8 de fevereiro de 2016

Capítulo 16

Celaena mergulhou a colher no mingau, provou, então jogou uma montanha de açúcar dentro.
— Gosto muito mais de tomarmos café da manhã juntas do que de sairmos no frio congelante. — Ligeirinha, com a cabeça no colo de Celaena, bufou alto. — Acho que ela também — acrescentou a jovem, sorrindo.
Nehemia gargalhou baixo antes de dar uma mordida no pão.
— Parece que esta é a única hora do dia em que qualquer uma de nós consegue ver você — disse a princesa, em eyllwe.
— Andei ocupada.
— Ocupada caçando os conspiradores da lista do rei? — Lançou um olhar significativo na direção dela, então deu outra mordida na torrada.
— O que quer que eu diga? — Celaena misturou o açúcar no mingau, concentrando-se nisso e não no olhar da amiga.
— Quero que me olhe nos olhos e diga que acha que sua liberdade vale esse preço.
— É por isso que anda tão irritadiça ultimamente?
Nehemia apoiou a torrada.
— Como posso contar a meus pais sobre você? Que desculpas posso inventar que os convencerão de que minha amizade com a campeã do rei — ela usou o termo da língua comum para as palavras, cuspindo-as como se fossem veneno — é de alguma forma algo honrável? Como posso convencê-los de que sua alma não está podre?
— Não percebi que precisava de aprovação dos pais.
— Você está em uma posição de poder, e de conhecimento, mas mesmo assim, apenas obedece. Obedece e não questiona, e trabalha apenas por uma meta: sua liberdade.
Celaena balançou a cabeça e virou o rosto.
— Você se afasta de mim porque sabe que é verdade.
— E o que há de tão errado em querer minha liberdade? Não sofri o bastante para merecê-la? E daí que os meios sejam desagradáveis?
— Não vou negar que você sofreu, Elentiya, mas há milhares de outros que também sofreram, e sofreram ainda mais. E eles não se vendem ao rei para conseguir o que também merecem. A cada pessoa que você mata, encontro menos desculpas para continuar sua amiga.
Celaena atirou a colher na mesa e caminhou batendo os pés até a lareira. Queria arrancar as tapeçarias e os quadros e quebrar todos os pequenos bibelôs e ornamentos idiotas que tinha comprado para decorar o quarto. Mais que tudo, só queria fazer com que Nehemia parasse de olhar para ela daquela forma – como se Celaena fosse tão ruim quanto o monstro que se sentava naquele trono de vidro. Ela respirou fundo uma vez, depois outra, buscando indícios de que havia mais alguém nos aposentos, então se virou.
— Não matei ninguém — falou Celaena, baixinho.
Nehemia ficou imóvel.
— O quê?
— Não matei ninguém. — Ela permaneceu parada onde estava, precisava da distância entre as duas para pronunciar as palavras corretamente. — Fingi todas as mortes e ajudei-os a fugir.
Nehemia passou as mãos pelo rosto, manchando o ouro em pó que havia passado nas pálpebras. Depois de um momento, abaixou os dedos. Os olhos castanhos e lindos estavam arregalados.
— Você não matou uma única pessoa que ele ordenou?
— Nenhuma.
— E quanto a Archer Finn?
— Ofereci uma troca a Archer: dou até o fim do mês para ele colocar os negócios em ordem antes de fingir a própria morte e fugir, e ele me dá informação sobre os verdadeiros inimigos do rei. — Celaena poderia contar o restante a Nehemia depois, os planos do rei, as catacumbas na biblioteca, mas mencionar aquelas coisas agora só levantaria perguntas demais.
Nehemia tomou um gole do chá, o líquido dentro da xícara derramando enquanto as mãos tremiam.
— Ele a matará se descobrir.
Celaena olhou para as portas da varanda, onde um lindo dia raiava no vasto mundo adiante.
— Eu sei.
— E essa informação que Archer vai lhe dar... O que fará com ela? Que tipo de informação é essa?
Celaena rapidamente explicou o que ele havia lhe contado sobre as pessoas envolvidas no plano de colocar a herdeira perdida de Terrasen de volta no trono, contou até mesmo o que aconteceu com Davis. O rosto de Nehemia ficou pálido. Quando Celaena terminou, a princesa tomou mais um gole trêmulo de chá.
— E você confia em Archer?
— Acho que ele valoriza a vida mais do que qualquer outra coisa.
— Ele é um cortesão, como pode ter certeza de que é confiável?
Celaena voltou para a cadeira, Ligeirinha se aninhou entre os pés da dona.
— Bem, você confia em mim, e eu sou uma assassina.
— Não é o mesmo.
Celaena olhou para a tapeçaria na parede à esquerda e a cômoda de gavetas diante dela.
— Enquanto estou contando tudo o que pode fazer com que eu seja executada, tem outra coisa que devo mencionar.
Nehemia seguiu o olhar de Celaena até a tapeçaria. Depois de um instante, a princesa arquejou.
— Essa é... é Elena na tapeçaria, não é?
Celaena deu um sorriso torto e cruzou os braços.
— Essa nem é a pior parte.
Conforme as duas seguiam para o mausoléu, Celaena contou a Nehemia sobre tudo que ocorrera entre ela e Elena desde o Samhuinn – e todas as aventuras que tinham recaído sobre a assassina. Mostrou a sala em que Cain conjurara o ridderak, e quando se aproximaram do mausoléu, Celaena se encolheu ao se lembrar de um novo detalhe infeliz.
— Trouxe uma amiga?
Nehemia gritou. Celaena cumprimentou a aldraba de bronze em forma de caveira.
— Oi, Mort.
Nehemia semicerrou os olhos para a caveira.
— Como isto é... — Ela olhou por cima dos ombros para Celaena. — Como isto é possível?
— Feitiços antigos e besteiras — falou Celaena, interrompendo Mort quando ele começou a recitar a história de como o rei Brannon o criou. — Alguém usou um feitiço com as marcas de Wyrd.
— Alguém! — disparou Mort. — Esse alguém é...
— Cale a boca — falou Celaena, e abriu a porta do mausoléu, deixando Nehemia entrar. — Guarde isto para alguém que se importa.
Mort bufou algo que parecia uma torrente violenta de xingamentos, e os olhos de Nehemia brilharam quando as duas entraram no mausoléu.
— É incrível — sussurrou a princesa, olhando para as paredes onde as marcas de Wyrd estavam escritas.
— O que diz?
— Morte, Eternidade, Monarcas — recitou Nehemia. — A disposição padrão de mausoléus.
A princesa continuou se movendo pela sala. Enquanto Nehemia caminhava, Celaena se apoiou em uma parede e afundou até o chão. Suspirando, esfregou o calcanhar contra uma das estrelas em alto-relevo no chão, examinando a curva que descreviam na sala.
Será que formam uma constelação?
Celaena ficou de pé e olhou para baixo. Nove das estrelas formavam um padrão familiar – a Libélula. As sobrancelhas dela se ergueram. Nunca tinha reparado antes. Alguns metros à frente, havia outra constelação no chão – a serpente alada. Estava na cabeça do sarcófago de Gavin.
Um símbolo da casa de Adarlan, assim como a segunda constelação no céu.
Celaena seguiu a linha que as formas compunham, entremeando-se pelo mausoléu. O céu noturno passou debaixo dos pés dela, e quando chegou à última constelação, teria batido na parede caso Nehemia não a tivesse segurado pelo braço.
— O que foi?
Celaena fitava a última constelação no chão – o Cervo, senhor do Norte. O símbolo de Terrasen, o país natal de Elena. A constelação dava para a parede, e o topo dela parecia apontar para cima, como se estivesse olhando para alguma coisa...
Celaena seguiu o olhar do cervo para cima, passando pelas dezenas de marcas de Wyrd que cobriam a parede, até que...
— Por Wyrd. Olhe isto — disse ela, apontando.
Um olho, não maior do que a palma da mão de Celaena, estava encrustado na parede. Um buraco tinha sido feito no centro, uma perfuração perfeitamente construída que fora escondida com cuidado dentro do olho. A própria marca de Wyrd formava um rosto, e enquanto o outro olho estava preenchido e liso, aquele tinha a íris oca.
É apenas com o olho que se pode ver corretamente. De maneira alguma ela poderia ter tanta sorte – certamente não passava de uma coincidência.
Acalmando a agitação crescente, Celaena ficou na ponta dos pés para olhar dentro do olho.
Como não tinha reparado naquilo antes? Deu um passo para trás, e a marca de Wyrd sumiu na parede. Então Celaena pisou de novo na constelação e a marca ressurgiu.
— Só dá para ver o rosto quando se está de pé sobre o cervo — sussurrou Nehemia.
Celaena passou as mãos sobre o rosto desenhado, sentindo qualquer fissura ou leve brisa que pudesse sugerir uma porta para outra sala. Nada. Tomando um fôlego profundo, ficou na ponta dos pés e encarou o olho, a adaga empunhada caso alguma coisa saltasse sobre ela. Nehemia deu uma risada baixa. E Celaena se permitiu um sorriso ao colocar o próprio olho contra a pedra para olhar a escuridão.
Não havia nada. Apenas uma parede distante, iluminada por um pequeno feixe de luar.
— É só... Só uma parede vazia. Isto faz algum sentido?
Celaena estava tirando conclusões, tentando ver as coisas e fazer conexões que não estavam ali. Ela se afastou para que Nehemia pudesse ver por conta própria.
— Mort! — gritou Celaena enquanto a princesa olhava. — O que diabo é aquela parede? Alguma razão para ela estar ali faz sentido pra você?
— Não — respondeu Mort, inexpressivo.
— Não minta para mim.
— Mentir para você? Para você? Ah, eu não poderia mentir para você. Você me perguntou se isso faz sentido e respondi que não. Precisa aprender a fazer as perguntas certas antes de receber as respostas certas.
Celaena urrou:
— Que tipo de pergunta posso fazer para receber a resposta certa?
Mort estalou a língua.
— Não vou aturar isto. Volte quando tiver perguntas adequadas.
— Promete que vai responder então?
— Sou uma aldraba; não é da minha natureza fazer promessas.
Nehemia se afastou da parede e revirou os olhos.
— Não ouça as provocações dele. Não consigo ver nada também. Talvez seja apenas uma brincadeira. Castelos antigos estão cheios de besteiras com a única intenção de confundir e incomodar as gerações mais jovens. Mas... todas essas marcas de Wyrd...
Celaena tomou um fôlego curto demais, então fez o pedido que andava contemplando havia algum tempo:
— Você pode... Pode me ensinar a lê-las?
— Ihh! — debochou Mort, do corredor. — Tem certeza de que não é estúpida demais para entender?
Celaena o ignorou. Não contara a Nehemia sobre a última exigência de Elena para descobrir a fonte de poder do rei, porque sabia qual seria a resposta da princesa: ouça a rainha morta. Mas as marcas de Wyrd pareciam tão conectadas a tudo, de alguma forma – mesmo àquela charada do olho e àquela parede enganosa idiota. E talvez, se Celaena aprendesse como usar as marcas, pudesse destrancar a porta de ferro na biblioteca e descobrir algumas respostas atrás dela.
— Talvez... Talvez só o básico?
Nehemia sorriu.
— O básico é o mais difícil.
Utilidade de lado, era uma língua secreta esquecida, um sistema para acessar um poder estranho. Quem não iria querer aprender sobre elas?
— Lições matinais em vez das caminhadas, então?
Nehemia sorriu, e Celaena sentiu uma pontada de culpa por não ter contado a ela sobre as catacumbas, quando a princesa respondeu:
— É claro.
Quando saíram, Nehemia passou alguns minutos estudando Mort – na maior parte fazendo perguntas sobre o feitiço que o criou, que Mort alegou ter esquecido, depois alegou que era pessoal demais e, por fim, que não era da conta de Nehemia.
Depois que a quase infinita paciência de Nehemia se esgotou, as duas xingaram Mort audivelmente e dispararam de volta para cima, onde Ligeirinha esperava ansiosamente no quarto. A cadela se recusava a colocar as patas na passagem secreta – provavelmente por causa de algum fedor pútrido deixado por Cain e sua criatura. Nem Nehemia conseguira levá-la para baixo.
Depois que a porta foi fechada e escondida, Celaena se recostou contra a escrivaninha. O olho no mausoléu não tinha sido a solução da charada. Agora se perguntava se Nehemia poderia entender melhor do que se tratava.
— Encontrei um livro sobre marcas de Wyrd no escritório de Davis — contou Celaena. — Não sei se é uma charada ou um provérbio, mas alguém escreveu isto no verso da quarta capa: É apenas com o olho que se pode ver corretamente.
Nehemia franziu a testa.
— Parece o absurdo de algum lorde desocupado para mim.
— Mas acha que é apenas coincidência que ele fosse parte desse movimento contra o rei e tivesse um livro sobre marcas de Wyrd? E se é algum tipo de charada sobre elas?
Nehemia riu com escárnio.
— E se Davis nem estivesse nesse grupo? Talvez Archer tenha confundido as informações. Aposto que aquele livro estava lá havia anos, e aposto que Davis nem sabia que existia. Ou talvez o tivesse visto em uma livraria e comprou para parecer ousado.
Mas talvez não – e quem sabe Archer sabia de alguma coisa. Celaena o interrogaria da próxima vez que o visse. Ela brincou com a corrente do amuleto – então esticou o corpo como um eixo. O Olho.
— Acha que pode ser este Olho?
— Não — falou Nehemia. — Não seria tão fácil assim.
— Mas... — Celaena se desencostou da escrivaninha.
— Confie em mim — disse Nehemia. — É uma coincidência... assim como aquele olho na parede. “O olho” pode se referir a qualquer coisa, qualquer coisa mesmo. Estampar olhos por todas as coisas costumava ser bastante popular séculos atrás, como um amuleto contra o mal. Você vai enlouquecer, Elentiya. Posso fazer alguma pesquisa sobre o assunto, mas talvez leve um tempo até que encontre algo.
O rosto de Celaena esquentou. Tudo bem; talvez estivesse errada. Não queria acreditar em Nehemia, não queria pensar que a charada pudesse ser tão impossível de solucionar, mas... a princesa sabia muito mais sobre conhecimentos antigos do que ela. Então Celaena se sentou à mesa do café da manhã de novo. O mingau tinha esfriado, mas ela o comeu mesmo assim.
— Obrigada — disse Celaena, entre colheradas, quando Nehemia se sentou de novo também. — Por não explodir comigo.
Nehemia gargalhou.
— Elentiya, estou sinceramente surpresa por ter me contado.
Ouviram a porta abrindo e fechando, e em seguida passos, então Philippa bateu e entrou apressada, carregando uma carta para Celaena.
— Bom dia, lindas moças — cantarolou ela, fazendo Nehemia sorrir. — Uma carta para nossa mais estimada campeã.
Celaena sorriu para Philippa e pegou o envelope, e o sorriso dela aumentou enquanto lia o conteúdo depois que a criada se foi.
— É de Archer — contou Celaena a Nehemia. — Ele me deu alguns nomes de pessoas que podem estar envolvidas nesse movimento, pessoas associadas a Davis. — Ela ficou um pouco chocada por Archer arriscar colocar tudo em uma carta. Talvez precisasse ensinar uma coisinha ou outra sobre escrita em código a ele.
Contudo, Nehemia tinha parado de sorrir.
— Que tipo de homem simplesmente entrega essa informação como se não fosse nada além de fofoca matinal?
— Um homem que quer a liberdade e se encheu de servir porcos. — Celaena dobrou a carta e ficou de pé. Se os homens naquela lista fossem como Davis, então talvez entregá-los ao rei e usá-los como vantagem não fosse tão ruim. — Devo me vestir; preciso ir à cidade. — Ela estava a meio caminho do vestiário quando se virou. — Teremos a primeira lição no café da manhã, amanhã?
Nehemia assentiu, atacando a comida de novo.



Celaena levou o dia inteiro para caçar os homens – descobrir onde moravam, com quem falavam, quão bem protegidos eram. Nada disso levou a qualquer coisa útil.
Estava cansada, mal-humorada e com fome quando voltou arrastando os pés para o castelo ao pôr do sol, e seu humor apenas piorou quando chegou aos seus aposentos e encontrou um bilhete de Chaol. O rei ordenara que ela ficasse de serviço como guarda mais uma vez para o baile real naquela noite.

32 comentários:

  1. Fiquei meio desconfiada da Nehemia agora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Somos duas,tenho quase certeza que Nehemia sabe de alguma coisa e esta escondendo.

      Excluir
    2. Também 😥 e com Archer também

      Excluir
    3. Eu to desconfilada da Nehemia também cara ela é muito sinistra, a Celae deveria ficar de olho nela e tomar cuidado com esse tal de Roland...

      Ass: BRUXINHA

      Excluir
    4. Acho que nehemia tá envolvida nessas coisas contra o rei e não quer que a celaena saiba tanto

      Excluir
  2. Tambei fiquei e mais ainda com Acher.

    ResponderExcluir
  3. Espero que em alguma parte do livro o nome da Celaena fique mais fácil de pronunciar pq tá louco, kkkkkk por isso faço q nem alguém que comentou que iria chamá-la de Cel, me desculpe mais pegarei seu modo de chamá-la, cara na boa princesa Nehemia tá ficando altos suspeita.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É fácil :v Sil-le-i-na com sotaque americano

      Excluir
    2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
    3. Vi um vídeo de uma gringa fazendo uma resenha sobre TRono de Vidro e ela pronunciava meio q Celina - com o sotaque dela é claro -.

      Excluir
    4. Li em algum lugar que se pronuncia Celeina

      Excluir
    5. Karina a Marie Jeanne falou um Spoiler não ?

      Excluir
    6. Sim! Apaguei, obrigada por avisar, Bruna!

      Excluir
  4. Acho que Nehemia sabe de alguma coisa e não quer falar e o Acher é muito suspeito....

    ResponderExcluir
  5. Gente a desconfiança é total, tanto de Nehemia como de Archer um dos dois coisa boa não é. concordam?

    ResponderExcluir
  6. se Nehemia trai-la nao me espantaria que Celaene nao confiasse mais em ninguem.... O rei dos assassinos,Ansel... tirando Sam,a maioria foi bem filho da p* quando ela confiou neles
    - rachel

    ResponderExcluir
  7. se Nehemia trai-la nao me espantaria que Celaene nao confiasse mais em ninguem.... O rei dos assassinos,Ansel... tirando Sam,a maioria foi bem filho da p* quando ela confiou neles
    - rachel

    ResponderExcluir
  8. Acho que a Nehemia é uma dos rebeldes e esses nomes na lista Tbm e ela ficou impressionado com a rapidez que um homem consegue entregar os outros para salvar a própria vida. Acho que ela está tentando fazer a Celaena não acreditar para não saber mais sobre os rebeldes.

    ResponderExcluir
  9. Eu confio plenamente em Nehemia, desconfiei agora mais concerteza deve ser para ajudar a Celaena.. E eu pronuncio Celaena normalmente, não sei se é bem como se escreve que se pronuncia mais eu não importo muito rsrs..

    By: Mikka

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. CONCORDO CONTIGO MIKKA,A AMIZADE DE NEHEMIA E CELAENA É MUITO LINDA ,PRA UMA TRAIR À OUTRA ACHO DIFICIO.MAS PODE SER QUE NEHEMIA SEJA UMA REBELDE....SEI NÃO
      E EU PRONUNCIO "CALAINA " NÃO SEI PQ

      ASS: Tainá zuera ;D

      Excluir
    2. Concordo , ela está escondendo informações, como no primeiro livro, mas certamente tem um bom motivo . Ñ acho que Nehemia seja falciane kkkkk

      Excluir
  10. No primeiro livro vcs também ficavam desconfiando das pessoas erradas e para a surpresa - de ninguém - estavam erradas, bjs.

    ResponderExcluir
  11. Nehemia viu alguma coisa e não que falar. Isso está acabando comigo.
    Cada capitulo mais apaixonada.

    ResponderExcluir
  12. Não confie em ninguem, ela contou coisas demais....

    ResponderExcluir
  13. todos traem todos #rainha vermelha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem isso kkkk "todo mundo pode trair todo mundo" kkskdkd

      Excluir
  14. Acho que merecia não a traiu mais acho que o achei faz parte sim daquele tal grupo e ele está traindo ela... Aí que medo

    ResponderExcluir
  15. "todo mundo pode trair todo mundo" rainha vermelha
    To achando que Nehemia sabe de alguma coisa e que tá desencorajandp Celaena em relação as marcas de wyrd propositalmente... n me surpreenderia ND se Nehemia a traísse, acho que Celaena contou coisas demais...
    Em relação ao nome, pronuncio o "e" como "i" e o "a" como "ei" pq geralmente é assim para os nomes gringos, então fica meio que "sileina"

    ResponderExcluir
  16. Gente, tem um vídeo que a própria autora fala como é a pronúncia dos nomes.
    Não sei se pode postar link aqui...
    https://youtu.be/FI12PWlV_94

    ResponderExcluir
  17. Desconfio de todo mundo nesse livro, muitos anos de ser traida por certos personagem em certos livros, ex: House of night, as crônicas de fogo e gelo, A rainha vermelha e eu esqueci o resto. "Todo mundo pode trair todo mundo"

    ResponderExcluir
  18. Eu tenho quase certeza que tem alguma coisa errada com esse archer

    ResponderExcluir

Comentários de volta!
Passamos algumas horas sem essa opção, mas estamos à ativa novamente :)

Boa leitura! E SEM SPOILER!