8 de fevereiro de 2016

Capítulo 33

As minas de Calaculla estavam abafadas, e a garota escrava podia apenas imaginar o quanto ficariam piores quando o sol do verão estivesse no céu.
Ela estava nas minas havia seis meses – mais tempo do que qualquer um havia sobrevivido, foi o que lhe disseram. A mãe, a avó e o irmão mais novo não duraram um mês. O pai sequer chegara às minas antes que os açougueiros de Adarlan o cortassem, junto com os outros rebeldes conhecidos da cidade. Todo mundo tinha sido reunido e enviado para lá.
A garota estava sozinha havia cinco meses e meio agora; sozinha, mas cercada por milhares. Não conseguia se lembrar da última vez que vira o céu ou os campos de Eyllwe oscilando sob a brisa fresca. Mas a garota os veria de novo – o céu e os campos. Sabia que veria, pois tinha ficado acordada nas noites em que deveria ter dormido, ouvindo pelas frestas das tábuas do chão enquanto o pai e os colegas rebeldes conversavam sobre formas de derrubar Adarlan e sobre a princesa Nehemia, que estava na capital naquele momento, trabalhando pela liberdade deles.
Se apenas conseguisse aguentar, se conseguisse continuar respirando, poderia resistir até que Nehemia cumprisse seu objetivo. Ela conseguiria, e então enterraria seus mortos; e quando os meses de luto terminassem, encontraria o grupo de rebeldes mais próximo e se juntaria a eles. Com cada vida adarlaniana que tomasse, diria os nomes de seus mortos de novo para que a ouvissem no pós-morte e soubessem que não foram esquecidos.
Ela golpeou a parede inclemente de pedra com a picareta, o fôlego entrecortado na garganta seca. O capataz estava encostado em uma parede próxima, enchendo o cantil de água, esperando pelo momento em que um deles desabaria para que pudesse desenrolar o chicote.
A garota manteve a cabeça baixa, continuou trabalhando, respirando. Ela conseguiria.
Não sabia quanto tempo havia se passado, mas sentiu a onda percorrer as minas como se a terra estremecesse. Uma onda de quietude, seguida por lamentos.
Sentiu aquilo chegar, crescer na sua direção. Mais e mais perto a cada cabeça que se virava e palavra que era murmurada.
E então ouviu – as palavras que mudaram tudo.
A princesa Nehemia está morta. Assassinada por Adarlan.
As palavras passaram pela garota antes que ela tivesse tempo de absorvê-las.
Houve um farfalhar de couro contra pedra. O capataz toleraria a pausa por apenas alguns segundos antes de começar a açoitar.
Nehemia está morta.
A garota olhou para a picareta nas mãos.
Ela se virou, devagar, para olhar para o rosto do capataz, o rosto de Adarlan. Ele inclinou o pulso e ergueu o chicote.
A garota sentiu as lágrimas antes de perceber que elas caíam, deslizando sobre seis meses de imundície.
Basta. A palavra gritou por seu corpo, tão alto que ela começou a tremer.
Silenciosamente, a prisioneira começou a recitar os nomes de seus mortos. E quando o capataz ergueu o chicote, a garota acrescentou o nome dela ao fim daquela lista e enfiou a picareta nas entranhas do homem.

12 comentários:

  1. Ja gostei dessa garota...

    E que a guerra comece...

    Sann

    ResponderExcluir
  2. Acho que a nehemia está viva não é um spoiler é SÓ a minha opinião por que ela tava falando com a elena sobre fazer oque tinha Que fazer para celaena ajudar para libertar a cidades do rei sla...

    E que come a guerra...😣😣

    ResponderExcluir
  3. E que os jogos comecem! E que a sorte esteja sempre à seu favor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que os jogos comecem! E que a magia esteja sempre a seu favor.

      Excluir
  4. Assim e que e miuda!!
    Vingança e um prato que se serve frio

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!