31 de janeiro de 2016

Capítulo 28

Com as sobrancelhas franzidas, Celaena mirava o taco na bola branca. O objeto deslizou com facilidade por seus dedos enquanto ela firmava a mão sobre a superfície de feltro da mesa. Com um movimento esquisito do braço, Celaena impulsionou o taco para a frente. Errou feio.
Depois de xingar, a assassina tentou mais uma vez. Ela acertou a bola branca de tal forma que o objeto deu uma meia-volta patética para o lado e, gentilmente, acertou uma bola colorida com um leve clique. Bem, pelo menos acertara alguma coisa. Foi mais bem-sucedido do que a pesquisa sobre as marcas de Wyrd.
Eram mais de 22 horas e, necessitando de um descanso depois de horas de treino e pesquisa e de preocupações sobre Cain e Elena, Celaena entrara na sala de jogos. Estava cansada demais para música, não podia jogar cartas sozinha e, bem, bilhar parecia ser a única atividade plausível. Ela pegou o taco com esperanças de que o jogo não fosse difícil demais de aprender.
A assassina caminhou ao redor da mesa e mirou mais uma vez. Ela errou. Trincando os dentes, Celaena considerou partir o taco ao meio sobre o joelho.
Mas estava tentando jogar havia apenas uma hora. Estaria incrível à meia-noite! Dominaria aquele jogo ridículo ou transformaria a mesa em lareira. E a usaria para queimar Cain vivo.
Celaena agitou o taco e acertou a bola com tanta força que ela saiu zunindo pela borda dos fundos da mesa, acertou três bolas coloridas no caminho antes de colidir com a bola número três e mandá-la em disparada para uma caçapa.
A bola parou de rolar na beira do buraco.
Um gritinho de ódio irrompeu da garganta de Celaena, e a assassina correu até a caçapa. Primeiro, ela gritou com a bola, então pegou o taco nas mãos e o mordeu, ainda gritando entredentes. Finalmente, a assassina parou e deu um tapa para que a bola três entrasse.
— Para a maior assassina do mundo, isso é patético — disse Dorian, passando pelo portal.
Celaena deu um grito e se precipitou na direção dele. Ela vestia uma túnica e calça e estava com os cabelos soltos. O príncipe recostou-se contra a mesa e sorriu quando a assassina ficou ainda mais vermelha.
— Se vai me insultar, pode enfiar este... — Celaena ergueu o taco e fez um gesto obsceno, que terminou a frase para ela.
Dorian revirou os olhos antes de pegar um taco na estante da parede.
— Está planejando morder o taco de novo? Porque se estiver, eu gostaria de convidar o pintor da corte, para que possa sempre me lembrar dessa visão.
— Não ouse debochar de mim!
— Não seja tão séria. — Dorian mirou a bola e a mandou, graciosamente, contra uma bola verde, a qual caiu em uma caçapa. — Você é imensamente divertida quando está saltitando de ódio.
Para a surpresa e o prazer do príncipe, Celaena sorriu.
— Engraçada para você — disse ela — irritante para mim.
A jovem se moveu e tentou mais uma vez. E errou.
— Deixe-me mostrar como se faz. — Dorian caminhou até onde Celaena estava e abaixou o taco, pegando o dela. Depois de cutucar Celaena para que saísse do caminho, com o coração um pouco acelerado, ele se posicionou onde ela estava.
— Está vendo como meu dedão e meu indicador estão sempre segurando a ponta superior do taco? Você só precisa...
Celaena o empurrou para fora do caminho com um movimento de quadril e pegou o taco das mãos de Dorian.
— Sei como segurar, seu palhaço. — Ela tentou acertar a bola e errou de novo.
— Não está movendo o corpo do jeito certo. Aqui, apenas deixe-me mostrar.
Embora fosse o truque mais antigo e mais calhorda do mundo, Dorian passou o braço por cima dela e apoiou a mão sobre aquela de Celaena que segurava a ponta do taco. Então, ele posicionou os dedos da outra mão dela sobre a parte de cima, antes de, vagarosamente, segurar o punho da assassina.
Para o descontento de Dorian, o rosto dele ficou mais quente.
Os olhos do príncipe se voltaram para ela e, para seu alívio, ele viu que Celaena estava tão vermelha quanto ele, ou até mais.
— Se não parar de apalpar e começar a ensinar, vou arrancar seus olhos e colocar essas bolas de bilhar no lugar.
— Olhe, tudo o que precisa fazer é... — Dorian relembrou os passos com ela, e Celaena acertou a bola com sutileza. Ela foi para um canto e quicou para dentro de uma caçapa. O príncipe se afastou de Celaena e deu um risinho. — Está vendo? Se fizer direito, funcionará. Tente de novo.
Dorian pegou o taco.
Celaena deu uma risada de escárnio, mas, mesmo assim, se posicionou, mirou e acertou a bola. A bola branca disparou pela mesa, criando um caos generalizado.
Mas pelo menos fez algum contato.
Dorian pegou o triângulo e o ergueu no ar.
— Gostaria de jogar?
O relógio bateu 2 horas antes que eles parassem. Dorian pedira sobremesas no meio do jogo e, embora Celaena tenha protestado, engoliu o maior pedaço de bolo de chocolate e depois comeu todo o pedaço dele também.
Dorian ganhou todos os jogos, mas Celaena mal reparara. Sempre que acertava a bola, ela se vangloriava sem vergonha. Quando errava – bem, nem mesmo os fogos do Inferno podiam se comparar ao ódio que irrompia da boca da jovem. Dorian não conseguia se lembrar de ter rido tanto.
Quando Celaena não estava xingando e gritando, os dois conversavam sobre os livros que liam e, conforme Celaena tagarelava, Dorian sentia como se a garota não dissesse uma palavra há anos, e tinha medo de que ela de repente ficasse muda de novo. A assassina era assustadoramente inteligente. Entendia o príncipe quando ele falava sobre história ou política – embora alegasse odiar o assunto – e até mesmo tinha muito a dizer sobre o teatro. Dorian, de alguma forma, acabou prometendo levá-la a uma peça após a competição. Um silêncio desconfortável surgiu depois disso, mas passou rapidamente.
O príncipe estava jogado em uma poltrona, descansando a cabeça em uma das mãos. Celaena estava deitada, esparramada na poltrona diante da dele, as pernas pendendo de um dos braços. Ela encarou o fogo com as pálpebras quase fechadas.
— O que está pensando? — perguntou Dorian.
— Não sei — respondeu ela. Celaena deixou a cabeça cair até o braço da poltrona. — Acha que o assassinato de Xavier e dos outros campeões foi intencional?
— Talvez. Faz diferença?
— Não. — Celaena agitou a mão no ar de forma preguiçosa. — Deixe para lá.
Antes que Dorian pudesse perguntar mais, a jovem caiu no sono.
Ele desejou saber mais sobre o passado dela. Chaol somente lhe dissera que Celaena vinha de Terrasen e que a família dela estava morta. Não tinha a mínima ideia de como fora a vida dela, como havia se tornado uma assassina, como aprendera a tocar piano... Era tudo um mistério.
O príncipe queria saber tudo sobre ela. Desejava que Celaena simplesmente lhe contasse. Dorian se levantou e se espreguiçou. Ele colocou os tacos na estante, organizou as bolas e voltou para a assassina dorminhoca. O príncipe a sacudiu com cuidado, e Celaena gemeu em protesto.
— Você pode querer dormir aí, mas vai se arrepender profundamente pela manhã.
Mal abrindo os olhos, ela se levantou e se arrastou até a porta. Quando Celaena havia quase atravessado o portal, Dorian decidiu que era necessário um braço guia antes que a jovem quebrasse alguma coisa. Tentando não pensar no calor da pele dela sob sua mão, o príncipe a guiou para o quarto e observou Celaena cambalear até a cama, onde ela caiu sobre os cobertores.
— Seus livros estão ali — murmurou ela, e apontou para uma pilha ao lado da cama.
Dorian entrou no quarto devagar. Celaena ficou deitada, imóvel, os olhos fechados. Três velas queimavam em diversas superfícies. Com um suspiro, ele as apagou antes de se aproximar da cama. Ela estava dormindo?
— Boa noite, Celaena — disse Dorian.
Era a primeira vez que a chamava pelo nome. Saiu da língua dele de modo agradável. Celaena murmurou algo que parecia “nonu” e não se moveu. Um colar interessante reluzia sobre a garganta dela. Dorian achou que parecia familiar, de alguma forma, como se o tivesse visto antes. Com um olhar final, ele pegou a pilha de livros e saiu do quarto.
Se Celaena se tornasse a campeã do rei e mais tarde ganhasse liberdade, será que continuaria a mesma? Ou era tudo aquilo uma fachada para conseguir o que queria? Mas Dorian não conseguia imaginar que a jovem estivesse fingindo. Não queria imaginar que ela estava fingindo.
O castelo estava silencioso e escuro conforme Dorian caminhava de volta para o quarto.

19 comentários:

  1. Owwwnt esse cara é fofo quando se esforça *w*

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkkkk, eles são tão fofos. Celeane me lembra a mim quando não sei das coisas começo a gritar e xingar! kkkkkkkkkkkkkkk
    Ass: Bina.

    ResponderExcluir
  3. Bom, acho que Cain está envolvido com as mortes. Para aumentar a sua força e habilidades!
    Pensei nisso porque ele estava mexendo nos símbolos de wyrd embaixo das gárgulas, e Celaena disse que ele parecia maior!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pensei a mesma coisa, principalmente por causa daquele anel preto que ele nunca tira! ele tem alguma coisa nessa história

      Excluir
  4. Ele reconhece o colar gentem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muuuuuuito suspeito!

      Excluir
    2. Fiquei pensando... Será que a torre do relógio é um portal?

      Excluir
  5. O truque de ensinar a jogar sinuca é muito clichê! Hehehehe. Que droga, o livro não ajuda, fica alternando os momentos fofos com Chaol e Dorian. Ver ela matando Cain, nada.

    ResponderExcluir
  6. Suspeito que Cain não é humano, junta isso com o pessoal que acha que a torre do relógio é um portal, que ele tava estranho lá, aquele anel estranho...iludida sou eu tentando dormir e pensando nisso.

    ResponderExcluir
  7. Pareço eu e os meus ataques de raiva.

    "Um gritinho de ódio irrompeu da garganta de Celaena, e a assassina correu até a caçapa. Primeiro, ela gritou com a bola, então pegou o taco nas mãos e o mordeu, ainda gritando entredentes. Finalmente, a assassina parou e deu um tapa para que a bola três entrasse."

    ResponderExcluir
  8. Eu acho que shippo mais a Celaena com o Chaol...

    ResponderExcluir
  9. Dorian pedira sobremesas no meio do jogo e, embora Celaena tenha protestado, engoliu o maior pedaço de bolo de chocolate e depois comeu todo o pedaço dele também.
    É tipo eu comendo kkk

    ResponderExcluir
  10. Será que ele tem parentesco com a Rainha que falou com Celeana????

    ResponderExcluir
  11. Eu acho que esse relógio é um portal que dá pra um lugar ruim...

    E esse tal de Cain sabe disso...

    Ass:Sann

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!