2 de novembro de 2015

Cinco

Eu deslizo pelo portão lateral em direção da rua, os sons suaves de Sabine e Muñoz rindo e aproveitando o último dos seus vinhos na beira da piscina atrás de mim faz-me entrar em uma corrida. Cuidando para moderar o ritmo, indo nem tão rápido e nem tão devagar, relutante para atrair qualquer atenção indevida de qualquer um que possa ver.
Foi muito ruim ter que explicar isso para Sabine. Especialmente depois de ter engolido apenas três quartos de um peito de frango grelhado, uma porção de salada de batata, o milho na espiga inteira e uma taça e meia de nenhum refrigerante de que eu estava nem um pouco interessada, e que, no fim, só pareceu levantar uma nova suspeita.
Sua voz totalmente alterada e esganiçada ficou completamente alerta quando ela disse:
— Agora? Mas logo vai estar escuro. E você nem comeu direito!
Seu olhar sempre atento pairando sobre mim, uma nova possibilidade formada em sua cabeça – prática de bulimia!
Tendo descartado a anorexia e a bulimia claramente velha para explicar o meu comportamento estranho e ainda mais estranho os meus hábitos alimentares – Ela está em algo novo agora, não deixando nenhuma dúvida de que uma visita para os corredores da nossa livraria local de auto-ajuda vai ser exprimida em sua agenda no fim de semana.
E eu desejo que eu possa explicar isso para ela, sentar-se ao seu lado e dizer: “Relaxe. Não é nada do que você pensa. Eu sou imortal. O suco é tudo que eu preciso para sobreviver. Mas agora eu tenho um pequeno problema com feitiços para resolver, não espere!”.
Mas isso nunca vai acontecer. Isso não pode acontecer. Damen foi claro sobre como manter nossa imortalidade em segredo. E depois de ver o que aconteceu quando ele deu isto em mãos erradas, eu tenho que dizer que concordo cem por cento com ele.
Mas manter isso em segredo tem sido um dos meus maiores desafios, e é aí que entra a corrida. Eu sou agora, oficialmente (ou pelo menos onde Sabine e Muñoz estão preocupados) uma pessoa que coloca uma camiseta, tênis e shorts e vai para uma corrida a noite.
Uma boa desculpa saudável para ficar fora de casa e longe de Muñoz, que eu não posso ajudar, mas como uma pessoa, apesar de que eu nunca quis conhecê-lo como uma pessoa.
Uma boa desculpa saudável para ficar longe de uma tia que é tão gentil, atenciosa e prestativa para mim que eu não posso ajudar, mas me sinto a pior sobrinha do mundo pelos problemas que causei.
Uma boa desculpa saudável para fugir de duas maravilhosas pessoas de bom coração para que eu possa satisfazer uma mais escura, nada saudável, obsessão.
Alguém que tem um poder sobre mim.
Alguém que eu estou determinada a derrotar.
Faço uma rápida curva a esquerda para próxima rua, observando como os carros, o asfalto, as calçadas, as janelas estão todas salpicadas com o ouro polido que o fim da tarde traz — o resultado da primeira e última luz do sol quando tudo parece mais suave, mais quente, banhado pela névoa avermelhada do sol.
Meus músculos bombeando, os pés se movendo mais rápido, aumentando a velocidade, apesar de eu conhecer melhor, apesar de eu tentar desacelerar — É muito perigoso, arriscado demais, alguém poderia ver — e ainda sim eu continuo indo. Incapaz de parar. Eu não me controlo mais.
Apontando para o meu destino como uma flecha de uma bússola, todo o meu ser esta focalizado em um único ponto.
Carros, casas, pessoas — tudo ao meu redor é reduzido a um único borrão alaranjado – eu passo rua após rua. Meu coração batendo com força contra meu peito — mas não por causa da corrida ou esforço, porque a verdade é que eu mal suo.
Este fio vivo dentro de mim está ansioso sobre a proximidade.
O simples fato de que eu estou quase perto- Quase lá.
Como um canto de uma sereia me impulsionando para a ruína incerta, e eu não posso tentar obter com muita rapidez.
No segundo que o vejo, eu paro. Meu olhar estreita e tudo à minha volta deixa de existir. Olhando para porta de Roman como uma besta, tento recuar. Renovando a minha vontade de superar este estranho, estrangeiro pulso agora batendo em mim, querendo apenas escorregar para dentro, casualmente, facilmente, e confrontá-lo de uma vez por todas para que possamos pôr fim a tudo isso.
Forçando-me a tomar respirações longas, profundas como eu chamo a força que eu preciso. Só para ter que o primeiro passo quando ouço alguém chamar meu nome, uma voz que eu nunca esperava ouvir de novo.
Ele vem em minha direção, cabeça inclinada para o lado, tão fria e casual como uma brisa de verão. Seu braço esquerdo enfaixado e fortemente envolvido em um sling azul marinho, parando desconfiado perto de mim, propositalmente posicionando-se fora do meu alcance, quando ele diz, — O que você está fazendo?
Eu engoli seco, aliviada ao sentir a diminuição da pulsação, recuando, e ainda me assusto percebendo que o meu primeiro instinto não seria correr, não iria terminar o trabalho e colocar o resto do corpo em uma tipóia - mas para mentir. Para criar qualquer desculpa que eu possa explicar minha aquecida, escancarada presença, praticamente salivando, mesmo diante da loja de Roman.
— O que você esta fazendo?— eu pisco, podia ver cada fenda de seus olhos. Sabendo que dificilmente é uma consciência encontrá-lo aqui também. Afinal, eles são bons amigos, membros no mesmo clube trapaceiros de imortais.
— Oh, e suporte legal, a propósito!
Eu aponto em direção a seu braço, supostamente quebrado, o que provavelmente proporciona uma cobertura muito boa para aqueles que não conhecem nada melhor. Muito mal eu acho.
Ele olha para mim, sacudindo a cabeça e coçando o queixo, a voz estável, calma, quase convincente quando ele diz — Ever, você está bem? Você não parece estar muito bem...
Eu balanço minha cabeça e rolo os olhos, — Boa tentativa Jude. Eu te dou crédito por isso!— babaca o que diabos você está falando com o olhar — Sério! Fingindo preocupação por mim, fingindo uma lesão, você está preparado para ir até o fim com isso, não é?
Ele franze a testa, cabeça inclinada de um modo que permite que alguns pedaços de dreads castanho dourado caíssem sobre o ombro e as terras a poucos centímetros, tímido de sua cintura. Seu rosto enganosamente bonito e amigável todo enrugado e sério quando ele diz:
— Acredite em mim, eu não estou fingindo. Eu queria que estivesse. Lembra quando você me pegou como se eu fosse algum tipo de Frisbee e me atirou para fora do seu quintal?— ele se movimenta em direção ao seu braço — Este foi o resultado. Uma boa carga de contusões, uma fratura no rádio, e algumas falanges seriamente contundidas – ou ao menos foi isso o que o doutor me disse.
Eu suspiro e balanço a cabeça. Não tendo tempo para esse tipo de charada. Eu preciso encontrar Roman e mostrar a ele que ele não pode me controlar – não significa nada para mim – mostrar para ele quem é o chefe por aqui. Claro que ele que de alguma forma, ele é responsável por parte pelo que está acontecendo comigo, e precisando convencê-lo a dar-me o antídoto e pôr fim a este jogo.
— Embora eu tenha certeza que todos os olhares e os sons muito acreditáveis para a maioria das pessoas, infelizmente para você, eu não sou como a maioria das pessoas. Eu sei mais. E o fato é você sabe que eu sei mais. Então vamos só parar com essa perseguição, ok? Rogues não podem se machucar. Não por muito tempo de qualquer jeito. Eles têm habilidades de cura instantânea, mas então você já sabia disso, não é?
Ele olha para mim, as sobrancelhas se franzindo em confusão, enquanto ele dá um passo para trás. E a verdade é que ele realmente ficou com o olhar perplexo, devo dizer.
— Do que você está falando?— ele olhou ao redor, depois voltou a olhar para mim — Rogues? Você está falando sério?
Eu suspiro, meus dedos batendo forte contra o meu quadril quando eu digo, — Hum, O-lá? Os membros malvados da tribo de Roman? Anel de alguma coisa?— eu balanço a cabeça e rolo os olhos — Não finja que você não é um deles... Eu vi sua tatuagem.
Ele continuou parado, aquela mesma confusão, uma expressão confusa ainda estampada em seu rosto. E tudo o que eu pude pensar foi: “Boa coisa ele não ser um ator, ele era péssimo”.
— Hum, O-lá! O Ouroboros? Nas suas costas?— eu rolo meus olhos — Eu vi! Eu sei o que eu vi. Você provavelmente quis que eu visse, ou que outro motivo teria para você me convencer a entrar no Jacuzzi com...— eu balanço minha cabeça — Tanto faz, vamos apenas dizer que aquilo que me disse era tudo o que eu precisava saber. Tudo o que aparentemente você queria que eu soubesse. Então se sinta livre para parar com o jogo a qualquer momento, eu já entendi tudo.
Ele está diante de mim, com a mão boa esfregando o queixo com seus olhos vagando pelos lados como se estivesse procurando por ajuda. Como se isso fosse ajudá-lo.
— Ever, eu tenho essa tatuagem há anos. De fato, eu...
— Oh, eu aposto!— eu aceno, recusando-me a deixá-lo terminar — Então me conte, há quanto tempo Roman transformou você? Que século terá sido? Dezoito ou dezenove? Qual é, pode me falar. Apesar de ter sido há muito tempo, eu tenho certeza que você nunca se esqueça de um momento como aquele.
Ele esfrega os lábios, incentivando as ondulações correspondentes a primavera em vista, mas isso não me distrai; esse tipo de coisa não funciona mais. Não que realmente tenha funcionado.
— Escute— diz ele, lutando para manter sua voz baixa e firme, apesar de sua aura dizer tudo, tendo uma súbita mudança na direção obscura e fragmentada, revelando toda a extensão de seu nervosismo — Honestamente, eu não tenho ideia do que você está falando! Sério, Ever, no caso de você não ter ouvido, isso está saindo um pouco da sanidade. E a verdade é, apesar de tudo isso, apesar de todo este...— ele respira fundo — Eu realmente gostaria de ajudar você , mas, bem ... Você parece bem apesar de todo esse negócio de rogues e tudo mais— ele balança a cabeça — Mas me deixa perguntar uma coisa: se esse cara, Roman é tão ruim quanto você diz, então porque você esta escondida do lado de fora da loja dele procurando por todos os lados e aquecida como um cão à espera de seu dono?
Eu olho entre ele e a porta, as bochecha ruborizadas, pulso acelerado, sabendo que fui pega no ato, mas sem intenção de admitir.
— Eu não estou espreitando , eu estou...— eu aperto meus lábios juntos, perguntando por que na terra estou me defendendo quando é ele que claramente é o único que não é bom — Além disso, não é como se eu pudesse fazer a mesma pergunta desde que, eu odeio quebrar isso, mas você está parado aqui também.— meus olhos se estreitam para ele, tomando a sua pele bronzeada, os dentes da frente ligeiramente tortos – provavelmente manteve assim de propósito, para manter as pessoas afastadas – pessoas como eu. E aqueles olhos – aqueles incríveis olhos azuis/verdes – os mesmos olhos que eu olhava há quatrocentos anos atrás. Mas não mais. Não desde que eu descobri que ele é um deles. Agora nós estamos oficialmente separados.
Ele encolhe os ombros e esfrega a tipóia protetora. — Nada sinistro, só indo para casa, é tudo. Se você ainda se lembra, nós fechamos cedo nos sábados.
Eu estreito meus olhos, não acreditando nele nem por um segundo. É tudo muito plausível. Quase acreditável. Mas não o bastante.
— Eu moro na rua.— ele se movimenta em direção a algum lugar desconhecido ao longe, um lugar que provavelmente nem sequer existe. Mas eu não o sigo. Meus olhos continuam nele. Eu não posso baixar minha guarda. Nem por um segundo. Ele pode ter me enganado antes, mas eu sei melhor. Agora eu sei o que ele é.
Ele dá um passo mais perto, devagar, com cautela, o cuidado de manter uma distância segura, ainda assim fora do meu alcance.
— Talvez nós possamos ir tomar um café ou algo assim? Ir a algum lugar calmo, onde nós possamos sentar e conversar? Você parece que precisa de uma pausa. O que você me diz?
Eu continuou estudando ele. Ele é persistente, vou dar esse crédito a ele — Claro.— eu sorri, balançando a cabeça em assentimento. — Eu amaria ir a algum lugar calmo, sentar, beber alguma coisa, e aproveitar um legal, e longo papo, mas primeiro, eu preciso que você me prove algo.
Seu corpo fica tenso e sua aura – sua falsa aura – oscila, mas eu não compro isso.
— Eu preciso que você prove que não é um deles.
Ele pisca, o rosto em uma nuvem de preocupação — Ever, eu não sei do que você ...
Suas palavras cortadas pela visão do athame que agora segurava na minha mão. Incrustado de pedras preciosas, lidar com uma réplica exata do que eu usei apenas algumas horas antes, imaginando que vou precisar de toda a sorte e proteção das pedras pode proporcionar, especialmente se isso vai do jeito que eu penso.
— Há apenas uma maneira de provar isso,— eu digo, a voz baixa, olhar fixo sobre o seu, dando um pequeno passo em frente que é logo seguido por outro. — E eu vou saber se você me enganar, então nem tente! Oh, e eu provavelmente deveria te alertar: eu não posso ser responsável por aquilo que vai acontecer depois que eu provar que você esta mentindo. Mas não se preocupe, como você sabe, isso só vai doer por um segundo ...
Ele me vê em movimento, indo direto para ele, e mesmo que ele tente o seu melhor para sair do meu caminho, eu sou muito rápida, e eu estou perto dele muito antes que ele mesmo perceba.
Aproveitando o braço bom e corto com meu athame através de sua pele, sabendo que é apenas uma questão de segundos antes de o sangue parar de jorrar e as beiradas da ferida se juntar novamente.
É só uma questão de tempo até que...
— Oh Deus! — eu sussurro, os olhos arregalados, a garganta seca, observando quando ele vacila, tropeça e quase perde o seu equilíbrio.
Seus olhos viajam de mim e o corte em seu braço, ambos observando enquanto o sangue escoa através de sua roupa e escorre para o chão, formando uma piscina crescente e vermelha.
— Você é louca? — ele grita — Que diabos você fez?
— Eu... — minha boca aberta em choque, incapaz de formar qualquer palavra, incapaz de desviar o olhar do horrendo corte que eu fiz.
Porque não cura? Porque continua a sangrar? Oh, merda!
— Eu... Eu sinto muito! Eu posso explicar... Eu...— eu chego mais perto dele, mas ele se afasta, desajeitado, trêmulo, querendo não ter mais nada haver comigo.
— Escute — ele disse, pressionando a tipoia na ferida, tentando parar o fluxo do sangramento, mas ele só está fazendo uma bagunça maior ainda. — Eu não sei qual é a sua ideia, ou o que está acontecendo com você, Ever, mas nós terminamos por aqui. Você precisa se afastar. Agora!
Eu balanço minha cabeça.
— Deixe-me levá-lo ao hospital. Tem um posto de emergência logo na rua de baixo... E eu vou...
Eu fecho meus olhos, manifestando uma toalha para prender contra a ferida até que possamos obter alguma ajuda profissional. Observando enquanto ele fica pálido e vacilante, sabendo que não temos mais tempo a perder.
Ignorando seus protestos, eu passo meu braço ao redor dele e o guio até o carro que eu acabei de manifestar. Aquela estranha pulsação insistente acalmou por agora, mas ainda me forçando a olhar por cima do meu ombro bem a tempo de ver Roman observando através da janela, com os olhos brilhando, rosto enrugado com uma risada, enquanto ele vira a placa da porta do ABERTO para o FECHADO.

4 comentários:

  1. kkkkkkkkkkkkk, acabei de comprovar que a Ever e realmente louca! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.
    Ass: Bina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também! E ela tá me deixando também eu acreditei que ele era imortal! Foi tonta! Pobre Jude!

      Excluir
  2. kkkkkk ela é louca ,coitado do Jude kkkkkkk

    ResponderExcluir
  3. Melhor capítulo até agora!

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!