17 de fevereiro de 2016

Capítulo 24

Não há nada mais desconcertante para quem está passando do que ver um cadeirante se defendendo da mulher que deveria estar cuidando dele. Aparentemente, ficar bravo não é a coisa certa a ser feita com o deficiente que está sob seus cuidados.
Sobretudo quando ele é completamente incapaz de se mexer e está dizendo, suavemente:
— Clark. Por favor. Apenas venha aqui. Por favor.
Mas eu não podia. Não podia olhar para ele. Nathan tinha feito as malas de Will e encontrei os dois no saguão na manhã seguinte – Nathan ainda grogue por causa da ressaca – e, a partir do momento em que fomos obrigados a ficar juntos de novo, me recusei a ter alguma coisa a ver com Will. Estava furiosa e infeliz. Havia uma voz insistente e irritada dentro da minha cabeça que exigia que eu ficasse o mais longe possível dele. Que eu voltasse para casa. Que eu nunca mais o visse.
— Você está bem? — perguntou Nathan, surgindo ao meu lado.
Assim que chegamos ao aeroporto, marchei para longe deles, em direção ao balcão de check-in.
— Não — respondi. — E não quero falar sobre isso.
— Ressaca?
— Não.
Fez-se um curto silêncio.
— Isso significa o que eu penso que significa? — De repente, ele ficou soturno.
Não consegui falar. Assenti e vi a mandíbula de Nathan se enrijecer por um momento. Mas ele era mais forte do que eu. Afinal, era um profissional. Minutos depois, ele voltou para perto de Will, mostrando-lhe algo que tinha visto numa revista, pensando alto sobre as perspectivas de um time de futebol que os dois conheciam. Ao vê-los, você não imaginaria a notícia que eu tinha acabado de receber.
Procurei me ocupar durante todo o tempo de espera no aeroporto. Encontrei mil coisinhas para fazer – ocupando-me com etiquetas de bagagem, comprando café, folheando jornais, indo ao banheiro – tudo isso significava que eu não precisava cuidar dele. Não precisava falar com ele. Mas, de vez em quando, Nathan sumia e éramos deixados a sós, sentados um ao lado do outro, a pequena distância entre nós soando estridentemente com recriminações tácitas.
— Clark... — começou ele.
— Não — cortei — não quero falar com você.
Surpreendeu-me como eu poderia ser fria. E, sem dúvida, surpreendi as comissárias de bordo. Eu as vi durante o voo, murmurando entre si sobre como eu me virara rigidamente para longe de Will, colocando meus fones de ouvido ou olhando resolutamente para fora da janela.
Pela primeira vez, ele não ficou furioso. Isso foi quase o pior de tudo. Ele não ficou furioso, ele não foi sarcástico, simplesmente ficou mais quieto até quase não falar.
Sobrou para o pobre Nathan puxar conversa, perguntar sobre o chá ou o café, ou recusar saquinhos de amendoim torrado, ou perguntar se alguém se incomodava de ele passar por cima de nós nas poltronas para ir ao banheiro.
Isso provavelmente soa infantil agora, mas não foi apenas uma questão de orgulho. Eu não podia suportar aquilo. Não conseguia suportar pensar que poderia perdê-lo, que ele estava tão obstinado e determinado a não ver como era bom, como poderia ser bom, que não mudou de ideia. Eu não conseguia acreditar que ele fosse se prender àquela data, como se aquilo estivesse entalhado em pedra. Um milhão de argumentos silenciosos se agitaram na minha cabeça. Por que isso não basta para você? Por que eu não basto para você? Por que não confiou em mim? Se tivéssemos mais tempo, teria sido diferente?
De vez em quando, eu me pegava olhando as mãos bronzeadas dele, aqueles dedos de formato quadrado, a poucos centímetros dos meus, e me lembrava de como era a sensação dos nossos dedos entrelaçados – o calor, a ilusão de, mesmo paralisados, terem uma espécie de força – e um nó se formava na minha garganta até eu achar que mal conseguia respirar e tinha de ir ao banheiro, onde me debruçava na pia e soluçava em silêncio sob a faixa luminosa. Havia alguns momentos, quando pensava no que Will pretendia fazer, que eu realmente precisava lutar contra a vontade de gritar; eu me sentia invadida por uma espécie de loucura e pensava que eu podia apenas me sentar no corredor e gritar e gritar até alguém aparecer. Até que alguém garantisse que ele não podia fazer aquilo.
Portanto, embora eu parecesse infantil – ainda que a equipe de bordo (uma vez que eu me recusava a falar, olhar ou alimentar Will) achasse que eu era a mulher mais sem coração do mundo – eu sabia que fingir que ele não estava ali era quase a única maneira de lidar com aquelas horas de proximidade forçada. Se tivesse certeza de que Nathan seria capaz de lidar com ele sozinho, honestamente eu teria trocado de voo, talvez teria desaparecido até estar segura de que havia um continente inteiro entre nós, não só alguns inacreditáveis centímetros.
Os dois dormiram e eu senti uma espécie de alívio – uma breve suspensão temporária da tensão. Olhei para a tela da TV e, a cada quilômetro que nos aproximávamos de casa, sentia meu coração ficar mais pesado, minha preocupação aumentar. Comecei a achar que o fracasso não era só meu; os pais de Will ficariam arrasados. Provavelmente, me culpariam. A irmã dele decerto ia me processar. E eu havia fracassado com Will também. Eu havia falhado em convencê-lo. Ofereci a ele tudo o que podia, inclusive eu mesma, e nada do que lhe mostrei o convenceu de que tinha uma razão para continuar vivendo.
Talvez, eu me peguei pensando, ele merecesse alguém melhor que eu. Mais inteligente. Alguém como Treena poderia ter pensado em coisas melhores para fazer.
Talvez tivesse encontrado alguma rara pesquisa médica ou algo que pudesse ajudá-lo. Podia tê-lo feito mudar de ideia. O fato de que eu teria de viver para sempre com esse fato fez com que eu me sentisse quase tonta.
— Quer uma bebida, Clark? — A voz de Will penetrou nos meus pensamentos.
— Não. Obrigada.
— Meu cotovelo está ocupando muito espaço no braço da sua cadeira?
— Não. Está bem.
Foi somente naquelas últimas horas de voo, no escuro, que eu me permiti olhar para ele. Meu olhar deslizou devagar da minha brilhante tela de TV até que eu o olhei disfarçadamente sob a luz suave da pequena cabine. E quando vi seu rosto, tão bronzeado e bonito, em um sono tão tranquilo, uma lágrima solitária rolou pela minha bochecha. Talvez de algum modo consciente de meu escrutínio, Will se mexeu mas não acordou. E sem que as comissárias ou Nathan vissem, puxei o cobertor devagar até o pescoço dele, prendendo-o com cuidado, para que, no ar-condicionado da cabine, Will não sentisse frio.

* * *

Eles estavam esperando no portão de chegada. De certa maneira, eu sabia que estariam lá. Senti aquela levemente desagradável sensação crescendo dentro de mim até quando empurramos a cadeira de Will no controle de passaporte, ajudados por um bem-intencionado oficial, apesar de eu ter rezado para que fôssemos obrigados a esperar, presos numa fila que durasse horas, de preferência dias. Mas não, cruzamos a vasta extensão de linóleo, eu empurrando o carrinho das bagagens, Nathan empurrando Will, e quando as portas envidraçadas se abriram, lá estavam eles de pé, atrás da barreira, lado a lado numa rara aparência de união. Vi o rosto da Sra. Traynor se iluminar por um instante ao ver Will e pensei, distraída, Claro, ele está com uma aparência tão boa. E, para minha vergonha, coloquei os óculos escuros – não para esconder minha exaustão, mas para ela não saber imediatamente, pela minha expressão, o que eu teria de contar.
— Olhe só para você! — exclamou ela. — Will, você está maravilhoso!! Realmente maravilhoso!
O pai de Will tinha se curvado e dava batidinhas na cadeira e nos joelhos do filho, o rosto vincado de sorrisos.
— Não acreditamos quando Nathan disse que vocês iam à praia todos os dias. E nadavam! Como era o mar: agradável e quente? Tem chovido canivete aqui. Um típico mês de agosto!
Claro. Nathan mandava mensagens de texto para eles ou telefonava. Até parece que eles iam nos deixar ficar tanto tempo sem manter algum tipo de contato.
— Era... era um lugar bem fantástico — disse Nathan. Ele também andou calado, mas agora tentava sorrir, para parecer que estava em seu estado normal.
Eu me senti congelar, minha mão agarrando o passaporte como se eu estivesse prestes a ir a algum lugar. Precisei me lembrar de respirar.
— Bom, achamos que vocês gostariam de um jantar especial — disse o pai de Will. — Tem um restaurante ótimo no Intercontinental. Champanhe por nossa conta. O que acha? Sua mãe e eu pensamos que poderia ser uma ótima pedida.
— Claro — respondeu Will.
Sorria para a mãe e ela retribuía como se quisesse preservar aquele sorriso. Como você pode fazer isso? Tive vontade de gritar para ele. Como você pode olhar para ela assim sabendo o que pretende fazer?
— Vamos lá, então. Deixei o carro no estacionamento para deficientes. Fica perto daqui. Tinha certeza de que vocês todos sentiriam um pouco de jet lag. Nathan, quer que eu leve algumas malas?
Minha voz entrou na conversa.
— Na verdade... — disse. — já ia retirar a minha do carrinho... acho que vou recusar o convite. Mas obrigada de todo modo.
Foquei a atenção na minha mala, deliberadamente sem olhar para eles, mas mesmo no alvoroço do aeroporto pude detectar o breve silêncio que minhas palavras causaram.
A voz do Sr. Traynor foi a primeira a quebrar esse silêncio.
— Vamos lá, Louisa. Vamos comemorar um pouquinho. Queremos ouvir tudo sobre as aventuras de vocês. Queremos saber tudo sobre a ilha. E prometo que não precisam contar tudo. — Ele quase riu.
— É. — A voz da Sra. Traynor tinha uma discreta aresta. — Venha, sim, Louisa.
— Não. — Engoli em seco, tentando dar um doce sorriso. Meus óculos de sol eram um escudo. — Obrigada. Prefiro mesmo ir para casa.
— Para que casa? — perguntou Will.
Entendi o que ele estava dizendo. Eu não tinha para onde ir.
— Para a casa dos meus pais. Vai ser ótimo.
— Venha conosco — pediu ele. A voz era suave. — Não vá, Clark. Por favor.
Então eu tive vontade de chorar. Mas eu tinha absoluta certeza de que não podia ficar em nenhum lugar perto dele.
— Não. Obrigada. Espero que tenham um ótimo jantar. — Levantei minha bagagem até o ombro e, antes que alguém pudesse dizer mais alguma coisa, eu estava me afastando deles, engolida pela multidão no aeroporto.

* * *

Estava quase no ponto de ônibus quando ouvi a voz dela. Camilla Traynor, o salto dos sapatos batendo no piso, quase correndo atrás de mim.
— Louisa, espere. Por favor, espere.
Virei-me e ela abria caminho por entre um grupo que viajaria de ônibus, afastando os adolescentes mochileiros como Moisés dividindo as águas do mar. As luzes do aeroporto brilhavam nos cabelos dela, fazendo com que ficassem totalmente acobreados. Usava uma linda pashmina cinza, que se dobrava artisticamente num de seus ombros.
Imaginei como ela devia ter sido bonita, apenas alguns poucos anos antes.
— Por favor, pare, por favor.
Parei e olhei para trás na estrada, esperando que o ônibus aparecesse naquela hora, que me recolhesse e me levasse embora. Que qualquer coisa acontecesse. Um pequeno terremoto, talvez.
— Louisa?
— Ele se divertiu. — Minha voz pareceu cortada. Estranhamente como a dela, pensei.
— Ele parece estar bem. Muito bem. — Ela me olhou, parada ali na calçada. De repente, ficou paralisada, apesar do mar de gente ao redor.
Não falamos nada.
Então eu disse:
— Sra. Traynor, gostaria de pedir demissão. Não posso... não posso ficar estes últimos dias. Dispenso o que ainda tenho a receber. Na verdade, não quero o salário deste mês. Não quero nada. Eu só...
Então, ela empalideceu. Eu vi a cor sumir de seu rosto e como ela balançou de leve ao sol da manhã. Vi o Sr. Traynor surgir atrás dela, seu passo acelerado, segurando firme o chapéu panamá na cabeça com uma das mãos. Murmurava pedidos de desculpas ao empurrar a multidão, seus olhos fixos em mim e na esposa quando, a alguns passos de distância, ficou hirto.
— Você... você disse que achava que ele estava feliz. Que isso podia fazê-lo mudar de ideia. — Ela parecia desesperada, como se me suplicasse para que eu dissesse mais alguma coisa, para dar a ela alguma notícia diferente.
Não pude falar. Olhei bem para ela e o máximo que consegui fazer foi um pequeno aceno de cabeça.
— Desculpe — sussurrei, tão baixo que ela não deve ter ouvido.
Ele estava quase ali quando ela desmaiou. Foi como se as pernas dela desistissem de sustentá-la, e o braço esquerdo do Sr. Traynor se esticou e a segurou quando ela caiu, a boca formando um grande O, o corpo tombando sobre o dele.
O chapéu caiu no chão. Ele olhou para mim, seu rosto confuso, ainda sem entender o que tinha acontecido.
Eu não pude olhar. Virei-me, atordoada, e comecei a andar, um pé na frente do outro, as pernas se movendo antes mesmo que eu tomasse consciência do que faziam, para longe do aeroporto, ainda sem nem saber para onde eu estava indo.

20 comentários:

  1. Cara eu nunca chorei tanto por um livro , e olha que eu ja tive uma boa cota qe li

    ResponderExcluir
  2. ELE VAI MORRER!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!NAOOOOOOOOOOOOO

    ResponderExcluir
  3. eu m segurei tanto pra não chorar 😪

    ResponderExcluir
  4. eu me segurei tanto para não chorar coitado do will. ..e da lou

    ResponderExcluir
  5. O primeiro livro que choro ... aff que raiva do Will ele não pode fazer isso com sua vida , ele ama a Clark ,só não quer ficar com ela por medo de ser um fardo em sua vida ....
    ass:Babi

    ResponderExcluir
  6. Chorando tantooooooooooo!
    Ass: Bina.

    ResponderExcluir
  7. CARAMBA,NÃO CONSIGO NÃO CHORAR!
    QUE LIVRO DE SE CORTAR,POR ZEUS.
    Nunca chorei tanto.
    E o pior é que não consigo parar de ler!Comecei ontem,fui dormir 4h da manhã, e tô quase terminando. Help, help ><

    ~~D.V.

    ResponderExcluir
  8. Gente nunca encontrei um livro que pudesse me emocionar tanto! Nunca chorei tanto assim.

    ResponderExcluir
  9. to quase desistindo

    ResponderExcluir
  10. São exatamente 3:00 hrs da manhã e estou aqui em prantos, chorando como um bebê que quer mamar. Diante disso: tomei a decisão de parar de ler o livro neste capitulo. #WillNaMinhaHistóriaVive

    ResponderExcluir
  11. tristeza toma conta do coraçao,mas a vontade de continuar lendo é mais forte, msm com lagrimas nos olhos continuo lendo

    ResponderExcluir
  12. So não chorei pq estou rodeada de pessoas...

    ResponderExcluir
  13. Nao consegui resistir,chorei 😭😭😭porque teve que ser assim?

    ResponderExcluir
  14. estou lendo no meu trabalho e to me segurando muito pra não chorar :( ass:lê

    ResponderExcluir
  15. Que coisa. .... Tô ficando com pena da Sra Traynor...coitada, é só desgraça...

    ResponderExcluir
  16. Em toda minha vida da leitura, esse é o livro em que eu mais chorei, e olha que ja li livros muito tristes(se eu ficar; a culpa é das estrelas; um amor pra recordar; e muitos outros) Mas nesse, eu realmente me encantei, não to aguentando :'( to imaginando como vai ser o resto da vida da Lou se ele realmente se for ...

    ResponderExcluir
  17. MEU PATRÃO FICOU PASTO EM ME VER CHORANDO... CONFUSO
    CARA NUNCA UM HISTORIA MEXEU TANTO COMIGO:(

    ResponderExcluir
  18. Não posso chorar
    Trabalho na recepção da empresa e não tem nem como atender clientes com lagrimas nos olhos T.T

    ResponderExcluir
  19. Caramba, isso ta ficando bom, amo ler livros que me inquietam e esse ta fazendo o serviço direitinho. Não consigo parar de ler

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!