8 de fevereiro de 2016

Capítulo 34

— Alguma mudança no comportamento dela?
— Saiu da cama.
— E?
Parado no corredor iluminado pelo sol dos andares mais altos do castelo de vidro, o rosto habitualmente jovial de Ress estava sombrio.
— E agora está sentada em uma cadeira diante da lareira. Como ontem: ela saiu da cama, se sentou na cadeira o dia todo, então voltou para a cama ao pôr do sol.
— Ainda não está falando?
Ress balançou a cabeça, mantendo a voz baixa quando um cortesão passou.
— Philippa diz que ela apenas fica ali sentada e olha para o fogo. Não fala. Mal toca a comida.
Os olhos de Ress ficaram mais cautelosos quando notaram os cortes em cicatrização que desciam pela bochecha de Chaol. Dois já estavam com casca e sumiriam, mas havia um longo, surpreendentemente profundo, que ainda estava sensível. Chaol se perguntava se deixaria cicatriz. Seria merecido se deixasse.
— Provavelmente estou ultrapassando os limites...
— Então não fale — rugiu Chaol. Ele sabia exatamente o que Ress diria: o mesmo que Philippa, e qualquer um que o via e lhe dava aquele olhar de pena. Você deveria tentar conversar com ela.
O capitão não sabia como a notícia de que Celaena tentara matá-lo se espalhara tão rapidamente, mas parecia que todos sabiam como era profunda a distância entre os dois. Chaol achou que haviam sido discretos, e tinha certeza de que Philippa não fazia fofoca. Mas talvez o que o capitão sentia por ela estivesse estampado no rosto. E o que Celaena sentia por ele naquele momento... Chaol resistiu à vontade de tocar os cortes no rosto.
— Ainda quero vigias do lado de fora da porta e das janelas dela — ordenou Chaol a Ress. O capitão estava a caminho de outra reunião; mais uma disputa de gritos a respeito de como deveriam lidar com a revolta de Eyllwe por causa da morte da princesa. — Não a impeça se ela sair, mas tente reduzir um pouco o ritmo dela.
O suficiente para que a notícia de que Celaena finalmente saíra dos aposentos chegasse a Chaol. Se alguém a interceptaria, se alguém a confrontaria sobre o que acontecera com Nehemia, seria ele. Até então, dava à assassina o espaço de que precisava, mesmo que sofresse por não falar com ela. Celaena se tornara parte da vida de Chaol – desde as corridas matinais até os almoços e os beijos que roubava dele quando ninguém estava olhando – e agora, sem ela, ele se sentia vazio. Mas ainda não sabia como a encararia algum dia.
Você sempre será meu inimigo.
Celaena estava sendo sincera.
Ress assentiu.
— Considere feito.
O jovem guarda bateu continência quando o capitão seguiu para a sala de reunião. Haveria outras reuniões naquele dia – muitas reuniões, pois ainda era caloroso o debate sobre como Adarlan deveria reagir à morte de Nehemia. E embora Chaol odiasse admitir, tinha outras coisas com que se preocupar além do luto interminável de Celaena.
O rei convocara os lordes e guerreiros do sul para Forte da Fenda. Inclusive o pai de Chaol.



Dorian não costumava se importar com os homens de Chaol. Mas realmente se importava de ser seguido por toda parte, dia e noite, por guardas que estavam à espreita por qualquer ameaça. A morte de Nehemia comprovara que o castelo não era impenetrável. Sua mãe e Hollin estavam confinados nos aposentos dela, e muitos dos nobres tinham deixado a cidade ou estavam escondidos também.
Exceto Roland. Embora a mãe dele tivesse fugido de volta para Meah na manhã seguinte ao assassinato da princesa, Roland ficara, insistindo que Dorian precisaria do seu apoio mais do que nunca. E estava certo. Nas reuniões de conselho, que ficavam cada vez mais cheias conforme os senhores do sul chegavam, Roland apoiou cada opinião e objeção que Dorian fez. Juntos, os dois foram contra o envio de mais tropas para Eyllwe no caso de uma revolta, e Roland apoiou a proposta do príncipe de que deveriam desculpar-se publicamente aos pais de Nehemia pela morte da princesa.
Seu pai tivera um ataque com tal sugestão, mas, ainda assim, Dorian escreveu uma mensagem aos pais de Nehemia expressando as mais sinceras condolências. O rei poderia ir para o inferno até onde ele se importava.
E aquilo começava a ser um problema, percebeu Dorian, sentado no quarto, na torre, folheando os documentos que precisava ler antes da reunião do dia seguinte com os senhores do sul. O príncipe passara tanto tempo tomando cuidado para evitar desafiar o pai, mas que tipo de homem seria se obedecesse cegamente?
Um homem esperto, sussurrou parte dele, tremendo com a sensação daquele poder antigo e frio.
Pelo menos os quatro guardas ficaram do lado de fora dos aposentos. A torre particular de Dorian era alta o suficiente para que ninguém alcançasse a varanda, e apenas uma escadaria levava para cima e para baixo. Facilmente defensível. Mas com a mesma facilidade também poderia se tornar uma jaula.
Dorian encarou a caneta de vidro na mesa. Na noite em que Nehemia morreu, ele não pretendera parar o pulso de Celaena no meio do golpe. Apenas sabia que a mulher que havia amado estava prestes a matar seu mais antigo amigo por causa de um mal-entendido. Estava longe demais para segurá-la conforme Celaena afundava a lâmina, mas então... foi como se um braço fantasma se estendesse de dentro dele e se enroscasse no pulso dela. Dorian conseguia sentir a pele dela, com o sangue seco, como se a estivesse tocando de verdade.
Mas não sabia o que estava fazendo. Apenas agira impulsivamente e por desespero e necessidade.
Precisava aprender a controlar aquele poder, o que quer que aquilo fosse. Se pudesse controlá-lo, poderia evitar que surgisse em momentos inoportunos. Como naquelas infernais reuniões de conselho, em que seu temperamento subia, e ele sentia a magia se agitando em resposta.
Dorian respirou fundo, concentrando-se na caneta, desejando que ela se movesse. Ele havia impedido Celaena no meio do movimento, atirara uma parede de livros ao ar – podia mover uma caneta.
A caneta não se moveu.
Depois de encarar o objeto até quase ficar vesgo, o príncipe resmungou e se recostou na cadeira, cobrindo os olhos com as mãos.
Talvez tivesse ficado louco. Talvez tivesse apenas imaginado a coisa toda.
Nehemia um dia prometera estar ao seu lado quando ele precisasse de ajuda – quando algum poder dentro dele despertasse. Ela sabia.
Será que, ao matá-la, o assassino matara também qualquer esperança que Dorian tivesse de encontrar respostas?



Celaena só passara a se sentar na poltrona porque Philippa tinha entrado no dia anterior e reclamado dos lençóis sujos. Poderia ter dito à criada que fosse para o inferno, mas considerou quem havia compartilhado aquela cama com ela por último, e ficou subitamente grata por ter os lençóis trocados. Celaena queria que qualquer traço dele sumisse.
Quando o sol terminou de se pôr, ela se sentou diante da lareira, encarando as brasas reluzentes que ficavam mais brilhantes conforme o mundo escurecia.
O tempo estava mudando e se dissolvendo gradualmente ao redor dela. Alguns dias levavam uma hora para passar, outros, uma vida. Celaena havia tomado banho uma vez, por tempo o suficiente para lavar o cabelo, e Philippa observara o tempo inteiro para se certificar de que a jovem não se afogaria.
Ela passou o polegar no braço da poltrona. Não pretendia acabar com a própria vida. Não antes de fazer o que precisava ser feito.
As sombras no quarto cresciam, e as brasas pareciam respirar conforme a assassina as observava. Respirando com ela, pulsando a cada batida do coração.
Naqueles dias de silêncio e sono, Celaena percebera uma coisa: o assassino viera de fora do palácio.
Talvez tivesse sido contratado por quem quer que inicialmente houvesse ameaçado a vida de Nehemia – talvez não. Mas não estava associado ao rei.
Celaena se agarrou aos braços da poltrona, as unhas enterrando-se na madeira polida. Não fora um dos assassinos de Arobynn também. Ela conhecia o estilo dele, e não era tão monstruoso. A assassina repassou de novo os detalhes do quarto, agora marcados em sua mente.
Ela conhecia um assassino monstruoso daquele jeito.
Cova.
Celaena aprendera o máximo possível a respeito dele quando o enfrentara na competição para se tornar campeã do rei. Ouvira o que ele fazia com os corpos das vítimas.
Os lábios dela se retraíram.
Cova conhecia o palácio; treinara ali, exatamente como Celaena. E sabia, também, exatamente quem estava assassinando e esquartejando, e o que aquilo significaria para ela.
Uma chama escura e familiar se acendeu no fundo de Celaena, espalhando-se pelo corpo, arrastando-a para um abismo sem fim.
Celaena Sardothien se levantou da poltrona.

17 comentários:

  1. Respostas
    1. Laura do Bom Senso 42 #Zueira12 de fevereiro de 2016 19:37

      Olha, ainda existem pessoas aqui lendo esse livro que comentam. kkk Brincadeira, é, mais ou menos, pq todo mundo sumiu, cadê a Emma por falar nisso, ela comentou em praticamente todos os capítulos do primeiro livro, #CadêVC

      Excluir
    2. Kkkkk vdd Laura !!! Todo mundo sumiu, mas acho q é a tensão do livro... Sempre penso em dxar um comentário, mas fico tão tensa c tudo, q n consigo esperar p pular logo p o próximo capítulo!
      Tbm sinto falta dos comentários da Emma !!

      Excluir
    3. Verdadeee kkkkkkk os comentários dela me divertiam demais, eu mal comentava no primeiro livro mas fazia questão de ler os comentários dela :/ uma pena ela ter desaparecido

      Excluir
  2. Tomei a decisão de não me importar mais com esse livro e Cealena que jogue o a felicidade e amor que ela achou no Chaol na merda pq eu to querendo bater na cara dela (ela estando num momento difícil ou não)

    ResponderExcluir
  3. Ela tem q reagir e perceber q do magia q matou a princesa magia negra q o rei e seus seguidores tem usado os anéis tem poder do mal

    ResponderExcluir
  4. É que a ansiedade faz com q a gnt passe os caps rápido u.u
    /vou parar com a mania de só comentar en anoni haishaus

    ResponderExcluir
  5. Vixi tem um príncipe jedai na área a força despertou kkkkkkkk

    ResponderExcluir
  6. A autora pisou na bola bonito nos dois últimos capítulos, Poxa cara Chaol e Celaena são perfeitos juntos e a autora faz isso... #ChateadaComAutora . Espero q no decorrer da história Celaena e Chaol voltem. Amo essa série de livro tirando o fato de algumas chateações. Kkkkkkkkkkkkkkk, mt obg Karina.

    ResponderExcluir
  7. Sabem de quem eu lembrei agora? De Nox do primeiro livro, tô com saudade dele :/ será que ele não aparece mais nos próximos livros? Nunca vou me esquecer da cena onde Celaena salva a vida dele naquela prova de escalar o castelo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkkk vdd!
      Cycy_fer.✌✔❤

      Excluir
  8. CELAENA MELHOR PESSOA VAI TRETAR COM TODO MUNDO AGR SDANJHBFGVJ

    ResponderExcluir
  9. A morte de Nehemia tirou toda racionalidade de Celaena, porque viu... só Jesus na causa pra ela perceber que Chaol não tem culpa nessa história, acho que mesmo se ele contasse a Celaena, a princesa morreria.

    ResponderExcluir
  10. "Celaena Sardothien se levantou da poltrona"
    Alô alô, olha a Emily Thorne renascida.

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!