1 de fevereiro de 2016

Capítulo 53

Celaena se recostou na cadeira, repousando os pés em cima da mesa e equilibrando perigosamente o assento nas duas pernas traseiras. Saboreou o alongamento e o alívio da tensão nos músculos, então virou a página do livro que tinha no colo. Ligeirinha dormia embaixo da mesa, roncando baixinho. Lá fora, o sol da tarde derretera a neve e a água que pingava do telhado cintilava, iluminando todo o quarto. As lesões já não a aborreciam tanto, porém, Celaena ainda mancava. Com sorte, voltaria a correr logo.
Passara-se uma semana desde o duelo. Philippa se ocupava com a tarefa de organizar os armários de Celaena para acomodar mais roupas. Peças que Celaena planejava comprar quando estivesse livre para explorar Forte da Fenda com o altíssimo salário de campeã do rei, que esperava começar a receber tão logo assinasse o contrato... quando quer que isso acontecesse.
Com Philippa ocupada, Nehemia e Dorian tinham passado a cuidar de Celaena – e o príncipe frequentemente lia histórias para ela até tarde da noite. Quando enfim dormia, sonhava com palavras arcaicas, com rostos há muito esquecidos, com marcas de Wyrd de brilho azul, com o rei e com um exército de mortos conjurado do reino do inferno. Ao acordar, esforçava-se ao máximo para esquecer os pesadelos, principalmente a magia.
Quando ouviu a maçaneta girando, o coração de Celaena quase pulou pela boca. Seria hora de finalmente assinar o contrato com o rei? Mas não era Dorian ou Nehemia, nem mesmo um pajem. O mundo parou de girar quando Chaol entrou no quarto. Ligeirinha correu até ele, abanando o rabo. Celaena quase caiu da cadeira quando tirou os pés de cima da mesa e se encolheu com a dor que irradiou do machucado na perna. Levantou-se num instante, porém, ao tentar falar, notou que não tinha o que dizer.
Depois que Chaol cumprimentou Ligeirinha com um carinho na cabeça, o cachorro voltou para o mesmo lugar e se enroscou novamente.
Por que ele não saía da porta? Celaena deu uma olhada na própria camisola e corou ao notar que Chaol via as pernas nuas dela.
— Como estão os machucados?
O capitão tinha a voz suave, e ela percebeu que Chaol não estava observando o quão curta era a camisola, mas sim o curativo na coxa.
— Estou bem — respondeu Celaena, rapidamente. — Os curativos agora servem só para arrancar empatia alheia — A assassina tentou sorrir, mas não conseguiu. — Não vejo você há uma semana... Você... Está tudo bem?
Os sete dias tinham transcorrido como uma eternidade.
Os olhos castanhos dele se encontram com os dela. De repente, era como se Celaena estivesse de volta no duelo, jogada no chão, Cain rindo a suas costas. E, no entanto, tudo o que ouvia e via era Chaol, ajoelhando-se para ajudá-la. A garganta de Celaena secou. Compreendera algo naquele momento. Mas agora não conseguia lembrar o quê. Talvez fosse outra alucinação.
— Estou bem — disse ele, e Celaena deu um passo à frente, ciente do quão curta era aquela camisola. — Só... queria me desculpar por não ter vindo visitá-la antes.
A assassina parou a menos de 1 metro do capitão e inclinou o pescoço. Chaol não carregava a espada.
— Sei que esteve ocupado — afirmou Celaena.
O capitão apenas ficou parado. Ela engoliu em seco e escondeu uma mecha dos cabelos soltos atrás da orelha. Deu mais um passo na direção dele, tendo agora de erguer a cabeça para encará-lo. Os olhos de Chaol exibiam uma expressão pesarosa. Celaena mordeu o lábio.
— Você salvou minha vida, sabia? Duas vezes.
Chaol franziu suavemente as sobrancelhas.
— Fiz o que devia.
— Por isso lhe devo minha gratidão.
— Você não me deve nada — replicou ele, com o tom de voz tenso.
Quando Chaol piscou, a jovem sentiu o coração apertado. Pegou as mãos dele, mas o capitão se desvencilhou.
— Só queria ver como você estava. Preciso ir a uma reunião — argumentou Chaol, porém Celaena sabia que era mentira.
— Obrigada por matar Cain. — Chaol se enrijeceu. — Eu... ainda me lembro de como me senti ao matar alguém pela primeira vez. Não foi fácil.
O capitão abaixou o rosto.
— Não consigo parar de pensar nisso. Por que foi fácil. Só levantei a espada e o matei. Queria matá-lo. — Chaol fixou os olhos em Celaena. — Ele sabia sobre seus pais. Como?
— Não sei — mentiu ela.
Celaena sabia muito bem. O acesso de Cain aos outros mundos, ao limite entre os mundos, o que quer que essas coisas sem sentido fossem, tinha lhe dado a habilidade de enxergar os pensamentos de Celaena, as memórias e a alma da assassina. Talvez até além. A jovem ficou arrepiada ao pensar nisso.
A expressão de Chaol se suavizou.
— Sinto muito por terem morrido dessa forma.
Celaena se fechou por completo, exceto pela voz, quando falou.
— Foi há muito tempo. Estava chovendo e pensei que a cama estava molhada por que tínhamos deixado a janela aberta. Quando acordei na manhã seguinte, percebi que não era chuva. — A assassina tentou respirar fundo e apagar a sensação de ter o sangue dos pais na pele. — Arobynn Hamel me encontrou logo depois.
— Sinto muito.
— Faz muito tempo. — repetiu Celaena. — Nem me lembro de como eles eram. — Outra mentira. Lembrava-se de cada detalhe dos rostos dos pais. — Às vezes até esqueço que eles existiram.
Chaol assentiu, mais para confirmar que tinha ouvido do que para mostrar que compreendia aquele sentimento.
— O que você fez por mim, Chaol — tentou ela novamente — não só com Cain, mas quando você...
— Preciso ir — interrompeu o capitão, virando-se.
— Chaol — chamou Celaena, agarrando a mão dele e o virando para encará-la.
Ela só viu o brilho atormentado nos olhos de Chaol antes de abraçá-lo pelo pescoço e apertá-lo com força. Chaol enrijeceu, porém Celaena apertou o corpo contra o dele, mesmo que as lesões ainda incomodassem. Então, depois de um momento, os braços de Chaol enlaçaram Celaena, mantendo-a próxima, tão próxima que, quando Celaena fechou os olhos e respirou, não pôde dizer onde Chaol terminava e ela começava.
O hálito do capitão aquecia o pescoço dela. Chaol inclinou a cabeça e apoiou o queixo entre os cabelos de Celaena. O coração dela batia tão rápido e, ao mesmo tempo, sentia-se totalmente calma – não teria se incomodado em ficar ali para sempre, pela eternidade, e deixar o mundo desabar ao redor deles. Celaena imaginou os dedos de Chaol ultrapassando a linha de giz, alcançando-a apesar da barreira entre eles.
— Está tudo bem? — perguntou Dorian à porta.
Chaol se desvencilhou dela tão rápido que Celaena quase tropeçou.
— Tudo bem — respondeu Chaol, endireitando os ombros.
O ar ficou frio, e Celaena se arrepiou quando o calor de Chaol deixou seu corpo. Não conseguiu olhar direito para Dorian depois que Chaol cumprimentou o príncipe e deixou o quarto.
Dorian encarou Celaena. Ela manteve o olhar na porta, mesmo depois que Chaol a bateu atrás de si.
— Não acho que ele está se recuperando bem de ter matado Cain.
— Óbvio! — disparou Celaena.
Dorian ergueu as sobrancelhas, e ela suspirou.
— Desculpe-me.
— Vocês dois pareciam estar no meio de... alguma coisa — comentou o príncipe, cautelosamente.
— Não é nada. Só me senti mal por ele, só isso.
— Queria que ele não tivesse saído tão rápido. Tenho boas notícias. — O estômago de Celaena revirou diante do anúncio. — Meu pai parou de enrolar. Você deve assinar o contrato na sala do conselho amanhã.
— Quer dizer... Quer dizer que sou oficialmente a campeã do rei?
— No fim das contas ele não a odeia tanto quanto parece. É um milagre não ter feito você esperar ainda mais — respondeu Dorian, com uma piscadela.
Quatro anos. Quatro anos de servidão, então estaria livre. Por que Chaol saíra tão rápido? Celaena olhou para a porta, pensando se conseguiria alcançá-lo ainda no corredor.
Dorian colocou as mãos na cintura de Celaena.
— Isso significa que ficaremos presos um ao outro por mais tempo.
Ele abaixou o rosto e a beijou, mas ela se soltou dos braços de Dorian.
— Eu... Dorian, sou a campeã do rei.
Ao dizer isso, Celaena quase engasgou com uma risada.
— Sim, você é — confirmou Dorian, reaproximando-se dela.
Mas ela manteve distância. A assassina fitou a janela, admirando o belo dia lá fora. O mundo estava cheio de possibilidades – e aos pés dela. Podia atravessar aquela linha branca. Então voltou o olhar para Dorian.
— Não posso ficar com você enquanto for a campeã do rei.
— Claro que pode. Terá de ser em segredo, mas...
— Já tenho muitos segredos. Não preciso de outro.
— Então vou encontrar um meio de contar a meu pai. E a minha mãe. — Dorian se encolheu ligeiramente.
— Para quê? Dorian, sou subordinada a seu pai. Você é o príncipe herdeiro.
Era verdade. E se o relacionamento ficasse mais sério, seria ainda mais complicado quando Celaena tivesse de deixar o castelo. Sem contar as complicações de estar com Dorian enquanto servia como campeã do pai dele. E, admitisse ou não, Dorian tinha os próprios deveres a cumprir. Por mais que o desejasse e gostasse dele, sabia que um relacionamento sério não terminaria bem. Não quando Dorian era o herdeiro do trono.
A expressão dele mudou.
— Está dizendo que não quer ficar comigo?
— Estou dizendo que... Vou ter de ir embora em quatro anos e não consigo ver um final feliz para nenhum dos dois. Estou dizendo que não quero pensar nas possibilidades. — A luz do sol aquecia Celaena, e o peso sob os ombros dela de repente desapareceu. — Estou dizendo que em quatro anos estarei livre. E nunca fui livre na vida. — O sorriso de Celaena cresceu. — Quero saber como é essa sensação.
Dorian abriu a boca para falar, mas parou ao contemplar o sorriso de Celaena.
— Como quiser.
— Mas quero continuar sua amiga.
O príncipe colocou as mãos nos bolsos.
— Sempre.
Celaena pensou em tocar o braço dele ou dar um beijo na bochecha de Dorian. Mas a palavra “livre” ecoava incessantemente em sua cabeça, e a jovem não conseguiu controlar o sorriso.
O príncipe virou o rosto e seu sorriso pareceu contido.
— Acho que Nehemia estava a caminho para lhe contar sobre o contrato. Vai ficar com raiva porque contei primeiro. Peça desculpas por mim, está bem? — Dorian parou ao abrir a porta, a mão ainda presa à maçaneta — Parabéns, Celaena — disse o príncipe, baixinho. Antes que ela pudesse agradecer, Dorian fechou a porta e saiu.
Sozinha, Celaena olhou para a janela e levou a mão ao coração, murmurando para si mesma repetidas vezes aquela palavra.
Livre.

26 comentários:

  1. Outro na friendzone, essa Cel é não é mole não, agora junta pra self Gale, Cao, Dori, Simon (com uma linda história de superação) eles vão formar o FNTA-Friendzones Não Tão Anônimos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você esqueceu do Alec e do Kishan, ambos com histórias de superação...

      Excluir
    2. Gostei da sigla FNTA KKKKKK bem adequada

      Excluir
    3. E o Nico, a Reyna (x2) e o Magnus Chase (o caso dele foi constrangedor, mas eu acho que ele e a Reyna se tornariam um belo casal. A Friendzone é, ironicamente, um bom lugar para achar um par perfect), o Will e o Jem (ambos se revesando em superação e friendzone), o Jacob e o Mike (completamente ignorado), Damon... São tantos que dá dó.

      E agora o Chaol e o Dorian foram basicamente chutados para lá com uma grande dose de frieza, bastante orgulhocia e ignorância-total extra.
      Provavelmente nunca conseguirão apagar totalmente as pegadas da vergonha de seus traseiros nobres. \(^-^)/

      Ass.: Mutta Chase Heyes

      Excluir
    4. Kkkkkkkk...

      Excluir
    5. Também tem o Aspen

      Excluir
    6. Corrigido meu shipp, agora q li O Martelo de Thor, dane-se a Reyna (Friendzone³)!😼
      Quero o Magnus com Alex Fierro!!! 😻😻😻 CAI FORA ROMANA!!!!😎
      (💞E a Sam com o Amir!!! Hihi, q fofos!💞)

      A Reyna pode ficar com, sei lá, TJ?
      Outro einherji?
      Sei lá.
      Ela me parece uma moradora fixa da Friendzone, até agora...
      Mas pra q a pressa, amiga? Seu esperado³ principe vai chegar, tá. - Mas n agora. Deixa EUZINHA achar um namorado primeiro, depois pode caçar um p vc.✌😋

      Ass.: Mutta Chase Hayes 😁

      Excluir
  2. Idiota, ela e uma imbecil. Tem um lindo príncipe aos seus pés, então o que que ela faz?! TERMINA COM ELE!
    ass: Bina.

    ResponderExcluir
  3. Pense q a liberdade significa para alguém q nunca a teve....

    ResponderExcluir
  4. Depois dessa acho que nem quero maisncontinuarva série....

    ResponderExcluir
  5. Acho que ela esta comemorando cedo de mais, e finalmente ela se tocou que tem que ficar com o Chaol, eu quero ver os dois juntos no final.
    Esse foi o primeiro passo, deixar o Dorian foi a melhor coisa que ela fez. Quero que ela termine de conquistar o Chaol.
    Ass: Eli

    ResponderExcluir
  6. Tbm acho que ela tem que ficar com chaol...pq é tão cliché e óbvio se ela ficasse com o principe...e se ela ficasse com o chaol seria uma coisa diferente....

    ResponderExcluir
  7. "Mas quero continuar sendo sua amiga". Aaaaaaaaaaaaahhhhhhhh! Que pontada no coração, essa.frase é cruel.

    ResponderExcluir
  8. MAS QUE DROGA DORIAN, tava tão lindo Chaol ;-; esse principezinho só serve pra cagar com o Chaol -.-

    ResponderExcluir
  9. Sinceramente não consigo entender como houve gente que shippou tanto Dorian e Celaena... O romance deles pareceu mais algo para fazê-la se reafirmar após as Minas de Sal de Endovier, e não amor verdadeiro. De toda forma, eu sabia que uma hora ela ia terminar.

    ResponderExcluir
  10. ISSO AÍ CEALENA! Fez muito bem em chutar o príncipe.
    Agora vai lá se agarrar com o Chaol, porque se não vou eu. Se ela ficasse com o príncipe seria clichê demais, embora a frase "quero continuar a ser sua amiga" tenha doído até em mim 😂😂

    ResponderExcluir
  11. Dá pena! Mas foi melhor terminar agora!😀

    ResponderExcluir
  12. Achei meio sem sentido as razões dela para terminar, mas não vou reclamar porque shippo ela com Chaol.

    ResponderExcluir
  13. Primeiro livro que leio e fico definitavamente dividido: Dorian ou Chaol? Meldelsss!!!

    Ass.: B.Bunny

    ResponderExcluir
  14. Sabia que isso chegaria... Mais continua sendo difícil...

    Team Dorian!!!

    Ass:Shay Santos

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!