8 de fevereiro de 2016

Capítulo 21

Chaol perdeu o fôlego. Lembrava-se de Celaena gritando no duelo com Cain, quando fora provocada com o assassinato brutal dos pais – quando acordara coberta no sangue deles. A assassina jamais contara nada além disso para Chaol, e ele não tinha ousado perguntar. O capitão sabia que ela era pequena, mas não havia se dado conta de que tinha apenas 8 anos. Oito.
Dez anos antes, Terrasen estava em levante, e qualquer um que desafiara as forças invasoras de Adarlan tinha sido massacrado. Famílias inteiras foram arrastadas dos lares e assassinadas. O estômago dele se apertou. Que horrores Celaena teria testemunhado naquele dia?
Chaol passou a mão pelo rosto.
— Ela contou a você sobre os pais no bilhete? — Talvez tivesse um pouco mais de informação, qualquer coisa para que ele entendesse melhor com que tipo de mulher lidaria quando Celaena voltasse, que tipo de lembranças precisaria enfrentar.
— Não — respondeu Nehemia. — Não me contou. Mas eu sei.
A princesa observou o capitão com uma imobilidade calculada, uma mudança para posição defensiva que Chaol reconhecia. Que tipo de segredos protegia para a amiga? E que tipo de segredos a própria Nehemia mantinha para fazer com que o rei a vigiasse? O fato de Chaol não ter nenhuma informação sobre aquilo, sobre o quanto o rei sabia, o deixava absolutamente irado. E então havia a outra pergunta: quem ameaçara a vida da princesa? O capitão ordenara que mais guardas a vigiassem, mas até então não houvera sinal de ninguém que quisesse feri-la.
— Como sabe sobre os pais dela? — perguntou ele.
— Algumas coisas a gente ouve com os ouvidos. Outras ouvimos com o coração.
Chaol desviou o rosto da intensidade nos olhos da princesa.
— Quando ela volta?
Nehemia retornou para o livro diante de si. Parecia cheio de símbolos estranhos; marcas vagamente familiares que instigavam a memória dele.
— Disse que não voltaria até depois do pôr do sol. Se eu tivesse que adivinhar, diria que ela não queria gastar um minuto da luz do dia nesta cidade, principalmente neste castelo.
No lar do homem cujos soldados provavelmente haviam massacrado a família dela.
Chaol fez a corrida matinal sozinho. Correu pelo parque de caça coberto de névoa até exaurir os ossos.



Na encosta enevoada acima de Forte da Fenda, Celaena caminhava entre as árvores da pequena floresta, pouco mais que um fiapo de escuridão serpenteando entre o mato. Caminhava desde antes do amanhecer, deixando Ligeirinha seguir como quisesse. Naquele dia, até a floresta parecia silenciosa.
Que bom. Aquele não era um dia para os sons da vida. Aquele era um dia para o vento vazio que farfalhava os galhos, para a corrente de um rio meio congelado, para o estalar da neve sob suas botas.
Naquele dia do ano anterior, Celaena sabia o que precisava fazer – vira cada passo com uma clareza tão violenta que fora fácil quando o momento chegou. Contou, certa vez, a Dorian e Chaol que havia perdido a cabeça naquele dia nas Minas de Sal de Endovier, mas isso era mentira. Perder a cabeça implicava um sentimento humano demais; nada como o ódio frio e desesperado que havia tomado conta e afastado todo o resto quando ela acordou do sonho com o cervo e a ravina.
Celaena encontrou uma rocha grande aninhada entre as saliências e reentrâncias e desabou sobre o topo liso e frio como gelo, Ligeirinha rapidamente se sentou ao lado da dona. Depois de abraçar a cadela, olhou para a floresta silenciosa e se lembrou do dia em que libertara sua ira sobre Endovier.



Celaena ofegava por entre os dentes expostos enquanto puxava a picareta do estômago do capataz. O homem gorgolejava sangue, agarrado às entranhas enquanto olhava para os escravos de modo suplicante. Mas um olhar da jovem, um lampejo de olhar que mostrava que ela estava fora de si, manteve os escravos imóveis.
Ela apenas sorriu para o capataz ao descer a picareta no seu rosto. O sangue respingou nas pernas dela.
Os escravos ainda mantinham distância quando Celaena desceu a picareta sobre os grilhões que atavam seus tornozelos ao restante deles. Não se ofereceu para libertar os demais escravos, e eles não pediram; sabiam que seria inútil.
A mulher na ponta da corrente estava inconsciente. As costas jorravam sangue, dilaceradas pelo chicote com ponta de ferro do capataz morto. Morreria no dia seguinte se seus ferimentos não fossem tratados. Mesmo que fossem, provavelmente morreria de infecção. Endovier se divertia daquela forma.
Celaena se afastou da mulher. Tinha trabalho a fazer, e quatro capatazes precisavam pagar uma dívida antes que ela terminasse.
A jovem saiu do poço da mina com a picareta da mão. Os dois guardas no fim do túnel estavam mortos antes de perceberem o que acontecia. Sangue encharcava as roupas e os braços expostos dela, e a assassina limpou o sangue do rosto ao disparar para a câmara abaixo, na qual sabia que os quatro capatazes trabalhavam.
Havia marcado os rostos deles no dia em que arrastaram aquela jovem de Eyllwe para trás do prédio; marcara cada detalhe a respeito deles enquanto usavam a menina e depois abriam a garganta dela de orelha a orelha.
Celaena poderia ter levado as espadas dos guardas caídos, mas para aqueles quatro homens, precisava ser a picareta. Queria que soubessem qual era a sensação de Endovier.
A assassina chegou à entrada do setor deles na mina. Os dois primeiros capatazes morreram quando Celaena enterrou a ferramenta em seus pescoços, golpeando entre um e outro. Os escravos dos capatazes gritaram, recuando em direção às paredes quando Celaena passou, irada, por eles.
Ao chegar aos outros dois capatazes, permitiu que a vissem, permitiu que tentassem empunhar as lâminas. Celaena sabia que não era a arma nas mãos dela que os deixava idiotas de pânico, mas os olhos da assassina – olhos que diziam aos capatazes que eles foram enganados naqueles últimos meses, que cortar os cabelos e chicotear Celaena não fora o bastante, que ela os ludibriara para que esquecessem que a Assassina de Adarlan estava entre eles.
Mas Celaena não havia esquecido um segundo de dor nem o que os vira fazer com os outros – com aquela jovem de Eyllwe, que implorara a deuses que não a salvaram.
Os homens morreram rápido demais, mas Celaena tinha mais uma tarefa para completar antes de ir ao encontro da própria morte. Apressou-se de volta para o túnel principal que dava para fora das minas. Guardas dispararam tolamente para fora das bocas dos túneis para encontrá-la.
Celaena se impulsionou para cima, golpeando e girando. Mais dois guardas caíram, e ela pegou as espadas deles, deixando a picareta para trás. Os escravos não comemoraram conforme os opressores caíam; apenas observaram em silêncio, compreendendo. Aquela não era uma luta para escapar.
A luz da superfície a fez piscar, mas Celaena estava pronta. A necessidade de ajustar os olhos ao sol seria sua maior fraqueza. Por isso, esperou até a luz mais amena da tarde. O crepúsculo teria sido melhor, mas essa hora do dia era vigiada demais, e havia muitos escravos do lado de fora que seriam pegos no fogo cruzado. A última hora de total luz do dia, quando o sol quente embalava muitos no sono, era quando as sentinelas relaxavam nas vigílias antes da inspeção da noite.
As três sentinelas na entrada das minas não sabiam o que acontecia embaixo. Todos sempre gritavam em Endovier. Todos soavam iguais ao morrer. E as três sentinelas gritaram exatamente como os demais.
E, então, Celaena corria, disparando para a morte que a chamara, seguindo para a muralha de pedra enorme do outro lado do complexo.
Flechas passavam zunindo, e ela ziguezagueava. Não a matariam por ordem do rei. Uma flecha no ombro ou na perna, talvez. Mas Celaena os faria reconsiderar as ordens recebidas depois que a carnificina fosse grandiosa demais para ignorar.
Outras sentinelas surgiram correndo de toda parte, e as lâminas de Celaena eram uma canção de fúria de aço conforme ela passava pelos guardas. O silêncio recaiu sobre Endovier.
Ela levou um corte na perna – profundo, mas não o suficiente para cortar o tendão. Ainda a queriam apta ao trabalho. Mas a assassina não trabalharia – não de novo, não para eles. Quando a contagem dos mortos estivesse alta demais, não teriam escolha a não ser atravessar uma flecha na garganta dela.
No entanto, Celaena se aproximou do portão, e as flechas cessaram. Ela começou a gargalhar quando se viu cercada por quarenta guardas, e riu ainda mais quando eles pediram grilhões. Ainda ria quando atacou uma última vez – uma última tentativa de tocar a parede. Quatro mais caíram atrás dela.
Ainda ria quando o mundo ficou escuro e seus dedos tocaram o chão rochoso – a menos de 2 centímetros da muralha.



Chaol se levantou do assento na mesa da antessala de Celaena quando a porta se abriu cuidadosamente. O corredor do lado de fora estava escuro, as luzes completamente queimadas; a maioria do castelo dormia, aconchegada na cama. O capitão ouvira o relógio soar a meia-noite havia algum tempo, mas sabia que não era exaustão que pesava sobre os ombros de Celaena quando ela entrou nos aposentos. A pele sob os olhos da jovem estava roxa, o rosto estava abatido, e os lábios, sem cor.
Ligeirinha correu até Chaol, balançando a cauda, e lambeu a mão dele algumas vezes antes de marchar para dentro do quarto, deixando-os sozinhos.
Celaena olhou para ele uma vez, os olhos turquesa e dourado exaustos e assombrados, e começou a desatar o manto, passando pelo capitão e seguindo em direção ao quarto.
Sem palavras, Chaol a seguiu, apenas porque Celaena não exibia um ar de advertência ou reprovação na expressão – era mais uma impassibilidade que sugeria que ela não teria ligado se tivesse encontrado o próprio rei de Adarlan nos aposentos.
A jovem tirou o casaco, então as botas, deixando-os onde os havia tirado. Chaol virou o rosto quando Celaena desabotoou a túnica e entrou no vestiário. Saiu um instante depois, vestindo uma camisola muito mais modesta do que a de renda habitual. Ligeirinha já havia pulado na cama, esparramando-se nos travesseiros.
Chaol engoliu em seco. Deveria ter dado privacidade a Celaena em vez de esperar ali. Se ela o quisesse em seu aposento, teria mandado um bilhete.
A assassina parou diante da lareira pouco iluminada e usou o atiçador para mexer o carvão antes de jogar mais duas lenhas dentro. Ela encarou as chamas. Ainda estava de costas para Chaol quando falou:
— Se está tentando descobrir o que dizer para mim, não se incomode. Não há nada que possa ser dito ou feito.
— Então me permita fazer companhia. — Se Celaena percebera o quanto ele sabia, não se importou em perguntar como.
— Não quero companhia.
— Querer e precisar são coisas diferentes.
Nehemia, provavelmente, deveria estar ali, outra filha de um reino conquistado. Mas Chaol não queria que fosse Nehemia quem Celaena procurasse. E apesar da lealdade ao rei, não podia dar as costas a ela, não naquele dia.
— Então só vai ficar aqui a noite toda? — Celaena voltou os olhos para o sofá entre eles.
— Já dormi em lugares piores.
— Acho que minha experiência com “lugares piores” é muito mais horrível do que a sua. — De novo, aquele nó no estômago. Mas então Celaena olhou pela porta aberta do quarto para a mesa da antessala, e as sobrancelhas se ergueram. — Aquilo é... bolo de chocolate?
— Achei que poderia precisar de um pouco.
— Precisar, não querer?
O fantasma de um sorriso tomou os lábios dela, e Chaol quase curvou o corpo, aliviado, ao dizer:
— Para você, eu diria que bolo de chocolate é muito definitivamente uma necessidade.
Celaena caminhou da lareira até onde ele estava, parou à distância de um palmo e levantou o rosto para encarar Chaol. Parte da cor havia retornado ao rosto dela.
O capitão deveria recuar, abrir mais distância entre os dois. Mas, em vez disso, percebeu que a buscava, deslizava uma das mãos pela cintura dela e entrelaçava a outra em seus cabelos enquanto a segurava com força contra o próprio corpo. O coração de Chaol acelerava dentro do peito com tanta intensidade que ele sabia que Celaena conseguia sentir. Depois de um segundo, os braços dela envolveram-no, os dedos cravaram-se nas costas dele de um modo que fez o capitão perceber o quanto estavam próximos.
Ele afastou essa sensação, mesmo quando a textura sedosa dos cabelos da jovem contra seus dedos despertava uma vontade de enterrar o rosto naqueles fios, e o cheiro dela, entremeado com a névoa e a noite, fazia com que o capitão roçasse o nariz no pescoço da assassina. Havia outros tipos de conforto que Chaol poderia oferecer além de meras palavras, e se ela precisava daquele tipo de distração... Chaol afastou esse pensamento também, engolindo-o até quase engasgar.
Os dedos de Celaena percorriam as costas de Chaol, ainda enterrando-se nos músculos dele com um tipo de possessão desenfreada. Se ela continuasse tocando-o daquele jeito, o controle do capitão se perderia por completo.
E, então, Celaena se afastou, apenas o bastante para encará-lo de novo, mas ainda tão perto que a respiração deles se misturava. Chaol percebeu que media a distância entre os lábios deles, os olhos movendo-se da boca para os olhos dela, a mão que entrelaçara nos fios de cabelo dela parada.
O desejo rugia dentro do capitão, queimando cada defesa que havia erguido, apagando cada limite que Chaol havia se convencido de que precisava manter.
Então, ela falou, tão baixo que foi quase um sussurro:
— Não sei se deveria sentir vergonha por querer ter você nos braços neste dia ou gratidão porque, apesar do que aconteceu até agora, foi isso que, de alguma forma, me trouxe até você.
Chaol ficou tão espantado com as palavras que a soltou; soltou e deu um passo para trás. Ele tinha obstáculos a superar, mas ela também – talvez até mais do que Chaol sequer percebera.
O capitão não tinha resposta para o que Celaena tinha dito. Mas ela não deu tempo para que ele pensasse nas palavras certas e caminhou até o bolo de chocolate na antessala, sentou na cadeira e o devorou.

13 comentários:

  1. Esse bjo q nao sai. Pelos deuses. Tomem uma atitude!!! Isso ta tao mamao com açucar q vou ficar com diabetes!

    ResponderExcluir
  2. Laura do Bom Senso 42 #Zueira12 de fevereiro de 2016 17:55

    AAAAHHHAHHHHHAHAHHAHAHAH EU SHIPPO ELES DEMAAAAAAAAAIIIIIIISSS!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Socorro, eu não posso ser normal, me ajudem. Kkkkk

    ResponderExcluir
  3. Quando eu achava que ia rolar beijo, não sai ...affs, anda logo seis dois kkkkkk

    ResponderExcluir
  4. Afs se beijem logo ou vou ter um ataque cardíaco toda vez que essa cenas acontecem.

    ResponderExcluir
  5. Hoje vai, tô sentido, esse Beijo tem que rolar plmds!!!

    ResponderExcluir
  6. To lendo de novo o livro e acreditem vale apena a espera

    ResponderExcluir
  7. Ai mdsss :3 Ela e louca kk Troca de roupa na frente de qualquer um k

    ResponderExcluir
  8. Tem que rolar o beijo no dia do aniversário dele em que ela planejou o dia à semanas, pf <3 tô curiosa pra saber o que eles vão fazer

    ResponderExcluir
  9. Na vida eu sou a Celaena, que troca beijos por bolo de chocolate kkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem não trocaria? Chocolate é cchocolate, gente!

      Excluir
  10. Hora em que a gente pensa que nunca havia ficado tão agonizado por um beijo não rolar. Um beijo que nem é nosso.

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!