31 de janeiro de 2016

Capítulo 3

Os olhos do príncipe brilharam com fascínio pela ousadia de Celaena e detiveram-se demoradamente no corpo da assassina. Ela podia rasgar o rosto dele com as unhas por olhá-la daquela forma, mas o fato de o príncipe sequer se incomodar em olhar quando Celaena estava tão imunda... Um sorriso se abriu lentamente no rosto dela.
O príncipe cruzou as longas pernas.
— Deixe-nos — ordenou ele aos guardas. — Chaol, você fica onde está.
Celaena se aproximou enquanto os guardas saíam, ruidosamente, e fechavam a porta. Decisão tola, muito tola. Mas o rosto de Chaol era indecifrável. Ele não podia realmente acreditar que conseguiria impedi-la agora, caso Celaena tentasse escapar! Ela endireitou a coluna. Que plano era aquele que os deixava tão irresponsáveis?
O príncipe soltou uma gargalhada.
— Você não acha arriscado ser tão ousada na minha presença quando sua liberdade está em jogo?
De todas as coisas que poderia ter dito, isso era o que ela menos esperava.
— Minha liberdade? — O som da palavra a fez imaginar uma terra de pinheiros e neve, de penhascos ensolarados e mares espumantes, uma terra onde a luz sumia nos recessos e elevações da grama verde – uma terra que Celaena já esquecera.
— Sim, sua liberdade. Eu sugiro, então, senhorita Sardothien, que você controle a arrogância antes que acabe voltando para as minas. — O príncipe descruzou as pernas. — Se bem que talvez sua atitude seja útil. Não vou fingir que o reino de meu pai foi construído com confiança e compreensão. Mas você já deve saber disso. — Celaena fechou as mãos em punhos enquanto esperava que ele continuasse. O olhar do monarca cruzou com o dela, alerta, como se a testasse. — Meu pai enfiou na cabeça que precisa de um campeão.
Celaena levou um segundo delicioso para entender o que ele queria dizer, então jogou a cabeça para trás e riu.
— Seu pai quer que eu seja a campeã? O que... não me diga que ele deu um jeito de eliminar todas as almas nobres lá fora! Certamente ainda existe um cavalheiro cortês, um senhor de coração determinado e coragem.
— Cuidado com o que fala — avisou Chaol, postado ao lado dela.
— E quanto a você, hein? — disse Celaena, levantando as sobrancelhas para o capitão. Ah, era engraçado demais. Ela, a campeã do rei! — Nosso querido rei não acha você bom o suficiente?
O capitão levou a mão à espada.
— Fique quieta para escutar o que Sua Majestade tem a dizer.
Ela se virou de volta para o príncipe.
— Pois bem?
Dorian se recostou no trono.
— Meu pai precisa de alguém que ajude o império, alguém que o ajude a lidar com pessoas difíceis.
— Quer dizer que precisa de um lacaio para fazer o trabalho sujo.
— Se prefere ser direta, sim — disse o príncipe. — O campeão do rei deve silenciar os oponentes.
— Deixá-los como túmulos — completou ela, com doçura.
Um sorriso pairou na face de Dorian, mas ele conseguiu se conter.
— Sim.
Trabalhar para o rei de Adarlan como serva real. Celaena levantou o queixo. Matar em nome dele, ser mais um dente na boca do monstro que já consumira metade de Erilea...
— E se eu aceitar?
— Então, depois de seis anos, ele devolverá sua liberdade.
— Seis anos! — Mas a palavra “liberdade” ecoou na mente de Celaena mais uma vez.
— Se recusar — disse Dorian, antecipando a próxima pergunta dela — você permanecerá em Endovier. — Os olhos cor de safira do príncipe endureceram, e Celaena engoliu em seco. Ele não precisou acrescentar: E morrerá aqui.
Seis anos fazendo o papel de arma nas mãos de um rei corrupto... ou uma vida inteira em Endovier.
— Porém — advertiu o príncipe — há uma condição.
Celaena manteve o rosto neutro enquanto ele brincava com um anel.
— O cargo não está sendo oferecido a você. Ainda não. Meu pai quer se divertir um pouco antes. Ele está organizando uma competição e convidou 23 integrantes do conselho para que cada um patrocine um candidato a campeão, para treinar no castelo de vidro e, por último, competir em um duelo. Se por acaso ganhar — disse ele, com um meio-sorriso —, será nomeada oficialmente a Assassina de Adarlan.
Celaena não retribuiu o sorriso.
— Quem são meus adversários, exatamente?
Vendo a expressão de Celaena, o sorriso do príncipe desapareceu devagar.
— Ladrões e assassinos e guerreiros de toda Erilea. — Ela abriu a boca para retrucar, mas o príncipe a interrompeu: — Se ganhar, se provar que é habilidosa e digna de confiança, meu pai jurou devolver sua liberdade. E, enquanto for a campeã, receberá um salário bem razoável.
Ela mal prestou atenção nas últimas palavras. Uma competição! Contra uns desconhecidos sabe-se lá de onde! E assassinos!
— Que outros assassinos? — indagou ela.
— Nunca ouvi falar de nenhum. Com certeza, ninguém tão famoso quanto você. E, aliás, você não competirá como Celaena Sardothien.
— Quê?
— Você competirá sob um nome falso. Presumo que não soube do que aconteceu depois de seu julgamento.
— É difícil para um escravo das minas escutar notícias do mundo lá fora.
Dorian deu uma risada, balançando a cabeça.
— Ninguém sabe que Celaena Sardothien é só uma jovem mulher... todos achavam que você fosse bem mais velha.
— O quê? — repetiu Celaena, sentindo o rosto ficar vermelho. — Como isso é possível? — Ela deveria estar orgulhosa por ter protegido aquele segredo do resto do mundo, mas...
— Você manteve uma identidade secreta durante todos os anos em que esteve solta, matando. Depois do julgamento, meu pai achou que seria mais... sábio não informar Erilea da sua verdadeira identidade. Ele prefere que as coisas continuem como estão. Que diriam nossos inimigos se soubessem que estávamos todos morrendo de medo de uma menininha?
— Então eu estive trabalhando nesse lugar miserável esse tempo todo por um nome e um título que nem mesmo me pertencem? Quem o povo de Erilea acha que é realmente a Assassina de Adarlan?
— Não sei e pouco me importa. O que eu sei é que você era a melhor e que as pessoas ainda cochicham quando mencionam seu nome. — O príncipe encarou Celaena. — Se você aceitar lutar para mim, se for minha campeã durante os meses da competição, garanto que você estará livre depois de cinco anos.
Embora ele tentasse esconder, Celaena percebeu a tensão no corpo do príncipe. Ele queria muito que ela concordasse. Precisava tanto daquilo que estava disposto a negociar com Celaena. Os olhos da assassina começaram a brilhar.
— Como assim, “era a melhor”?
— Você permaneceu em Endovier por um ano. Quem sabe o que ainda é capaz de fazer?
— Ah, sou capaz de bastante coisa, pode ter certeza — respondeu ela, mexendo nas unhas maltratadas. Celaena tentou não sentir nojo da sujeira acumulada sob elas. Quando fora a última vez que tivera oportunidade de limpar as mãos?
— Veremos — replicou Dorian. — Você terá todos os detalhes da competição quando chegarmos ao Forte da Fenda.
— Essa competição parece desnecessária, apesar da diversão que vocês nobres terão apostando em nós. Por que não me contrata de uma vez?
— Como acabei de dizer, você precisa provar que é digna.
Ela pousou uma das mãos no quadril, as correntes retiniram, ecoando pelo salão.
— Bem, acho que ser a Assassina de Adarlan já é prova mais do que suficiente.
— Sim — respondeu Chaol, e seus olhos cor de bronze brilharam. — Prova que você não passa de uma criminosa e de que não devemos confiar em você com os negócios secretos do rei assim tão facilmente.
— Eu juro solenemente...
— Duvido muito que o rei daria valor à palavra da Assassina de Adarlan como juramento.
— Sim, mas eu não vejo por que tenho de passar pelo treinamento e pela competição. Quero dizer, eu devo estar um pouco... fora de forma, mas... o que mais esperava quando tenho de me virar com pedras e picaretas neste lugar? — Celaena lançou um olhar raivoso para Chaol.
Dorian franziu a testa.
— Então vai recusar a proposta?
— É claro que vou aceitar a proposta — disse ela, bruscamente. Os pulsos de Celaena roçavam nos grilhões com tanta força que seus olhos lacrimejaram. — Serei sua ridícula campeã se você concordar em me libertar em três anos, não cinco.
— Quatro.
— Muito bem — disse ela. — Está fechado. Posso estar trocando uma forma de escravidão pela outra, mas não sou boba.
Ela poderia recuperar a liberdade. Liberdade. Celaena sentia o ar frio do mundo livre, a brisa que vinha das montanhas para levá-la embora. Poderia viver bem longe do Forte da Fenda, a capital que um dia fora seu domínio.
— Espero que esteja certa — replicou Dorian. — E espero que sua reputação corresponda à realidade. Prevejo uma vitória e não ficarei satisfeito se você me fizer de tolo.
— E se eu perder?
Os olhos do príncipe perderam o brilho, e ele respondeu:
— Será mandada de volta para cá, para terminar de cumprir sua sentença.
Os belos devaneios de Celaena se dissolveram como areia entre os dedos.
— Então posso muito bem saltar da janela. Um ano neste lugar já me deixou assim, imagine o que aconteceria se voltasse. Eu morreria no segundo ano. — Ela levantou o queixo. — Sua oferta parece justa.
— Justa, sim — disse Dorian, e acenou para Chaol. — Leve-a para o quarto e limpe-a. — Ele a encarou. — Partimos para o Forte da Fenda amanhã de manhã. Não me decepcione, Sardothien.
Era besteira, claro. Quão difícil seria para ela superar os competidores em inteligência e habilidade e então acabar com eles? Celaena só não sorriu porque sabia que, se o fizesse, aquilo a abriria para um universo de esperanças que há muito se fechara. Mesmo assim, sentiu vontade de pegar o príncipe e sair dançando pelo salão. Tentou pensar em música, tentou pensar numa canção de comemoração, mas só conseguiu se lembrar de um único verso de uma das amargas canções de trabalho de Eyllwe, uma canção profunda e lenta como mel derramando-se de uma jarra. “E então, finalmente, voltar para casa...
Celaena nem se deu conta quando o capitão a levou embora, nem reparou enquanto atravessavam corredor atrás de corredor.
Sim, ela iria – para o Forte da Fenda ou qualquer lugar, até atravessaria os portais de Wyrd a caminho do próprio inferno, se isso significasse liberdade.
Afinal, não é à toa que você é a Assassina de Adarlan.

18 comentários:

  1. Essa vai ser ótima...

    Ass:Bia

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. Aposto que sim afinal, ela é a assasina de Adarlan <3

      Excluir
    2. Isso é pergunta retórica? Hahahahah uma coisa q aprendi nos livros foi q ela vai sofrer um bocado mais no final vai ganhar.

      Excluir
    3. concordo plenamente. Mas, bem que esse livro podia ser exceção e ela ir super bem né, afinal, tem a maior fama de assassina.

      Excluir
    4. OU O LIVRO PODERIA SER COMO AS CRONICAS DE GELO E FOGO E ELA MORRER LOGO NO INICIO...KKKKK

      Excluir
    5. ou poderia ser como as cronicas de gelo e fogo e ela morrer logo no inicio...kkkkkkk

      Excluir
  3. Amei adoro garotas determinadas e marrentas fica tudo mais emocionante

    ResponderExcluir
  4. Aiiiiii, Como é bom começar a ler um livro e perceber que gosta da protagonista de cara xD

    ResponderExcluir
  5. ela é sensacionl mds kkkkk gostei desse principe mas do guarda naoooo.

    ResponderExcluir
  6. So quero ver o que vai dar!!!

    ResponderExcluir
  7. Aposto que ela vai conseguir. Tenho hábito de me animar muito rápido com personagens que já gosto de cara, assim como ela sz

    ResponderExcluir
  8. Comecei a ler no dia que você postou Karina ,agora estou relendo amo os livros e o blog. Ass:Mari

    ResponderExcluir
  9. Ela vai acaba se apaixonando pelo príncipe

    ResponderExcluir
  10. Amando essa garota.... Liberdade e Independencia <3

    ResponderExcluir
  11. To amando essa menina ,e é tao legal as falas delas

    ResponderExcluir
  12. Não gosto de comparar livros,mas isto parece Jogos Vorazes com Seleção.A disputa do príncipe e do guarda pelo coração da jovem...Oh!Que romântico!🙄.Mas olha eu adoro A Seleção então já estou torcendo para o príncipe.

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!