20 de novembro de 2015

Capítulo 39

 Vencemos a batalha, mas não a guerra ― Elena comentou com tristeza.
Pensou nisso no dia seguinte à luta com os gêmeos kitsune. Não podia ter certeza de nada, só que estava viva, que Stefan se fora e que Damon voltara a sua antiga identidade.
 Talvez porque não tivemos meu precioso irmão  disse ele, como que para provar o raciocínio de Elena.
Eles estavam na Ferrari, tentando encontrar o Jaguar de Elena – no mundo real. Elena o ignorou. Ela também ignorou o silvo baixo mas vagamente irritante que vinha do dispositivo que ele instalara e que não era um rádio, só parecia reproduzir vozes e estática.
Um novo tipo de tábua Ouija? Áudio em vez daquele soletrar tedioso?
Elena se sentiu tremer por dentro.
 Você me deu a sua palavra de que ia procurá-Io comigo. E juro por... pelo Outro Lado.
 Você me disse que dei minha palavra, e você não é de mentir... Não para mim. Agora que é humana, posso ler suas expressões faciais. Se eu dei minha palavra, dei minha palavra.
Humana?, pensou Elena. Sou mesmo? O que eu sou? Com o tipo de Poder que tenho? Até Damon podia ver que o antigo bosque mudou no mundo real. Não era mais uma floresta velha e meio morta. Há flores de primavera em pleno verão. Há vida em toda parte.
 E de qualquer forma, terei muito tempo para ficar sozinho com você, minha princesa das trevas.
E voltamos a isso, pensou Elena, cansada. Mas ele me deixaria perdida aqui se eu sugerisse que nós rimos e andamos em uma clareira juntos – com ele de joelhos para me servir. Até eu estou começando a me perguntar se isso foi real.
Houve um ligeiro solavanco – quase como o que se podia dizer do estilo de direção de Damon.
 Peguei!  Damon se animou; depois, quando Elena se virou, pronta pargirar o volante e fazê-Io parar, ele acrescentou com frieza: ― Era um pedaço de pneu, para sua informação. Não existem muitos animais pretos, arqueados e com alguns centímetros de espessura.
Elena não disse nada. O que se podia dizer para o sarcasmo de Damon?
Mas no fundo ela estava aliviada por Damon não atropelar bichinhos peludos por diversão.
Vamos ficar a sós por um bom tempo, pensou ela – e percebeu que havia outro motivo para ela não dizer a Damon para ir se danar. Shinichi tinha colocado a localização da cela de Stefan na mente de Damon, não na dela. Ela precisava desesperadamente dele, para levá-Ia ao local e para lutar com o que quer que mantivesse Stefan cativo.
Mas não havia problema, já que ele se esqueceu de que ela tinha poderes. Algo para explicar em outra ocasião.
E nesse momento, Damon exclamou:
 Mas o que...  e se inclinou para a frente para ajustar os botões do não rádio.
―... repetindo; todas as unidades a postos em busca de Matthew Honeycutt, homem, caucasiano, 1,80m, louro, olhos azuis...
 Mas o que é isso? ― perguntou Elena.
 Uma transmissão do rádio da polícia. Se quiser realmente viver nesta grande terra da liberdade, é melhor saber quando fugir...
 Damon, não quero saber de seu estilo de vida. Quis dizer, o que falavam de Matt?
 Parece que eles decidiram prendê-Io, afinal. Caroline não conseguiu a vingança que queria ontem à noite. Acho que ela está tentando se vingar agora.
 Então vamos encontrá-Io primeiro... Qualquer coisa pode acontecer se ele ficar em Fell’s Church. Mas não pode ir no carro dele, e não poderia usar este aqui. O que vamos fazer?
 Deixá-Io com a polícia?
 Não, por favor, temos que...  Elena começava, quando em uma clareira à esquerda, como uma visão enviada para aprovar seu esquema, o Jaguar apareceu. ― É este carro que vamos usar. Pelo menos é espaçoso. Se quiser continuar ouvindo o rádio da polícia nele, é melhor começar a desinstalar do seu carro.
 Mas...
 Vou pegar Matt. Ele só dará ouvidos a mim. Depois vamos deixar a Ferrari no bosque... Ou largá-Ia no riacho, se preferir.
 Ah, no riacho, sem dúvida.
 Na verdade, talvez a gente não tenha tempo para isso. Vamos deixá-Ia no bosque mesmo.


Matt encarou Elena.
 Não. Não vou fugir.
Elena voltou toda a intensidade de seus olhos azuis para ele.
 Matt, entre no carro. Agora. Precisa fazer isso. O pai de Caroline é parente do juiz que assinou seu mandado de prisão. É um linchamento, segundo Meredith. Até ela está dizendo que você deve fugir. Não, você não precisa de roupas; depois a gente consegue.
 Mas... mas... Não é verdade...
 Eles farão com que seja. Caroline vai chorar, vai ficar aos prantos. Nunca pensei que uma garota fosse capaz de uma coisa dessa para se vingar, mas Caroline não é como outras pessoas. Ela ficou maluca.
 Mas...
 Eu disse entra! Vão chegar a qualquer minuto à sua casa e à de Meredith. O que você está fazendo na casa da Bonnie, aliás?
Bonnie e Matt se olharam.
 Humm, só vim dar uma olhada no carro da mãe de Bonnie  Matt respondeu. ― Ele pifou de novo e...
 Deixa pra lá! Venha comigo! Bonnie, o que está fazendo? Ligando para Meredith?
Bonnie saltou de leve.
 Sim.
 Diga adeus a ela, que a amamos e nos despedimos. Cuidem da cidade... Vamos manter contato...
Enquanto o Jaguar vermelho arrancava, Bonnie disse ao telefone:
 Você tinha razão. Ela sacou uma quadra de ases. Não sei se Damon vai... Ele não estava no carro ― ela ouviu por um momento e disse: ― Tudo bem, eu vou. A gente se vê.
Ela desligou e entrou em ação.


Querido Diário,
Hoje eu fugi de casa.
Acho que o que fiz não pode ser chamado de fuga, quando se tem quase 18 anos e leva seu próprio carro – e quando ninguém sabia que você estava em casa, antes de mais nada. Então vou dizer que esta noite peguei a estrada.
A outra coisa um tanto chocante é que fugi com dois caras diferentes. E nenhum deles é o meu cara.
Eu digo isso, mas... não consigo deixar de me lembrar das coisas. O olhar de Matt na clareira – eu sinceramente acho que ele estava disposto a morrer para me proteger. Não consigo deixar de pensar no que fomos um para o outro. Aqueles olhos azuis... Ah, não sei qual é o meu problema!
E Damon. Agora sei que existe um ser humano por baixo das camadas e mais camadas de pedra em que ele envolveu sua alma. Fica bem escondido no fundo, mas está ali. Para ser sincera comigo mesma, tenho que admitir que ele toca algo no fundo de mim que me faz tremer – uma parte de mim que nem eu compreendo.
Ah, Elena! Pare com isso agora! Não pode nem se aproximar dessa parte sombria de si, em especial agora, que você tem Poder. Você não se atreveria a chegar perto dela. Agora tudo é diferente. Você precisa ser mais responsável (algo em que você não é nada boa!).
E Meredith também não estará aqui para me ajudar a ser responsável. Como isso vai se resolver? Damon e Matt no mesmo carro? Em uma viagem juntos? Dá para imaginar? Esta noite, era tão tarde e Matt estava tão confuso com a situação que nem conseguiu apreender nada. E Damon só sorria com malícia. Mas amanhã ele estará em sua forma demoníaca, sei que estará.
Ainda acho que foi uma pena que Shinichi tenha tirado as Asas da Redenção de Damon junto com suas lembranças. Mas creio firmemente que, no fundo, há uma pequena parte de Damon que se lembra como ficou quando estávamos juntos. E agora ele tem de ser pior do que nunca para provar que tudo de que se recorda é mentira.
Então, enquanto estiver lendo isso, Damon – porque eu sei que você vai arrumar um jeito de pegar meu diário e xeretar – deixe-me dizer que você foi gentil por um tempo, na verdade foi BOM, e foi divertido. Nós conversamos. Até rimos juntos – das mesmas piadas. E você... Você foi gentil.
E agora vai dizer: Não, é só outra tramoia de Elena para me fazer pensar que posso mudar – mas eu sei para onde vou, e não me importo.” Isso não o lembra de nada, Damon? Disse mesmo essas palavras a alguém recentemente? E se não disse, como eu sei delas? Será que pelo menos uma vez estou dizendo a verdade?
Agora vou me esquecer de que você mancha totalmente sua honra ao ler coisas secretas que não pertencem a você.
O que mais?
Primeiro: sinto falta de Stefan.
Segundo: não fiz as malas para isso. Matt e eu passamos na pensão e ele pegou o dinheiro que Stefan deixou para mim enquanto eu pegava algumas roupas do armário – só Deus sabe o que eu peguei: camisetas de Bonnie e calças de Meredith, e nem uma camisola decente que fosse minha.
Mas pelo menos também peguei você, meu precioso amigo, um presente que Stefan guardava para mim. Eu jamais gostei de digitar num arquivo de nome “Diário”. Os livros em branco fazem mais o meu gênero.
Terceiro: sinto falta de Stefan. Sinto tanta falta dele que estou chorando enquanto escrevo sobre roupas. Parece que é por isso que estou chorando, o que me faz parecer insanamente superficial. Ah, às vezes eu só queria gritar.
Quarto: eu quero gritar agora. Pois só quando voltamos a Fell’s Church que descobrimos que horrores o malach deixou para nós. Tem uma quarta menina que acho que pode estar possuída como Tamra, Kristin e Ava – eu não sabia bem, então não podia fazer nada. Tenho a sensação de que ainda não ouvimos a última história de possessão.
Quinto: mas pior é o que aconteceu na casa dos Saitou.
Isobel está no hospital com infecções graves, por causa de todos aqueles piercings. Obaasan, como todos chamam a avó de Isobel, não estava morta, como os paramédicos pensaram. Ela estava em transe profundo – tentando falar conosco. Se parte da coragem que eu tive, parte da crença em mim mesma se devia a ela, é algo que nunca vou saber.
Mas no porão estava Jim Bryce. Ele tinha... Ah, não posso escrever isso. Ele era o capitão do time de basquete! Mas tinha devorado a si mesmo: toda a mão esquerda, a maior parte dos dedos da mão direita, os lábios. E ele meteu um lápis pelo ouvido até o cérebro. Dizem (ouvi isso de Tyrone Alpert, neto da médica) que se chama síndrome de Lesch-Nyhan (é assim mesmo que se escreve? Só ouvi o que disseram) e que é rara, mas que existem outros assim. É o que dizem os médicos. Eu digo que foi um malach que o obrigou a fazer isso. Mas eles não me deixariam tentar tirá-lo dele.
Não posso dizer se ele está vivo. Nem posso dizer se ele está morto. Ele vai para uma instituição onde internam os pacientes com problemas mais graves.
Nós fracassamos ali. Eu fracassei. Não foi culpa de Jim Bryce. Então ele ficou com Caroline apenas uma noite, e a partir dali passou o malach para a namorada Isobel e para a irmã mais nova, Tamra. Depois Caroline e a pequena Tamra passaram para as outras. Eles tentaram passar para Matt, mas ele não deixou.
Sexto: as três menininhas que definitivamente foram mais afetadas estavam sob as ordens de Misao, pelo que disse Shinichi. Elas disseram que não se lembram de nada sobre se enfeitar ou dar em cima de estranhos.
Não parecem se lembrar de nada da época de sua possessão, e agora agem como meninas muito diferentes. Gentis. Calmas. Se eu pensasse que Misao desistiria com tanta facilidade, cuidaria para que todas ficassem bem.
Pior é pensar em Caroline. Ela era uma amiga de vez em quando – bom, agora acho que ela precisa de mais ajuda do que nunca. Damon pegou os diários dela – ela mantinha outro diário, gravado em vídeo, e nós a vimos falar com o espelho... E vimos o espelho responder. Era principalmente a imagem dela que aparecia, mas às vezes, no início ou fim de uma sessão, era o rosto de Shinichi. Ele é bonito, embora meio desvairado. Posso entender como Caroline se apaixonou por ele e concordou em ser a portadora do malach para a cidade.
Tudo isso acabou: usei o que restava do Poder que sei que tenho para tirar o malach dessas meninas.
Caroline, é claro, não me deixou chegar perto dela. E houve aquelas palavras fatais de Caroline: Eu preciso de um marido!” Qualquer garota sabe o que isso significa. Qualquer garota lamenta por outra que diz isso, mesmo que não sejam amigas.
Caroline e Tyler Smallwood estavam juntos até umas duas semanas atrás. Meredith disse que Caroline o largou e que raptá-la para Klaus foi a vingança de Tyler. Mas se antes disso eles dormiram juntos sem usar nenhuma proteção (e Caroline é burra o bastante para fazer isso), ela certamente podia saber que estava grávida e procurava outro cara quando Shinichi apareceu. (O que foi pouco antes de eu... voltar à vida.) Agora ela está tentando culpar Matt. Foi pura falta de sorte ela ter dito que aconteceu na mesma noite em que o malach atacou Matt e que aquele velho vigilante do bairro viu Matt ir para casa e desmaiar ao volante como se estivesse bêbado ou drogado.
Ou talvez não fosse só falta de sorte. Talvez tudo fizesse parte do jogo de Misao.
Agora vou dormir. Ando pensando demais. Preocupada demais. E, ah, sinto falta de Stefan! Ele me ajudaria a lidar com as preocupações de seu jeito gentil mas sagaz.
Vou dormir dentro do carro com as portas trancadas.
Os meninos vão dormir lá fora. Pelo menos, é assim que vamos começar – por insistência deles. Pelo menos concordaram com isso.
Não acho que Shinichi e Misao ficarão longe de Fell’s Church por muito tempo. Não sei se eles vão deixar a cidade em paz por alguns dias, ou semanas, ou alguns meses, mas Misao vai se curar e um dia voltarão atrás de nós.
Isso quer dizer que Damon, Matt e eu – somos fugitivos de dois mundos. E não tenho ideia do que vai acontecer amanhã.
Elena.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!