8 de fevereiro de 2016

Capítulo 53

Quando Celaena terminou de contar a Dorian a história que contara a Chaol – embora uma versão muito mais limitada – ele emitiu um longo suspiro e se recostou na cama.
— Parece algo saído de um livro — disse o príncipe, encarando o teto.
Celaena estava sentada do outro lado da cama.
— Acredite em mim, achei que estava enlouquecendo por um tempo.
— Então você abriu mesmo um portal para outro mundo? Usando essas marcas de Wyrd?
Ela assentiu.
— Você também derrubou aquela criatura como se fosse uma folha no vento.
Ah, Celaena não se esquecera daquilo. Nem por um segundo esquecera o que significava que Dorian tivesse um poder tão puro.
— Aquilo foi apenas sorte. — Ela o observou, aquele seu príncipe bondoso e inteligente. — Ainda não consigo controlá-lo.
— No mausoléu — falou Celaena — tem alguém que pode... oferecer algum conselho sobre como controlá-lo. Que pode ter alguma informação sobre o tipo de poder que você herdou. — Naquele momento, no entanto, Celaena não sabia exatamente como explicar Mort a Dorian, então apenas disse: — Algum dia, em breve, você e eu podemos descer lá para conhecê-lo.
— Ele é...
— Vai ver quando chegar lá. Se ele desejar conversar com você. Pode levar um tempo até perceber que gosta de você.
Depois de um instante, Dorian estendeu o braço e pegou a mão de Celaena, levando-a aos lábios para um beijo rápido. Nada romântico – um gesto de agradecimento.
— Embora as coisas estejam diferentes entre nós agora, fui sincero no que falei depois do duelo com Cain. Sempre serei grato por você ter entrado em minha vida.
A garganta de Celaena se apertou, e ela apertou a mão de Dorian.
Nehemia sonhara com uma corte que pudesse mudar o mundo, uma corte em que a lealdade e a honra fossem mais valiosas do que a obediência cega e o poder. No dia em que a princesa morreu, Celaena achou que o sonho dessa corte havia desaparecido para sempre. Mas ao olhar para Dorian, sorrindo para ela, aquele príncipe que era inteligente, atencioso e gentil, que inspirava homens bons como Chaol a servi-lo...
Celaena se perguntou se o sonho impossível e desesperado de Nehemia a respeito daquela corte ainda podia se tornar realidade.
A verdadeira pergunta agora era se o pai de Dorian sabia a ameaça que o filho representava.



O rei de Adarlan precisava dar crédito ao capitão; o plano era destemido e ousado, e mandaria uma mensagem não apenas para Wendlyn, mas para todos os inimigos deles. Com o embargo entre os países, Wendlyn se recusava a permitir a entrada de homens de Adarlan nas fronteiras. Mas mulheres e crianças em busca de refúgio ainda eram permitidas. Aquilo tornava o envio de qualquer outra pessoa impossível, mas a campeã...
O rei abaixou o rosto para a mesa do conselho, da qual o capitão esperava a decisão. O pai de Westfall e quatro outros haviam imediatamente apoiado a ideia. Outra esperteza inesperada de Chaol. Ele havia levado aliados para a reunião.
Dorian, no entanto, o observava com uma surpresa mal escondida.
Obviamente, Westfall não achou que Dorian apoiaria a decisão. Se ao menos Westfall fosse o herdeiro do rei; sua mente de guerreiro era aguçada, e ele não fugia do que precisava ser feito. O príncipe ainda tinha que aprender aquele tipo de obstinação.
Afastar a assassina do filho seria um benefício inesperado. O rei confiava na garota para fazer o trabalho sujo – mas não a queria perto de Dorian.
Celaena levara a cabeça de Archer Finn para ele naquela manhã, nem um dia a mais do que havia prometido, e explicara o que descobrira: que Archer fora responsável pela morte de Nehemia devido ao envolvimento mútuo dos dois naquela sociedade traidora. O rei não ficou surpreso por Nehemia estar envolvida.
Mas o que a assassina teria a dizer sobre aquela viagem?
— Convoquem minha campeã — falou o rei.
No silêncio que se seguiu, os membros do conselho murmuravam uns com os outros, e o filho do rei tentou chamar a atenção de Westfall. Mas o capitão evitava olhar para o príncipe.
O rei sorriu levemente, girando o anel preto no dedo. Uma pena que Perrington não estivesse ali para ver aquilo. Ele estava lidando com a revolta escrava em Calaculla – as novidades do movimento eram mantidas em tanto sigilo que até mesmo os mensageiros abriram mão das próprias vidas. O duque teria se divertido bastante com a reviravolta dos eventos naquele dia. Mas ele desejava que Perrington estivesse ali também por motivos mais importantes: ajudá-lo a descobrir quem abrira um portal na noite anterior.
O rei sentira no sonho – uma mudança repentina no mundo. Ficou aberto por apenas alguns minutos antes de alguém fechá-lo de novo. Cain tinha morrido; quem mais no castelo possuía aquele tipo de conhecimento ou poder no sangue? Seria a mesma pessoa que matou Baba Pernas Amarelas?
O rei levou a mão a Nothung, sua espada.
Não havia corpo – mas nem por um segundo o rei achou que Pernas Amarelas tivesse simplesmente desaparecido. Na manhã seguinte ao sumiço da bruxa, ele mesmo fora para o parque verificar o vagão destruído.
O rei vira os pingos de sangue escuro que manchavam o piso de madeira. Pernas Amarelas fora uma rainha entre seu povo, uma das três facções violentas que destruíra a família Crochan quinhentos anos antes. Eles se orgulhavam de ter apagado muito da sabedoria das mulheres Crochan, que governaram com justiça durante mil anos. O rei convidara o parque até ali para se encontrar com a bruxa – para comprar alguns dos espelhos dela e descobrir o que restava da Aliança Dentes de Ferro, que um dia fora forte o suficiente para destruir o Reino das Bruxas.
Mas antes de Pernas Amarelas entregar qualquer informação decente, ela morreu. E frustrava o rei não saber por quê. O sangue dela fora derramado no seu castelo; outros poderiam aparecer e exigir respostas e retribuição. Se viessem, o rei estaria pronto.
Porque nas sombras do desfiladeiro Ferian, ele criava novas montarias para os exércitos que se reuniam. E suas serpentes aladas ainda precisavam de cavaleiros.
As portas da sala do conselho se abriram. A assassina entrou, os ombros para trás naqueles modos insuportáveis dela. Celaena absorveu os detalhes da sala friamente antes de parar alguns metros diante da mesa e fazer uma reverência exagerada.
— Vossa Majestade me convocou?
A assassina desviava o olhar, como costumava fazer. Exceto por aquele dia agradável em que entrara e praticamente esfolara Mullison vivo. Parte do rei desejava não ter que libertar o conselheiro arrogante da masmorra naquele momento.
— Seu companheiro, capitão Westfall, teve uma ideia bastante... incomum — disse o rei, e gesticulou para Chaol. — Por que não explica, capitão?
O capitão se virou na cadeira, então ficou de pé para encarar Celaena.
— Sugeri que a enviemos para Wendlyn para eliminar o rei e seu herdeiro. Enquanto estiver lá, também tomará os planos de defesa naval e militar deles, então, depois que o caos se instaurar no país, poderemos navegar seus recifes impenetráveis e tomar a região.
A assassina olhou para Chaol por um longo instante, e o rei notou que seu filho ficara muito, muito quieto. Então ela sorriu, uma expressão cruel e distorcida.
— Seria uma honra servir à coroa de tal forma.
O rei jamais descobrira algo sobre a marca que brilhara na cabeça da campeã durante o duelo. A marca de Wyrd era impossível de decifrar. Significava “sem nome”, ou “inominável”, ou algo próximo de “anônima”. Mas, abençoada pelos deuses ou não, pelo sorriso malicioso no rosto, o rei soube que a assassina se deliciaria com a tarefa.
— Talvez possamos nos divertir com isso — ponderou o rei. — Wendlyn fará o baile do solstício em alguns meses. Que mensagem enviaríamos se o rei e o filho encontrassem seu fim bem debaixo dos narizes da própria corte, bem no dia de triunfo deles!
Embora o capitão tivesse ficado desconfortável com a súbita mudança de planos, a assassina sorriu para ele mais uma vez, felicidade sombria estampada no rosto. De que buraco do inferno ela tinha saído para encontrar prazer em tais coisas?
— Uma ideia brilhante, Vossa Majestade.
— Está feito, então — falou o rei, e todos olharam para ele. — Você partirá amanhã.
— Mas — interrompeu o príncipe — ela certamente precisa de algum tempo para estudar Wendlyn, aprender os modos do lugar e...
— É uma jornada de duas semanas pelo mar — falou o rei. — E então ela precisará de tempo para se infiltrar no castelo antes do baile. Pode levar qualquer material de que precisar e estudar a bordo.
As sobrancelhas de Celaena se ergueram levemente, mas ela apenas fez uma reverência com a cabeça. O capitão ainda estava de pé, o corpo mais rígido do que o de costume. E o príncipe tinha uma expressão de raiva – para o pai e para o capitão, com tanto ódio que o rei se perguntou se Dorian perderia a cabeça.
Mas o rei não estava particularmente interessado naqueles dramas fúteis, não quando aquele plano brilhante havia surgido. Ele precisaria enviar os cavaleiros imediatamente para o desfiladeiro Ferian e para as ilhas Mortas, e fazer com que o general Narok preparasse sua legião. O rei não queria cometer erros com aquela chance única em Wendlyn.
E seria a oportunidade perfeita para testar algumas das armas que ele forjava em segredo havia anos.



No dia seguinte.
Ela partiria no dia seguinte.
Chaol tivera a ideia? Mas por quê? Queria exigir respostas, queria saber em que o capitão estava pensando quando elaborou aquele plano. Celaena jamais contou a ele a verdade a respeito das ameaças do rei – que ele executaria o capitão se ela não voltasse de uma missão, se falhasse. E a assassina poderia fingir as mortes de lordes inferiores e de mercadores, mas não do rei e do príncipe herdeiro de Wendlyn. Nem em mil vidas conseguiria encontrar um modo de se livrar daquilo.
Celaena andava de um lado para o outro, sabendo que Chaol não voltaria para seus aposentos ainda, e acabou descendo até o mausoléu, pelo menos para se permitir fazer alguma coisa.
Esperava que Mort lhe desse um sermão sobre o portal – o que ele fez, de forma bem abrangente – mas não imaginava encontrar Elena esperando por ela dentro do mausoléu.
— Você tem poder o suficiente para aparecer para mim agora, mas não podia ajudar a fechar o portal ontem à noite?
Ela olhou uma vez para o semblante da rainha e começou a andar de um lado para o outro de novo.
— Eu não podia — respondeu Elena. — Mesmo agora, esta visita está me exaurindo mais rápido do que deveria.
Celaena fez uma careta para a rainha.
— Não posso ir para Wendlyn. Eu... eu não posso ir. Chaol sabe o que estou fazendo por você, então por que me faria ir até lá?
— Respire fundo — disse Elena, baixinho.
A assassina a olhou com raiva.
— Isso arruína seus planos também. Se estiver em Wendlyn, não poderei cuidar das chaves de Wyrd e do rei. E mesmo que fingisse ir e, em vez disso, saísse em uma missão pelo continente, não levaria muito para que ele percebesse que não estou onde deveria.
Elena cruzou os braços.
— Se estiver em Wendlyn, estará perto de Doranelle. Acho que é por isso que o capitão quer que você vá.
Celaena soltou uma gargalhada. Ah, em que confusão maluca Chaol a havia enfiado!
— Ele quer que eu vá me esconder com os feéricos e nunca mais volte para Adarlan? Isso não vai acontecer. Ele não apenas será morto, mas as chaves de Wyrd...
— Você velejará para Wendlyn amanhã. — Os olhos de Elena brilharam mais forte. — Deixe as chaves de Wyrd e o rei por enquanto. Vá para Wendlyn e faça o que precisa ser feito.
— Você plantou essa ideia na cabeça dele de alguma forma?
— Não. O capitão está tentando salvá-la da única forma que pode.
Celaena balançou a cabeça, olhando para a luz do sol que se projetava dentro do mausoléu pela abertura acima.
— Algum dia você vai parar de me dar ordens?
Elena soltou uma risada baixinha.
— Quando você parar de fugir do passado, sim.
Celaena revirou os olhos, então deixou os ombros se curvarem. Um caco de lembrança perfurou sua mente.
— Quando falei com Nehemia, ela mencionou... Mencionou que conhecia o próprio destino. Que o havia aceitado. Que isso colocaria as coisas em ação. Acha que ela, de alguma forma, manipulou Archer para que... — Mas Celaena não conseguiu terminar de dizer, não podia se permitir proferir aquela verdade horrível: que Nehemia arquitetara a própria morte, sabendo que mudaria mais o mundo, e Celaena, com sua morte do que com sua vida.
A mão fria e esguia pegou a de Celaena.
— Jogue este pensamento para os cantos mais afastados de sua mente. Saber a verdade, qualquer que seja, não vai mudar o que precisa fazer amanhã... aonde precisa ir.
E embora Celaena soubesse a verdade naquele momento, entendesse simplesmente pela recusa de Elena em responder, fez conforme a rainha ordenou. Haveria outros momentos, outras horas para trazer à tona aquela verdade e examinar cada uma de suas facetas sombrias e cruéis. Mas naquele momento, bem ali...
Avaliou a luz que se derramava no mausoléu. Uma luz tão fraca, mantendo a escuridão no limite.
— Wendlyn, então.
Elena deu um sorriso sombrio e apertou a mão de Celaena.
— Wendlyn, então.

11 comentários:

  1. Cara, jurava que o Chaol iria morrer naquele portal, li chorando...
    Só no fim deste capítulo que me permiti um suspiro de alívio...que isso, gente?

    Juh

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já achei que ele ia se perder lá, o portal fechar e a Cel ter que fazer uma viagem louca p resgata-lo haushuahsha

      Excluir
    2. Pois é, também seria trágico...

      Juh

      Excluir
  2. Nossa nenhum comentário,cadê vcs povo??

    ResponderExcluir
  3. "De que buraco do inferno ela tinha saído para encontrar prazer em tais coisas?" Eu rir kkkkkkk

    ResponderExcluir
  4. Eu tenho que começar a shipar os casais contrários porque NUNCA shippo certo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Calma kkkkkkkkk eu ainda tenho fé q chaol vai ficar com cel

      Excluir
    2. A esperança é a última que morre kskdksk Oremos.

      Excluir
  5. Wendlyn, então.
    Chaol e cel V O L T E M L O G O

    ResponderExcluir
  6. cycy_fer.✔✌❤15 de julho de 2016 02:23

    Agora ficou mais difícil ainda, a Cel e o Cha voltarem... Merdaaa😠

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!