8 de fevereiro de 2016

Capítulo 50

Ela sabia que a mudança acontecera porque doeu terrivelmente. Um lampejo de dor ofuscante conforme suas feições rompiam e se libertaram das amarras que as escondiam. O demônio avançou, e ela mergulhou dentro do poço de poder que subitamente transbordava dentro de si. Magia, selvagem e implacável, irrompeu de Celaena, golpeando a criatura e mandando-a pelos ares. Chama – anos antes, o poder dela sempre se manifestava em algum tipo de fogo.
Celaena conseguia sentir o cheiro de tudo, ver tudo. Os sentidos aguçados chamavam sua atenção para todos os lados, avisando que aquele mundo era errado, e que ela precisava ir embora agora.
Mas Celaena não iria, não até que Chaol e Ligeirinha estivessem em segurança.
A criatura parou de se debater, ficou de pé em um instante, e Celaena se colocou entre o monstro e Chaol. O demônio a farejou, flexionando as pernas.
Celaena ergueu Damaris e entoou seu desafio.
De longe, na névoa, rugidos responderam. Um deles saiu da coisa que estava à sua frente.
Ela olhou para Chaol, ainda agachado sobre Ligeirinha, e exibiu os dentes, os caninos reluzindo à luz cinzenta.
O capitão a encarava. Ela conseguia sentir o cheiro do terror e do assombro dele. O cheiro do sangue do capitão, tão humano e ordinário. A magia transbordava mais e mais, incontrolável e antiga e incandescente.
— Corra — rosnou Celaena, mais uma súplica do que um comando, porque a magia era uma coisa viva, e queria sair, e ela possuía a mesma probabilidade de ferir Chaol quanto de ferir a criatura.
Porque aquele portal poderia se fechar a qualquer momento e selar os dois ali para sempre.
A assassina não esperou para ver o que Chaol faria. A criatura avançou em Celaena, um borrão de pele branca enrugada. Ela correu na direção do monstro, projetando o poder imortal como um soco fantasma. O poder disparou em um lampejo azul de fogo espontâneo, mas a criatura desviou, assim como do golpe seguinte e do outro.
Celaena girou Damaris, e a criatura se abaixou antes de saltar alguns passos para trás. Os rugidos distantes estavam se aproximando. O ruído de rocha esmagada soou atrás de Celaena, e ela percebeu que Chaol estava seguindo para o portal.
O demônio começou a caminhar de um lado para o outro. Então o ruído parou. Aquilo significava que Chaol estava no portal de novo; ele devia ter carregado Ligeirinha consigo. Estava em segurança. Segurança.
Aquela coisa era inteligente demais, rápida demais – e forte demais, apesar dos braços e pernas esguios.
E se outras se aproximavam... se mais criaturas chegassem ao portal antes que se fechasse...
A magia de Celaena se acumulava de novo, vindo de uma fonte mais profunda agora. Celaena mediu a distância entre os dois conforme recuava na direção do portal.
A assassina tinha pouco controle sobre o poder, mas possuía uma espada – uma espada sagrada feita pelos feéricos, capaz de suportar magia. Um condutor.
Sem se dar tempo para pensar direito, lançou todo o poder puro para a espada dourada. A lâmina brilhou vermelho incandescente, as bordas estalavam com relâmpagos.
A criatura ficou tensa, como se sentisse o que Celaena estava prestes a fazer ao erguer a espada sobre a cabeça. Com um grito de guerra que entrecortou a névoa, Celaena afundou Damaris na terra.
O chão se partiu na direção do demônio, uma teia incandescente de linhas e fissuras.
Então o solo entre os dois começou a ruir, centímetro a centímetro, até que a criatura disparasse para longe. Em pouco tempo, havia apenas uma pequena projeção de terra cercando Celaena, suportada pelo portal aberto, e um precipício crescente diante dela.
Puxou Damaris da terra partida. Ela sabia que precisava ir – agora.
Mas antes que conseguisse se mover, antes que conseguisse chegar ao portal, a magia deixou seu corpo em uma onda tão violenta que ela caiu de joelhos. Dor irradiava, e Celaena retornou ao corpo mortal desengonçado e frágil.
E então mãos fortes estavam sob seus ombros, mãos que Celaena conhecia tão bem, arrastando-a de volta pelo portal e para Erilea, onde sua magia foi apagada como uma vela.



Dorian apareceu bem a tempo de ver Chaol puxando-a de volta do portal.
Ela estava consciente, mas era um peso morto nos braços do capitão ao ser arrastada pelo chão. Depois que cruzaram o limite, Chaol a soltou como se ela fosse feita de fogo, deixando-a, ofegante, no chão de pedra.
O que tinha acontecido? Havia uma terra rochosa além do portal, e naquele momento... naquele momento havia apenas uma pequena borda e uma cratera gigantesca. A criatura pálida tinha sumido.
Celaena se levantou nos cotovelos, braços e pernas trêmulos. A cabeça de Dorian doía, mas ele conseguiu caminhar até os dois. Estava puxando Celaena em um momento, e então... Ela o havia golpeado. Por quê?
— Feche — dizia Chaol para ela, o rosto tão branco que o sangue espalhado nele se destacava ainda mais intensamente. — Feche.
— Não consigo — sussurrou Celaena.
O príncipe se segurou à parede para evitar cair de joelhos por causa da dor na cabeça. Ele conseguiu chegar ao lugar em que os dois estavam posicionados diante do portal, Ligeirinha esfregava o focinho em Celaena.
— Vão continuar atravessando — disse o capitão, ofegante.
Algo estava errado, percebeu Dorian, algo estava errado entre eles. Chaol não tocava em Celaena, não a ajudava a se levantar.
Além da cratera dentro do portal, os rugidos ficavam mais altos. Não havia dúvida de que aquelas coisas encontrariam algum modo de atravessar.
— Estou exaurida; não tenho mais nada para fechar este portal... — Celaena se encolheu, então voltou os olhos para os de Dorian. — Mas você tem.



Pelo canto do olho, Celaena viu Chaol se virar para encarar Dorian. Ela ficou de pé, cambaleante. Ligeirinha, mais uma vez, se colocara entre Celaena e o portal, rosnando baixinho.
— Me ajude — sussurrou ela para o príncipe, algum lampejo de energia retornando.
Dorian não olhou para o capitão. Ele deu um passo à frente.
— O que preciso fazer?
— Preciso de seu sangue. O resto consigo fazer. Pelo menos espero. — Chaol começou a protestar, mas Celaena deu um sorriso breve e amargo para o capitão. — Não se preocupe. Apenas um corte no braço.
Embainhando a espada, Dorian puxou a manga da camisa e sacou uma adaga. Sangue escorreu do corte, rápido e reluzente.
Chaol grunhiu.
— Como aprendeu a abrir um portal?
— Encontrei um livro — disse Celaena. Era a verdade. — Eu queria falar com Nehemia.
Silêncio recaiu – um silêncio piedoso e aterrorizante.
Mas então ela acrescentou:
— Eu... eu acho que acidentalmente troquei um símbolo. — Celaena apontou para a marca de Wyrd que havia borrado, aquela que se recompusera. — Foi parar no lugar errado. Mas isto pode fechar a porta, se tivermos sorte.
O que não contou aos dois é que existia uma grande chance de não funcionar. Porém como não havia mais livros em seus aposentos e Archer levara Os mortos andam, Celaena só tinha aquele feitiço de selagem que usara na porta da biblioteca. E de maneira nenhuma – nenhuma mesmo – abandonaria aquele portal aberto ou deixaria Dorian ou Chaol de guarda. O portal se fecharia por conta própria em algum momento, no entanto, ela não sabia quando. Mais daquelas coisas rastejariam para fora a qualquer momento. Então tentaria aquilo, porque era a única opção. A assassina pensaria em outra coisa caso não funcionasse.
Vai funcionar, disse a si mesma.
Dorian apoiou a mão quente e reconfortante nas costas dela quando Celaena sujou os dedos com o sangue dele. Não tinha percebido como suas mãos estavam geladas até que o calor do sangue do príncipe aqueceu as pontas dos dedos. Uma a uma, ela desenhou as marcas para selagem sobre os símbolos verdes e brilhantes. Dorian não tirou a mão de Celaena – apenas se aproximou mais quando ela cambaleou. Chaol não disse nada.
Os joelhos de Celaena fraquejavam, mas ela terminou de cobrir os símbolos com o sangue de Dorian. Um rugido remanescente ecoou pelo mundo condenado quando o último símbolo brilhou, a névoa e as rochas e a ravina se dissiparam em escuridão, então viraram pedras familiares.
Celaena manteve a respiração constante, dedicando toda a sua concentração para isso. Se conseguisse continuar respirando, não desmoronaria.
Dorian abaixou o braço e suspirou, finalmente soltando-a.
— Vamos — ordenou Chaol, pegando Ligeirinha, que choramingou de dor e deu a ele um rosnado de aviso.
— Acho que todos precisamos de uma bebida — falou Dorian, baixinho. — E de uma explicação.
Mas Celaena olhou para o fim do corredor, para a escada pela qual Archer havia fugido. Fazia apenas minutos? Parecia uma vida inteira.
Mas fora apenas minutos... A respiração dela ficou instável. Celaena descobrira apenas um caminho para fora do castelo e estava certa de que Archer saíra por lá. Depois do que havia feito com Nehemia, depois de levar o livro e abandonar os três com aquela criatura... Exaustão foi substituída por um ódio familiar – ódio que queimava tudo, assim como Archer destruíra tudo que Celaena amara.
Chaol se colocou diante da assassina.
— Nem mesmo pense...
Ofegante, ela embainhou Damaris.
— Ele é meu.
Antes que Chaol conseguisse segurá-la, Celaena disparou pelas escadas.

11 comentários:

  1. Parando rapidinho só pra dizer que desde que a Nehemia morreu eu só consigo pensar AI MEU DEUS! AI MEU DEUS! AI MEU DEUS!... Esse livro tá cada vez melhor... Partiu próximo capítulo!

    ResponderExcluir
  2. Ufa! Ainda bem que ela não deixa as coisas pra depois! Vai Celaena

    ResponderExcluir
  3. Ela eo príncipe derrotarão o rei tenho certeza

    ResponderExcluir
  4. Gzuiz a cada capítulo um novo infarto.

    ResponderExcluir
  5. Preciso parar de lê e não consigo.Rsrsr

    ResponderExcluir
  6. Queria dormir, mas o livro não deixa
    Graças aos deuses é final de semana

    ResponderExcluir
  7. A mulher nunca cansa seeeeloko mermão kkkkkkkkk é uma deusa msm viu, só pode

    ResponderExcluir
  8. O fato dela ser feerica explica tudo, como por exemplo o fato dela arrochar no combate e na corrida que ela deu na noite em que a Neh morreu

    ResponderExcluir
  9. Bem acho q o Chaol tá ficando chato em não aceita ela pelo q ela é, tá q é meio estranho p ele neh mas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só dá um odiozinho básico dele... chato

      Excluir
  10. Cycy_fer.❤✌✔15 de julho de 2016 01:46

    Afss odiei... O chaol n podia odia-la por ser feérica.. N foi ela q escolheu isso q bostaa tô revoltss como eles vão voltar desse geito?

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!