1 de fevereiro de 2016

Capítulo 55

No dia seguinte, Celaena se aproximou do trono de vidro lançando um olhar suspeito para a câmara do conselho. A mesma em que encontrara o rei, meses atrás. Uma chama verde crepitava na lareira, e 13 homens a aguardavam atrás de uma longa mesa, todos olhando para ela. Mas não havia outros campeões – só ela. A vencedora. Dorian estava ao lado do pai e sorria para Celaena.
Tomara que seja um bom sinal.
Apesar da esperança que a expressão de Dorian lhe dava, não podia ignorar o terror que enchia seu coração enquanto o rei seguia seus passos com aqueles  olhos sombrios. O único som na sala vinha da saia dourada do vestido de Celaena. Ela manteve as mãos contra o corpete marrom, tentando não esfregá-las.
Celaena parou e se curvou em reverência. Chaol, ao lado dela, fez o mesmo.
Na verdade, o capitão estava mais próximo do que era necessário.
— Você veio para assinar seu contrato — afirmou o rei, com uma voz que ressoava nos ossos dela.
Como um homem tão maligno pode ter tanto poder sobre o mundo?
— Sim, Vossa Majestade — respondeu ela, tão submissa quanto possível, fitando as botas do rei.
— Seja minha campeã e logo se verá uma mulher livre. Quatro anos de serviço foram a barganha estipulada com meu filho. Ainda que eu não compreenda por que negociar com você — comentou o rei, lançando um olhar mortal na direção de Dorian. O príncipe herdeiro mordeu os lábios, mas não disse nada.
O coração de Celaena quicava como uma bola. Faria qualquer coisa que o rei mandasse — qualquer missão abominável na qual pudesse lançá-la e, então, ao fim dos quatro anos, seria livre para viver como bem entendesse, sem temer perseguições ou escravidão. Poderia recomeçar, longe de Adarlan. Partir e esquecer aquele reino terrível.
Não sabia se caía na gargalhada, se ria, se assentia ou se chorava, se fazia uma dancinha. Poderia viver com a fortuna que receberia até a velhice. Não precisaria matar. Diria adeus a Arobynn e deixaria Adarlan para sempre.
— Não vai me agradecer? — vociferou o rei.
A assassina se curvou em reverência, mal contendo a alegria. Derrotara o rei – pecara contra o império e agora surgiria vitoriosa.
— Obrigada por tamanha honra e dádiva, Vossa Majestade. Sou sua humilde serva.
O rei bufou.
— Mentir não vai ajudar. Tragam o contrato.
Obedientemente, um membro do conselho colocou um pedaço de pergaminho na mesa em frente a Celaena.
Os olhos do rei brilharam, mas ela não mordeu a isca. Um sinal de rebelião, um movimento mais agressivo e ele a mandaria para a forca.
— Não haverá questionamentos de sua parte. Quando receber uma ordem, obedecerá. Não precisarei me explicar para você. E se em algum momento for pega, negará qualquer ligação comigo até seu último suspiro. Está claro?
— Perfeitamente, Vossa Majestade.
Ele se levantou do trono. Dorian começou a se mover, mas Chaol balançou a cabeça.
Celaena olhou para o chão quando o rei parou diante dela.
— Agora, ouça isto, assassina — recomeçou o rei. Ela se sentia fraca e diminuta tão próxima dele. — Caso fracasse em suas missões ou não dê conta de seu trabalho, pagará caro por isso.
A voz do rei se tornou tão baixa que Celaena mal conseguia ouvir.
— E se não retornar das missões nas quais eu a enviar, seu amigo, o capitão... — O rei fez uma pausa dramática. — Será morto.
Celaena arregalou os olhos enquanto fitava o trono vazio.
— Se, depois disso, ainda não retornar, mandarei matar Nehemia. Então, executarei os irmãos dela. Depois disso, a mãe deles será enterrada. Não duvide: sou tão esperto e dissimulado quanto você. — Celaena sentia o sorriso estampado na cara dele. — Você entendeu, não? — O rei se afastou. — Assine.
Ela olhou a lacuna e a oportunidade que simbolizava. Inspirou longa e silenciosamente e, rezando pela própria alma, assinou. A cada letra ficava mais difícil empunhar a pena. Finalmente, Celaena largou-a sobre a mesa.
— Ótimo. Agora saia daqui — mandou o rei, apontando para a porta. — Chamarei quando precisar.
O rei voltou a se acomodar no trono. Celaena fez uma nova mesura, cuidando para não encará-lo diretamente. Por um momento, vislumbrou Dorian, cujos olhos azuis brilhavam com uma expressão que Celaena jurou ser de tristeza, então o príncipe sorriu para ela. A assassina sentiu a mão de Chaol apertando-lhe o braço.
Chaol morreria. Ela não poderia condená-lo à morte. Ou a família Ytger.
Com os passos pesados, e ao mesmo tempo leves, Celaena deixou a sala.
Do lado de fora, o vento rugia e batia contra o pináculo de vidro, mas nada podia fazer para destruir os muros. A cada passo que a afastava da sala, o peso nos ombros de Celaena diminuía.
Chaol ficou em silêncio até entrarem no castelo de pedra, então o capitão se virou para ela.
— Bem, campeã — disse ele. Ainda não voltara a usar a espada.
— Sim, capitão?
Chaol esboçou um leve sorriso.
— Feliz agora?
Celaena não conseguia conter o próprio sorriso.
— Posso ter vendido a alma com aquela assinatura, mas... sim. Ou tão feliz quanto possível.
— Celaena Sardothien, a campeã do rei.
— O que tem?
— Soa bem — comentou Chaol, e deu de ombros. — Quer saber qual será sua primeira missão?
Celaena olhou para os olhos castanho-dourados de Chaol e todas as promessas que havia sob eles. A assassina deu o braço ao capitão e sorriu.
— Conte-me amanhã.

21 comentários:

  1. O nome de Cealena é tão esquisito! Fiquei feliz quando no final do segundo livro... Bem, falar seria spoilers :S hihihi acho que a série é boa apenas até o segundo livro. Não gostei muito do terceiro. Alguém mais já leu essa série antes?
    Cátia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, demorei pra pegar esse Celaena, eu sempre lia, escrevia errado. Eu também demorei pra gostar da história.. só no final desse livro é que comecei a gostar, os volumes seguintes são realmente melhores

      Excluir
    2. Acho que leio o nome errado mais eu leio como se fosse Selena...

      Excluir
    3. Eu já li a série inteira e estou relendo, sou meio fanática nessa série, fazer o que né

      Excluir
  2. Esse rei idiota, seriamente. Mas essa parte com o Cao foi muito fofurinha

    ResponderExcluir
  3. Muito bom esse livro não consegui parar ler,karina sinto muito não consegui esperar pra ler a continuação já li os trez vc é perfeita uma diva por nos trazer séres q vc tão consegue parar de ler até o último capítulo já li quase todos os livros de seu blog estou super ansiosa para ver os proximos q vc ira publicar
    Seu blog e d+ arrasando geral
    Ass Suelen
    PS:Desculpa pelo texto

    ResponderExcluir
  4. So eu que chamo ela de Celena ? Esses nomes sao confusos .-.

    ResponderExcluir
  5. nãoooo ahushaushs. eu tbm chamo ela te celena.. haush ia fazer a mesma pergunta kkkk ... Mais fácil e mais bonito kkk

    ResponderExcluir
  6. Eu SÓ ACHO que deveria ter rolado um beijo ai , entre Celaena e Claol SÓ ACHOOOO.. -.-'

    ResponderExcluir
  7. Celaena e Chaol, HUUUM C E C acho que combina,,, mano shippo muito, shippo forte o Dorian e a Princesa cujo nome nao consigo escrever, eles fariam um reino, governariam de uma maneira maravilhosa!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nehemia? Sim, pelos ideais, os dois ficariam bem juntos, unificariam os reinos e tal... mas nao consigo vê-los como um casal

      Excluir
  8. Me deram um spoiler que eu possp ter entendido errado, sobre com quem ela fica. Pode se referir ao futuro, ou ao passado dela. Não posso dizer pq (dã) seria spoiler para os leitores, talvez nos próximos livros. Spoiler: amar ou odiar, eis a questão.

    ResponderExcluir
  9. Sobre a pronúncia do nome da Celaena: O nome é derivado do latim, onde as letras "ae" formam um único caractere de pronúncia "ái". A pronúncia, portanto, é "Celáina" na língua original e "Celena" em português, mesmo; apesar de ser nome próprio e não ser adequado mudar a grafia/fonética

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A autora do livro já mostrou por escrito como se pronuncia. Ficaria algo como "Sil-le-i-nah"

      Excluir
  10. Alguém me ajuda como pronunciar esses nomes kkk

    ResponderExcluir
  11. Qual o problema que vocês têm com o nome dela? Eu acho fácil Ce-La-E-Na. Mas a pronúncia provavelmente está errada kkkkk
    Esse livro é ooootimo, eu não pensava que a história fosse assim quando eu peguei, mas é ótima.
    Me lembrou um pouco de Jogos Vorazes, tipo: A história fica parada, eles ficam no bem-bom (no castelo), aí tem os treinamentos e no final é que eles começam a lutar. Ok, a história não é nada parecida, mas nessas coisas sim.
    Só eu tô curiosa pra saber qual é a próxima missão? :3

    ResponderExcluir
  12. Eu simplesmente ameii o livro✌✌��

    ResponderExcluir
  13. Caramba! Eu me apurrinhei com esses nomes estranhos e fui pesquisar como se pronuncia o da menina, mas TODOS os nomes se pronunciam COMPLETAMENTE DIFERENTE!😲

    Celaena Sardothien aparentemente se pronuncia "Sell-lay-nah Sar-doth-ee-en" (a pesar de eu pronunciar o mais aportuguesado: CE-LA-ENA SAR-DÓ-TI-EN 🙂).
    Nem o Dorien escapa. É eu achando q o nome dele era o mais legal ( quis dizer normal).

    Ah, e Wyrd se pronuncia Word
    Sim. Eu me decepcionei MUITO nessa.
    O q passa na cabeça dessa mulher p fazer Y ter som de Ô???

    Eu pirei nesse site: 😵
    "Throne of Glass Pronunciation Guide | Sarah J. Maas"
    http://googleweblight.com/?lite_url=http://sarahjmaas.com/extras/throne-of-glass-pronunciation-guide/&ei=7X_Rz5HI&lc=pt-BR&s=1&m=419&host=www.google.com.br&ts=1478811067&sig=AF9Nedmnc_QwzS0xQdCWP0D9G0VvtPMZRA
    😮 N sei se pode mandar link no blog, pode? Qualquer coisa ignorem.

    Se achavam os nomes estranhos, procurem no titio Google. 😁

    Ass.: Mutta Chase Hayes 🙂

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!