janela sacudiam-se delicadamente ao serem golpeadas pelo vento e pela chuva.
— Tempo horrível esta noite.
— É.
A cadela entrou em silêncio na sala e, com um suspiro, deixou-se cair pesadamente na frente da lareira. De sua posição deitada, lançou um olhar de adoração para nós.
— O que você acha? — disse ele. — Dessa história do corte de cabelo?
— Não sei. Gostaria de achar que é um bom sinal.
— Essa Louisa é uma figura, não?
Vi o modo como meu marido sorria para si mesmo. Ela também não, peguei-me pensando, e então pus fim a esse pensamento.
— É. É, acho que é, sim.
— Acha que ela é a pessoa certa?
Dei um golinho na bebida antes de responder. Dois dedos de gim, uma rodela de limão e bastante tônica.
— Quem sabe? — falei. — Acho que eu já não tenho a menor ideia do que é certo ou errado.
— Ele gosta dela. Tenho certeza de que gosta dela. Outra noite, conversávamos enquanto assistíamos ao noticiário e ele falou dela duas vezes. Nunca tinha feito isso antes.
— É. Bom. Eu não ficaria tão esperançosa.
— Precisa fazer isso?
Steven virou o rosto para mim. Eu podia vê-lo me estudar, talvez notando as novas rugas em volta dos meus olhos, o modo como, nesses dias, minha boca se transformara numa linha fina devido à preocupação. Ele olhou para a pequena cruz dourada que agora estava sempre no meu pescoço. Eu não gostava quando ele me olhava daquele jeito. Tinha sempre a impressão de que estava me comparando com outra pessoa.
— Só estou sendo realista.
— Soa... soa como se você já estivesse esperando que isso aconteça.
— Conheço meu filho.
— Nosso filho.
— Sim, nosso. — Mais meu, peguei-me pensando. Você nunca esteve presente para ele de verdade. Não em termos emocionais. Você era apenas a ausência a quem ele tentava sempre impressionar.
— Ele vai mudar de ideia — disse Steven. — Ainda tem muito chão pela frente.
Ficamos ali. Dei um bom gole na bebida, o gelo frio contrastava com o calor que vinha da lareira.
— Fico pensando... — falei, olhando para dentro da lareira. — Ainda acho que não entendi bem.
Meu marido continuava a me observar. Eu podia sentir seu olhar, mas não conseguia encará-lo. Talvez ele pudesse estender a mão para mim. Mas acho que, provavelmente, tínhamos ido longe demais para isso.
Ele deu um gole na bebida.
— Você só pode fazer o que está ao seu alcance, querida.
— Sei bem disso. Mas não é o suficiente, certo?
Ele se voltou de novo para a lareira, mexeu desnecessariamente a lenha com o atiçador até eu me virar e sair em silêncio da sala.
Exatamente como sabia que eu faria.

* * *

A primeira vez que Will me contou o que queria fazer, precisou repetir, pois eu tive certeza de que não tinha entendido bem. Fiquei calma quando compreendi o que ele estava me propondo, então falei que ele estava sendo ridículo e saí do quarto na mesma hora. É uma vantagem desleal ser capaz de se afastar de um homem numa cadeira de rodas. Há dois degraus entre o anexo e a casa principal e, sem a ajuda de Nathan, Will não pode transpô-los. Fechei a porta do anexo e fiquei no hall de entrada, com as palavras calmas de meu filho ainda tilintando nos meus ouvidos.
Acho que fiquei parada por uma meia hora.
Ele se recusou a desistir. Em se tratando de Will, ele sempre precisava ter a última palavra. Repetiu o pedido todas as vezes em que fui vê-lo, até que a cada dia se tornava quase insuportável para mim ir até lá. Não quero viver assim, mãe. Não é a vida que eu quis. Não há perspectiva de recuperação, então, é bastante razoável pedir para acabar com isso da maneira como eu ache adequadaOuvi-o e pude imaginar muito bem como ele deveria ter sido nas reuniões de negócios, na profissão que o tornou rico e arrogante. No fim das contas, ele era um homem que costumava ser obedecido. Não podia suportar o fato de que, de certa maneira, eu tivesse o poder de ditar seu futuro, que tivesse, de algum modo, me transformando de novo na mamãe.
Ele dedicou toda a sua energia em me convencer. Não é porque minha religião proíba, embora fosse terrível a perspectiva de que Will acabasse enviado para o Inferno devido a seu próprio desespero. (Prefiro acreditar que Deus, um Deus benevolente, pudesse compreender nossos sofrimentos e perdoar nossos pecados.) É só que o que não se pode compreender a respeito da maternidade, até que se tenha um filho, é que não é um adulto – o deselegante, barbado, fedorento, filho teimoso – que a mãe vê diante de si, com seus recibos de estacionamento, seus sapatos não engraxados e sua complicada vida sentimental. A mãe enxerga todas as pessoas que o filho já foi ao longo da vida reunidas em uma só.
Olhei para Will e enxerguei o bebê que segurei no colo, chorosamente encantada, incapaz de acreditar que eu havia gerado um outro ser humano. Vi a criança pequena, esticando a mão para mim, o menino em idade escolar chorando de raiva porque outra criança zombou dele. Enxerguei as vulnerabilidades, o amor, a história. Era isso que ele estava me pedindo para extinguir – a criança e, ao mesmo tempo, o homem – todo aquele amor, toda aquela história.
E então, num dia vinte e dois de janeiro, um dia em que eu estava presa no tribunal por causa de uma quantidade enorme de pequenos ladrões e motoristas sem seguro contra acidentes; de chorosos e irritados ex-casais, Steven entrou no anexo e encontrou nosso filho quase inconsciente, a cabeça caída no braço da cadeira, um mar de sangue escuro e pegajoso ao redor de sua cadeira de rodas. Ele tinha encontrado um prego enferrujado de menos de dois centímetros, que emergia de alguma parte mal-acabada do armário e, pressionando o pulso contra aquele prego, movimentou sua cadeira para cima e para baixo até a pele ser cortada em tiras. Até hoje não consigo imaginar a determinação que o fez continuar, mesmo que ele tenha ficado meio delirante por causa da dor. Os médicos disseram que, se demorássemos mais vinte minutos, ele teria morrido.
Isso não foi, eles comentaram em um requintado eufemismo, um pedido de ajuda.
Quando me ligaram do hospital para dizer que Will sobreviveria, saí para o meu jardim e me enfureci. Fiquei furiosa com Deus, com a natureza, com qualquer destino que tivesse levado minha família àquele ponto. Hoje, olhando para trás, imagino que devo ter parecido completamente louca. Naquela tarde fria, fiquei no jardim, arremessei meu grande copo de conhaque a seis metros, nos Euonymus compactus, e gritei de tal maneira que minha voz rompeu o ar, ultrapassou os muros do castelo e ecoou na distância. Eu estava tão furiosa porque tudo ao meu redor podia se mexer e se curvar e crescer e se reproduzir, e meu filho – meu filho cheio de vida, carismático e lindo – era apenas aquela coisa. Imóvel, murcho, ensanguentado, sofrendo. A beleza do mundo parecia uma obscenidade. Gritei e gritei e jurei – com palavras que até então não sabia que conhecia – até Steven sair e parar junto a mim, sua mão repousando no meu ombro, esperando até que pudesse ter certeza de que eu ficaria novamente em silêncio.
Ele não entendeu, sabe. Ainda não tinha entendido. Que Will tentaria outra vez. Que nossas vidas seriam esgotadas numa vigilância constante, esperando pela próxima vez, aguardando para ver que horror ele poderia se infligir. Teríamos de ver o mundo pelos olhos dele – os venenos em potencial, os objetos cortantes, a criatividade com a qual ele poderia terminar o serviço que aquele maldito motoqueiro tinha começado. Nossas vidas tinham de encolher para caber no potencial daquele primeiro ato. E ele tinha uma vantagem – não tinha mais nada em que pensar.
Duas semanas depois, eu disse a Will:
— Está bem.
Claro que eu disse.
O que mais eu poderia fazer?

23 comentários:

  1. Estou adorando esse livro!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tambem. gosto muito do Will . como ele disse ele so existe eh como ele se sente

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eles combinaram que depois de 6 meses eles levariam Will p algum cante para ele poder morrer (ou se matar)

      Excluir
  3. Eu preferia acreditar que estava entendo tudo errado, e que Will não era um suicida... Mas ai veio esse capitulo e confirmou o que eu não queria acreditar! Agora já tô chorando antes da hora!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o triste e que nao e ficçao, isso pode acontecer com qualquer neh. muito triste as vezs quase choro de imaginar a situaçao dele

      Excluir
  4. Dignitas, organização suíça que cobra cerca de R$ 15 mil para fazer suicídio assistido.
    Bem respondendo a certo comentário , eles simplesmente combinaram que deixariam o filho se matar . E eu incrivelmente chorei rios nesse livro . Obrigado Karina amooooor <3 Estou super ansiosa pelo filme , mas estou mando o livro .

    ResponderExcluir
  5. Alguém me explica o que tá acontecendo? O que essa mulher deixou ele fazer? Ela deixou ele se matar? Não pode
    Meu Deus
    Socorro
    Me ajuda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, deixou... fez um acordo com o filho. Apoiaria a decisão dele de morrer desde que ele não tentasse se matar novamente

      Excluir
  6. Deve ser muito difícil pra um mãe tem que concordam com a vontade de morrer de um filho.

    ResponderExcluir
  7. Ela e doida em deixar seu proprio filho morre?! Omgggggggggggggggggg.
    Ass: Bina.

    ResponderExcluir
  8. Gente dignitas!serio que existe isso?meu Deus que horror!
    Com relaçao a mae dele ter concordado foi uma reaçao em meio ao desespero e como se com isso ela pudesse ganhar tempo eu acho,afinal se ela nao concordasse seria pior concordando pelo menos ela poderia ficar tranquilo e ate la muita coisa poderia acontecer,so nao me diga que no final tudo acaba bem plese!depois do meu dia inteiro de estudo controlando a ansiedade pelo proximo capitulo eu vi aqui,mereço ne:P

    ResponderExcluir
  9. Quando ela disse que ele estava pedindo para extinguir a criança e ao mesmo tempo ao homem.. Todo o amor e história (essa frase ferrou com meu emocional ) Imagino a dor que ela sentiu !! Livro muito bom !

    ResponderExcluir
  10. Primeiro livro que eu leio deste gênero e eu realmente estou envolvida com a história. Muito bom mostrar o que a mãe sente e pensa a respeito de tudo isso. Obrigada por proporcionar essa leitura maravilhosa.

    ResponderExcluir
  11. Todo mundo revoltado por ela deixar ele se matar, mas, que egoísmo seria se não deixasse!
    Ela ta sofrendo como mãe, mas ela pode ter uma vida digna. E ele? Ele e jovem, vai viver o resto da vida sozinho, rico e mofando em uma cadeira!
    Gente, sinceramente, essa é a coisa mais gentil que ela pode fazer por ele, mesmo que não seja fácil entender, coloque-se no lugar dele, e no dela. Compare a dor, você aguentaria ficar no lugar dele? E aguentaria ficar no lugar dela, vendo seu filho implorando pra morrer?

    -Dani

    ResponderExcluir
  12. Muito triste esse capitulo, o lamento da mãe chega doer a alma.

    ResponderExcluir
  13. Triste de Mais, e pensar que isso ocorre quase todo dia e que pessoas que tem "tudo" na vida fala que é infeliz. Ai a gente entra no universo do Will e realmente eu fiquei chocada. T_T

    -Morgana

    ResponderExcluir
  14. eu vou odiar esse livro se Will morrer
    to falando serio vei vai ser sem graça e
    vou chorar muito acredite se puder.:(

    ResponderExcluir
  15. https://assustad0r.blogspot.com.br/2014/10/suicidio-assistido-suica.html
    Chocada ao ver o vídeo e ver que é veridico :/

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!