2 de novembro de 2015

Trinta e três

Passamos pela antiga loja de Roman, Renascença!, embora não planeje entrar, pois é cedo demais para isso. A última coisa que preciso é de outro confronto com Haven ou com qualquer um dos outros imortais que trabalham ali. Ainda assim, vou mais devagar quando me aproximo, rapidamente calculando quanto tempo faz desde a última vez que estive aqui, e mais do que curiosa para ver o que aconteceu agora que Roman não está mais por perto.
Mesmo esperando algum tipo de mudança, nunca imaginei encontrar a loja fechada desse jeito. As vitrines vazias, os mostruários, que eram cuidadosamente organizados, desfeitos e removidos. A porta não apenas está trancada, mas também tem uma placa que indica:
Fechado!, com um rabisco adicional embaixo, feito à mão, dizendo: para sempre!
— Sei que não deveria estar surpreso, mas, ainda assim, não esperava por isso — diz Damen, com a voz suave e baixa, olhos fixos na placa. — Achei que Haven assumiria o negócio, ou até mesmo Marco, Misa ou Rafe.
Concordo balançando a cabeça e estaciono o carro perto da calçada. Nós dois descemos, cruzamos a rua e ficamos parados na frente da loja. Pela vitrine, olhamos para alguns dos móveis maiores — sofás, mesas e mostruários —, que, por alguma razão, foram abandonados.
Vemos que os itens menores, como roupas e jóias e coisas do tipo, com poucas exceções, não estão mais lá.
E não consigo evitar me perguntar quem tomou essa decisão, quem decidiu fechar a loja para sempre, bem como quem Roman poderia ter deixado no comando.
Por ser imortal e tudo mais, duvido que algum dia ele tenha pensado em fazer um testamento.
Passo os olhos rapidamente à volta para me certificar de que ninguém está atento ao que fazemos, depois fecho os olhos e abro a porta com a mente. Adianto o plano original de esperar até anoitecer, percebendo que, do jeito que as coisas vão, o lugar pode estar vazio até lá, então é melhor que façamos nossa investida enquanto podemos.
— Você está se sentindo cada vez mais a vontade com essa coisa de invasão de propriedades — diz Damen, com os lábios próximos aos meus ouvidos enquanto me segue até lá dentro. — Devo me preocupar?
Rio, uma espantosa explosão de som que ecoa no espaço vasto e pé-direito alto. Faço um sinal para que Damen feche a porta, coloco as mãos no quadril e dou uma boa olhada em volta, fazendo uma pausa para fechar os olhos e usar todos os sentidos, tentando extrair informação do recinto, sintonizar-se com o lugar onde a camisa manchada poderia estar escondida, enquanto Damen fica atrás de mim fazendo o mesmo.
Sem conseguir quase nada, decidimos começar por onde estamos. Olhamos dentro dos armários antigos e cômodas caindo aos pedaços, procurando em todos os lugares rapidamente, de forma metódica, mas sem encontrar o que queremos.
Damen vai para a parte de trás, o espaço que Roman usava como escritório, e ao chegar lá dentro pede que me junte a ele.
Está uma bagunça. Uma completa bagunça. Como se um tornado tivesse passado por ali.
Lembro-me de como a loja de Jude estava no dia em que Haven nos deixou para morrer e entendo isso como um sinal claro de que ela é a responsável por esse estado.
Abrimos caminho pelas enormes pilhas de papel espalhadas por todo o chão. Damen pisa com leveza, cuidadosamente, enquanto eu já não sou tão graciosa e escorrego algumas vezes, fazendo com que ele tenha que me segurar para impedir que eu caia.
Desvio de uma cadeira de cabeça para baixo, escorrego ao redor de um conjunto muito feio de almofadas verdes estampadas, que foram retiradas de um pequeno sofá de dois lugares que está enfiado num canto. Paro por tempo suficiente para que Damen tire um arquivo vazio de meu caminho. Depois vamos até uma escrivaninha que está quase tão cheia de coisas quanto o chão, coberta por uma mistura de papéis, xícaras e livros e uma poeira tão espessa que mal se pode distinguir a bela madeira entalhada por baixo dela. Nós dois espiamos em cada gaveta, cada canto, até temos certeza de que não está aqui, até ficarmos convencidos de que não está escondida em lugar algum.
Damen fica parado atrás de mim, com uma expressão mais próxima de determinação que de decepção, já que nunca acreditou que encontraríamos a camisa com muita facilidade. E, apesar de ele planejar ir embora, ainda não estou pronta para segui-lo. Não consigo parar de olhar para a pequena adega climatizada no canto: o fio fora da tomada, a porta não apenas aberta, mas também arrancada de suas dobradiças.
Uma pequena e inofensiva adega sem nada de especial, exceto o fato de eu ter certeza de que já esteve cheia de elixir, embora não imagine quem a possa ter esvaziado.
Será que foram Misa e Marco, vistos pela última vez pulando uma cerca levando elixir roubado?
Será que foi Rafe, que, bem, não vejo há tanto tempo que nem mesmo sei se está por perto?
Ou foi Haven, que, ao menos pelo que vi, parece ter desenvolvido um sério vício em elixir?
E, mais importante ainda, isso realmente interessa, considerando que minha única preocupação verdadeira é obter a camisa?
Damen me cutuca com o cotovelo, pronto para partir. E, já que não há motivo para ficar, nada a se ganhar aqui, dou uma última espiada em volta, certificando-me de que não deixei de ver nada. Então o sigo até a porta e nós dois saímos tão rápida e discretamente quanto entramos.
Sem nem chegar perto de conseguir o que precisávamos, embora mais seguros que nunca de que definitivamente estamos evoluindo, fazendo algum tipo de progresso.
O mundo de Haven não está somente demonstrando sinais de desgaste; está desmoronando a seu redor. E agora é questão de tempo até que ela peça ajuda ou se autodestrua completamente.
De um jeito ou de outro, pretendo estar lá.

5 comentários:

  1. Serio só eu continuo a ler esse livro? Será que todos parou na parte que tá ficando melhor_na minha opinião_? Nenhum comentário... Nenhuma reação...
    Tô com saudade dos comentários...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu também estava com saudades desde os outros livros, porque todo mundo foi abandonando depois do segundo o livro, sei que ficou chata em certo momentos, mas continuei pelo Damen e pela Ever! e os comentários e as reações sãos umas das melhores parte

      Excluir
  2. Eu to lendo só que aos poucos pois estou lendo outros livros

    ResponderExcluir
  3. Finalmente essa série está voltando a ser boa, coisa que parou depois do segundo livro. Sério, se não fosse a minha paciência, curiosidade e esperança de que melhorasse até o final do último livro... Eu já tinha desistido.

    ResponderExcluir
  4. vdd essa serie é meio lenta , e mta coisa chata desnecessária, mais tem coisas legais tb, por isso continuo lendo .... firme ate o fim rs

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!