8 de fevereiro de 2016

Capítulo 12

O baile de máscaras aconteceu em uma propriedade voltada para o rio Avery e estava tão lotado que Celaena não teve problemas para entrar com Archer. Philippa conseguira encontrar um vestido branco delicado, feito de camadas de chiffon e seda estampadas como penas sobrepostas. Uma máscara combinando obscurecia a metade superior de seu rosto, e penas de marfim e pérolas tinham sido entremeadas nos cabelos.
Felizmente, era um baile de máscaras, e não uma festa normal, pois Celaena certamente reconhecia alguns dos rostos na multidão. Eram em sua maioria outros cortesãos que ela conhecera um dia, junto com madame Clarisse. Durante o percurso de carruagem até ali, Archer prometera que Arobynn Hamel não participaria, nem Lysandra – uma cortesã com quem Celaena tinha uma história longa e violenta, e alguém que a assassina tinha quase certeza de que mataria se visse novamente. No fim das contas, só ver Clarisse passeando pela festa, organizando encontros entre seus cortesãos e convidados, já foi o suficiente para deixá-la agitada.
Enquanto Celaene fora de cisne, Archer se vestira de lobo – a túnica metálica, as calças justas cinza como um pombo e as botas pretas reluzentes. A máscara de lobo cobria tudo exceto os lábios sensuais, que estavam entreabertos em um sorriso bastante lupino no momento, enquanto ele apertava a mão que Celaena apoiara sobre seu braço.
— Não é a melhor festa na qual estaremos presentes — disse ele — mas Davis tem o melhor chef de pâtisserie em Forte da Fenda.
De fato, ao longo do salão, mesas estavam lotadas com os doces mais lindos e extravagantes que Celaena já vira. Massas recheadas com creme, biscoitos polvilhados com açúcar e chocolate, chocolate, chocolate chamando-a para todas as direções. Talvez pegasse alguns antes de sair. Foi um esforço retornar o olhar para Archer.
— Há quanto tempo ele é seu cliente?
Aquele sorriso lupino hesitou.
— Já faz alguns anos. E foi por isso que reparei na mudança de comportamento. — A voz de Archer baixou até virar um sussurro, as palavras fazendo cócegas nas orelhas de Celaena quando ele se aproximou. — Está mais paranoico, come menos e se entoca no escritório sempre que pode.
Do outro lado do salão de baile em domo, enormes janelas davam para um pátio que se voltava para uma extensão reluzente do rio Avery. Celaena conseguia imaginar aquelas portas escancaradas no verão, e como seria delicioso dançar ao longo da margem do rio sob as estrelas e as luzes da cidade.
— Tenho uns cinco minutos antes de precisar fazer minhas rondas — falou Archer, os olhos seguindo Clarisse, que patrulhava o salão. — Ela vai esperar um leilão por mim em uma noite como esta. — O estômago de Celaena se revirou, e ela percebeu que pegava a mão dele. Mas Archer apenas lhe lançou um sorriso confuso. — Apenas mais algumas semanas, certo?
Ainda havia bastante amargura, e Celaena apertou os dedos de Archer de modo reconfortante.
— Certo — jurou ela.
Archer apontou o queixo na direção de um homem troncudo de meia-idade que fazia a corte a um grupo de pessoas bem-vestidas.
— Aquele é Davis — disse o cortesão, sussurrando. — Não vi muito durante minhas visitas, mas acho que ele pode ser um líder importante nesse grupo.
— Está presumindo isso embasado no lampejo de alguns papéis na casa?
Archer colocou as mãos nos bolsos.
— Uma noite, há uns dois meses, eu estava aqui quando três dos amigos dele vieram... todos meus clientes também. Era urgente, disseram, e quando Davis saiu do quarto...
Celaena lançou um sorriso a Archer.
— Você, de alguma forma, acidentalmente ouviu tudo?
O cortesão também sorriu, mas o sorriso sumiu quando olhou de novo para Davis, que estava servindo vinho para as pessoas reunidas em volta dele, inclusive algumas jovens que pareciam estar a um ou dois anos dos 16. O próprio sorriso de Celaena também sumiu. Aquele era um lado de Forte da Fenda do qual ela não sentira falta nenhuma.
— Eles passaram mais tempo reclamando do rei do que fazendo planos. E, independentemente do que possam alegar, acho que não se importam de verdade com Aelin Galathynius. Acredito que só querem encontrar um monarca que sirva melhor aos interesses deles, e talvez só queiram que ela levante um exército para que seus negócios prosperem durante a guerra que se seguiria. Se a ajudarem, lhe derem os recursos tão necessários...
— Então ela estaria em dívida com eles. Querem uma rainha marionete, não um verdadeiro monarca. — É claro... é claro que iriam desejar algo assim. — Sequer são de Terrasen?
— Não. A família de Davis era, fazia anos, mas ele passou a vida inteira em Forte da Fenda. Se alegar lealdade a Terrasen, será apenas uma meia verdade.
Celaena trincou os dentes.
— Desgraçados egoístas.
Archer deu de ombros.
— Isso pode ser verdade. Mas também resgataram um bom número de vítimas em potenciais das forcas do rei, aparentemente. Na noite em que os amigos dele irromperam na casa, foi porque haviam conseguido salvar um dos informantes do interrogatório do rei. Eles o tiraram de Forte da Fenda antes do alvorecer do dia.
Será que Chaol sabia daquilo? Considerando como reagira por ter matado Cain, Celaena não achava que torturar e enforcar traidores fizesse parte dos deveres do capitão – ou que sequer fossem mencionados para ele. Ou para Dorian, pensando bem.
Mas se Chaol não estivesse no comando do interrogatório de possíveis traidores, quem estava? Seria aquela pessoa a fonte que dera ao rei a última lista de traidores da coroa? Nossa, havia tantas coisas a serem levadas em conta, tantos segredos e tramas.
— Acha que consegue me colocar dentro do escritório de Davis agora? — perguntou Celaena. — Quero investigar um pouco.
Archer deu um risinho.
— Minha querida, por que acha que a trouxe até aqui? — Ele a levou suavemente até uma porta lateral próxima, uma entrada de criados.
Ninguém reparou quando entraram, e se tivessem reparado, as mãos de Archer percorrendo o corpo, os braços, os ombros, o pescoço de Celaena sugeririam que buscavam um pouco de privacidade.
Com um sorriso sedutor no rosto, Archer puxou Celaena pelo pequeno corredor, então escada acima, sempre com o cuidado de movimentar as mãos sobre o corpo dela para o caso de alguém os ver. Mas todos os servos estavam ocupados, e o corredor do andar de cima estava vazio e silencioso, com as paredes de painéis de madeira e o carpete imaculado. As pinturas ali – diversas de artistas que Celaena reconhecia – valiam uma pequena fortuna. Archer se moveu com uma destreza que provavelmente vinha de anos de entrar e sair despercebido de quartos. Ele levou Celaena para um conjunto de portas duplas trancadas.
Antes que ela conseguisse tirar um dos grampos de Philippa do cabelo para destrancar a fechadura, uma haste surgiu na mão do cortesão. Ele lançou um sorriso conspiratório para Celaena. Um segundo depois disso, a porta do escritório se abriu, revelando um quarto alinhado com estantes de livros sobre um carpete azul ornamentado, com samambaias em vasos espalhadas pelos cantos. Havia uma grande mesa no centro, duas poltronas diante dela, e um divã estendia-se próximo a uma lareira apagada. Celaena parou à porta, pressionando o corpete apenas para sentir a adaga enfiada dentro dele. Ela roçou as pernas para verificar as duas outras presas às coxas.
— Eu devo descer — falou Archer, olhando para o corredor atrás deles. Os sons de uma valsa subiam do salão de baile. — Tente ser rápida.
Celaena ergueu uma sobrancelha, embora a máscara cobrisse suas feições.
— Está me dizendo como fazer meu trabalho?
Ele se aproximou, roçando os lábios contra o pescoço dela.
— Não sonharia com isso — respondeu para a pele de Celaena. Então Archer se virou e foi embora.
A assassina rapidamente fechou a porta, então caminhou até as janelas do outro lado do quarto e fechou as cortinas. A luz fraca que brilhava sob a porta foi suficiente para enxergar enquanto se movia até a mesa de madeira de lei e acendia uma vela. Os jornais da noite, uma pilha de cartões de resposta ao baile de máscaras daquela noite, um registro de despesas pessoais... Normal. Completamente normal. Celaena vasculhou o restante da mesa, abrindo gavetas e batendo em cada superfície para verificar se havia compartimentos secretos. Quando isso não deu em nada, ela caminhou até uma das estantes de livros, puxando os volumes para ver se algum era oco.
Estava prestes a se virar quando um título chamou sua atenção.
Um livro com uma única marca de Wyrd estampada na lombada em tinta vermelho-sangue.
Celaena o puxou para fora e correu até a mesa, apoiando a vela ao abrir o livro.
Estava cheio de marcas de Wyrd – cada página coberta com elas, e com palavras em uma língua que Celaena não reconhecia. Nehemia dissera que era conhecimento secreto – que as marcas de Wyrd eram tão antigas que tinham sido esquecidas havia séculos. Títulos como aquele foram queimados com o restante dos livros sobre magia. Celaena encontrara um na biblioteca do palácio – Os mortos andam – mas havia sido uma besteira. A arte de usar as marcas de Wyrd estava perdida; apenas a família de Nehemia sabia como usar devidamente seu poder. Mas ali, nas mãos dela... Celaena folheou o livro.
Alguém escrevera uma frase na parte de dentro da quarta capa, e a assassina aproximou a vela para olhar o que havia sido rabiscado. Era uma charada – ou alguma combinação estranha de palavras:
É apenas com o olho que se pode ver corretamente.
Mas que diabo aquilo significava? E o que Davis, um negociante meio corrupto qualquer, fazia com um livro sobre marcas de Wyrd, entre tantas coisas? Se estava tentando interferir com os planos do rei... Pelo bem de Erilea, Celaena rezou para que o rei jamais ouvisse falar das marcas de Wyrd.
Ela decorou a charada. Anotaria quando voltasse para o castelo – talvez perguntasse a Nehemia se sabia o que significava. Ou se tinha ouvido falar de Davis. Archer poderia ter lhe dado informações vitais, mas ele obviamente não sabia de tudo.
Fortunas haviam sido desfeitas quando a mágica se perdeu; pessoas que tinham ganhado a vida durante anos explorando seus poderes foram subitamente deixadas com nada. Parecia natural que buscassem outra fonte de poder, embora o rei a tivesse ilegalizado. Mas o que...
Passos soaram no corredor. Celaena agilmente colocou o livro de volta na prateleira, então olhou para a janela. O vestido era muito grande, e a janela pequena e alta demais para que ela conseguisse sair facilmente por aquele caminho. E sem outra saída...
Uma tranca estalou nas portas duplas.
Celaena se apoiou na mesa, pegando o lenço, curvando os ombros e começando um choro soluçado deprimente assim que Davis entrou no escritório.
O homem baixo e corpulento parou ao vê-la, o sorriso que estivera em seu rosto sumiu. Felizmente, Davis estava sozinho. Celaena ergueu o rosto, fazendo o melhor para parecer envergonhada.
— Ah! — disse ela, secando os olhos com o lenço através das aberturas da máscara. — Ah, desculpe, eu... eu precisava de um lugar para ficar sozinha por um momento e d-d-disseram que eu poderia entrar aqui.
Os olhos de Davis se estreitaram, então se voltaram para a chave na fechadura.
— Como entrou? — Uma voz suave e hesitante, transbordando de suspeita... e um toque de medo.
Ela emitiu mais um soluço e estremeceu.
— A governanta. — Celaena esperava que a pobre mulher não fosse esfolada viva depois daquilo. Ela conteve a voz, tropeçando e se apressando com as palavras. — Me-meu prometido m-m-me d-deixou.
Sinceramente, às vezes se questionava se havia algo de errado consigo por conseguir chorar tão facilmente.
Davis a avaliou de novo, o lábio se contraindo – não por empatia, percebeu Celaena, mas por nojo daquela mulher tola e chorona, soluçando por causa do noivo. Como se fosse um desperdício colossal de seu precioso tempo reconfortar uma pessoa sofrendo.
A ideia de Archer ter que servir àquelas pessoas que o olhavam como se ele fosse um brinquedo a ser usado até que se quebrasse... Celaena se concentrou na respiração. Só precisava sair dali sem levantar suspeitas de Davis. Uma palavra para os vigias no fim do corredor, e ela estaria em mais apuros do que desejaria – e poderia arrastar Archer consigo.
Celaena soluçou e estremeceu mais uma vez.
— Há um toalete para as damas no primeiro andar — falou Davis, aproximando-se dela para acompanhá-la para fora. Perfeito.
Quando o nobre se aproximou, retirou a máscara de ave que usava, revelando um rosto que provavelmente fora bonito na juventude. A idade e o excesso de bebida o haviam fustigado em bochechas flácidas, cabelos ralos e loiros como palha e compleição abatida. Capilares haviam estourado na ponta do nariz dele, manchando-o de um vermelho-arroxeado que se contrapunha aos olhos cinza aquosos.
Ele parou perto o suficiente para tocar Celaena e estendeu a mão. Ela limpou os olhos mais uma vez, então colocou o lenço de volta no bolso do vestido.
— Obrigada — sussurrou Celaena, olhando para o chão quando Davis pegou sua mão. — E-eu peço desculpas pela invasão.
Celaena o ouviu tomar fôlego repentinamente antes de ver o lampejo de metal.
Ela o imobilizou no chão em um segundo – mas não rápido o suficiente para evitar a ferroada da adaga de Davis no antebraço. Os metros de tecido que compunham seu vestido a incomodavam enquanto prendia o homem no carpete, uma linha fina de sangue aumentava e escorria pelo braço exposto dela.
— Ninguém tem a chave deste escritório — grunhiu Davis, apesar de estar imobilizado sobre as costas. Corajoso ou tolo? — Nem mesmo minha governanta.
Celaena mexeu a mão, apontando para os pontos no pescoço dele que o deixariam inconsciente. Se pudesse esconder o antebraço, ainda poderia sair dali despercebida.
— O que estava procurando? — indagou Davis, o hálito fedendo a vinho enquanto ele agitava o corpo contra as mãos de Celaena.
Ela não se incomodou em responder, e o homem impulsionou o corpo para cima, tentando soltar-se. Ela jogou o peso do corpo contra Davis, erguendo a mão para dar o golpe.
Então ele deu uma risada baixa.
— Não quer saber o que estava naquela lâmina?
Celaena poderia ter rasgado o rosto dele com as unhas pelo sorriso reluzente que Davis lhe deu. Em um movimento suave e ágil, ela pegou a adaga dele e cheirou.
A assassina jamais se esqueceria daquele cheiro almiscarado, nem em mil vidas: gloriella, um veneno suave que causava horas de paralisia. Tinha sido usado para derrubá-la na noite em que foi capturada, para impedi-la de reagir enquanto era levada aos homens do rei e jogada nas masmorras reais.
O sorriso de Davis se tornou triunfante.
— Apenas o bastante para fazê-la apagar até meus guardas chegarem... e a levarem a um local mais reservado. — Onde Celaena seria torturada, isso ele não precisava acrescentar.
Desgraçado.
A quanto tinha sido exposta? O corte era superficial e pequeno. Mas Celaena sabia que a gloriella já estava pulsando em seu corpo, do mesmo modo que fizera nos dias depois de ter se deitado ao lado do cadáver desfeito de Sam, sentindo o cheiro da fumaça almiscarada que ainda se prendia ao corpo dele. Precisava ir. Agora.
Celaena puxou a mão livre para apagar Davis, mas seus dedos pareciam duros, soltos; e apesar de ser baixo, ele era forte. Alguém devia tê-lo treinado, porque em um movimento rápido demais, ele a agarrou pela cintura, contorcendo o corpo de Celaena no chão. Ela caiu no carpete com tanta força que o ar foi sugado de seus pulmões, sua cabeça girava, e ela soltou a adaga. A gloriella estava agindo rápido – rápido demais. Celaena precisava sair.
Um lampejo de pânico percorreu seu corpo, puro e espesso. O vestido cheio atrapalhava, mas Celaena concentrou o pouco de controle que ainda tinha em levantar as pernas e chutar – com tanta força que Davis a soltou por um momento.
Vadia! — Ele disparou contra Celaena de novo, mas ela já havia agarrado a adaga envenenada. Um segundo depois, ele agarrava o próprio pescoço enquanto o sangue jorrava em Celaena, no vestido, nas mãos.
Davis caiu de lado, agarrando a garganta como se pudesse segurá-la, evitar que o sangue vital se derramasse. O homem fazia um ruído gorgolejante familiar, mas a assassina não ofereceu a compaixão de acabar com a vida de Davis enquanto cambaleava até ficar de pé. Não, sequer lhe deu um olhar de despedida ao pegar a adaga e rasgar a saia do vestido até a altura dos joelhos. No momento seguinte, ela estava na janela do escritório de Davis, avaliando os vigias e as carruagens estacionadas abaixo, cada pensamento mais confuso do que o anterior enquanto escalava o peitoril.
Celaena não sabia como tinha conseguido nem quanto tempo levara, mas, subitamente, estava no chão e em disparada na direção do portão da frente aberto.
Os vigias, lacaios ou criados começaram a gritar. Ela corria – corria o mais rápido possível, perdendo o controle do corpo a cada pulsação que impulsionava a gloriella em suas veias.
Estavam na parte rica da cidade – perto do Teatro Real – e Celaena examinou o horizonte, buscando, buscando o castelo de vidro. Ali! As torres brilhantes jamais pareceram mais lindas, mais acolhedoras. Precisava voltar.
Com a visão embaçada, Celaena trincou os dentes e correu.
A assassina teve consciência o bastante para arrancar o manto de um bêbado que cochilava em uma esquina e limpar o sangue do rosto, embora tivesse precisado de diversas tentativas para manter as mãos firmes enquanto corria. Depois que o manto escondeu seu vestido destruído, ela disparou para os portões principais dos arredores do castelo – onde os guardas a reconheceram, embora a iluminação fosse fraca demais para que vissem com atenção. O ferimento tinha sido pequeno e superficial; Celaena conseguiria. Só precisava entrar, alcançar a segurança...
Mas ela tropeçou na estrada sinuosa que dava no castelo, e a corrida se tornou uma caminhada cambaleante antes mesmo de chegar lá. Celaena não poderia entrar pela frente daquela forma, a não ser que quisesse que todos vissem – a não ser que quisesse que todos soubessem quem fora responsável pela morte de Davis.
Ela deslizava a cada passo ao seguir para uma entrada lateral, onde portas de ferro com ferrolho eram deixadas parcialmente abertas para a noite – o quartel. Não era o melhor lugar para entrar, mas era bom o bastante. Talvez os guardas fossem discretos.
Um pé diante do outro. Apenas mais um pouco...
Celaena não se lembrava de ter passado pelas portas do quartel, apenas do roçar dos ferrolhos de metal quando as abriu. A luz do corredor queimou seus olhos, mas pelo menos estava do lado de dentro...
A porta para o rancho estava aberta, e os sons de risadas e do tilintar de canecas flutuavam até ela. Será que Celaena estava dormente por causa do frio ou era a gloriella invadindo-a? Precisava contar a alguém que antídoto lhe dar – apenas contar a alguém...
Com uma das mãos apoiada na parede, a outra segurando o manto com força ao redor do corpo, ela passou agilmente pelo rancho, cada fôlego durava uma eternidade. Ninguém a parou; ninguém sequer olhou na direção dela.
Havia uma porta no fim daquele corredor que Celaena precisava alcançar – um quarto no qual estaria segura. Manteve a mão na parede de pedra, contando as portas conforme passava. Tão perto. O manto ficou preso na maçaneta de uma porta pela qual passou e se rasgou.
Mas ela conseguiu chegar àquela que queria, ao quarto no qual estaria segura. Seus dedos não sentiram muito bem a rugosidade da madeira quando Celaena empurrou a porta e deslizou pelo portal.
Luz forte, um borrão de madeira e pedra e papel... e pela névoa, um rosto conhecido, olhando-a, boquiaberto, por detrás da mesa.
Um ruído engasgado saiu da garganta de Celaena, e ela olhou para baixo, para si mesma, por tempo o bastante para ver o sangue que cobria seu vestido branco, os braços, as mãos. No sangue, Celaena pôde ver Davis e a fenda aberta na garganta dele.
— Chaol — gemeu Celaena, buscando o rosto familiar de novo.
Mas ele já estava correndo, disparando pelo escritório. Chaol gritou o nome de Celaena quando os joelhos dela cederam, e a assassina caiu. Ela só viu o marrom-dourado dos olhos dele e aguentou tempo o suficiente para sussurrar:
— Gloriella.
Então tudo girou e ficou preto.

9 comentários:

  1. Ai gzuis essa é a hora que eu rôo ate as unhas do pé.

    ResponderExcluir
  2. Quase não consegui lê o final, nuss muito tenso....

    ResponderExcluir
  3. A charada é tão óbvia, o colar dela, o olho de elena!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Por Wyrd!! :o Quase que morro do coração agora scrr
    A parte do chaol socorrer ela <3

    ResponderExcluir
  5. Putz tenso😨 Essa foi pesada 😨😨

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!