8 de fevereiro de 2016

Capítulo 15

O salão de baile estava lotado no jantar daquela noite. Embora Celaena preferisse comer nos aposentos, quando soube que Rena Goldsmith se apresentaria durante a refeição para homenagear o retorno do príncipe Hollin, ela se espremeu em uma das longas mesas ao fundo. Era o único lugar em que a nobreza menor, alguns dos homens mais bem nascidos de Chaol e quaisquer outros que quisessem se aventurar no ninho de cobras que era a corte tinham permissão de sentar.
A família real jantava à mesa no alto da plataforma, à frente do salão, com Perrington, Roland e uma mulher que parecia ser a mãe de Roland. Do outro lado do salão, Celaena mal conseguia ver o pequeno príncipe Hollin, mas ele parecia pálido, redondo e abençoado com a cabeça cheia de cachos cor de ébano. Era muito injusto colocar Hollin ao lado de Dorian – pois comparações poderiam facilmente ser feitas – e embora Celaena tivesse ouvido boatos terríveis a respeito de Hollin, não conseguiu deixar de sentir uma pontada de pena do garoto.
Chaol, para a surpresa de Celaena, optou por se sentar ao lado dela, cinco de seus homens se juntaram aos dois à mesa. Embora houvesse diversos guardas a postos pelo salão, Celaena não tinha dúvidas de que aqueles em sua mesa estavam tão alerta e vigilantes quanto os posicionados às portas e à plataforma. Todos os colegas de mesa foram educados com ela – cautelosos, porém educados. Não mencionaram o que acontecera na noite anterior, mas perguntaram bem baixinho como Celaena estava se sentindo. Ress, que a vigiara durante a competição, parecia sinceramente aliviado por ela estar melhor, e era o mais tagarela de todos, fofocando tanto quanto qualquer senhora da corte.
— E então — dizia Ress, o rosto jovial estampado com um prazer malicioso — assim que ele subiu na cama, completamente nu como no dia em que nasceu, o pai dela entrou — contrações de ombros e resmungos vieram dos guardas, até do próprio Chaol — e o arrastou da cama pelos pés, levou-o pelo corredor e atirou o homem escada abaixo. Ele gritou como um porco o tempo inteiro.
Chaol recostou o corpo no assento, cruzando os braços.
— Você também gritaria se alguém arrastasse sua carcaça nua pelo chão frio como gelo. — Deu um risinho quando Ress tentou negar. Chaol parecia tão confortável com os homens, o corpo relaxado, os olhos tranquilos. E os guardas o respeitavam também, sempre olhando para o capitão em busca de aprovação, confirmação, apoio. Quando a risada de Celaena sumiu, o capitão olhou para ela, as sobrancelhas erguidas. — Não sei por que ri. Reclama do chão gelado mais do que qualquer um que conheço.
Ela enrijeceu o corpo quando os guardas deram sorrisos hesitantes.
— Se me lembro corretamente, você reclama dele sempre que limpo o piso com seu corpo quando treinamos.
— Ihh! — gritou Ress, e as sobrancelhas de Chaol se ergueram ainda mais.
Celaena deu um sorriso para ele.
— Palavras perigosas — disse Chaol. — Será preciso ir para o salão de treinamento para ver se consegue confirmá-las?
— Bem, contanto que seus homens não tenham objeções a vê-lo caído no chão.
— Nós certamente não temos objeções a isso — grasnou Ress. Chaol lançou a ele um olhar, mais de brincadeira do que de aviso. Ress rapidamente acrescentou: — Capitão.
Chaol abriu a boca para responder, mas então uma mulher alta e magra entrou no pequeno palco erguido de um dos lados do salão.
Celaena esticou o pescoço quando Rena Goldsmith deslizou pela plataforma de madeira até onde uma enorme harpa e um homem com um violino esperavam. Ela vira Rena se apresentar apenas uma vez – havia anos, no Teatro Real, em uma noite fria de inverno como aquela. Durante duas horas, o teatro ficou tão silencioso que parecia que todos tinham parado de respirar. A voz de Rena havia flutuado na mente de Celaena por dias depois disso.
Da mesa em que estava, Celaena mal conseguia enxergar Rena – apenas o suficiente para ver que usava um vestido verde longo (sem armação, corpete, ornamentação nenhuma, exceto pelo cinto de couro entrelaçado que circulava o quadril estreito) e que os cabelos vermelho dourados estavam soltos. Silêncio percorreu o salão, e Rena fez uma reverência para a plataforma. Ao tomar o assento diante da harpa verde e dourada, os espectadores esperavam. Mas quanto tempo o interesse da corte duraria?
Rena assentiu para o violinista franzino, e os dedos longos e brancos dela começaram a dedilhar uma melodia na harpa. Depois de algumas notas, o ritmo se estabeleceu, seguido pelo lamento vagaroso e triste do violino. Os dois se entrelaçavam, misturavam-se, as notas subindo, subindo e subindo até que Rena abriu a boca.
E quando cantou, o mundo inteiro desapareceu.
A voz de Rena era suave, etérea, o som de uma cantiga de ninar da qual pouco se lembra. As músicas que cantou, uma a uma, mantiveram Celaena imóvel. Canções de terras distantes, de lendas esquecidas, de amantes esperando eternamente a reunião.
Nem uma única alma se mexeu no salão. Até os criados permaneceram encostados às paredes e às portas e aos reservados. Rena parou entre as músicas apenas tempo o suficiente para permitir um segundo de aplausos antes de a harpa e o violino começarem de novo, hipnotizando todos mais uma vez.
E, então, Rena olhou na direção da plataforma.
— Esta música — disse ela, baixinho — é em homenagem à estimada família real que me convidou aqui esta noite.
A música era uma lenda antiga – um poema antigo, na verdade. Um que Celaena não ouvia desde a infância, e jamais escutara musicado.
Ela ouvia agora como se pela primeira vez: a história de uma mulher feérica abençoada com um poder horrível e intenso que era procurada por reis e lordes em todos os reinos. Embora a usassem para vencer guerras e conquistar nações, todos a temiam – e mantinham distância. Era uma música ousada para se cantar; e ainda mais para se dedicar à família do rei. Mas a realeza não protestou. Até o rei simplesmente encarou Rena, inexpressivo, como se ela não estivesse cantando exatamente sobre o poder que ele havia ilegalizado dez anos antes. Talvez a voz da cantora pudesse conquistar até mesmo o coração de um tirano. Talvez houvesse magia irrefreável inerente à música e à arte.
Rena continuou, revelando a história eterna dos anos em que a mulher feérica serviu àqueles reis e lordes, e a solidão que a consumiu pouco a pouco. Então, um dia, um cavaleiro apareceu, buscando o poder dela em nome de seu rei. Conforme viajavam para o reino dele, o medo do cavaleiro se transformou em amor – ele não a via pelo poder que dominava, mas pela mulher que havia por baixo disso. De todos os reis e imperadores que a cortejaram com promessas de riquezas além da imaginação, foi o presente do cavaleiro, de vê-la por quem era – e não pelo que era – que conquistou seu coração.
Celaena não sabia em que momento havia começado a chorar. De alguma forma, emitiu um soluço, o que fez com que seus lábios estremecessem. Não deveria chorar; não ali, não com aquelas pessoas ao redor. Mas então a mão quente e calosa de alguém tocou a dela sob a mesa, e a campeã do rei virou o rosto e viu Chaol a olhando. Ele sorria sutilmente – e Celaena sabia que Chaol entendia.
Então ela olhou para o capitão da Guarda e sorriu de volta.



Hollin estava inquieto ao lado dele, chiando e resmungando a respeito de como estava entediado e como aquela apresentação era idiota, mas a atenção de Dorian estava na longa mesa nos fundos do salão.
A música sobrenatural de Rena Goldsmith circulava o espaço cavernoso, envolvendo todos em um feitiço que ele teria chamado de magia – se magia fosse possível. Mas Celaena e Chaol ficaram apenas sentados ali se encarando. E não apenas se encarando, porém algo mais que isso. Dorian parou de ouvir a música.
Celaena jamais olhara para ele daquele jeito. Nem uma vez sequer. Nem mesmo por um segundo.
Rena estava terminando a música, e Dorian tirou os olhos dos dois. Não achava que alguma coisa tivesse acontecido entre eles, ainda não. Chaol era teimoso e leal o bastante para fazer alguma coisa – ou sequer perceber que olhava para Celaena do mesmo modo que ela olhava para ele.
A reclamação de Hollin ficou ainda mais alta, e Dorian respirou muito profundamente. Ele seguiria em frente. Porque não seria como os antigos reis da música, guardando Celaena para si. Ela merecia um cavaleiro leal e corajoso que a via como ela era e não a temia. E ele merecia alguém que o olhasse daquela forma, mesmo que o amor não fosse igual, mesmo que a garota não fosse ela.
Então Dorian fechou os olhos e respirou fundo mais uma vez. E quando os abriu, a deixou partir.



Horas depois, o rei de Adarlan estava nos fundos da câmara da masmorra enquanto a guarda secreta arrastava Rena Goldsmith adiante. A mesa de açougueiro no centro da sala já estava encharcada de sangue. O corpo decapitado do companheiro dela estava a alguns metros de distância, o sangue escorria na direção do ralo no chão.
Perrington e Roland estavam silenciosos ao lado do rei, observando, esperando.
Os guardas empurraram a cantora, colocando-a de joelhos diante da pedra manchada. Um deles agarrou um punhado dos cabelos vermelho dourados e puxou, forçando a mulher a olhar para o rei conforme ele dava um passo à frente.
— É punível com a morte falar de magia ou encorajá-la. É uma afronta aos deuses, e uma afronta a mim que você tenha cantado tal música em meu salão.
Rena Goldsmith apenas o encarou, os olhos brilhantes. A mulher não se debatera quando os homens do rei a pegaram depois da apresentação nem mesmo gritara quando decapitaram seu companheiro. Como se estivesse esperando aquilo.
— Últimas palavras?
Um ódio estranho e tranquilo se estampou em suas feições delineadas, e ela ergueu o queixo.
— Trabalhei durante dez anos para me tornar famosa o suficiente para ganhar um convite para este castelo. Dez anos para que pudesse vir aqui e cantar as canções sobre magia que você tentou fazer desaparecer. Para que pudesse cantar essas músicas e para que você soubesse que ainda estamos aqui; que pode tornar a magia ilegal, massacrar milhares, mas nós, que mantemos os velhos modos, ainda nos lembramos.
Atrás dele, Roland riu com escárnio.
— Basta — falou o rei, e estalou os dedos.
Os guardas abaixaram a cabeça dela no bloco de pedra.
— Minha filha tinha 16 anos — continuou Rena. Lágrimas escorriam da parte do nariz para a mesa, mas a voz continuava forte e alta. — Dezesseis, quando você a queimou. O nome dela era Kaleen, e seus olhos eram como nuvens de tempestade. Ainda ouço a voz dela nos sonhos.
O rei ergueu o queixo para o carrasco, que deu um passo à frente.
— Minha irmã tinha 36. O nome dela era Liessa, e seus dois meninos eram sua alegria.
O carrasco ergueu o machado.
— Meu vizinho e a esposa tinham 70 anos. Seus nomes: Jon e Estrel. Foram mortos porque ousaram tentar proteger minha filha quando seus homens foram buscá-la.
Rena Goldsmith ainda recitava a lista de mortos quando o machado desceu.

15 comentários:

  1. Ho!(⊙_☉)...esse rei afss!!
    Mas ate q tô gostando dessa aproximidade da Celaena e do chaol

    ResponderExcluir
  2. Serio, eu quero com todas as forças que ela fique com o Dorian. Sla,gosto muito mais dele com ela do que ela com o Chaol😒😞👌

    ResponderExcluir
  3. o que falar dessa Rena que mal conheço e já considero pakas?! Lacraadora u.u

    ResponderExcluir
  4. Que esse rei morra e sua morte seja lenta e dolorosa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que o rei viva e sofra por toda a eternidade, que morra por dentro tão lentamente que a cada dia que passe seja uma tortura. Vida ao rei!

      Excluir
  5. olha to muito triste mesmo por saber que Celaena e Dorian nao estão juntos, sacanagem isso.

    ResponderExcluir
  6. Será que sou só eu que quero que um mago muito poderoso faça uma mágica traga o Sam de volta e que ele e a celaena fiquem juntos? Ass kami

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entre Dorian e Chaol,eu prefiro o Chaol.Mas não queria que o Sam tivesse morrido.Realmente ele podia estar vivo pra ficar com ela. <3

      Excluir
    2. O tempo todo eu ficava lendo e pensando que Sam estivesse vivo, e que ele armou tudo pra Celaena :v mas aí li A Lâmina da Assassina e vi que não

      Excluir
  7. Que corajosa ela foi numa missão suicida ela sabia que isso ia acontecer que lindo gostei dela pena que ela durou pouco.

    ResponderExcluir
  8. Gente. ... que mistura de sentimentos! Raiva do rei, tristeza pela Rena e os mortos que ela citou e felicidade pelo Chaol e a Celaena que estão se entendo!
    Ass: Flavia

    ResponderExcluir
  9. Tipo acho q o Dorian começou a esquecer a CEL....Muito triste isso mds,sla eles seriam um casal tipo muito BOM.

    ResponderExcluir
  10. Tipo acho melhor q ela fiq com o Chaol pq ele tbm merece ser feliz, só pq ele é só um guarda não q dizer q ele mereça ser trocado por alguém da realeza de novo rssrsr prefiro o Chaol

    ResponderExcluir
  11. A musica contava a historia de uma mulher, so eu achei a historia dessa mulher parecida com a historia da Celaena?
    Sei la, eu imaginei isso!

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!