10 de fevereiro de 2016

Fanfic: O verdadeiro mundo Pokémon


Sinopse:
E se o Mundo Pokémon não for como você imagina? Falo com convicção e razão quando digo que ele não é como a maioria das pessoas pensam. Também, com toda essa falsa mídia criando desenhos animados e HQs que retratam um lugar que parece ser tão atrativo, qualquer um cairia e cai nessa.
Todos me chamam de Baker; por puro acaso da vida acabei me tornando um Treinador Pokémon (será que posso me denominar um?) e dessa forma pude concluir com minha própria experiência que as coisas não são como dizem no mundo desses pequenos monstrinhos. Moro numa região chamada Toran - talvez vocês não a conheçam, pois os desenvolvedores dos jogos Pokémon ainda não decidiram criar um jogo em que ela seja a protagonista da vez. Venho de uma família com uma longa geração de padeiros e decidi sair em uma jornada sozinho em busca de informações e, quem sabe, achar a possível cura da doença que minha mãe padece. Quer dizer, "quem sabe, nada!" Eu vou achar!
Se quiser saber a vida real daqueles que saem em uma jornada com um objetivo e o que acontece nessa viajem que decidem fazer, continue nesta leitura e verá que não estou dizendo nenhuma bobagem.

Categorias: aventura, fantasia, ficção, Pokémon
Autor: Eric Rocha
__________________________________

Prólogo


O CERTO SERIA COMEÇAR me apresentando, como a maioria das histórias contadas em primeira pessoa acontece. Mas estou em sérios apuros. Como posso lembrar-me de apresentações, quando a única coisa que sinto são os frios dedos do medo que apertam com violência minhas entranhas?  
Corro — mesmo sabendo que não tenho escapatória —, com um pequeno Pokémon verde envolto em meus braços. Ele está todo ferido. Foram aqueles malditos que o machucaram tanto! Não deixarei que aqueles bandidos façam o que quer que seja contra esta pobre criatura.
Faço o que posso para desviar das prateleiras abarrotadas de pesadas caixas de papelão, mas com toda a adrenalina, eu mais pareço um touro que se debate para tentar fugir, já que meus braços, pernas e quadris sempre se encontram com as diversas quinas de metal das prateleiras e das caixas. Aqui estou eu: a caça correndo dos predadores, dentro de um armazém.
Viro um corredor e — para minha desgraça —, reparo tarde demais que é sem saída, mas ainda assim corro para o seu fim, na vã esperança deles passarem direto e não me verem.
Em vão, pois estão logo atrás de mim, ofegantes e com um sorriso sinistro no rosto. Jogam-me com uma tremenda força contra a parede e bato minha testa. Após o barulho oco retumbar pelo meu corpo inteiro, sinto a dor se espalhar por toda minha cabeça. A visão fica turva e a tontura não tarda. Logo, como um boneco inanimado, caio involuntariamente no chão.
Como se não bastasse o fato de estar acuado, o Pokémon que seguro em meus braços está esgotado. Neste momento, um cara assustador — com um cabelo bizarro ensopado de gel, penteado para trás e com os fios da nuca superespetados —, me olha de forma ameaçadora, como se a qualquer momento, com uma única ordem que der a seu Sneasel, seu maldito Pokémon possa, simplesmente, me decepar em menos de um segundo com suas afiadíssimas garras.
Uma mulher ao lado do cara ameaçador, ri descontroladamente. Parece que não se diverte dessa forma há muito tempo. Ela tem um cabelo escorrido gigante, onde seus fios batem na altura da parte de trás de seus joelhos e suas mechas variam do branco ao prateado conforme a pouca luz do local bate em suas madeixas.  
Meu estômago ainda dói de um chute que levei do panaca sinistro. Minhas pernas e dentes tremem de medo; minha cabeça parece que, a qualquer momento, explodirá de tanta dor; sinto cada batimento cardíaco ribombar em minhas têmporas. Penso apenas em como será minha morte se não sair urgentemente dessa infeliz situação. 
— E então, Jeremy... Adoro ver essa expressão de puro terror no rosto desses pequenos pirralhos — diz a mulher para o outro. — Mas vamos logo acabar com isto. Quero que teu Pokémon deixe esse prematuro rostinho do garoto o mais irreconhecível possível.
Sinto o sangue de meu rosto sumir. Entro em pânico e meu lábio inferior treme tanto que o mordo para que se aquiete. 
— Não precisa dizer isto como se fosse uma ordem, você sabe muito bem que só acato ordens do chefe — responde o homem, carrancudo. — Mas pode deixar, Jane. Será como fazer uma obra de arte de incrível desfiguração na cara do moleque.
Mesmo com tudo que se passa na minha frente, uma parte de meu cérebro guarda os nomes dos dois: o homem se chama Jeremy e a mulher Jane.
Uma gota de suor frio escorre de minha testa e para na altura de minha bochecha. Automaticamente, passo os dedos nela para secá-la. Com o tato, reparo que o suor está um tanto pegajoso. Olho para meus dedos molhados e — com um choque —, compreendo que me enganei. Esse líquido não é suor... Meus dedos estão manchados com sangue! Minha testa deve ter aberto um corte depois de se encontrar com a parede.
Jane agarra meus cabelos com força, parecendo querer arrancá-los e sussurra entre dentes, no meu ouvido:
— E aí? Pronto para morrer, pequeno insolente?!  
Sério, quem diria que a minha patética vida pacata se transformaria nesse pandemônio todo, e que a minha pequena aventura duraria tão pouco tempo.  
Pensar que saí de casa à procura de uma possível cura para minha mãe e acabei me metendo nessa enrascada toda, por causa de um Pokémon... Ha-ha, que engraçado! O destino só pode estar de brincadeira!  
Meu inconsciente começa a lembrar de como acabei parando aqui, nesta terrível situação...
________________________________________

Deixe sua opinião nos comentários!

Saiba mais: https://socialspirit.com.br/fanfics/historia/fanfiction-pokemon-o-verdadeiro-mundo-pokemon-3634414

13 comentários:

  1. Karina por favor coloca alguma fanfic que possa para menores

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A maioria pode, Rosalina... algumas tem tipo, classificação 14 ou 16, mas normalmente é por causa da violência, ou algo assim. Não chego a ler as fics completas, de modo que não sei o que tem

      Excluir
    2. Sim, acredito que a minha não tenha nada demais além da violência. Acabei tendo que recorrer a classificação de 16 para não correr o risco dela ser excluída no site em que posto.

      Excluir
  2. Respostas
    1. Haha, sim, esta foi uma das coisas que quis trazer para a fic: Esse ar sombrio! Abraços

      Excluir
  3. Gostei! Uma história bem escrita, com um enredo que parece ser muito envolvente. O escritor está de parabéns!

    ResponderExcluir
  4. acho que começou bem, e deixou um gosto de quero mais, uma espectativa. eu apenas daria uma dica: não assuma que todos os leitores são experts em pokemóm, vai ampliar o alcance da história, embora eu entenda que o objetivo é mesmo atrair os fãs de pokemóm.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Cris, no início eu escrevia mais para os leitores de Pokémon, mas conforme percebi que estavam chegando leitores que não estavam habituados ao mundo, tentei trabalhar de uma forma um pouco mais descritiva quando algo deste mundo é mencionado. Creio que isso se transpareça mais nos últimos capítulos postados.
      E obrigado, de verdade, fico muito feliz que tenha achado tudo isso em um único prólogo. Espero que acompanha a estória C: Abraços!

      Excluir
  5. Gostei. Achei q foi uma idéia bem interessante fazer uma fic do pokemon. Foi uma idéia bem diferente daquilo q estamos costumados a ver aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, também achei legal. É original e bem feito

      Excluir
    2. Obrigado Lúcia (seu nome me lembra o de uma das minhas personagens nesta fic, haha)! Espero que continue acompanhando e que continue gostanto! Bjões!

      Excluir
    3. Obrigado, Aricia. Espero que continue lendo! ;)

      Excluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!