31 de janeiro de 2016

Capítulo 15

Embora jamais fosse admitir, Celaena não sabia o que esperar da primeira prova. Com todo o treinamento nos últimos cinco dias, a prática com diversas armas e técnicas, seu corpo doía. Isso era outra coisa que a campeã também não admitiria, mesmo que mal conseguisse esconder a dor latejante. Quando entrou com Chaol no salão de treinamento pela manhã, Celaena observou os outros competidores e lembrou-se de que não era a única que não fazia ideia do que vinha pela frente. Uma imensa cortina negra fora estendida no meio da sala, impedindo a visão da outra metade. O que quer que houvesse do outro lado decidiria o destino de um deles.
A balbúrdia de sempre dera lugar ao chiado uniforme dos sussurros – e ao invés de espalhados, os competidores permaneceram perto dos treinadores.
Celaena manteve-se junto de Chaol, como fazia todos os dias. A presença dos patrocinadores no mezanino acima do chão quadriculado era incomum. Um aperto fechou-lhe a garganta quando o olhar da campeã cruzou com o do príncipe herdeiro. Além do episódio dos livros, Celaena não o vira nem conversara com ele desde a reunião com o rei. O príncipe deixou escapar um sorriso, os olhos azuis como safiras brilhando sob o sol matutino. Ela respondeu com um sorriso discreto e virou-se rapidamente.
Brullo postava-se ao pé da cortina, a mão coberta de cicatrizes pousada sobre o cabo da espada. Celaena estudava a cena. Alguém se posicionou ao seu lado.
Ela sabia quem era antes de ouvir a voz.
— Um pouco dramático, não acha?
Celaena olhou para Nox de soslaio. Chaol se retesou, e ela sentiu o capitão perscrutar o ladrão, com certeza imaginando se os dois formulavam um plano de fuga que envolvia a morte de todos os integrantes da família real.
— Depois de cinco dias de treino descerebrado — respondeu a assassina em voz baixa, ciente de que pouca gente falava no salão naquele momento — um pouco de emoção me deixa contente.
Nox abafou uma gargalhada.
— O que acha que vai ser?
Celaena deu de ombros, mantendo a atenção fixa na cortina. Mais e mais competidores chegavam e logo o relógio marcaria 9 horas – o horário em que teria início a prova.
— Tomara que seja uma matilha de lobos devoradores de carne que teremos de enfrentar com as mãos. — Celaena se virou totalmente para Nox e exibiu um sorriso torto. — Não seria divertido?
Chaol pigarreou com sutileza. Não era hora de conversar. Celaena enfiou as mãos nos bolsos das calças pretas.
— Boa sorte — disse ela a Nox antes de caminhar para a cortina seguida por Chaol.
Quando já haviam se afastado, Celaena sussurrou:
— Nem ideia do que está atrás da cortina?
Chaol balançou a cabeça.
Ela ajustou o espesso cinto de couro que trazia à cintura. Um cinto desenhado para suportar o peso de várias armas. A leveza agora lembrava Celaena do que perdera – e do que tinha a ganhar. A morte do Devorador de Olhos no dia anterior fora uma boa coisa em pelo menos um sentido: era um competidor a menos.
Celaena ergueu o rosto na direção de Dorian. Ele provavelmente conseguia ver o que estava atrás da cortina. Por que não ajudar a trapacear um pouco? Os olhos dela percorreram os outros patrocinadores – um grupo de nobres bem-vestidos – e Celaena mordeu os lábios quando viu Perrington. O homem sorria maliciosamente enquanto observava Cain, o qual alongava os braços musculosos. Será que Perrington lhe contara o que havia além da cortina?
Brullo pigarreou.
— Atenção agora! — conclamou. Todos os competidores tentaram parecer calmos quando ele se dirigiu ao centro da cortina. — A primeira prova chegou. — Brullo tinha um sorriso largo no rosto, como se o segredo por trás da cortina fosse atormentá-los profundamente. — Por ordem de Sua Majestade, um de vocês será eliminado hoje; um de vocês será considerado indigno.
Ande logo, pensou Celaena, trincando os dentes.
Como se tivesse lido seus pensamentos, Brullo estalou os dedos, e um guarda de pé junto à parede puxou a cortina. Centímetro a centímetro, o tecido deslizou até que...
Celaena comprimiu os lábios para não rir. Arco e flecha? Um concurso de arco e flecha?
— As regras são simples — declarou Brullo. Atrás dele, cinco alvos estavam espalhados pelo salão. — Vocês terão cinco tiros, um por alvo. Quem tiver a pior mira, volta para casa.
Alguns competidores começaram a balbuciar, mas Celaena se continha para evitar um sorriso. Infelizmente, Cain nem tentou esconder o sorriso triunfante.
Por que ele não tinha sido encontrado morto?
— Vocês irão um por vez — disse Brullo, e atrás dele, dois soldados surgiram empurrando um carrinho repleto de arcos e aljavas carregadas de flechas. — Formem uma fila em frente à mesa para determinar a ordem. A prova começa agora.
Celaena esperava que todos corressem até a longa mesa abarrotada de arcos e flechas idênticos, mas, aparentemente, nenhum dos outros 21 competidores tinha pressa de voltar para casa. Celaena fez menção de entrar na fila, mas Chaol agarrou seu ombro.
— Não se exiba — advertiu ele.
A campeã sorriu com doçura e afastou a mão que a segurava.
— Vou tentar — ronronou ela, juntando-se à fila.
Dar-lhes flechas era um grande voto de confiança, mesmo que as pontas estivessem embotadas. Uma ponta cega não impediria uma das setas de atravessar a garganta de Perrington – ou de Dorian, se assim quisessem.
Era uma perspectiva interessante, mas Celaena manteve a atenção nos competidores. Com 22 campeões e cinco disparos para cada um, seria um teste terrivelmente longo. Graças a Chaol, ela ocupava o fim da fila – não o último lugar, mas apenas três à frente do último. Para trás o bastante para que assistisse a todos antes da própria vez, inclusive Cain.
Os outros competidores se saíram suficientemente bem. Os imensos alvos circulares eram compostos de cinco anéis coloridos – o amarelo marcava o central, com apenas um pontinho preto indicando o centro do alvo. Quanto mais distante, menor ficava o alvo e, como era uma sala imensa, o último estava a uns bons 65 metros de distância.
Celaena correu os dedos ao longo da suave curva do arco de teixo. O arco fora uma das primeiras habilidades que Arobynn lhe ensinara – uma obrigatoriedade no treinamento de qualquer um em seu ramo. Dois dos assassinos provaram isso com disparos fáceis, habilidosos. Embora não tivessem atingindo o centro do alvo e os tiros tivessem perdido qualidade conforme os alvos ficavam mais distantes, quem os treinara sabia o que estava fazendo.
Pelor, o assassino desengonçado, ainda não estava forte o suficiente para manusear um arco longo e mal efetuou disparos. Quando terminou, com os olhos repletos de tristeza, os campeões soltaram risinhos, e Cain gargalhou ruidosamente.
A expressão de Brullo era sombria.
— Alguém o ensinou a usar um arco, garoto?
Pelor ergueu a cabeça, fitando o mestre de armas com uma insolência surpreendente.
— Sou melhor com venenos.
— Venenos! — Brullo ergueu as mãos. — O rei quer um campeão, e você não conseguiria acertar nem uma vaca no pasto! — O mestre de armas fez um gesto para que Pelor se fosse.
Os outros campeões riram de novo, e tudo o que Celaena queria era rir com eles. Mas Pelor suspirou profundamente e relaxou os ombros, então se juntou aos outros competidores que haviam terminado. Se ele fosse eliminado, para onde o levariam? Para a prisão? Para algum outro buraco infernal? Apesar de tudo, Celaena sentia muito pelo garoto. Suas tentativas não foram tão ruins.
Foi Nox, na verdade, quem mais a surpreendeu – três flechas cravadas com precisão no centro dos alvos mais próximos, e as duas últimas junto à borda do círculo central. Talvez ela devesse considerar uma aliança com ele. Pela forma como os outros competidores o encaravam enquanto Nox rumava para o fundo da sala, Celaena soube que pensavam a mesma coisa.
Cova, o assassino repulsivo, saiu-se bem, imaginou ela. Quatro flechas no centro e o último tiro na borda do anel central do alvo. Então foi a vez de Cain caminhar até a linha branca pintada no fundo da sala, sacar o arco de teixo, exibindo o anel negro e reluzente no dedo, e disparar.
Outra vez, e outra, e mais uma, num intervalo de apenas alguns segundos. Quando o choque da última flecha no suporte de madeira parou de ecoar pela câmara em silêncio, Celaena sentiu o estômago revirar. Cinco flechas no centro do alvo.
O único consolo era que nenhum dos outros competidores atingira o ponto negro – o centro perfeito. Só um passou bem perto.
Por alguma razão, a fila começou a se mover rapidamente. Tudo em que Celaena conseguia pensar era em Cain – Cain sendo aplaudido por Perrington, Cain recebendo tapinhas nas costas de Brullo, Cain recebendo toda a glória e atenção. Não porque era uma montanha de músculos, mas porque de fato merecera.
Subitamente, Celaena viu-se diante da linha branca, estudando o amplo salão à frente. Alguns dos homens riram – em silêncio – e ela manteve a cabeça erguida enquanto alcançava uma flecha no ombro e preparava o arco.
O grupo treinara arco e flecha alguns dias antes, e ela se saíra muito bem. Tão bem quanto era possível sem chamar atenção. Celaena havia matado homens de distâncias maiores que o alvo mais distante. Tiros perfeitos, direto na garganta.
A jovem tentava engolir, mas sua boca estava seca.
Sou Celaena Sardothien, Assassina de Adarlan. Se estes homens soubessem quem sou, parariam de rir. Sou Celaena Sardothien. Vencerei. Não sentirei medo.
Celaena puxou a corda do arco e sentiu os músculos do braço arderem com o esforço. Ela ignorou todos os ruídos, os movimentos, tudo o que não fosse o som da própria respiração, concentrando-se exclusivamente no primeiro alvo. A campeã inspirou suavemente. Ao soltar o ar, soltou a flecha.
No centro do alvo.
O nó em seu estômago afrouxou, e Celaena exalou o ar pelas narinas. Não fora um tiro perfeito, mas ela não queria que fosse.
Alguns homens pararam de rir, mas Celaena sequer tomou conhecimento da presença deles quando preparou outra flecha, disparando-a no segundo alvo. A jovem mirou no limite do anel interior e o acertou com precisão letal. Se quisesse, poderia ter feito um círculo de flechas. E se houvesse munição.
No terceiro alvo, novamente o centro – mirando a linha divisória, mas atingindo a área interna. Celaena fez o mesmo com o quarto alvo, mais direcionou a seta para a outra extremidade do anel interior. Onde a assassinava mirava, a flecha atingia.
Quando esticou o braço para armar a última flecha, Celaena ouviu um dos competidores, um mercenário ruivo chamado Renault, rir com escárnio. Ela segurou o arco com firmeza o suficiente para que a madeira gemesse, então preparou o último disparo.
O alvo era pouco mais que um borrão colorido. Àquela distância, o centro não passava de um grão de areia na vastidão da sala. Celaena mal conseguia distinguir o pequeno ponto que marcava o centro – o ponto que ninguém conseguira acertar, nem mesmo Cain. O braço da assassina tremeu quando ela se esforçou para retesar um pouco mais a corda. Ela disparou.
A flecha pousou exatamente no centro do alvo, fazendo sumir o ponto negro.
Todas as risadas cessaram.
Ninguém dirigiu-lhe a palavra, quando Celaena se afastou da linha branca e atirou o arco de volta no carrinho. Chaol fez uma expressão de irritação – ela obviamente não fora tão discreta quando deveria – mas Dorian sorria. Celaena suspirou e reuniu-se com os campeões que esperavam o fim da competição, mantendo-se afastada de todos.
Quando os resultados foram comparados pelo próprio Brullo, um dos soldados do exército, e não o jovem Pelor, foi eliminado. Mesmo passando longe da derrota, Celaena não aguentava – simplesmente não aguentava – o sentimento de que, na verdade, não ganhara coisa alguma.

17 comentários:

  1. Tenho que admitir que eu realmente esperava alguma luta ou animais selvagens, mas Cel arrasou simplesmente. To ficando nervosa

    ResponderExcluir
  2. Pelo menos ela mostrou que tem fibra! Vamos Celaena eu torço por você! Já repararam como isso parece um pouco com a seleção e jogos vorazes?!
    Ass: Bina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só percebi a semelhança com A Seleção quando alguém comentou sobre os pretendentes da Celaena: o príncipe e o guarda hauehau

      Excluir
    2. Verdadeee
      E já a semelhança com jogos vorazes é essa competição <3 n é igual, mas parece por conta dos competidores serem bem treinados como no distrito 2

      Excluir
    3. foi a semelhança sitada por alguém que leu essas series que eu comecei a ler essas. e de fato tem um pouco das duas de uma forma ou de outra.

      Excluir
  3. TAQUIPARIU O NEGÓCIO TA ESQUENTANDO.Eu saí correndo pela casa que nem doida hahahahaa

    ResponderExcluir
  4. MDS!!!! Eu to AMANDO MUITO esse livro!!! Cel torço por VC!! Mas... Sou apenas eu q acho q eh o Cain q está fazendo esses assassinatos? Tipo ... Acho q tem algo de estranho com aquele anel...

    ResponderExcluir
  5. Eu reparei que parece jogos vorazes..k

    ResponderExcluir
  6. por que eu acho que ela vai acabar se ferrando por ser tao egocentrica?

    ResponderExcluir
  7. Alguém aí também achou que o Cain ser todo bonzão tem a ver com o anel que ele usa nos treinos? Pra mim, tem magia da braba aí...

    Meg

    ResponderExcluir
  8. Tá parecendo até aquela cena dos Jogos Vorazes em que a Katniss atira uma flecha na maçã e diz "Obrigada pela consideração"

    ResponderExcluir
  9. Ela tinha que divar msm!! Cel é uma personagem que não ta no meu coração e não vai sair. Magnus Bane, Leo Valdez, Katniss, Sadie, Número Nove, Will e Jace Herondale, Tessa, Percy, Hermione, Cam, Horace, Rose, Magnus Chase, e os outros vão ter que se apertar, pq a Cel me conquistou! <3

    ResponderExcluir
  10. Ela é bem vaidosa! Não está nada feliz de não se mostrar! A grande assassina! Kkkk
    cel vc é demais! Agüenta firme! No final vc se mostra!🤗

    ResponderExcluir
  11. Anão, não é possível!!! Ela devia mostrar o GRANDE POTENCIAL dela, se é pra ganhar essa coisa tem que botar pra ganhar de verdade, não se fingir de mais ou menos. Espero que isso mude.

    ResponderExcluir
  12. É um saco ser super FODONA e não poder mostrar suas habilidades!

    ResponderExcluir
  13. Só eu que ri muito por imaginar as caras dos competidores?

    ResponderExcluir
  14. Gente, eu to achando que esse anel do Cain tem magia nele '-' não é possível, sempre ele está com esse anel negro

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!