8 de fevereiro de 2016

Capítulo 7

Celaena acordou antes do amanhecer com uma dor de cabeça latejante.
Bastou um olhar para a vela quase totalmente derretida na mesa de cabeceira para saber que o encontro no mausoléu não fora um sonho horrível. O que significava que, bem abaixo de seu quarto, havia uma aldraba falante imbuída de algum feitiço antigo de animação. E que Elena tinha, mais uma vez, encontrado uma forma de tornar a vida de Celaena infinitamente mais complicada.
Ela resmungou e enterrou o rosto no travesseiro. Tinha falado sério na noite anterior. O mundo estava além da ajuda. Mesmo que... mesmo que houvesse visto em primeira mão como as coisas podiam se tornar perigosas... quanto podia ser pior. E aquela pessoa no corredor...
Celaena se deitou sobre as costas, e Ligeirinha a cutucou na bochecha com o focinho úmido. Acariciando distraidamente a cabeça da cadela, a assassina encarou o teto e a luz de um cinza pálido que se espreitava pelas cortinas.
Não queria admitir, mas Mort estava certo. Celaena tinha ido ao mausoléu apenas para que Elena lidasse com a criatura no corredor – para ser assegurada de que não precisaria fazer nada.
Meus planos, dissera o rei. E se Elena estava alertando-a para desvendá-los, para encontrar a fonte do poder... então deviam ser ruins. Piores do que os escravos em Calaculla e Endovier, piores do que matar mais rebeldes.
Celaena observou o teto por mais alguns minutos, até que duas coisas se tornaram claras.
A primeira era que não desvendar aquela ameaça poderia ser um erro fatal. Elena dissera apenas que Celaena precisava encontrá-la. Não dissera nada a respeito de destruí-la. Nada a respeito de enfrentar o rei – o que era um alívio, imaginou Celaena.
E a segunda coisa era que precisava falar com Archer – se aproximar e começar a descobrir um modo de fingir a morte dele. Porque se Archer realmente fizesse parte do movimento que sabia o que o rei pretendia, talvez ele pudesse poupar Celaena do trabalho de espionar o rei e de ter que juntar as pistas que encontrasse. Mas depois que desse aquele passo para se aproximar de Archer... Bem, então tudo certamente se tornaria um jogo letal.
Celaena tomou um banho rápido e se vestiu com as melhores roupas, e mais quentes, antes de mandar chamar Chaol. Estava na hora de convenientemente esbarrar em Archer Finn.



Graças à neve da noite anterior, algumas pobres almas tinham sido incumbidas de limpar o distrito mais glamouroso de Forte da Fenda. O comércio ficava aberto o ano todo, e apesar das calçadas escorregadias e das ruas de paralelepípedos enlameadas, a cidade capital estava tão fervilhante naquela tarde quanto ficava no alto verão.
Mesmo assim, Celaena desejou que fosse verão, pois as ruas molhadas ensopavam a bainha do vestido azul-gelo dela, e estava tão frio que nem mesmo a capa de pele branca a mantinha aquecida. Conforme caminhavam pela avenida principal lotada, Celaena se manteve próxima de Chaol. Ele a importunara novamente para que o deixasse ajudar com Archer, e convidá-lo naquele dia fora a coisa mais inofensiva que ela pôde fazer para que ele parasse de enchê-la em relação àquilo. Celaena insistiu para que Chaol usasse roupas normais em vez do uniforme de capitão. Para ele, aquilo significava aparecer de túnica preta.
Ainda bem que ninguém prestou muita atenção aos dois – não quando havia tanta gente e tantas lojas. Ah, como Celaena adorava aquela avenida, onde todas as coisas belas do mundo eram vendidas e trocadas! Joalheiros, chapeleiros, vendedores de roupas, confecções, sapateiros...
Previsivelmente, Chaol passou batendo os pés por todas as vitrines de lojas, sem sequer olhar para as belezas exibidas do lado de dentro. Como sempre, havia uma multidão do lado de fora da Willows – a casa de chá na qual Celaena sabia que Archer estava almoçando. Ele parecia comer ali todo dia, com alguns outros cortesãos do sexo masculino. É claro que não tinha nada a ver com o fato de que a maioria das clientes da elite de Forte da Fenda também comia ali.
Celaena pegou o braço de Chaol conforme se aproximaram da casa de chá.
— Se você entrar parecendo prestes a socar alguém — cantarolou ela, cruzando o braço com o dele — ele certamente vai saber que tem algo errado. E, mais uma vez, não diga nada a ele. Deixe a conversa e o charme comigo.
Chaol ergueu as sobrancelhas.
— Então só estou aqui como decoração?
— Fique grato por eu considerá-lo um acessório digno.
O capitão murmurou algo aos sussurros que Celaena tinha quase certeza de que não iria querer ouvir, mas, mesmo assim, Chaol reduziu o passo para um andar bem elegante.
Do lado de fora da entrada de pedra e vidro arqueada para a casa de chá, carruagens requintadas aguardavam na rua, com pessoas entrando e saindo delas. Os dois poderiam ter pegado uma carruagem – deveriam ter pegado uma carruagem, considerando o frio que fazia e o fato de que o vestido de Celaena agora estava ensopado. Mas, tolamente, ela quis andar e ver a cidade de braço dado com o capitão da Guarda, embora ele tivesse passado o tempo inteiro com uma expressão como se uma ameaça espreitasse em cada canto e cada beco. Pensando bem, uma carruagem provavelmente teria causado uma entrada melhor também.
A entrada na Willows exigia uma sociedade difícil de alcançar; Celaena tomara chá ali diversas vezes quando era nova, graças ao nome de Arobynn Hamel. Ela ainda se lembrava do tilintar da porcelana, das fofocas sussurradas, do quarto pintado de verde-menta e creme e das janelas do chão ao teto que davam para um jardim exótico.
— Não vamos entrar ali — falou Chaol, e não foi exatamente uma pergunta.
Celaena lançou um sorriso felino a ele.
— Não tem medo de um bando de velhotas gorduchas e jovens dando risadinhas, tem? — Ele a olhou com raiva, e Celaena deu tapinhas no braço dele. — Não estava ouvindo quando expliquei meu plano? Só vamos fingir que estamos esperando pela mesa. Então, não se desespere! Não precisará enfrentar todas as mocinhas malvadas com as garras em cima de você.
— Da próxima vez que treinarmos — disse Chaol, conforme os dois abriam caminho pela multidão de mulheres lindamente vestidas — me lembre de acertá-la.
Uma mulher mais velha se virou para encarar Chaol com raiva, e Celaena lançou a ela um olhar exasperado e como se pedisse desculpas, como se dissesse: Homens! Ela então cravou as unhas prontamente na túnica de inverno espessa de Chaol e grunhiu:
— Esta é a parte em que você cala a boca e finge que é uma peça decorativa cabeça oca. Não deve ser muito difícil.
O beliscão que ele deu em resposta informou a Celaena de que o capitão realmente a colocaria para trabalhar quando estivessem de novo no salão de treinamento. Ela sorriu.
Depois de encontrar um lugar logo abaixo dos degraus que conduziam às portas duplas, Celaena olhou para o relógio de bolso. Archer começara a comer às 14 horas, e em geral a refeição terminava em noventa minutos, o que significava que sairia a qualquer instante. Celaena fez questão de mostrar que vasculhava o pequeno porta-moedas, e Chaol, misericordiosamente, ficou em silêncio, observando a multidão ao redor, como se aquelas mulheres chiques pudessem atacá-los a qualquer momento.
Alguns minutos se passaram e as mãos enluvadas de Celaena ficaram dormentes conforme as pessoas continuaram caminhando para dentro e para fora da casa de chá, com tanta frequência que ninguém se incomodou em reparar que os dois eram os únicos que não estavam prestes a entrar.
Mas então as portas da frente se abriram, e Celaena viu de relance um cabelo acobreado e um sorriso encantador, o que a fez se mexer. Chaol acompanhou com habilidades de especialista, levando Celaena escada acima, para o alto, para o alto, até que...
— Ops! — gritou Celaena, colidindo com um ombro largo e musculoso.
Chaol até a puxou para si, a mão apoiada nas costas dela para evitar que Celaena caísse das escadas. Ela olhou para cima, pelos cílios, então...
Uma piscada, duas piscadas.
O rosto exótico boquiaberto para ela se abriu em um sorriso.
— Laena?
Ela tinha planejado sorrir de qualquer forma, mas quando ouviu o antigo apelido de Archer para ela...
— Archer!
Ela sentiu Chaol enrijecer o corpo levemente, mas não se incomodou em olhar para ele. Era difícil tirar os olhos de Archer, que fora e continuava sendo o homem mais lindo que Celaena já vira. Não bonito – lindo. A pele dele reluzia dourado mesmo no meio do inverno, e os olhos verdes de Archer...
Deuses e Wyrd me salvem.
A boca de Archer também era uma obra de arte, toda com linhas sensuais e maciez que implorava para ser explorada.
Como se emergindo de um transe, Archer repentinamente balançou a cabeça.
— Deveríamos sair dos degraus — disse ele, e estendeu a mão enorme para indicar a rua abaixo. — A não ser que você e seu companheiro tenham uma reserva...
— Ah, estamos alguns minutos adiantados mesmo — falou Celaena, soltando o braço de Chaol para caminhar de volta para a rua.
Archer seguiu ao lado dela, o que deu à assassina um relance das roupas dele: túnica e calça feitas por um alfaiate experiente, botas na altura dos joelhos, uma capa pesada. Nada daquilo gritava riqueza, mas Celaena conseguia ver que tudo era caro. Ao contrário de alguns dos cortesãos mais extravagantes e frágeis, o apelo de Archer sempre fora mais rudimentarmente masculino. Os ombros largos e musculosos e a compleição poderosa; o sorriso sábio; até mesmo o lindo rosto irradiava uma sensação de masculinidade que deixava Celaena com dificuldades de lembrar o que tinha planejado dizer.
Até mesmo Archer parecia buscar as palavras enquanto os dois se encaravam na rua, a alguns passos da multidão ocupada.
— Faz um tempo — começou Celaena, sorrindo de novo.
Chaol permaneceu um passo afastado, em silêncio absoluto. E sem sorrir.
Archer enfiou as mãos nos bolsos.
— Quase não a reconheci. Era apenas uma garota quando a vi da última vez. Tinha... Pelos deuses, tinha 13 anos, acho.
Celaena não pôde evitar – ergueu o olhar para Archer sob os cílios baixos e disse, sussurrando:
— Não tenho mais 13 anos.
Archer abriu um sorriso lento e sensual para Celaena, avaliando-a da cabeça aos pés antes de afirmar:
— Certamente é o que parece.
— Você também ganhou um pouco mais de corpo — observou Celaena, e devolveu o favor de avaliá-lo.
Archer sorriu.
— Vem com a profissão.
Ele inclinou a cabeça para o lado, então voltou os olhos magníficos para Chaol, que agora estava parado com os braços cruzados. Ela ainda se lembrava de como Archer era apto a absorver os detalhes. Devia ser parte do motivo pelo qual havia se tornado o melhor cortesão de Forte da Fenda. E um oponente formidável quando Celaena treinava no Forte dos Assassinos.
Ela olhou para Chaol, que estava ocupado demais encarando Archer com impaciência para reparar nela.
— Ele sabe de tudo — disse Celaena para Archer.
Alguma tensão fluiu para fora dos ombros do cortesão, mas a surpresa e o espanto também estavam passando, substituídos por uma pena hesitante.
— Como saiu? — perguntou Archer, cuidadosamente, ainda sem mencionar nada a respeito da profissão de Celaena ou de Endovier, apesar da confirmação de que Chaol sabia.
— Fui solta. Pelo rei. Trabalho para ele agora.
Archer olhou para Chaol novamente, e Celaena deu um passo na direção do cortesão.
— É um amigo — disse ela, baixinho.
Seria desconfiança ou medo nos olhos dele? E seria apenas porque Celaena trabalhava para um tirano que o mundo temia ou porque ele, de fato, tinha se tornado um rebelde com algo a esconder? Celaena se manteve o mais casual possível, o mais inofensiva e relaxada que alguém poderia parecer ao esbarrar em um velho amigo.
Archer perguntou:
— Arobynn sabe que você voltou?
Aquela não era uma pergunta para a qual Celaena estava preparada, ou que quisesse ouvir. Dando de ombros, disse:
— Ele tem olhos por toda parte; ficaria surpresa se não soubesse.
Archer assentiu com seriedade.
— Sinto muito. Ouvi sobre Sam... e sobre o que aconteceu na casa de Farran naquela noite. — Archer balançou a cabeça e fechou os olhos. — Só... sinto muito.
Embora o coração de Celaena tivesse se revirado ao ouvir as palavras, ela assentiu.
— Obrigada.
Celaena apoiou a mão no braço de Chaol, precisando subitamente apenas tocá-lo, se certificar de que o capitão ainda estava ali. Porque precisava parar de falar sobre aquilo também; ela suspirou e fingiu parecer interessada nas portas de vidro no alto dos degraus.
— Deveríamos entrar — mentiu Celaena. Ela sorriu para Archer. — Sei que fui uma pirralha irritante quando você treinou no Forte, mas... quer jantar comigo amanhã? Tenho a noite de folga.
— Você certamente teve seus momentos naquela época. — Archer devolveu o sorriso e fingiu uma reverência. — Precisarei adiar alguns compromissos, mas ficarei honrado. — Ele colocou a mão na capa e tirou de dentro dela um cartão de cor creme, com seu nome e endereço gravados. — Apenas avise onde e a que horas e estarei lá.



Celaena estava quieta desde que Archer fora embora, e Chaol não tentara puxar conversa, embora estivesse quase explodindo para dizer alguma coisa.
Sequer sabia por onde começar.
Durante toda a troca, só pôde pensar no quanto queria arrebentar o rostinho bonito de Archer contra o prédio de pedras.
Chaol não era tolo. Sabia que alguns dos sorrisos e rubores de Celaena não haviam sido encenação. E embora não tivesse qualquer posse sobre ela – e reivindicá-la para si seria a coisa mais burra que Chaol poderia fazer – a ideia de a assassina ser suscetível aos charmes de Archer o fazia querer ter uma conversinha com o cortesão.
Em vez de voltar para o castelo, Celaena começou a caminhar pelo distrito rico, no coração da cidade, com passos sem pressa. Depois de quase trinta minutos de silêncio, Chaol achou que havia se acalmado o bastante para ser civilizado.
— Laena? — indagou ele.
Levemente civilizado, pelo menos.
Os riscos dourados nos olhos turquesa de Celaena eram fortes ao sol da tarde.
— De todas as coisas que dissemos lá atrás, foi essa a que mais o incomodou?
Incomodou. Que Wyrd o levasse, aquilo o incomodou absurdamente.
— Quando contou que o conhecia, não percebi que você estava querendo dizer tão bem assim. — Chaol lutou contra o mau humor esquisito e repentino que se erguia de novo. Mesmo se estivesse encantada pela aparência de Archer, Celaena o mataria, Chaol precisou se lembrar.
— Minha história com Archer me permitirá fazer com que ele forneça informações a respeito do que quer que seja esse movimento rebelde — falou Celaena, erguendo o olhar para as lindas casas pelas quais passavam. As ruas residenciais eram tranquilas, apesar de o centro da cidade fervilhar apenas alguns quarteirões abaixo. — Ele é uma das poucas pessoas que, de fato, gosta de mim, sabe. Ou gostava, há anos. Não deveria ser tão difícil ter alguma ideia do que esse grupo pode estar planejando contra o rei, ou de quem são os outros membros.
Parte de Chaol, ele sabia, deveria sentir vergonha por encontrar algum alívio no fato de que Celaena mataria Archer. Ele era melhor do que aquilo – e certamente não era o tipo territorialista.
E os deuses sabiam que Chaol não tinha direitos sobre Celaena. Ele vira o olhar no rosto dela quando Archer mencionou Sam.
Chaol ouvira por alto sobre a morte de Sam Cortland. Jamais soubera que os caminhos de Celaena e Sam tinham se cruzado, que Celaena algum dia... Algum dia amara com tanta intensidade. Na noite em que foi capturada, não tinha saído para recolher o ouro de um contrato – não, fora até aquela casa para se vingar pelo tipo de perda que Chaol nem conseguia imaginar.
Os dois caminharam pela rua, a lateral do corpo de Celaena quase tocando a de Chaol. Ele lutou contra a vontade de encostar o corpo no dela, de aconchegá-la.
— Chaol? — disse ela, alguns minutos depois.
— Hum?
— Sabe que eu odeio quando ele me chama de Laena, não sabe?
Um sorriso curvou os lábios do capitão, com um lampejo de alívio.
— Então, da próxima vez que eu quiser irritá-la...
— Nem pense nisso.
O sorriso de Chaol se abriu, e o lampejo de alívio se tornou algo que lhe deu um soco no estômago quando Celaena sorriu de volta.

18 comentários:

  1. Ah eu gostava do Príncipe e a calaene,mas agora...

    Nay

    ResponderExcluir
  2. Ainda prefiro ela com o Dorian

    ResponderExcluir
  3. Eu gostava de Doriam mas entao começei a gostar de Choal mas depois de -ler a lamina da assassina- n consigo esquecer Sam

    By:Fabby Santtos

    ResponderExcluir
  4. Pera PERA, Chaol Conheceu Sam ? pq pelo ultimos trechos ali deu a entender que ele conhecia Sam.

    ResponderExcluir
  5. Só eu que achei esse Archer parecido com o Finnick de THG??

    Maah Santos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem que ele não me pareceu estranho...

      Ass.: Mutta Chase Heyes

      Excluir
    2. Achei que fosse só eu kkkkkkk tbm me lembrou muuuito :3

      Excluir
  6. Muito, muito fofo os dois, torcendo para eles ficarem juntos.

    ResponderExcluir
  7. eles são tão fofos 😍
    perdeu Dorian

    ResponderExcluir
  8. Chaol e Celaena são fofos...
    Mas preferia o Sam <3, mas fazer o que né :,(

    ResponderExcluir
  9. EU PREFIRO 1 BILHÃO DE VEZES O DORIAN 😢😢😢😭😭😭

    ResponderExcluir
  10. Se ela pudesse ter Chaol e Sam ao mesmo tempo seria tão... own.

    ResponderExcluir
  11. Jeová! É muito crush nesse livro... Chaol, Dorian, Sam e ainda tem mais um personagem que citaram nos comentários do livro A Lâmina da Assassina u_u

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!