8 de fevereiro de 2016

Capítulo 55

A tranca quebrada na porta do quarto de Celaena ainda não tinha sido consertada quando Dorian chegou depois do café da manhã, com uma pilha de livros nos braços. Celaena estava diante da cama, enfiando roupas em uma enorme sacola de couro. Ligeirinha foi a primeira a reconhecer a presença do príncipe, embora ele não tivesse dúvida de que a jovem o ouvira chegando desde o corredor.
A cadela mancou até ele, a cauda agitada, e o príncipe colocou os livros na mesa antes de se ajoelhar no tapete de pelos. Ele passou a mão na cabeça de Ligeirinha, deixando que a cadela o lambesse algumas vezes.
— A curandeira disse que a perna vai ficar boa — falou Celaena, ainda concentrada na sacola. A mão esquerda da assassina estava com ataduras, um ferimento que o príncipe não notara na noite anterior. — Ela saiu faz alguns minutos.
— Que bom — disse Dorian, e ficou de pé.
Celaena vestia uma túnica pesada, calça e um manto espesso. As botas marrons eram resistentes e sérias, muito mais recatadas do que as vestimentas normais. Roupas de viagem.
— Ia embora sem se despedir?
— Achei que seria mais fácil assim — respondeu Celaena. Em duas horas, velejaria para Wendlyn, a terra dos mitos e dos monstros, um reino de sonhos e de pesadelos que se tornavam realidade.
Dorian se aproximou da assassina.
— Esse plano é loucura. Você não precisa ir. Podemos convencer meu pai a fazer outra coisa. Se a pegarem em Wendlyn...
— Não vão me pegar.
— Não haverá ajuda para você — disse Dorian, colocando a mão na sacola. — Se for capturada, se for ferida, estará além do nosso alcance. Estará completamente sozinha.
— Vou ficar bem.
— Mas eu não vou. Enquanto você estiver lá, vou imaginar se aconteceu alguma coisa. Não vou... Não vou me esquecer de você. Nem por uma hora.
Celaena engoliu em seco, o único sinal de emoção que ela se permitiu demonstrar, e a assassina olhou na direção da cadela, que observava os dois do tapete.
— Você... — Dorian viu Celaena engolir em seco de novo antes de encará-lo. — Você tomará conta dela enquanto eu estiver fora?
O príncipe pegou a mão de Celaena, apertando-a.
— Como se fosse minha. Vou até deixar que durma comigo na cama.
Celaena deu um sorriso breve, e Dorian teve a sensação de que qualquer sinal maior de emoção acabaria com o autocontrole da assassina.
Ele apontou para os livros que havia levado.
— Espero que não se importe, mas preciso de um lugar para guardar esses livros, e seus aposentos podem ser... mais seguros do que os meus.
Ela olhou para a mesa, mas, para alívio de Dorian, não verificou os títulos. Os livros só gerariam mais perguntas. Genealogias, crônicas reais, qualquer coisa a respeito de como e por que ele poderia ter magia.
— É claro. — Foi tudo o que Celaena disse. — Acho que Os mortos andam ainda está por aqui mesmo. Talvez fique feliz em ter companhia.
Dorian podia ter sorrido, caso aquilo não fosse um fato bizarro.
— Vou deixar que faça as malas. Tenho uma reunião do conselho na mesma hora da partida de seu navio — disse o príncipe, lutando contra a dor no peito. Era uma mentira, e ruim. Mas Dorian não queria estar no cais, não quando sabia que outra pessoa estaria lá para se despedir dela. — Então... acho que é adeus. — O príncipe não sabia mais se podia abraçá-la, então enfiou as mãos nos bolsos e deu um sorriso. — Cuide-se.
Um leve aceno de cabeça.
Eles eram amigos agora, e Dorian sabia que os limites físicos entre os dois haviam se alterado, mas... O príncipe se virou para não deixar que Celaena visse o desapontamento que ele sabia que estava bem óbvio em seu rosto.
Dorian deu dois passos na direção da porta antes que Celaena falasse, as palavras baixas e embargadas:
— Obrigada por tudo o que fez por mim, Dorian. Obrigada por ser meu amigo. Por não ser como os outros.
Ele parou, virando-se para encarar Celaena. Ela manteve o queixo elevado, mas estava com os olhos cheios d’água.
— Voltarei — disse Celaena, baixinho. — Voltarei por você.
E o príncipe sabia que havia mais coisas que ela não estava dizendo, algum significado maior por trás daquelas palavras.
Mas Dorian acreditou em Celaena mesmo assim.



O porto estava lotado com marinheiros e escravos e trabalhadores carregando e descarregando carga. O dia estava quente e com uma brisa, o primeiro indício de primavera no ar, e o céu estava sem nuvens. Um bom dia para velejar.
Celaena ficou parada diante do navio que a levaria pela primeira parte da viagem. Ele velejaria para um local combinado no qual um navio de Wendlyn o encontraria para pegar refugiados que escapavam das sombras do império de Adarlan. A maior parte das mulheres que viajariam na embarcação já estava sob o convés. A assassina mexeu os dedos da mão enfaixada e encolheu o corpo diante da dor constante que irradiou da palma da mão.
Celaena mal dormira na noite anterior, em vez disso, abraçara Ligeirinha perto do corpo. Dizer adeus uma hora antes fora como arrancar um pedaço do coração, mas a perna da cadela ainda estava ferida demais para arriscar a viagem para Wendlyn.
Ela não quis ver Chaol, não se incomodou em se despedir, pois tinha tantas perguntas para o capitão que era mais fácil não perguntar nada. Será que não sabia que armadilha impossível havia montado para ela?
O capitão do navio soou um aviso de cinco minutos para a partida. Os marinheiros começaram a se agitar, redobrando os esforços para se preparar para deixar o porto e velejar pelo Avery, então para o próprio Grande Oceano.
Para Wendlyn.
Celaena engoliu em seco. Faça o que precisa ser feito, dissera Elena. Será que isso significava matar de verdade a família real de Wendlyn, ou outra coisa?
Uma brisa salgada bagunçou seu cabelo, e a assassina deu um passo adiante.
Mas alguém surgiu das sombras dos prédios que ladeavam o cais.
— Espere — falou Chaol.
Celaena congelou quando o capitão se dirigiu até ela, e não se moveu mesmo quando se viu olhando para o rosto dele.
— Você entende por que fiz isso? — perguntou ele, baixinho.
Celaena assentiu, mas respondeu:
— Preciso voltar para cá.
— Não — falou Chaol, os olhos brilhando. — Você...
— Ouça.
Celaena tinha cinco minutos. Não poderia explicar agora – não poderia explicar que o rei o mataria se ela não voltasse. Esse conhecimento seria fatal para Chaol. E mesmo que o capitão fugisse, o rei havia ameaçado a família de Nehemia também.
Mas Celaena sabia que Chaol estava tentando protegê-la. E não podia deixá-lo completamente ignorante. Porque se morresse em Wendlyn, se alguma coisa acontecesse com ela...
— Ouça com atenção o que estou prestes a dizer.
Chaol ergueu as sobrancelhas. Mas Celaena não se permitiu um momento para reconsiderar, para questionar a decisão.
Da forma mais sucinta possível, contou ao capitão sobre as chaves de Wyrd. Contou sobre os portões de Wyrd e sobre Baba Pernas Amarelas. Contou sobre os papéis que havia escondido no mausoléu – sobre a charada com os lugares das três chaves de Wyrd. E então contou a Chaol que sabia que o rei tinha pelo menos uma. E que havia uma criatura morta selada sob a biblioteca. E que o capitão jamais deveria abrir a porta para as catacumbas – jamais. E que Roland e Kaltain poderiam ser parte de um plano maior e mais mortal.
E quando aquela verdade horrível foi revelada, Celaena abriu o fecho do Olho de Elena do pescoço e o colocou na palma da mão de Chaol.
— Nunca tire o cordão. Ele o protegerá do mal.
Chaol balançava a cabeça, o rosto pálido como a morte.
— Celaena, eu não posso...
— Não me importo se você vai sair em busca das chaves, mas alguém precisa saber sobre elas. Alguém além de mim. Todas as provas estão no mausoléu.
O capitão segurou a mão dela com a única mão livre.
— Celaena...
— Ouça — repetiu ela. — Se não tivesse convencido o rei a me mandar para longe, poderíamos... tê-las encontrado juntos. Mas agora...
Dois minutos, gritou o capitão do navio. Chaol apenas a encarava, tanta dor e medo nos olhos que Celaena ficou sem palavras.
Então ela fez a coisa mais inconsequente que já tinha feito na vida.
Celaena ficou na ponta dos pés e sussurrou as palavras no ouvido de Chaol. As palavras que o fariam entender, entender por que isso era tão importante para ela, e o que ela queria dizer quando afirmava que voltaria.
E Chaol a odiaria para sempre por causa daquilo, depois que entendesse.
— O que isso quer dizer? — indagou ele.
Celaena deu um sorriso triste.
— Você vai descobrir. E quando o fizer... — Ela balançou a cabeça, sabendo que não deveria, mas disse mesmo assim: — Quando entender, quero que lembre que não teria feito diferença nenhuma para mim. Nunca fez diferença nenhuma para mim quando se tratou de você. Eu ainda o escolheria. Sempre vou escolher você.
— Por favor... por favor, apenas diga o que quer dizer.
Mas não havia tempo, então Celaena balançou a cabeça de novo e deu um passo para trás.
Chaol deu um passo na direção dela, no entanto. Um passo, então falou:
— Amo você.
A jovem conteve o choro que se acumulava na garganta.
— Desculpe — disse ela, esperando que Chaol se lembrasse dessas palavras depois, mais tarde, quando descobrisse tudo.
As pernas de Celaena encontraram forças para se mover. Ela tomou fôlego. E com um último olhar para o capitão, a assassina caminhou pela rampa de entrada. Sem reparar naqueles a bordo, Celaena apoiou a sacola e ocupou um lugar perto da borda. Ela abaixou o rosto para o cais e viu Chaol ainda parado próximo à passarela enquanto a erguiam.
O capitão do navio gritou para que zarpassem. Marinheiros se apressaram, cordas foram desamarradas, atiradas e amarradas novamente, e o navio partiu. As mãos de Celaena se agarravam com tanta força à borda do navio que doíam.
A embarcação começou a se mover. E Chaol – o homem que Celaena odiava e amava tanto que, perto do qual, mal conseguia pensar – apenas ficou ali, observando-a partir.
A correnteza tomou o navio e a cidade começou a diminuir. A brisa do oceano logo acariciou seu pescoço, mas ela jamais deixou de olhar para Chaol. Ela olhou na direção dele até que o castelo de vidro não passasse de uma faísca reluzente e distante. Celaena olhou na direção de Chaol até que só houvesse oceano brilhante ao redor. Ela olhou na direção do capitão até que o sol caísse além do horizonte e um punhado de estrelas pendesse acima.
Somente quando as pálpebras se fecharam e o corpo oscilou, Celaena parou de olhar na direção de Chaol.
O cheiro de sal enchia suas narinas, tão diferente do sal de Endovier, e um vento alegre açoitou seus cabelos.
Depois de emitir um chiado entre dentes, Celaena Sardothien deu as costas para Adarlan e velejou em direção a Wendlyn.

9 comentários:

  1. Pelo amoooor. O que ela disse pra ele??????
    Quero saber, estou muito curiosa, mas acho que só vou saber - Chaol só vai entender as tais palavra -, no próximo livro ><
    Não acredito que ela realmente está indo embora.

    ResponderExcluir
  2. escutei a musica The Scientist do Coldplay agora, a letra da musica tem tudo a ver com a despedida da Celaena e do Chaol .....

    ResponderExcluir
  3. Tbm quero muito saber oque ela disse....Aii

    ResponderExcluir
  4. Não pode ser, eu quero, eu PRECISO SABER O QUE ELA FALOU, o pior que ele vai entender tipo um pouco antes da metade do próximo livro certeza

    ResponderExcluir
  5. Odeio ficar no escuro gente o que ela falou alguém.e dah uma luz pode ser de vela .

    ResponderExcluir
  6. MANO, EU TÔ AMANDO TANTO ESSE LIVRO Q ACHO Q EMPATOU COM MEU AMOR POR HARRY POTTER <3

    ResponderExcluir
  7. A parte que ele fala "Amo você" :'( que lindooooo ♥ #chaolaena sempre!

    ResponderExcluir
  8. Gente eu quero eles juntos!!!
    Quero ela com o Chaol!!!!
    Mas a cada capítulo minha esperanças estão se desfazendo!
    Seu q ela tem química com o Dorian mas não queria os dois juntos...
    O Dorian é super legal e honrado, mas não achei q ele é a Celena combinaram.
    Tipo tá na cara q ela é a princesa perdida e tal... e q se ela se casasse com ele eles unificaram o reino e governaram com honra e harmonia rumo a uma nova era de paz...
    E tipo a Elena ter aparecido para ela e o Gravin ter aparecido para ele só reforcem essa minha teoria de q elés vão se casar e reunificar o reino.
    Feéricos e Homens unidos mais uma vez, mas não consigo ficar feliz!
    Pra mim eles são só amigos...

    ResponderExcluir
  9. Ela acha q o Chaol vai ficar, mas ele prometeu voltar "pra casa" com o pai dele, aff, aff, aff.

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!