17 de fevereiro de 2016

Capítulo 23

Exatos dez dias depois, o carro do Sr. Traynor nos deixou no aeroporto de Gatwick, Nathan arrastava nossa bagagem num carrinho enquanto eu checava novamente se Will estava confortável – até que ele ficou irritado.
— Cuidem-se. E façam boa viagem — recomendou o Sr. Traynor, colocando a mão no ombro de Will. — Não façam muita bobagem. — E literalmente piscou para mim ao dizer isso.
A Sra. Traynor não pôde sair do trabalho para ir também. Desconfio que, na verdade, ela não quis passar duas horas num carro com o marido.
Will concordou com a cabeça, mas não disse nada. Ele permanecera surpreendentemente quieto no carro, olhando pela janela com seu olhar impenetrável, ignorando a conversa entre mim e Nathan sobre o trânsito e o que já sabíamos que tínhamos nos esquecido de levar.
Até atravessarmos o pátio eu não estava muito segura de que fazíamos a coisa certa. A Sra. Traynor foi totalmente contra a viagem. Mas, depois que ele concordou com o meu plano reformulado, eu soube que ela teve medo de dizer que ele não deveria ir.
Parecia estar com medo de falar conosco naquela última semana. Ficava em silêncio perto de Will, falando somente com os médicos. Ou se ocupava do jardim, podando as plantas com uma eficiência assustadora.
— Alguém da companhia aérea deve nos encontrar. Eles devem vir nos encontrar — afirmei, à medida que nos encaminhávamos para o guichê do check-in, mexendo na minha papelada.
— Relaxe. É pouco provável que coloquem alguém na porta — disse Nathan.
— Mas a cadeira tem que ser despachada como “equipamento médico frágil”. Conferi três vezes pelo telefone com a mulher. E temos de ver se eles não vão implicar com o equipamento médico de bordo de Will.
O serviço on-line de tetraplégicos forneceu pilhas de informações, avisos, direitos e listas. Depois, conferi três vezes seguidas com a empresa aérea que seríamos alocados em assentos localizados na parte mais espaçosa da cabine e que Will embarcaria primeiro e não sairia de sua cadeira motorizada até que estivéssemos no portão de embarque. Nathan deveria ficar em solo, retirar o controle remoto e colocar a cadeira em funcionamento manual, e depois, cuidadosamente, deveria dobrar e fechar a cadeira, prendendo os pedais. Ele acompanharia pessoalmente o despacho da cadeira, para evitar que sofresse alguma avaria. Ela receberia etiquetas cor-de-rosa para avisar os carregadores que era um aparelho muito delicado. Reservamos três assentos seguidos para que Nathan pudesse dar a ajuda médica de que Will precisasse sem contar com olhares curiosos. A empresa aérea garantiu que os braços dos assentos levantavam, assim não machucaríamos os quadris de Will ao transferi-lo da cadeira de rodas para o assento do avião. Ele poderia ficar entre nós dois o tempo todo. E seríamos os primeiros a desembarcar.
Tudo isso estava na minha lista “aeroporto”. Era a página que vinha antes da lista “hotel”, mas depois da lista “um dia antes da partida” e do itinerário. Mesmo com todas essas garantias em ordem, eu me sentia enjoada.
Toda vez que olhava para Will, eu me perguntava se tinha feito a coisa certa. Will recebera de seu clínico geral a autorização para viajar somente na noite anterior.
Comera pouco e passara quase o dia todo dormindo. Parecia cansado não só por causa da doença, mas exausto com relação à vida, cansado das nossas interferências, das nossas entusiasmadas tentativas de conversar, da nossa incansável determinação em tentar melhorar as coisas para ele. Ele me suportava, mas eu tinha a sensação de que, frequentemente, queria ficar sozinho. Ele não sabia que essa era a única coisa que eu não o deixaria fazer.
— Ali está a moça da companhia aérea — falei, quando uma jovem de uniforme, com um grande sorriso e uma prancheta, veio rápido na nossa direção.
— Bom, ela vai ser muito útil na transferência — Nathan murmurou. — Parece que não consegue levantar um camarão congelado.
— Vamos dar um jeito — respondi. — Aqui entre nós, damos um jeito.
Tinha se tornado o meu bordão, desde que decidi o que queria fazer. Desde minha conversa com Nathan no anexo, fui tomada por um renovado entusiasmo em provar que todos estavam errados. Só porque não podíamos fazer a viagem que planejei não queria dizer que Will não pudesse fazer nada.
Acessei os sites de bate-papo na internet e disparei perguntas. Que lugar seria bom para um agora bem mais fraco Will se recuperar? Alguém sabia aonde podíamos ir? O clima era a minha principal preocupação – o clima inglês era muito instável (e não há nada mais deprimente do que um hotel à beira-mar com chuva). Grande parte da Europa estava quente demais no fim de julho, o que excluía as praias da Itália, da Grécia, do sul da França e outras regiões litorâneas. Eu tinha uma visão, sabe?
Imaginava Will relaxando à beira-mar. O problema era que, com tão pouco tempo para planejar e embarcar, havia pouca chance de tornar tudo realidade.
Houve muitas mensagens solidárias, e muitas, muitas histórias sobre pneumonia. Aquele parecia ser o fantasma que assombrava a todos eles. Houve algumas sugestões de lugares aonde ele poderia ir, mas nenhuma que me inspirasse. Ou, mais importante, nenhuma sugestão que pudesse interessar a Will. Eu não queria spas, ou lugares onde ele pudesse ver pessoas na mesma situação que ele. Eu não sabia direito o que queria, mas revi as sugestões da lista de sugestões e soube que nenhuma era adequada.
Foi Ritchie, aquele assíduo membro do bate-papo, que acabou me ajudando. Na tarde em que Will saiu do hospital, ele enviou uma mensagem:

Mande o seu e-mail. Meu primo é agente de viagens. Contei o caso para ele.

Liguei para o número que ele me deu e falei com um homem de meia-idade, com forte sotaque de Yorkshire. Quando ele me disse o que tinha em mente, um sininho de reconhecimento soou em alguma parte das profundezas da minha memória. Duas horas depois, tínhamos tudo arranjado. Fiquei tão grata a ele que poderia ter chorado.
— Não tem de quê, garota — disse ele. — Apenas garanta que o seu amigo se divirta.
Dito isso, quando partimos, eu estava quase tão cansada quanto Will. Tinha passado dias numa batalha contra os menores requisitos para viagem de tetraplégicos, e até a manhã da viagem, ainda não estava convencida de que Will estava bem o suficiente para ir. Agora, sentada com a bagagem, olhava para ele, desanimado e pálido no aeroporto movimentado e me perguntava de novo se tinha me enganado. Por um breve momento senti pânico. E se ele adoecesse outra vez? E se detestasse cada minuto, como aconteceu na corrida de cavalos? E se eu tivesse entendido tudo errado e ele precisasse não de uma viagem épica, mas de dez dias em casa, na própria cama?
Mas não dispúnhamos de dez dias sobrando. Era isso. Aquela era a minha única chance.
— Estão chamando o nosso voo — avisou Nathan, ao voltar do Duty Free. Olhou para mim, levantou uma sobrancelha e respirou fundo.
— Certo — respondi. — Vamos lá.

* * *

O voo em si, apesar das longas doze horas de duração, não foi a provação que eu temia.
Nathan provou ser muito eficiente em fazer as rotinas de troca de Will escondido sob um cobertor. A equipe de bordo foi solícita, discreta e cuidadosa com a cadeira. Will, conforme o prometido, embarcou primeiro, foi transferido para sua poltrona sem se machucar e ficou entre mim e Nathan.
Depois de uma hora de voo, percebi que, estranhamente, acima das nuvens, uma vez amarrado o suficiente para ficar estável em sua poltrona posta na posição inclinada, Will era igual a todo mundo no avião. Preso na frente de uma tela, sem ter para onde ir e nada para fazer a dez mil metros de altura, ele pouco se destacava dos demais passageiros. Comeu e assistiu a um filme e, principalmente, dormiu.
Nathan e eu sorrimos precavidos um para o outro e tentamos nos comportar como se tudo estivesse bem, tudo ótimo. Olhei para fora da janela, com as ideias tão confusas quanto as nuvens abaixo de nós, ainda incapaz de pensar no fato de que aquilo não era apenas um desafio logístico, mas uma aventura para mim – que eu, Lou Clark, estava literalmente a caminho do outro lado do mundo. Eu não enxergava isso. Não conseguia enxergar nada além de Will àquela altura. Eu me senti como minha irmã assim que deu à luz Thomas. “É como se eu estivesse vendo o mundo através de um funil” ela dissera, olhando para aquele ser recém-nascido. “O mundo ficou reduzido apenas a mim e a ele.”
Ela tinha me mandado uma mensagem de texto quando eu estava no aeroporto.

Você consegue. Estou superorgulhosa de você. Bjs

Abri a mensagem de novo, só para olhar para ela, sentindo-me subitamente emocionada, talvez pela escolha das palavras. Ou talvez porque eu estava cansada, com medo e ainda achando difícil acreditar que eu tinha conseguido nos levar tão longe. Por fim, para bloquear meus pensamentos, liguei minha pequena TV, olhando sem ver alguma série americana de humor até que o céu à nossa volta escurecesse.
E então acordei com a aeromoça parada à nossa frente, oferecendo o café da manhã, e notei que Will estava conversando com Nathan sobre um filme a que tinham acabado de assistir juntos e – surpreendentemente e contra todas as possibilidades – estávamos a menos de uma hora do pouso nas Ilhas Maurício.
Acho que não acreditei que tudo aquilo pudesse acontecer até que tivéssemos aterrissado no Aeroporto Internacional Sir Seewoosagur Ramgoolam. Surgimos, meio grogues, no portão de chegada, ainda enrijecidos pelo tempo de voo, e eu quase chorei de alívio ao ver o motorista do táxi especialmente adaptado. Naquela primeira manhã, quando o motorista nos levou rapidamente ao resort, reparei muito pouco da ilha. Claro, as cores pareciam mais fortes que as da Inglaterra, o céu era mais vívido, de um tom azul-celeste que apenas se perdia de vista ficando mais e mais profundo até o infinito.
Notei que a ilha era viçosa e verde, margeada por quilômetros de canaviais, o mar surgindo como uma faixa de mercúrio por entre as colinas vulcânicas. O ar tinha um matiz fumacento e enérgico, o sol estava tão alto no céu que tive de semicerrar os olhos na luz branca. No estado de exaustão em que me encontrava, era como se me acordassem no meio das páginas brilhantes de uma revista.
Mas, mesmo com os meus sentidos lutando contra o desconhecido, meu olhar se voltava repetidamente para Will, para o seu rosto pálido, cansado, para a sua cabeça que parecia estranhamente caída entre os ombros. Então, atravessamos uma entrada de veículos ladeada de palmeiras, paramos do lado de fora de um prédio baixo e o motorista saltou e descarregou nossa bagagem.
Recusamos o chá gelado e um passeio pelo hotel. Encontramos o quarto de Will com a bagagem dele já descarregada, o deitamos na cama e, quase antes de fecharmos as cortinas, ele dormiu de novo. E ali estávamos nós. Eu tinha conseguido. Saí do quarto, finalmente soltando um grande suspiro, enquanto Nathan espiava pela janela a arrebentação branca atrás do recife de coral. Não sei se foi a viagem, ou porque era o lugar mais lindo em que eu já tinha estado na vida, mas meus olhos subitamente se encheram de lágrimas.
— Está tudo bem — disse Nathan, vislumbrando minha expressão. Depois, o que foi totalmente inesperado, ele se aproximou e me envolveu em um enorme abraço de urso. — Relaxa, Lou. Tudo vai dar certo. Sério. Você fez tudo certo.

* * *

Precisei de quase três dias para começar a acreditar nele. Will dormiu durante a maioria das primeiras quarenta e oito horas – e então, espantosamente, começou a parecer melhor. A pele recuperou a cor e ele perdeu as sombras azuladas ao redor dos olhos. Os espasmos diminuíram e ele voltou a comer, percorrendo devagar o interminável e extravagante bufê, dizendo o que ele queria que eu colocasse no prato.
Soube que estava voltando a ser ele mesmo quando me instigou a comer coisas que eu nunca teria experimentado – molhos creole apimentados e frutos do mar cujos nomes eu não reconhecia. Ele pareceu ficar à vontade com o lugar mais rapidamente do que eu. E não é de se admirar. Tive de lembrar a mim mesma que, durante quase a vida toda, aquele tinha sido o domínio de Will – esse globo, essas amplas praias – e não o pequeno anexo à sombra do castelo.
O hotel, conforme o prometido, tinha disponibilizado uma cadeira de rodas especial, com rodas largas, e quase todas as manhãs Nathan transferia Will para ela e caminhávamos pela praia. Eu carregava uma sombrinha, de modo a protegê-lo do sol se ficasse forte demais. Mas não ficou; aquela parte sudeste da ilha era famosa por suas brisas do mar e, fora da estação, as temperaturas no resort raramente iam além dos vinte graus. Ficávamos numa pequena praia perto de uma rocha, que emergia bem fora de vista da parte principal do hotel. Eu abria uma cadeira, sentava-me ao lado de Will, embaixo de uma palmeira, e olhávamos Nathan tentar praticar windsurf ou esqui aquático – às vezes, gritávamos palavras de incentivo e até uns xingamentos ocasionais – de onde estávamos na areia.
A princípio, os funcionários do hotel quase queriam fazer coisas demais para Will, oferecendo-se para empurrar a cadeira, insistindo constantemente em lhe trazer bebidas geladas. Explicamos que não precisávamos deles e eles, alegremente, recuaram. Mas era bom, durante os momentos em que eu não estava com Will, ver porteiros e recepcionistas conversarem com ele, ou dar dicas de lugares aonde achavam que deveríamos ir. Havia um jovem desengonçado, Nadil, que parecia ter nomeado a si mesmo o cuidador não oficial de Will quando Nathan não estava por perto. Um dia, saí e descobri que Nadil e um amigo haviam gentilmente tirado Will da cadeira, colocando-o numa esteira acolchoada que tinham posicionado embaixo da “nossa” palmeira.
— Assim é melhor — disse Nadil, levantando o polegar num sinal de positivo, enquanto eu vinha pela areia. — Basta me chamar quando o Sr. Will quiser voltar para a cadeira.
Eu estava prestes a reclamar e dizer que não deveriam tê-lo tirado da cadeira. Mas Will havia fechado os olhos e se deitado com uma satisfação tão inesperada que apenas me calei e fiz que sim com a cabeça.
Quanto a mim, à medida que a preocupação com a saúde de Will foi diminuindo, comecei vagarosamente a achar que estava mesmo no paraíso. Nunca na minha vida tinha pensado que poderia passar meu tempo em um lugar como aquele. Todas as manhãs, eu acordava com as ondas quebrando gentilmente na praia e pássaros desconhecidos cantando uns para os outros nas árvores. Olhava para o teto do meu quarto, vendo o sol brincar através das folhas; e do quarto ao lado ouvia uma conversa murmurada que me dizia que Will e Nathan já tinham acordado bem antes de mim. Eu usava sarongues e roupas de banho, aproveitava a sensação do sol quente em meus ombros e costas. Minha pele ficou cheia de sardas, minhas unhas ficaram esbranquiçadas e comecei a sentir uma rara felicidade diante dos simples prazeres da vida lá – andar na praia, comer alimentos desconhecidos, nadar em águas claras e mornas, onde peixes negros olhavam timidamente por entre pedras vulcânicas, ou ver o sol afundar no horizonte, vermelho-fogo. Aos poucos, os últimos meses começaram a se apagar. Para meu constrangimento, eu raramente pensava em Patrick.
Nossos dias pareciam seguir um padrão. Tomávamos café da manhã todos os três juntos, nas mesas à sombra suave da pérgula. Will costumava comer salada de frutas, que eu lhe oferecia, e às vezes ele comia depois uma panqueca de banana, à medida que o apetite aumentou. Íamos então para a praia, onde ficávamos – eu lendo, Will ouvindo música – enquanto Nathan praticava esportes aquáticos. Will ficava me dizendo que eu também deveria fazer alguma coisa, mas a princípio eu disse não.
Apenas queria ficar perto dele. Quando insistiu, passei uma manhã praticando windsurfe e caiaque, mas eu ficava mais feliz estando só ao lado dele.
De vez em quando, se Nadil estava por perto e o resort estava calmo, ele e Nathan acomodavam Will na água morna da piscina menor, Nathan sustentando sua cabeça para que o corpo de Will flutuasse. Ele não falava muito quando eles faziam isso, mas parecia bem satisfeito, como se o corpo lembrasse de sensações havia muito esquecidas.
O tórax de Will, pálido havia muito tempo, ficou dourado. As cicatrizes ficaram prateadas e começaram a desaparecer. Ele ficou mais à vontade sem camisa.
Na hora do almoço, íamos para um dos três restaurantes do resort. O piso de todo o complexo era ladrilhado, com apenas uns poucos degraus e declives, o que significava que Will podia se movimentar com a cadeira em completa autonomia. Era algo pequeno, mas o fato de ele conseguir uma bebida sem um de nós precisar acompanhá-lo era não só um descanso para mim e Nathan, como a breve mudança em uma das frustrações diárias de Will – ser totalmente dependente dos outros. Não que qualquer um de nós precisássemos nos deslocar muito. Parecia que onde quer que estivéssemos, na praia ou na piscina, ou até mesmo no spa, um dos sorridentes funcionários aparecia com um drinque de que se poderia gostar, em geral enfeitado com uma perfumada flor cor-de-rosa. Mesmo quando você ficava estirado na praia, um pequeno jipe passava e um sorridente garçom oferecia água, suco de fruta ou algo mais forte.
Nas tardes, quando as temperaturas chegavam ao ápice, Will ia para o quarto e dormia algumas horas. Eu nadava na piscina, ou lia meu livro, e no final da tarde nos encontrávamos para jantar no restaurante à beira-mar. Logo passei a gostar de coquetéis. Nadil percebeu que, se desse a Will o canudinho do tamanho certo e colocasse um copo alto no porta-copo, Nathan e eu não precisávamos fazer nada. Ao anoitecer, nós três conversávamos sobre nossa infância, nossos primeiros namorados, nossos primeiros empregos, nossas famílias e outros passeios que tínhamos feito, e lentamente vi Will ressurgir.
Só que era um Will diferente. Aquele lugar parecia ter lhe concedido uma paz que ele não tinha ao longo de todo o tempo que eu o conheci.
— Ele está indo bem, não? — perguntou Nathan, ao me encontrar no bufê.
— Sim, acho que sim.
— Sabe... — Nathan se inclinou na minha direção, temendo que Will visse que falávamos nele — ... acho que aquele rancho com todas as aventuras teria sido ótimo. Mas, vendo-o agora, não posso deixar de pensar que este lugar deu mais certo.
Eu não disse a ele o que eu decidira no primeiro dia, quando fizemos o check-in, meu estômago embrulhado de ansiedade, já calculando quantos dias eu ainda tinha antes de voltar para casa. Em cada um daqueles dez dias, tentei esquecer por que realmente estávamos ali – o contrato de seis meses, meu calendário cuidadosamente planejado, tudo o que tinha acontecido antes. Precisava apenas viver o momento e tentar encorajar Will a fazer o mesmo. Eu tinha de ser feliz, na esperança de que Will fosse também.
Pus em meu prato outra fatia de melão e sorri.
— Então, o que vamos fazer mais tarde? Vamos cantar no karaokê? Ou seus ouvidos ainda não se recuperaram da noite passada?

* * *

Na quarta noite, Nathan anunciou, apenas um pouco constrangido, que tinha um encontro. Karen era uma amiga neozelandesa hospedada no hotel ao lado e ele tinha concordado em ir com ela ao centro da cidade.
— Só para garantir que ela vá ficar bem. Você sabe... não sei se é um lugar bom para ela ir sozinha
— É — disse Will, balançando a cabeça, solenemente. — Muito cavalheiresco de sua parte, Nate.
— Eu acho que é uma atitude muito responsável. Muito cívica — concordei.
— Sempre admirei Nathan por sua abnegação. Sobretudo quando se trata do sexo oposto.
— Danem-se vocês dois — disse Nathan com um sorriso escancarado, e sumiu.
Karen logo se tornou uma companhia constante. Nathan desaparecia com ela quase todas as noites e, embora voltasse para cumprir suas obrigações da noite, nós, tacitamente, demos a ele todo o tempo possível para que se divertisse.
Além do mais, eu estava secretamente satisfeita. Gostava de Nathan e me sentia grata por ele ter vindo, mas preferia quando ficávamos só Will e eu. Gostava da espécie de taquigrafia em que mergulhávamos quando ninguém estava por perto, da intimidade fácil que surgiu entre nós. Gostava do jeito como ele virava o rosto e me olhava com deleite, como se, de algum modo, eu tivesse me tornado muito mais do que ele esperava.
Na penúltima noite, eu disse a Nathan que não me incomodaria se ele quisesse trazer Karen para o complexo. Ele vinha passando as noites no hotel dela e eu sabia que aquilo era complicado para ele, andar vinte minutos de cada vez para preparar Will para dormir.
— Não me importo. Se isso vai... você sabe... lhe dar um pouco de privacidade.
Ele ficou animado, já pensando na noite que teria, e não disse nada mais que um entusiasmado “Obrigado, companheira”.
— Que gentil de sua parte — disse Will, quando contei para ele.
— Que gentil de sua parte, você quer dizer — respondi. — Foi o seu quarto que cedi à causa.
Naquela noite, colocamos Will no meu quarto, e Nathan ajudou Will a se deitar e lhe deu o remédio enquanto Karen aguardava no bar do hotel. Troquei de roupa, vestindo a camiseta e a calcinha e então abri a porta do banheiro e me esparramei sobre o sofá, com o travesseiro embaixo do braço. Senti o olhar de Will me acompanhando, e me senti estranhamente consciente de que eu passara quase toda a semana anterior andando por aí de biquíni na frente dele. Encaixei meu travesseiro no braço do sofá.
— Clark?
— O quê?
— Você realmente não precisa dormir aí. Esta cama é grande o bastante para caber um time de futebol inteiro.
O fato é que eu nem sequer tinha pensado nisso. Pois é. Talvez os dias que passamos quase despidos na praia nos tivessem feito pirar um pouco. Talvez fosse a ideia de que Nathan e Karen estavam do outro lado da parede, enrolados um no outro, num casulo.
Talvez eu quisesse apenas ficar perto dele. Comecei a me encaminhar para a cama, então me encolhi ao ouvir um súbito trovão. As luzes falharam, alguém gritou lá fora. No quarto ao lado, Nathan e Karen irromperam em risadas.
Fui até a janela e abri a cortina, sentindo a brisa repentina, a queda abrupta da temperatura. Lá fora, no mar, uma tempestade ganhou vida. Flashes dramáticos de raios se partiam em várias direções iluminando o céu por um instante e então, como se fosse um adendo, uma pesada trovoada soou no dilúvio que atingia o telhado do nosso pequeno bangalô, tão barulhenta que abafou tudo.
— Melhor eu fechar as janelas — falei.
— Não, não.
Virei-me.
— Deixe as portas abertas — disse Will, fazendo sinal com a cabeça. — Quero ver.
Hesitei, mas, devagar, abri com cuidado as portas envidraçadas que davam para o terraço. A chuva martelava todo o complexo do hotel, pingando de nosso telhado, escavando rios que corriam do terraço em direção ao mar. Senti a umidade em meu rosto, a eletricidade no ar. Os pelos dos meus braços se eriçaram na mesma hora.
— Você está sentindo? — perguntou ele, atrás de mim.
— Parece o fim do mundo.
Fiquei ali, deixando a carga fluir através de mim, os flashes brancos se imprimindo em minhas pálpebras. Isso fez com que minha respiração ficasse presa na garganta.
Virei-me e caminhei até a cama, sentando-me na beira. Enquanto ele me olhava, me inclinei e delicadamente puxei seu pescoço bronzeado na minha direção. Agora, eu sabia exatamente como mexer nele, como eu poderia fazer com que seu peso, sua solidez, trabalhassem a meu favor. Segurando-o perto de mim, debrucei-me por sobre ele e coloquei um gordo travesseiro branco atrás de seus ombros antes de apoiá-lo novamente sobre sua suave maciez. Ele tinha cheiro de sol, parecia entranhado na pele, e eu me peguei inalando aquele cheiro silenciosamente, como se fosse algo delicioso.
Então, ainda não completamente seca, subi na cama ao lado dele, tão perto que minhas pernas tocaram as suas e, juntos, nós observamos o chamuscar branco-azulado à medida que os raios atingiam as ondas, as estacas do guarda-corpo prateadas pela chuva, a delicada massa turquesa cambiante que caía a poucos metros de distância.
O mundo ao nosso redor pareceu encolher, até que ele fosse somente o som da tempestade, o mar azul-escuro cor de malva e as cortinas finas delicadamente se inflando. Senti o cheiro das flores de lótus na brisa noturna, ouvi os sons distantes de copos tilintando, de cadeiras sendo aproximadas às pressas, a música de alguma comemoração ao longe, senti a carga da natureza descontrolada. Alcancei a mão de Will e a segurei entre as minhas. Pensei, por um instante, que nunca mais me sentiria tão intensamente conectada ao mundo, a outro ser humano, como naquele momento.
— Nada mal, hein, Clark? — disse Will em meio ao silêncio.
Diante da tempestade, o rosto dele estava parado e calmo. Ele se virou um pouco e sorriu para mim, e havia algo em seus olhos, algo triunfante.
— É — respondi. — Nada mal mesmo.
Fiquei deitada imóvel, ouvindo a respiração dele lenta e profunda, o som da chuva por trás dela, senti seus dedos cálidos entrelaçados nos meus. Eu não queria voltar para casa. Pensei que poderia nunca mais voltar. Ali, Will e eu estávamos seguros, trancados no nosso pequeno paraíso. Toda vez que eu pensava em voltar para a Inglaterra, a grande garra do medo prendia meu estômago e começava a apertá-lo bem forte.
Vai dar certo. Tentei repetir para mim mesma as palavras de Nathan. Vai dar certo.
Finalmente, virei-me de lado, de costas para o mar, e olhei para Will. Ele virou a cabeça para me olhar na luz fraca e eu senti que ele me dizia a mesma coisa. Vai dar certo. Pela primeira vez na vida, tentei não pensar no futuro. Tentei apenas estar, simplesmente deixar as sensações da noite passarem por mim. Não sei quanto tempo ficamos assim, apenas olhando um para o outro, mas aos poucos as pálpebras de Will ficaram mais pesadas até que ele murmurasse, se desculpando, que achava que estava...
A respiração ficou mais profunda, ele fechou a pequena fenda e caiu no sono, e então eu fiquei apenas olhando o rosto dele, observando que seus cílios eram pequenos pontos separados perto dos cantos dos olhos, que havia novas sardas em seu nariz.
Disse a mim mesma que eu precisava ter razão. Precisava ter razão.
A tempestade finalmente se dispersou lá pela uma da manhã, sumindo em algum ponto mar adentro, seus lampejos de raiva ficando cada vez mais suaves até desaparecerem por completo, levando a tirania meteorológica para algum outro lugar invisível. Aos poucos, o ar acalmou em volta de nós, as cortinas pararam de esvoaçar, a água que restava foi drenada num gorgolejo. Em algum momento da madrugada eu me levantei, tirei delicadamente minha mão da de Will, fechei as portas envidraçadas, abafando o quarto no silêncio. Will dormiu – um sono audível e calmo que ele raramente tinha em casa.
Não dormi. Fiquei lá, olhei-o e procurei não pensar em mais nada.

* * *

No último dia, aconteceram duas coisas. Uma: por insistência de Will, aceitei fazer mergulho submarino. Ele falava havia dias que eu não podia ir a um lugar tão distante e não mergulhar no mar. Não dei certo no windsurfe, mal consegui segurar a vela nas ondas; quase todas as tentativas de fazer esqui aquático terminaram de cara na água.
Mas ele insistia e, um dia antes de irmos embora, chegou ao almoço avisando que me inscrevera num curso de meio dia de mergulho para iniciantes.
Começou mal. Will e Nathan ficaram na beira da piscina enquanto meu instrutor tentava me convencer de que eu continuaria respirando dentro da água. Mas os dois ficarem me olhando acabou com minhas esperanças. Não sou burra: sabia que os tanques de oxigênio nas minhas costas manteriam meus pulmões funcionando, que eu não ia me afogar. Mas toda vez que eu enfiava a cabeça na água, entrava em pânico e voltava à tona. Era como se meu corpo se recusasse a acreditar que podia respirar sob vários litros de águas mauricianas.
— Acho que não consigo — confessei ao voltar à tona pela sétima vez, fazendo um barulho alto.
O instrutor de mergulho, James, olhou para Will e Nathan, que estavam atrás de mim.
— Não consigo — garanti.
James ficou de costas para os dois, deu um tapinha no meu ombro e mostrou o mar.
— Tem gente que se sente melhor lá — disse, calmo.
— No mar?
— Tem gente que se sente melhor em águas profundas. Vamos. Vamos de barco.
Quarenta minutos depois, eu estava dentro da água, olhando a colorida paisagem que ficava escondida sob o mar, esqueci que o oxigênio podia falhar e que, contra todas as possibilidades, eu ia afundar e morrer, esqueci até que eu tinha medo. Fui distraída pelos segredos de um novo mundo. No silêncio, quebrado apenas pelo som exagerado da minha respiração, vi cardumes de pequenos peixes iridescentes e outros maiores, pretos e brancos, que me olhavam com caras inquisitivas e pasmas; anêmonas que se moviam lenta e suavemente, filtrando as correntes de água que trazem seus pequenos e invisíveis alimentos. Vi paisagens distantes ainda mais coloridas e variadas do que eram na superfície. Vi cavernas e vãos onde criaturas desconhecidas espreitavam, formas que tremeluziam sob os raios do sol. Eu não queria voltar à tona. Podia ficar lá para sempre, naquele mundo silencioso. Só quando James indicou o mostrador do tanque de oxigênio vi que eu precisava subir.
Mal conseguia falar quando enfim me dirigi, sorrindo, pela areia na direção de Will e Nathan. Minha cabeça continuava cheia de imagens, meus braços e pernas ainda se mexiam como se estivessem dentro d’água.
— Bom, não? — perguntou Nathan.
— Por que vocês não me disseram? — reclamei para Will, jogando as nadadeiras na areia diante dele. — Por que não me obrigaram a fazer isso antes? Tudo o que vi! Tudo lá, o tempo todo! Bem ali na minha frente!
Will olhou sério para mim. Não disse nada, mas deu um sorriso largo, bem devagar.
— Não sei, Clark. Tem gente com quem não adianta falar.

* * *

Na última noite, me embriaguei. Não só porque íamos embora no dia seguinte. Mas porque, pela primeira vez, senti realmente que Will estava bem e não precisava me preocupar. Usei um vestido branco de algodão (a pele estava bronzeada, portanto o branco não me fazia parecer um cadáver numa mortalha) e sandálias de tiras prateadas. Quando Nadil me deu uma flor vermelha e sugeriu que colocasse nos cabelos, não zombei dele como teria feito uma semana antes.
— Olá, Carmem Miranda — disse Will, quando os encontrei no bar. — Como está bonita.
Eu ia dizer algo irônico, mas notei que ele me olhava com autêntica aprovação.
— Obrigada. Você também não está mal — respondi.
O hotel tinha uma discoteca; então, pouco antes das dez da noite, quando Nathan saiu para ficar com Karen, Will e eu fomos para a praia com a música em nossos ouvidos e a agradável sensação de três coquetéis suavizando meus movimentos.
Ah, como a praia estava linda. A noite era quente e a brisa trazia o cheiro de churrascos preparados ao longe, de óleos na pele, e o leve cheiro salgado do mar. Will e eu paramos perto de nossa palmeira preferida. Alguém tinha feito uma fogueira na praia, talvez para assar algo, e restavam apenas brasas brilhando.
— Não quero ir embora — falei, no escuro.
— É um lugar difícil de deixar.
— Pensei que lugares assim só existissem em filmes — eu disse, virando de frente para ele. — Isso me fez imaginar se era verdade tudo o que você disse sobre os outros.
Ele sorria. O rosto parecia descansado e feliz, os olhos brilhavam quando virou-se para mim. Observei-o e, pela primeira vez, não senti um toque de medo.
— Gostou de vir, não? — perguntei, indecisa.
Ele concordou com a cabeça.
— Ah, sim.
— Ah!! — exclamei, dando um soco no ar.
Depois, a música que vinha do bar aumentou, tirei os sapatos e dancei. Parece idiota, o tipo da coisa que, em outra situação, podia ser constrangedora. Mas ali, no escuro de breu, meio tonta por falta de sono, com a fogueira, o céu e o mar infinitos, a música nos nossos ouvidos e Will sorrindo, meu coração explodindo num sentimento que eu não conseguia identificar, eu só queria dançar. Dancei, ri, solta, sem me preocupar se alguém nos via. Senti que Will me olhava e sabia que ele sabia que aquela era a única reação possível para os últimos dez dias. Ora, para os últimos seis meses.
A música terminou e desmontei, ofegante, aos pés dele.
— Você... — ele disse.
— Eu o quê? — Meu sorriso era brincalhão. Eu me sentia fluida, elétrica. Não estava muito responsável pelos meus atos.
Ele balançou a cabeça.
Levantei-me lentamente da areia, descalça, fui até a cadeira, sentei no colo dele, nossos rostos quase colados. Após a noite anterior, aquele não pareceu um salto muito grande.
— Você... — Seus olhos azuis brilhavam à luz das brasas e grudaram nos meus. Ele tinha cheiro de sol, de fogueira e de algo áspero e cítrico.
Senti algo se entregar dentro de mim.
— Você... é uma figura, Clark.
Fiz a única coisa que me ocorreu. Inclinei-me e encostei meus lábios nos dele. Will ficou indeciso um instante e retribuiu o beijo. Por um instante, esqueci tudo: o milhão e meio de motivos para não fazer aquilo; meus medos; o motivo para estarmos ali. Beijei-o, sentindo o cheiro da pele, os cabelos macios nas minhas mãos. Quando ele retribuiu, tudo isso desapareceu e ficamos apenas os dois numa ilha no meio do nada, sob milhares de estrelas cintilantes.
Ele então recuou.
— Eu... desculpe. Não...
Abri os olhos. Coloquei a mão no rosto dele e percorri seu lindo contorno. Senti o leve sal nos dedos.
— Will... — comecei a dizer. — Você pode. Você...
— Não. — A palavra tinha um toque de aço. — Não posso.
— Não entendo.
— Não quero.
— Hum... acho que você tem que aceitar.
— Não posso porque eu não... — engoliu em seco. — Não posso ser o homem que quero ser com você. O que significa que isso — ele olhou meu rosto — isso apenas se transforma... em outro lembrete do que não sou.
Não afastei meu rosto. Inclinei minha cabeça para tocar na dele, nossa respiração se misturou e falei baixo, para só ele ouvir:
— Não me importo com o que você... pensa que pode ou não fazer. Não é preto no branco. Sinceramente... conversei com outras pessoas na mesma situação que você... e há coisas que são possíveis. Maneiras de agradar a ambos... — Eu tinha começado a gaguejar um pouco. Me senti estranha com aquela conversa. Olhei bem para ele. — Will Traynor — eu disse, baixo — É o seguinte. Acho que podemos...
— Não, Clark — ele interrompeu.
— Acho que podemos fazer de tudo. Sei que essa não é uma história de amor como outra qualquer. Sei que há motivos para eu nem dizer isso. Mas eu amo você. De verdade. Vi isso quando deixei Patrick. E acho até que você gosta um pouco de mim.
Ele ficou calado. Seus olhos buscaram os meus, com aquela enorme tristeza de sempre. Afastei os cabelos da testa dele como se pudesse afastar a tristeza; ele inclinou a cabeça, encostou-a na palma da minha mão e ficou assim.
Engoliu em seco.
— Preciso lhe dizer uma coisa.
— Eu sei de tudo — cochichei.
Will calou-se. O ar pareceu estagnado.
— Eu sei da Suíça. Sei... a razão do meu contrato ser de seis meses.
Ele tirou a cabeça da minha mão. Olhou para mim, depois para o céu. Os ombros caíram.
— Sei de tudo, Will. Sei há meses. E, por favor, ouça... — Peguei a mão direita dele e encostei no meu coração. — Sei que podemos. Sei que não é como você queria, mas posso fazer você feliz. Só sei dizer que você me transformou... numa pessoa que eu nem imaginava. Você me faz feliz, mesmo quando é horroroso. Prefiro estar com esse você que você deprecia do que com qualquer outra pessoa no mundo.
Os dedos dele apertaram um pouco os meus e isso me encorajou.
— Se acha muito estranho eu trabalhar para você, saio desse emprego e procuro outro. Queria lhe contar uma coisa: me inscrevi numa faculdade. Pesquisei muito na internet, falei com outros tetraplégicos e cuidadores, aprendi muito sobre isso. Então, posso fazer o curso e ficar com você. Entende? Pensei em tudo, pesquisei tudo. Agora sou assim. Culpa sua. Você me transformou. — Eu estava quase rindo. — Você me transformou na minha irmã. Mas com um gosto muito melhor para se vestir.
Ele tinha fechado os olhos. Segurei as mãos dele e beijei os nós dos dedos. Senti a pele dele e tive mais certeza do que nunca de que não poderia deixá-lo.
— O que acha? — cochichei.
Eu podia olhá-lo pelo resto da vida.
Ele falou tão baixo que por um instante pensei ter entendido errado.
— O que disse? — perguntei.
— Não, Clark.
— Não?
— Desculpe. Não basta.
Abaixei a mão dele.
— Não entendo.
Ele esperou para falar como se, por uma vez, lutasse para encontrar as palavras certas.
— Não basta para mim. Esse meu mundo, mesmo que seja com você. E pode ter certeza, Clark, minha vida melhorou muito desde que você chegou. Mas para mim não basta. Não é a vida que eu quero.
Foi a minha vez de recuar.
— Eu entendo que podia ser bom. Entendo que, com você, talvez fosse até uma vida muito boa. Mas não é a minha vida. Não sou igual a essas pessoas com quem você fala. Não é a vida que eu quero. Não chega nem perto. — Ele falava aos trancos. Sua expressão me assustou.
Engoli em seco, balançando a cabeça.
— Você... uma vez me disse que aquela noite que passei no labirinto do castelo não podia ser o que me identificava. Disse que eu podia escolher o que fosse. Bom, pois você não pode deixar essa... cadeira de rodas ser a sua identidade.
— Mas é, Clark. Você não me conhece. Nunca me viu antes disso. Eu adorava a vida, Clark. Gostava mesmo. Do meu trabalho, das viagens, das coisas que eu fazia. Gostava de usar o corpo. De andar na minha moto, me desviando dos prédios. Gostava de dominar as pessoas nos negócios. Gostava de transar. Transar muito. Eu levava uma vida muito boa. — Falou mais alto: — Não nasci para viver enfiado nesta coisa; mas, por tudo e para tudo, é isso que me identifica. É a única coisa que me define.
— Mas você não está nem dando uma chance — cochichei. A voz parecia não querer sair do meu peito. — Não está me dando uma chance.
— Não é questão de dar uma chance. Nesses seis meses, vi você se transformar em outra pessoa, que está só começando a ver as possibilidades que tem. Não imagina como isso me deixou feliz. Não quero que você fique presa a mim, às minhas consultas hospitalares, às limitações da minha vida. Não quero que perca todas as coisas que outra pessoa poderia lhe dar. E, egoísta, não quero que olhe para mim um dia e sinta sequer o mínimo arrependimento ou pena por...
— Eu jamais pensaria isso!
— Você não sabe, Clark. Não sabe o que iria acontecer. Não sabe nem como vai estar daqui a seis meses. E não quero olhar para você todos os dias, ver você nua, andando pelo anexo com suas roupas malucas e... não poder fazer o que quero com você. Ah, Clark, se soubesse o que eu gostaria de fazer com você exatamente agora. E... não aguento pensar nisso. Não posso. Não é quem eu sou. Não posso ser um homem que apenas... aceita.
Ele olhou para a cadeira, com a voz trêmula.
— Jamais aceitarei isso.
Chorei.
— Por favor, Will, não diga isso. Dê uma chance para mim. Uma chance para nós.
— Psiu. Escute. Você, principalmente. Ouça o que vou dizer. Esta... noite... é a melhor coisa que você poderia fazer por mim. O que disse, o que fez para me trazer aqui... mesmo sabendo o idiota completo que eu era no começo, acho incrível você conseguir resgatar algo para amar. Mas — ele apertou minha mão — isso precisa acabar aqui. Chega de cadeira de rodas. Chega de pneumonia. Chega de coceiras nos braços e pernas. Chega de dores e cansaço, de acordar desejando que o dia acabe. Quando voltarmos para o anexo, vou para a Suíça. E se você gosta mesmo de mim, Clark, como diz que gosta, eu ficaria muito feliz se me acompanhasse.
Recuei a cabeça, num susto.
— O quê?
— Minha situação não vai melhorar. A chance é piorar cada vez mais e minha vida, que já é limitada, vai ficar mais ainda. Os médicos disseram. Há várias coisas que estão me atingindo. Eu percebo. Não quero mais sentir dor, nem ficar enfiado nessa cadeira, nem depender de ninguém, nem ter medo. Por isso, peço a você que, se sente o que diz, me acompanhe. Fique comigo. Me dê o fim que desejo.
Olhei-o horrorizada, o sangue bombeando nos ouvidos. Mal consegui entender.
— Como pode me pedir uma coisa dessas?
— Sei que é...
— Eu digo que amo você e que quero construir um futuro e você me pede para assistir ao seu suicídio?
— Desculpe. Não queria ser agressivo. Mas não disponho do luxo de ter tempo.
— O que... o quê? Você fez reserva em algum lugar? Tem algum compromisso que não pode faltar?
Vi as pessoas do hotel parando, talvez porque falássemos alto, mas não me importei.
— Sim — respondeu Will, após uma pausa. — Sim, tenho. Estive lá. A clínica disse que me aceita. E meus pais concordaram com a data de treze de agosto. Vamos de avião um dia antes.
Minha cabeça girou. Faltava menos de uma semana.
— Não posso acreditar.
— Louisa...
— Pensei... pensei que eu tinha feito você mudar de ideia.
Ele inclinou a cabeça de lado e me olhou. A voz era suave; os olhos, gentis.
— Louisa, nada me faria mudar de ideia. Dei a meus pais o prazo de seis meses e cumpri. Você fez esse tempo ficar mais valioso do que pode imaginar. Deixou de ser um teste de resistência...
— Não diga isso!
— O quê?
— Não diga mais nada! — Eu soluçava. — Will, como você é egoísta. Como é idiota. Mesmo se houvesse a mais remota possibilidade de eu ir com você à Suíça... mesmo se você achasse que eu iria, depois de tudo o que fiz por você, de fazer o que fiz, é só isso que me diz? Fiz uma declaração de amor e você diz apenas “Não, você é pouco para mim. E agora quero que assista a pior coisa que pode imaginar.” O que eu mais temia desde que soube disso. Você tem noção do que me pede para fazer?
Eu estava furiosa. De pé na frente dele, como uma louca.
— Foda-se, Will Traynor. Foda-se. Gostaria de jamais ter aceito este trabalho besta. Gostaria de jamais tê-lo conhecido. — Chorei, corri pela praia e voltei para o quarto, longe dele.
Muito depois de fechar a porta do quarto, a voz dele me chamando ainda soava nos meus ouvidos.

63 comentários:

  1. Pensa numa pessoa que está morrendo agora? sim sou eu! Pelo Anjo, essa parte me destruiu!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma Shadowhunter Detectada :3

      Excluir
    2. Meu chorei horrores como pode fazer essa proposta pra ela.

      Excluir
    3. Pelo anjo mesmo!Aaaaa não pode gente....má uma história pra arrancar todas as lágrimas da minha vida...

      Excluir
  2. Estou chorando rios de lagrimas!
    Ass: Bina.

    ResponderExcluir
  3. Como pode isso meu deus, uma pessoa ser tão cabeça dura, cachoeiras rolando espontaneamente dos meus olhos.. :'(

    ResponderExcluir
  4. Meus olhos, meu olhos...Meus olhos! Que livro incrível,meu Deus, nossa.
    Foi umas das partes em que mais chorei lendo um livro,tava com um nó na garganta tentando segurar o choro, mas não deu kkkkk :/

    -D.V

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Somos duas! Chorando feito criança aqui. :'(

      Excluir
    2. Que lindo, esse livro é incrível. Sei que ele parece cabeça dura, mas na realidade só está cansado de sentir tanta dor todos os dias. E quem ama sempre quer o melhor para a pessoa amada, ele apenas quer o melhor para ela, e sabe que ela ainda precisa viver muitas coisas. Me segurei muito para não chorar, pq se chorar as pessoas em meu trablho vão me achar louca rsrs!

      Excluir
    3. Que lindo, esse livro é incrível. Sei que ele parece cabeça dura, mas na realidade só está cansado de sentir tanta dor todos os dias. E quem ama sempre quer o melhor para a pessoa amada, ele apenas quer o melhor para ela, e sabe que ela ainda precisa viver muitas coisas. Me segurei muito para não chorar, pq se chorar as pessoas em meu trabalho vão me achar louca rsrs!

      Excluir
  5. Nossa o Will é um babaca
    Chorando muito 😭😭😭

    ResponderExcluir
  6. Lendo no serviço e comecei a chorrar, todos me olharam!!!
    Sabia que ele iria morrer, mas não imaginava que seria dessa forma. Realmente achei que ele iria mudar de ideia.

    ResponderExcluir
  7. Nunca pensei ser possível chorar tanto com algumas frases. Will seu desgraçado

    ResponderExcluir
  8. amei ele até aqui pra isso

    ResponderExcluir
  9. Eu sabia que ele ia morrer mas não dessa maneira.. Eu quero gritar, isso é injusto

    ResponderExcluir
  10. Ai gnt, ele tem que parar com essa ideia. Não acredito nisso.
    Chorando mto com esse capitulo...
    :'(

    ResponderExcluir
  11. Queria que ele se desse a oportunidade de tentar pelo menos ter uma relação com ela até onde a saúde dele não se agravasse, antes de se suicidar.

    ResponderExcluir
  12. E muito triste mesmo...
    Ass:Gabi

    ResponderExcluir
  13. Decepicionada com o Will, além do que me fez chorar rios!!!

    ResponderExcluir
  14. Poxa, nem deu pra aproveitar a felicidade deles darem o primeiro beijo e Will me fala uma coisa dessas 😒
    Torcendo pra alguma coisa mudar, ele não pode morrer dessa forma!!!

    ResponderExcluir
  15. Eu sabia que ele ia continuar com essa ideia... mas pensei que não choraria... que egoísta :-(

    ResponderExcluir
  16. Eu sabia que ele ia continuar com essa ideia... mas pensei que não choraria... que egoísta :-(

    ResponderExcluir
  17. Que coisa.. ele poderia não ser tão orgulhoso . Impossível não chorar

    ResponderExcluir
  18. sinceramente, nao vo terminar de ler esse livro lindo,
    ja chorei demais e a historia é muito triste:(

    ResponderExcluir
  19. lagrimas,no na garganta, muito forte esse capítulo,nao tem como nao se emocionar

    ResponderExcluir
  20. Pelo anjo será q eu vou conseguir mais algum capitulo sen chora?? Na boa daqui a pouco meu nível de agua esta mais baixo q o Cantareira

    ResponderExcluir
  21. MDS.. estou chorando muito! meu coração não aguenta isso... não era o que eu esperava. :(

    ResponderExcluir
  22. MDS.. estou chorando muito! meu coração não aguenta isso... não era o que eu esperava. :(

    ResponderExcluir
  23. Senhor OO' porque,to chorando no trabalho igual uma maluca (onde ng poderia saber que estou lendo enquanto finjo trabalhar)

    ResponderExcluir
  24. Não gosto nem de pensar 😭Que triste!nao se vá Will

    ResponderExcluir
  25. O Will não é egoista e nem babaca, ele é uma pessoa que vive com dor o tempo inteiro e deve ser mt difícil. Egoistas são as pessoas ao redor querendo que ele se sacrifique a viver eternamente com dor e dependente para elas terem ele ali

    ResponderExcluir
  26. Passar 23 capítulos para ter o tão esperado beijo e,logo em seguida esse balde de água fria... :(

    ResponderExcluir
  27. Eu sou a favor do Will fazer isso! É muito sofrido viver nas condições que ele vive, eu no lugar dele faria o mesmo!

    ResponderExcluir
  28. E eu pensava que tá vá lendo um livro com o final feliz...
    Não aguento isso!!!

    _Maira_

    ResponderExcluir
  29. Nossa achei que eu ia chorar , mas não, só que fiquei com uma dor no peito muito grande em imaginar tudo o que ele disse , como deve ser horrivel você querer fazer as coisas e não poder , andar , dançar ,tocar transar, enfim , to com aperto enorme no coração :'(
    Sarah :'(

    ResponderExcluir
  30. Chorando rios aqui! Chorei tanto que fiquei com dor de cabeça... Will... 😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢😢

    ResponderExcluir
  31. Aí que dor no coração.
    Eu entendo o will,mais ao mesmo tempo queria ver ele feliz com a louisa.Esse livro está me matando😢😢😢

    ResponderExcluir
  32. As lagrimas rolam depois dessas revelações ainda tinha esperanças, acredito no poder do amor acredito sim o amor verdadeiro transforma faz milagres

    ResponderExcluir
  33. Nossa eu n acredito q nada fez ele mudar de ideia
    Nossa muito triste

    ResponderExcluir
  34. EU SIMPLESMENTE NÃO POSSO ACREDITA NISSO!
    Como assim, ele não pode, esperei até agora ansiosa para ela falar que o amava e ele responde apenas isto? está merda?
    Espero sinceramente que no próximo capitulo eu pare de chorar e tudo melhore.

    ResponderExcluir
  35. Chorando bastante, e decepcionada com tudo o que Will falou, essa história não pode ter um final triste como se que vai ter. Will tem que tentar ter algo há mais que amizade com Clark...

    ResponderExcluir
  36. WHAT???? COMO ASSIM???? MEU CORAÇÃO NÃO AGUENTA!!!! POR MELIN, ZEUS, PELO ANJO E TODO O RESTO, COMO PODE ISSO ??? CHORANDO AQUI T-T

    ResponderExcluir
  37. Pelo anjo. Seivqueco Will não morre mais também não fica com Lou

    Morgana

    ResponderExcluir
  38. Nossa! Impossível conter as lágrimas e nao sentir a tristeza que a Louisa esta sentindo por tudo q fez e a esperança que sentiu em pensar que seria capaz de fazer ele decidir viver...mas por outro lado entendo perfeitamente como se sente o Will em quer ter e fazer coisas que seu estado agora não lhe permitem. Sou cadeirante e tive poliomielite quando criança. Hoje tenho 38 anos...Sou paralítica. Apesar de ter uma vida Boa...há momentos sim que desejei não ser assim por querer viver coisas que sei que nunca vou viver. É angustiante e frustrante isso, nem todo mundo consegue aceitar viver nessas condições e saber q seu estado só vai ficar ainda pior. Mas é a vida e cada um tem o direito de como vive-la ou desejar deixar de vive-la. A historia é incrivelmente linda e cativante . To amando. Parabéns por disponibilizar o livro em seu blog. Beijos...

    Ass; Agda Cristy 😘

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Agda, fico feliz que tenha gostado. É interessante quando a literatura aborda os diferentes modo de pensar, as pessoas e suas dificuldades... espero vê-la comentando mais por aqui!

      Excluir
  39. E eu achando q ia rolar uma noite caliente. Will estraga prazeres.

    ResponderExcluir
  40. Tem um olho na minha lágrima

    ResponderExcluir
  41. Meu Deus to chorando igual a uma louca aqui... :'(

    ResponderExcluir
  42. Não acredito qu ele não mudou de ideia! Ele prefere morrer do que viver com dores, mas com o amor de sua vida!

    ResponderExcluir
  43. "Virei-me e caminhei até a cama, sentando-me na beira. Enquanto ele me olhava, me inclinei e delicadamente puxei seu pescoço bronzeado na minha direção." Nessa parte eu pensei AGORA VAI TER BEIJO mas ela só tava deixando ele confortável 😑
    Vlh to chorando litros! Esse livro está acabando comigo!

    ResponderExcluir
  44. N estou acreditando, todos os meus medos se concretizaram nesse cap. Nem sei oq flr, sentir, só sei q estou despedaçada

    ResponderExcluir
  45. N estou acreditando, todos os meus medos se concretizaram nesse cap. Nem sei oq flr, sentir, só sei q estou despedaçada

    ResponderExcluir
  46. T.T nossa coitada da clark recebe um fora e ainda ser pedida para assistir ao suicidio do homem que ela gosta a triste esperaro que este livro tenha um final feliz porque estou caida de tanta tristeza " emociona
    ........Continuando lendo..........

    ResponderExcluir
  47. Chorando completamente.Esse capítulo partiu meu coração, muito triste. Por que o Will meu Deus? Por quê?

    ResponderExcluir
  48. serio, isso.
    como ele pode!!!!

    ResponderExcluir
  49. essa história é muito linda, ainda bem que acabou por aqui esse capitulo, estava segurando o choro e não pega bem chorar na serviço kkk amo esse site <3

    ResponderExcluir
  50. Nossa como pode? Eu chorei tanto. Não pode desistir Will não agora que Lou deixou tudo pra cuidar de você. Se tornou uma pessoa melhor,confiante. Ela fala que ama e ele simplesmente pede pra vê-lo morrer. Coitada.

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!