17 de fevereiro de 2016

Capítulo 26

Em outra ocasião, acho que seria estranho que eu, Lou Clark, que em vinte anos não deu mais que uma volta de ônibus na cidade natal, estivesse voando para o terceiro país em menos de uma semana. Preparei, com a rapidez eficiente de uma comissária de bordo, uma maleta com o essencial. Treena ficou por perto em silêncio, trazendo coisas que achava que eu poderia precisar, e descemos a escada. Paramos no meio. Mamãe e papai já estavam no hall com aquele jeito sério de quando chegávamos tarde da noite.
— O que está havendo? — Mamãe encarava minha maleta.
Treena parou na minha frente.
— Lou está indo para a Suíça. — disse ela. — E precisa ir logo. É o último voo.
Íamos em frente, mas mamãe se adiantou.
— Não. — Sua boca era um estranho risco, os braços estavam cruzados de maneira esquisita na frente dela. — Sério. Não quero que você se envolva nisso. Se é o que estou pensando, não.
— Mas... — começou Treena, olhando para trás, na minha direção.
— Não — repetiu mamãe, em um tom firme pouco usual. — Sem mais. Estive pensando nisso, em tudo o que você nos contou. É errado. É moralmente errado. E se você se envolver e for vista como alguém que está ajudando um homem a se matar, vai se meter em muita confusão.
— Sua mãe está certa — disse papai.
— Temos visto no noticiário. Lou, isso pode afetar toda a sua vida. A entrevista na faculdade, tudo. Se for fichada na polícia, nunca vai conseguir um diploma universitário ou um bom emprego, nem nada...
— Ele pediu para Lou ir. Ela não pode ignorá-lo — interrompeu Treena.
— Sim, ela pode, sim. Dedicou seis meses a essa família. E muitíssimas coisas boas aconteceram por causa de Lou. Muitíssimas coisas boas são devidas a essa família aqui, incluindo gente batendo na porta e todos os vizinhos pensando que nos beneficiamos com alguma fraude ou algo assim. Não, ela enfim tem a chance de fazer algo por si própria e eles querem que ela vá para esse lugar horroroso na Suíça e se meta em Deus sabe o quê. Bom, minha resposta é não. Não, Louisa.
— Mas ela tem de ir — insistiu Treena.
— Não, ela não tem. Já fez muito. Ela mesma disse isso na noite passada, fez tudo o que pôde. — Mamãe balançou a cabeça. — Qualquer que seja a confusão em que os Traynor vão se meter com isso... isso... seja lá o que eles vão fazer com o filho, não quero que Louisa se envolva. Não quero que ela acabe arruinando toda a sua vida.
— Acho que eu mesma posso decidir — falei.
— Não tenho certeza. Ele é seu amigo, Louisa. É um jovem com a vida toda pela frente. Você não pode participar disso. Fico... fico chocada só de você considerar a possibilidade. — A voz de mamãe ganhou um novo tom, ríspido. — Não criei você para ajudar alguém a acabar com a própria vida! Você acabaria com a vida do vovô? Acha que deveríamos levá-lo para a Dignitas também?
— Vovô é diferente.
— Não é, não. Ele não consegue mais fazer o que fazia. Mas a vida dele é valiosa. Da mesma forma que a de Will.
— Essa decisão não é minha, mamãe. É de Will. Tudo isso é para dar apoio a ele.
— Apoio? Nunca ouvi tamanha bobagem. Você é uma criança, Louisa. Não viu nada, não fez nada. E não tem ideia do que isso vai lhe causar. Pelo amor de Deus, como vai conseguir dormir depois de ajudá-lo a fazer isso? Você terá ajudado um homem a morrer. Você realmente entende isso? Você terá ajudado Will, aquele jovem inteligente e simpático, a morrer.
— Eu conseguiria dormir porque acredito que Will saiba o que é melhor para ele e o pior é perder a capacidade de tomar suas próprias decisões, de não ser capaz de fazer qualquer coisa sem precisar de ajuda... — Olhei para meus pais, tentando fazê-los entender. — Não sou criança. Eu o amo. Eu o amo, e não deveria tê-lo deixado sozinho e é insuportável estar longe e não saber... o que ele... — Engoli em seco. — Portanto, eu vou. Não preciso que vocês cuidem de mim ou me entendam. Sei lidar com isso. Mas vou à Suíça, não importa o que vocês digam.
O pequeno corredor ficou em silêncio. Mamãe olhou bem para mim, como se não tivesse ideia de quem eu era. Aproximei-me, tentando fazer com que ela entendesse.
Mas ela recuou.
— Mamãe? Eu tenho essa dívida com Will. Tenho que ir. Quem você acha que me sugeriu fazer uma faculdade? Quem você acha que me incentivou a fazer alguma coisa da vida, a viajar, a ter ambições? Quem mudou minha maneira de pensar sobre todos os assuntos? Até sobre mim mesma? Foi Will. Fiz mais coisas e vivi mais nos últimos seis meses do que nos últimos vinte e sete anos da minha vida. Portanto, se ele quer que eu vá para a Suíça, eu vou. Aconteça o que acontecer.
Fez-se um curto silêncio.
— Ela é igual à tia Lily — disse papai, baixinho.
Ficamos nos encarando. Papai e Treena se entreolhavam, como se um esperasse o outro dizer alguma coisa. Mas mamãe quebrou o silêncio.
— Se você for, Louisa, não precisa voltar.
As palavras saíram de sua boca como pedras. Olhei para minha mãe, que estava chocada. O olhar dela era obstinado. E ficou tenso conforme ela aguardava a minha reação. Era como se um muro que eu não sabia que existia tivesse se erguido entre nós.
— Mãe?
— Estou falando sério. Isso não é melhor que assassinato.
— Josie...
— É verdade, Bernard. Não posso participar disso.
Lembro de pensar, como se estivesse distante, que nunca vira Katrina tão insegura antes. Papai segurou o braço de mamãe, não sei se em reprovação ou se para confortá-la.
Minha cabeça esvaziou. E, sem saber direito o que fazia, desci a escada devagar, passei por meus pais e fui para a porta da frente. Um segundo depois, minha irmã veio atrás.
Os cantos da boca de papai se voltaram para baixo, como se ele lutasse para conter todos os tipos de coisas. Ele se virou para mamãe e pôs a mão no ombro dela. Ela procurou os olhos dele como se já soubesse o que ele iria dizer.
Ele então jogou as chaves do carro para Treena, que agarrou-as com uma das mãos.
— Pronto — disse ele. — Saiam pelos fundos, pelo jardim da Sra. Doherty, e peguem o carro. Eles não vão ver vocês dentro do carro. Se saírem agora e o trânsito não estiver muito ruim, talvez consigam chegar a tempo.

* * *

— Tem alguma ideia de onde tudo isso vai dar? — perguntou Katrina.
Ela me olhou de soslaio quando pegamos a estrada.
— Não.
Eu não pude olhá-la por muito tempo — mexi na bolsa, tentando descobrir se tinha esquecido algo. Ainda ouvia a voz da Sra. Traynor ao telefone. Louisa? Por favor, você vai? Sei que tivemos nossas diferenças, mas, por favor... é fundamental que você venha agora.
— Merda. Nunca vi mamãe daquele jeito — prosseguiu Treena.
Passaporte, carteira, chaves. Chaves? Para quê? Eu não tinha mais casa.

* * *

Katrina me olhou pelo canto do olho.
— Quer dizer, ela está furiosa agora porque está em choque. Você sabe que ela vai ficar bem no final, certo? Quando contei para ela que estava grávida, pensei que nunca mais fosse falar comigo. Mas levou, o quê?, dois dias para se reaproximar.
Eu podia ouvir minha irmã falando sem parar, mas não estava realmente prestando atenção. Mal conseguia me concentrar em alguma coisa. Minhas terminações nervosas pareciam ter despertado, quase gritavam de ansiedade. Eu ia ver Will. Não importava mais nada, pelo menos eu teria isso. Quase conseguia sentir a distância entre nós diminuir, como se fôssemos duas pontas de um fio elástico invisível.
— Treen?
— Sim?
Engoli em seco.
— Não permita que eu perca esse voo.
Minha irmã é muito determinada. Fizemos ultrapassagens arriscadas, corremos pelo corredor entre as filas de carro, desrespeitamos o limite de velocidade, procuramos no rádio informações sobre o trânsito e, finalmente, avistamos o aeroporto. Ela parou o carro guinchando os pneus e eu já estava a meio caminho do lado de fora quando a ouvi.
— Ei, Lou! — Virei-me e corri alguns passos na direção dela, que me abraçou bem apertado. — Você está fazendo a coisa certa — disse ela. Parecia quase às lágrimas. — Agora, dane-se. Depois de me fazer perder seis pontos na carteira de motorista, se não pegar esse voo, nunca mais falo com você.
Não olhei para trás. Corri para o balcão da Swissair e precisei repetir meu nome três vezes até pronunciá-lo com clareza suficiente para conseguir pedir as passagens.

* * *

Cheguei a Zurique logo antes da meia-noite. Como era bem tarde, a Sra. Traynor reservara um quarto no hotel do aeroporto e um carro me buscaria pela manhã, às nove. Pensei que não conseguiria dormir, mas dormi – um sono pesado, estranho e desarticulado que se arrastou por horas – acordando na manhã seguinte às sete, sem saber onde estava.
Olhei, grogue, o quarto desconhecido, as pesadas cortinas que bloqueavam a luz, a enorme TV, minha mala que eu nem sequer abri. Conferi o relógio, eram pouco mais de sete horas na Suíça. Ao notar onde estava, meu estômago se contorceu de medo.
Arrastei-me para fora da cama bem a tempo de vomitar no pequeno banheiro. Afundei no chão de azulejos, os cabelos grudados na testa, a bochecha pressionada contra a louça fria. Ouvi a voz de mamãe, seus protestos, e senti um medo soturno se rastejar sobre mim. Eu não estava preparada. Não queria falhar de novo. Não queria ter de ver Will morrer. Com um ronco audível, eu me arrastei para vomitar outra vez.
Não pude comer nada. Bebi uma xícara de café puro, tomei um banho e me arrumei, ficando pronta às oito. Olhei o vestido verde-claro que eu tinha enfiado na noite anterior e me perguntei se era apropriado. Estariam todos de preto? Eu devia vestir algo mais vibrante e alegre, como o vestido vermelho que eu sabia que Will gostava? Por que a Sra. Traynor me pediu para ir lá? Olhei meu celular, imaginando se eu poderia ligar para Katrina. Deviam ser sete da manhã agora, em casa. Mas ela provavelmente estaria arrumando Thomas e a ideia de falar com mamãe foi demais. Passei um pouco de maquiagem e então me sentei perto da janela, e os minutos passaram devagar.
Acho que nunca me senti tão sozinha na vida.
Quando não pude mais aguentar aquele quartinho, joguei minhas coisas na bolsa e saí. Ia comprar um jornal e esperar no saguão do hotel. Nada podia ser pior do que ficar sentada naquele quarto com o silêncio, ou com as notícias do canal a cabo e a escuridão sufocante das cortinas. Quando passei pela recepção vi o computador, discretamente colocado num canto. Tinha um aviso: Para uso dos hóspedes.
— Posso usar? — perguntei à recepcionista.
Ela anuiu. De repente, percebi com quem eu queria falar. No fundo, eu sabia que ele era uma das poucas pessoas que estaria on-line. Entrei no bate-papo:

Ritchie. Você está aí?

Bom dia, Abelha. Acordou cedo hoje?

Pensei um instante antes de responder:

Estou prestes a começar o dia mais estranho da minha vida. Estou na Suíça.

Ele sabia o que isso significava. Todos eles sabiam. A clínica tinha sido tema de muitos debates acalorados. Digitei:

Estou com medo.

Então, por que está aí?

Porque não poderia não estar. Ele me pediu. Estou esperando para ir vê-lo.

Hesitei, e então escrevi:

Não faço ideia de como esse dia vai terminar.

Ah, Abelha.

O que digo a ele? Como posso fazer com que mude de ideia?

Suas palavras surgiram devagar, como se ele estivesse tendo muito cuidado.

Se ele está na Suíça, Abelha, acho que não vai mudar de ideia.

Senti um nó enorme na garganta, e o engoli. Ritchie continuava escrevendo.

Não foi o que eu que escolhi. Nem a maioria de nós neste grupo. Eu amo a minha vida, apesar de preferir que ela fosse diferente. Mas entendo por que o seu amigo possa ter se cansado. É cansativo levar essa vida, cansativo de uma maneira que as pessoas sadias jamais entenderão de verdade. Se ele está determinado, então eu acho que o melhor que você pode fazer é apenas ficar aí. Você não precisa achar que ele está certo. Mas precisa ficar aí.

Percebi que eu estava prendendo a respiração.

Boa sorte, Abelha. E venha me ver depois. As coisas podem ficar meio confusas para você. De todo jeito, eu gostaria de tê-la como amiga.

Meus dedos ficaram parados no teclado. Escrevi:

Irei.

A recepcionista, então, avisou que meu carro tinha chegado lá fora.

* * *

Não sei o que eu esperava – talvez um tipo de prédio branco perto de um lago, ou montanhas cobertas de neve. Ou uma fachada com cara de hospital, de mármore, com uma placa dourada na parede. O que eu não esperava era percorrer uma área industrial até chegar a uma casa completamente comum, cercada por fábricas e, estranhamente, um campo de futebol. Cruzei o deque, passei por um lago com peixes dourados e entrei.
A mulher que abriu a porta soube imediatamente quem eu procurava.
— Ele está aqui. Quer que a leve lá?
Parei. Olhei para a porta fechada, bem parecida com a que encarei durante todos aqueles meses, no anexo de Will, respirei fundo e anuí.
Vi primeiro a cama de mogno, que dominava o quarto, a colcha levemente florida e almofadas meio deslocadas naquela disposição. O Sr. Traynor estava sentado de um lado e a Sra. Traynor, do outro.
Ela parecia fantasmagoricamente pálida e levantou-se ao me ver.
— Louisa.
Georgina estava sentada numa cadeira de madeira no canto, inclinada para a frente, sobre os joelhos, as mãos postas juntas como se rezasse. Ergueu seu olhar para mim quando entrei, revelando os olhos fundos, avermelhados pela dor, e senti uma breve simpatia por ela.
O que eu teria feito se Katrina insistisse em seu direito de fazer o mesmo que Will?
O quarto era claro e arejado. O piso era de ladrilho, com tapetes caros, e havia um sofá no fundo que ficava de frente para um pequeno jardim. Eu não sabia o que dizer.
Era uma cena tão ridícula, os três sentados ali, como se fossem uma família escolhendo quais pontos turísticos visitariam naquele dia.
Virei-me para a cama.
— Então — falei. — Imagino que o serviço aqui não seja grande coisa.
Will grudou os olhos nos meus e, apesar dos meus temores, de eu ter vomitado duas vezes, de me sentir como se não dormisse há um ano, eu fiquei subitamente contente por ter ido. Contente não, aliviada. Como se tivesse extirpado de mim uma parte dolorosa e incômoda.
Ele então sorriu. Um sorriso adorável, lento, cheio de gratidão.
Por mais estranho que fosse, sorri de volta.
— Belo quarto — falei, e na mesma hora percebi a idiotice do comentário.
Vi Georgina Traynor fechar os olhos e corei.
Will virou-se para a mãe:
— Quero falar com Lou. Pode ser?
Ela tentou sorrir. Vi um milhão de coisas no jeito como me olhou: alívio, gratidão, um leve ressentimento por ser excluída por poucos minutos, e até a remota esperança de que eu aparecer significasse algo, que aquele destino ainda pudesse ser mudado.
— Claro.
Ela passou por mim, desviei-me e ela tocou meu braço, de leve. Trocamos olhares, o dela se suavizou, por um segundo ela pareceu outra pessoa, e se afastou.
— Vamos, Georgina — chamou, quando a filha não fez menção de se mover.
Georgina levantou-se devagar e saiu em silêncio, o corpo irradiando relutância.
E então éramos só nós dois.
Will estava semiescorado na cama, de modo a poder ver a janela à esquerda, onde a fonte no jardim jogava uma fina corrente de água sob o deque. Na parede havia um quadro de dálias. Pensei que era algo horrendo para se olhar nas últimas horas de vida.
— Então...
— Você não vai...
— Não vou tentar fazer você mudar de ideia.
— Se veio até aqui, aceite que a escolha é minha. É a primeira coisa que consigo controlar desde o acidente.
— Eu sei.
E pronto. Ele sabia e eu também. Não havia mais nada que eu pudesse fazer. Sabe como é difícil não dizer nada? Quando seu corpo inteiro quer fazer o contrário?
Eu ensaiara não dizer nada durante todo o caminho do aeroporto até ali, e ainda assim aquilo estava quase me matando. Concordei com a cabeça. Quando, finalmente, falei, a voz era fraca, tremida. Saiu a única coisa que eu podia dizer com segurança.
— Senti sua falta.
Ele então pareceu relaxar.
— Venha aqui. — E, quando fiquei indecisa: — Por favor. Venha. Aqui, na cama. Bem ao meu lado.
Percebi que havia realmente alívio em sua expressão. Que estava tão satisfeito de me ver que não conseguiria expressar. E disse a mim mesma que aquilo precisava me bastar. Faria o que ele pedira. Precisava ser o bastante.
Estiquei-me ao lado dele na cama e coloquei o braço ao seu redor. Encostei a cabeça em seu peito, deixando meu corpo absorver aquele suave subir e descer. Senti a leve pressão dos dedos de Will nas minhas costas, sua respiração morna nos meus cabelos. Fechei os olhos, sentindo o cheiro dele, ainda era o mesmo de cedro, apesar do frescor do quarto, com o levemente incômodo odor de desinfetante. Tentei não pensar em nada. Tentei apenas ficar ali, absorver o homem que eu amava por osmose, guardar em mim o que sobrava dele. Não falei nada. Ouvi então sua voz. Eu estava tão perto que, quando ele falou, a voz pareceu vibrar suavemente em mim.
— Ei, Clark. Conte alguma coisa boa.
Olhei pela janela para o céu azul-claro da Suíça e contei a história de duas pessoas.
Duas pessoas que não deviam se encontrar e que não gostaram muito um do outro quando se conheceram, mas que descobriram que eram as duas únicas pessoas no mundo que podiam se entender. Contei as aventuras que tiveram, os lugares onde foram e as coisas vistas que nunca esperaram ver. Conjurei para ele céus cheios de raios, mares iridescentes e noites repletas de risos e piadas bobas. Desenhei para ele um mundo, distante de uma área industrial suíça, um mundo onde ele ainda era, de algum modo, a pessoa que queria ser. Mostrei o mundo que ele tinha criado para mim, cheio de encantos e oportunidades. Deixei que soubesse que uma mágoa tinha se curado de um jeito que ele não podia imaginar, e que só por isso eu estaria para sempre em dívida com ele. Enquanto eu falava, sabia que aquelas poderiam ser as palavras mais importantes que diria e que precisavam ser as palavras certas, que não eram propaganda, uma tentativa de mudar o que ele pensava, mas que respeitavam a decisão dele.
Contei algo bom.
O tempo seguia lento, parado. Éramos só nós dois, eu murmurando no quarto vazio e ensolarado. Will não disse muito. Não retrucou, ou fez comentários ácidos ou irônicos.
Às vezes, anuía, murmurava algo, ou emitia um pequeno som que podia ser de satisfação ou de alguma lembrança boa.
— E esses foram — falei — os melhores seis meses da minha vida.
Fez-se um longo silêncio.
— Engraçado, Clark, os meus também.
Então, meu coração se partiu. Meu rosto se contorceu, perdi o controle, apertei-o com força e não me importei que ele sentisse meu corpo estremecer com soluços.
Aquilo me sobrecarregou, partiu meu coração, meu estômago, minha cabeça, me invadiu e não pude aguentar. Achei que, sinceramente, não aguentaria.
— Não chore, Clark — murmurou ele. Senti seus lábios nos meus cabelos. — Por favor. Não faça isso. Olhe para mim.
Fechei os olhos com força e balancei a cabeça.
— Olhe para mim. Por favor.
Eu não conseguia.
— Você está zangada. Por favor. Não quero magoá-la ou fazer você...
— Não... Não é isso. Não quero... — Minha bochecha estava contra o peito dele. — Não quero que sua última imagem de mim seja essa cara inchada e horrível.
— Clark, você ainda não entendeu, não é? — Percebi um sorriso na voz dele. — A decisão não é sua.
Levei algum tempo para me recompor. Assoei o nariz, respirei fundo. Por fim, apoiei o corpo no cotovelo e olhei para ele. Seus olhos, que por tanto tempo foram tensos e infelizes, estavam claros e relaxados.
— Você está absolutamente linda.
— Engraçadinho.
— Venha cá — disse ele. — Bem pertinho de mim.
Eu me deitei de novo, olhando-o. Vi o relógio sobre a porta e tive, então, a noção do tempo passando. Coloquei o braço dele em volta de mim, enrosquei braços e pernas de modo a ficarmos bem enlaçados. Peguei sua mão (a boa) e entrelacei meus dedos, beijei o nó dos dedos quando apertaram os meus. Conhecia seu corpo de um jeito como nunca conheci o de Patrick – suas forças e suas fraquezas, suas cicatrizes e cheiros.
Cheguei o rosto tão perto do dele que suas feições ficaram confusas e comecei a me perder nelas. Passei a mão nos seus cabelos, no seu rosto, na sua testa com a ponta dos dedos, as lágrimas escorrendo por meu rosto, meu nariz encostado no dele e ele não parava de me olhar em silêncio, atento como se guardasse cada molécula minha. Ele já estava indo para algum lugar impossível de alcançá-lo.
Beijei-o, tentando trazê-lo de volta. Deixei meus lábios nos dele de maneira que nossa respiração se misturou e minhas lágrimas viraram sal na sua pele e disse a mim mesma que, em algum lugar, pequenas partículas dele virariam pequenas partículas de mim, ingeridas, engolidas, vivas, eternas. Queria apertar cada parte minha nele, deixar alguma coisa minha nele, dar a ele cada pedaço da minha vida e obrigá-lo a viver.
Percebi que estava com medo de viver sem ele. Com que direito você destrói a minha vida – eu queria perguntar – e eu não estou autorizada a dizer nada a você sobre isso?
Mas eu tinha prometido. E segurei-o, Will Traynor, ex-rapaz esperto da City de Londres, ex-mergulhador, ex-atleta, viajante, amante. Eu o mantive perto e não disse nada, durante todo o tempo repetindo, silenciosamente, que ele era amado.
Não sei quanto tempo ficamos assim. Notei uma conversa do lado de fora, o som de passos, um distante sino de igreja. Por fim, senti que ele dava um grande suspiro, quase um estremecer, e afastou a cabeça apenas um centímetro, para podermos nos ver bem.
Pisquei para ele. Ele deu um pequeno sorriso, quase um pedido de desculpas.
— Clark — falou, baixo — pode pedir para meus pais entrarem?

69 comentários:

  1. Sobre um capítulo que parte um coração
    </3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sobre esse capítulo que destruiu com minha vida
      </3

      Excluir
    2. Nossos corações e vidas </3

      Excluir
    3. Destruída mais até agora com uma esperança bem lá no fundo.

      Excluir
  2. Destruidor mesmo </3

    ResponderExcluir
  3. ,= eu não teho palavras pra descrever esse livro

    ResponderExcluir
  4. Quase morrendo de tanto chorar e para piorara a situação minha vizinha resolve ouvir whitney houston trilha sonora de o guarda costas

    ResponderExcluir
  5. Assim como Louisa diz que nunca deveria ter conhecido o Will, eu nunca devia ter lido esse livro.
    Sério, eu tô muito mal.

    ResponderExcluir
  6. Meu Deus. Nunca chorei tanto lendo um livro. Estou arrasada. Destroçada.....

    ResponderExcluir
  7. Por que a autora tinha que fazer isso? Estou chorando tanto que poderia encher um rio vazio. Mds ela é uma ótima autora e adoro muito os livros dela, mas por que ela precisava fazer isso? :'(
    Coração super partido aqui. </3

    ResponderExcluir
  8. Nunca chorei tanto em um livro antes. Estou com o coração partido </3

    ResponderExcluir
  9. estou por dentro quase como estava a Lou.. lá no fundo uma esperança. ....

    ResponderExcluir
  10. Acho que eu tambem nunca devia ter lido,meu Deus eles nao podem ter feito isso,sei que e dificil quando uma pessoa esta determinada,mas nao consigo etender,sei que eh dificil viver pra sempre dependendo dos outros,mas ele poderia lutar ate o fim,afinal enquanto houver vida ha esperança ou ...nesse caso quando nao esperança nao ha mais vida?
    Ontem quase nao coneguir ler,tava lendo pelo cel e a net so caindo,mas a ansiedade era tao grande de saber o q aconteceria que inistir ate dar certo,tive ate sonhei com isso ontem,eu tava com esperança que ele mudasse de ideia mas agora...nao acredito que exise mesmo no mundo pessoas que fazem esse tipo de coisa,a vida é sagrada de qq jeito.

    ResponderExcluir
  11. Esse Will é muito egoísta. Acho que não o perdoaria. A vida dele é difícil e o prognóstico ruim, mas mesmo com tudo isso, a dor que ele está causando nas pessoas que diz amar, é imperdoável. As vezes precisamos ser fortes por aqueles que amamos. E só uma mãe pode entender o tamanho da dor que ele está causando. Como mãe, eu repito, imperdoável.

    ResponderExcluir
  12. aff chorando muito com a decisão de will. não acredito que ele vai fazer isso , Will partiu meu coração assim como partiu o da Lou 💔💔
    ass:Babi

    ResponderExcluir
  13. eu entendo a cabeça do Will, não que eu agiria assim, Will pensa que é muito sofrimento e muito sacrifício todos minimizarem suas vidas nele. Um exemplo é o pai dele, que só continua na casa por causa da situação dele. Então quando a gente está na pele cada um tem sua forma de agir. No meu ponto de vista ele fez isso por ele claro mas foi mas por todo os outros,eu o entendo,não concordo mas entendo.

    ResponderExcluir
  14. Ai meu Deus! Estou quase me acabando de tanto chora e pra completar estou ouvindo a musica Photograph do ed sheeran.
    Ass: Bina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu qro essa música no meu. Celular urgente,não consegui de jeito nenhum ela, ela linda demais,qndo ouço ela fecho os olhos e imagino os 2

      Excluir
  15. Eu aconselho a nunca lerem esse capítulo dentro do ônibus.

    ResponderExcluir
  16. Aguentei forte todos os capítulos, mas esse partiu meu coração, chorando horreres 💔

    ResponderExcluir
  17. Livro emocionante, apesar de ter imaginado um final onde os dois vivessem felizes juntos. Muito bom, pena que fui ver o trailer do filme e me decepcionei.

    ResponderExcluir
  18. nossa nunca chorei tanto lendo um livro...jojo moys acabou cm minha vida

    ResponderExcluir
  19. Eu entendo o Will, realmente. Não que eu concorde ou que eu poderia cogitar fazer isso, já que não é do meu feitio. Mas pra dizer algo temos que "abrir os horizontes", ver todos os lados da história, o Will era um cara que vivia sempre na ativa, esportivo, mas não estilo Patrick (que eu não consigo odiar! Pelo simples fato de me lembrar do Neville), as pessoas ao seu redor pensam que ele não observa as coisas, mas ele vê tudo. Não é porque ele está em uma cadeira de rodas que ele não percebe que o pai está meio que "forçando" em continuar casado por causa dele, e o Will também não aguenta as pessoas achando que podem mandar nele, os olhares de pena... Não critiquem tanto ele, chegou a um ponto que nem ele aguenta mais. Podem não comcordar comigo, afinal é apenas minha opinião.

    ResponderExcluir
  20. Chorando muito com esse capítulo, não consigo nem imaginar me despedir do homem da minha vida :'(

    Ass: Ana Carolina

    ResponderExcluir
  21. Porque essa autora fez isso! Não paro de pensar, por que ele fez isso? Porque não mudou de idéia? Chorando horrores!

    ResponderExcluir
  22. MEU DEUS gente isso não pode acontecer,MEU DEUS!Estou com um leve medo de continuar lendo. ESTOU CHORANDO MUITO. Pq will????

    ResponderExcluir
  23. -Percebi que estava com medo de viver sem ele.
    Isso é lindo e triste.
    Ass:Gabi

    ResponderExcluir
  24. Estou destruida! Só isso a dizer!!!

    ResponderExcluir
  25. — E esses foram — falei — os melhores seis meses da minha vida.
    Fez-se um longo silêncio.
    — Engraçado, Clark, os meus também. :( :( CHORANDO HORROREESS!!

    ResponderExcluir
  26. Ralmente, não tem como ler este livro sem um grande nó na garganta. Não adianta nem tentar.

    ResponderExcluir
  27. Sinceramente, não tem como lermos esse livro sem um grande nó na garganta.

    ResponderExcluir
  28. Que horror, no lugar dela, se caso eu tivesse me dedpedido antes nem iria pra Suíça, como não teve uma despedida antes eu até entendo ela querer se despedir, mas dar apoio é mto complicado... A gente sempre torce pra que mude de idéia...

    ResponderExcluir
  29. Gente como esse livro nos leva pra dentro da história to chorando horrores se eu fosse a lou falava pra ele que ela também morreria aprati daquele instante que nada mas valeria pra ela😢

    ResponderExcluir
  30. Morri com esse final,me apaixonei por esse casal.😭😭😭😭😭😭😭😭

    ResponderExcluir
  31. Serio as vezes me pergunto pq comecei a ler esse livro e as vezes ne pergunto pq n li antes, pelo anjo sem reação 💔😢😭

    ResponderExcluir
  32. meu coração é fraco demais.. não aguentei! Já chorei lendo livros,mas esse superou! 😢😓😓😖 chorando muito!

    ResponderExcluir
  33. Ele é só um personagem de um livro,mas si ele morrer parte de mim morrera junto,não tenho palavras para descrever O LIVRO QUE ACABOU COMIGO ... derramando rios de lagrimas e sentindo o coração despedaçar T-T </3

    ResponderExcluir
  34. Cara eu tô tão revoltada com esse final que eu espero sinceramente que o Will morra só de corpo e que sua alma sobreviva e então ele verá em forma de espirito a Lou se formar, virar uma mulher bem sucedida, se casar com um cara bacana e ter filhos com seu marido, enquanto o Will definha vendo a felicidade alheia pensando que sinceramente poderia ter sido ele se ele não tivesse se matado :)

    ResponderExcluir
  35. Porque Will?😭 To me sentindo igual a Lou,chega dá um nó na garganta 😭😭😭que triste 😭Por favor Will,não se vá!

    ResponderExcluir
  36. Não quero ler o próximo capítulo. ..vai acabar com minhas esperanças...

    ResponderExcluir
  37. Meu Deus!! nunca chorei tanto com um livro.. e olha que sou leitora assídua. li todos os capítulos com o coração na boca,, e alguns com um nó no coração,, mas esse,, esse acabou comigo... agora não consigo parar de chorar. will por favor não faz isso.. T^T a lou precisa de vc. E EU TAMBÉM .. </3
    Ass.. myka

    ResponderExcluir
  38. minhas lagrimas secaram

    ResponderExcluir
  39. Sinceramente, não sei o que dizer sobre esse livro. De certa forma, contribuiu em muito para a minha vida. "Ah como assim contribuiu para a sua vida?" De forma simples: Passei a parar de reclamar por mínimos problemas, a ver o que realmente as pessoas são. Às vezes, desacreditamos no lado bom que a vida pode nos oferecer e não damos à ela uma chance de nos surpreender...
    LI, sou homem(hétero) e gostei SIM!!! LERIA NOVAMENTE.

    ResponderExcluir
  40. ele nem fez nd ainda e eu já estou me acabando :'(

    ResponderExcluir
  41. Mds que capítulo simplesmente choron,, não paro de chorar se eu estivesse no lugar da Lou acho q morreria, pq eu estou só lendo imagina ela q esta ali com ele mds #chorosaaaa #mlrlivro as:Carol

    ResponderExcluir
  42. Nossa doeu na alma. Foi difícil ler esse capítulo.

    ResponderExcluir
  43. Pq wil pq oque Nois.fizemos eu To com a cara mais enxanda do que a lou pelo amor de seus wil 😭😭😭😭😭
    Ass Meel

    ResponderExcluir
  44. caro senhor jojo eu li odeio por criar um personagem fazer eu mi apaixonar por ele e depois... Isso!!! :´(
    Partiu meu <3

    ResponderExcluir
  45. </3 nossa que triste minha cabeça vai esplidir de tanto chorar rios de lagrimas meu travisseiro está quase encharcado.
    Não quero que will morra. #ficawill.
    último capitulo continuando a lendo.

    ResponderExcluir
  46. O melhor livro que já li em toda minha vida.Me acabando de chorar ...😭😭💔💔

    Não posso julgá-lo por essa escolha , nem dizer se foi certo ou errado , simplesmente entendo o lado dele.
    Mesmo amando ela (sim eu acredito que ele a amou de verdade) mas mesmo assim não poderia continuar vivendo daquele jeito.
    É compreensível.😥
    Sou cristã e acreditamos que só Deus tem o direito de tirar a vida de alguém.
    Porém, prefiro analizar o lado dele , ver as coisas como ele via , sentir como ele sentia , e por isso não posso condená-lo. 💔

    ResponderExcluir
  47. Só sei de uma coisa, ler esse capitulo ouvindo Photograph do Ed Sheeran me fez desmoronar em lágrimas :/

    ResponderExcluir
  48. Estou me acabando de chorar. Vou terminar o livro e passar algum tempo ouvindo músicas tristes e ficar de luto. Nunca chorei tanto com um livro. Esse casal acabou comigo.

    ResponderExcluir
  49. Estou me acabando de chorar. Vou terminar o livro e passar algum tempo ouvindo músicas tristes e ficar de luto. Nunca chorei tanto com um livro. Esse casal acabou comigo.

    ResponderExcluir
  50. Muito triste nunca chorei tanto lendo um livro.

    ResponderExcluir
  51. Não chorei muito. Acho que estou em choque! Não consigo nem pensar... Estou completamente envolvida nessa história e entendo o Will, apesar de querer que ele vivesse.
    Obrigado,karina, por me proporcionar essa incrível leitura 💞

    ResponderExcluir
  52. Não queria que assim. mais entendo o will . mais chorei abessa :(

    ResponderExcluir
  53. Minha auto estima foi embora com esse capitulo. A esperança que me retava, indo pro ralo.

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!